25

Em C este operador é usado em variáveis do tipo ponteiros. Porém, em Python não sei qual a maneira, e qual o motivo para se usar. Porquanto, qual o significado do operador (*) na linguagem Python?

1
  • Este operador serve para multiplicação. 2/10/19 às 10:56
20

Assim como C, esse operador é usado para multiplicação. Ele pode até ser usado para multiplicar uma string por um número.

Em C o símbolo também é usado como operador para pegar o valor indicado por um ponteiro e serve também para declarar tipos que sejam ponteiros. Python não tem ponteiros (aparentes), portando nem há alternativa.

Python o usa como sintaxe especial, e não operador, em parâmetro para indicar que aquele parâmetro pode receber uma quantidade indefinida de argumentos. Isso é semelhante ao que o C usa para a função printf(), por exemplo (pode ser visto aqui).

Entenda a diferença entre parâmetro e argumento.

Note que só pode existir um único parâmetro declarado assim e ele precisa ser o último posicional declarado na função. Parâmetros nominais podem vir em qualquer ordem, inclusive os descritos abaixo.

Existe também o ** onde pode pegar os nomes dos argumentos (se for passado nominalmente) e com os nomes é possível pegar seus valores já que os nomes são organizados em um dicionário.

Exemplo:

def funcao(*parametros):
    for parametro in parametros:
        print(parametro)

def funcao2(**parametros):
    for parametro in parametros:
        print(parametro)

funcao(1, 2, 3, 4, 5)
print()
funcao2(a = 2, b = 3)

Veja funcionando no ideone. E no repl.it. Também coloquei no GitHub para referência futura.

13
  • 3
    Ele não precisa ser o último parâmetro declarado, mas o último em uma lista de positional arguments. Aliás, ele pode ser o primeiro parâmetro seguido de vários keyword arguments.
    – ppalacios
    3/11/16 às 18:10
  • @PabloPalácios é mesmo? Acho que é a única linguagem que aceita isso, é pedir para dar problema.
    – Maniero
    3/11/16 às 18:13
  • 1
    Não é não ;), aliás, te permite sobrescrever assinatura de métodos de maneira segura, sem que o usuário (do seu framework) se confunda com a assinatura sobrescrita e a assinatura original. Exemplos de assinaturas válidas em Python: (*args, **kw), (*args, a=100, **kw), (*, a=None), etc...
    – ppalacios
    3/11/16 às 18:21
  • Eu não vou conseguir achar agora, mas já li os argumentos que outras linguagens usaram para não permitir isso. Mas se funciona assim, ok, está anotado para quem for usar, o crédito é seu.
    – Maniero
    3/11/16 às 18:23
  • Aí você mostra para o Guido, não tenho nada a ver com essa história :p
    – ppalacios
    3/11/16 às 18:26
9

Splat

Falei disso numa outra questão sobre PHP. É um operador que supõe que você passará para o método ou atribuição uma lista de parâmetros.

Por exemplo:

def funcao1(a, b=None, c=None):
    print(a, b, c)

>>> funcao1([1, 2, 3])
[1, 2, 3] None None
>>> funcao1(*[1, 2, 3])
1 2 3

def funcao2(*a):
    print(a)

>>> funcao2([1, 2, 3])
([1, 2, 3],)
>>> funcao2(*[1, 2, 3])
(1, 2, 3)

Ou ainda:

>>> um, dois, *outros = [1, 2, 3, 4, 5]
>>> um
1
>>> dois
2
>>> outros
[3, 4, 5]

Nestes casos, como em outras linguagens, o argumento que define um splat deve ser sempre o último numa lista de argumentos de uma função ou numa lista de atribuições.

1
  • 3
    Deve ser o último em uma lista de positional arguments.
    – ppalacios
    3/11/16 às 18:16
4

O asterisco (*), em Python, possui várias funcionalidades. A primeira delas, e a mais comum na maioria das linguagens de programação, é realizar a multiplicação entre valores numéricos.

resultado = 3 * 2  
print(resultado) # Imprime o valor 6.

Além da multiplicação entre números, o asterisco pode ser usado também para multiplicar uma string — semelhantemente ao método de string repeat() em algumas linguagens — ou qualquer outro objeto que possua o método especial __mul__ implementado.

string = "bola" * 3
lista = [1, 2, 3] * 2
print(string) # Imprime a string "bolabolabola".
print(lista)  # Imprime a lista [1, 2, 3, 1, 2, 3]

A segunda função do asterisco é o desempacotamento de lista de argumentos — como listas, tuplas ou qualquer outro objeto que seja iterável — na chamada de funções, onde cada elemento será passado como argumento para os parâmetros da função.

def func(a, b):
    print(a + b)

values = [7, 3, 5]
func(*values) # É o mesmo que fazer func(values[0], values[1], values[2]).

A terceira função do asterisco é o inverso da anterior: definir, na assinatura de uma função, que um parâmetro pode receber uma quantidade ilimitada de valores como argumento. Nesse caso, os argumentos serão empacotados em uma tupla e passados para o parâmetro.

def func(*values)
    print(values) # Imprime a tupla (1, 2, 3, 4, 5)

func(1, 2, 3, 4, 5)

Um detalhe muito importante que devemos ter em mente é que qualquer parâmetro após *args será tratado como "keyword-only". Isso significa que eles só podem ser usados como "chave-valor", em vez de argumentos posicionais.

def func(*args, a, b): pass

func(1, 2, 3, a = 4, b = 5) # Funciona.
func(1, 2, 3, 4, 5)         # Não funciona pois é obrigatório nomear A e B.

Existe também o operador (**), formado por dois asteriscos. Este operador serve para realizar potências e definir na assinatura de uma função que um determinado parâmetro receberá keyword arguments (tradução: argumentos de palavra chave / argumentos nomeados).

Nesse caso, dentro da função, os valores serão armazenados dentro de um dicionário, e os nomes dos parâmetros que o usuário definiu na chamada da função serão as chaves do mesmo.

def func(**kwargs):
    print(kwargs) # Imprime o dicionário {"name": "Eduardo", "age": 32}

user_age = 2 ** 5 # O resultado disso será 2 elevado a 5 = 32
func(name = "Eduardo", age = user_age)

É importante salientar que o parâmetro declarado como KWARGS deverá ser sempre o último da função. O motivo disso é que, após a declaração do mesmo, não seria mais possível saber a qual parâmetro um determinado argumento pertence. Por isso, o código abaixo geraria um erro:

def func(a, b, **kwargs, c, d): pass

Abaixo estão todas maneiras de utilização do *args e **kwargs na função:

def func1(a, b, c, d, *args): pass

def func2(a, b, *args, c, d): pass

def func3(a, b, c, d, **kwargs): pass

def func4(a, b, c, d, *args, **kwargs): pass

def func5(a, b, *args, c, d, **kwargs): pass

Além disso, ainda na declaração de funções, é possível utilizar o asterisco para obrigar a nomeação de um ou mais argumentos na chamada da função, sem a necessidade de declarar *args.

Para fazer isso, o asterisco deve ser colocado separadamente, e todos os parâmetros nos quais você deseja que sejam "keyword-only" devem estar à direita do asterisco.

def func(a, b, *, c, d): pass

func(2, 3, c = 10, d = 25) # Funciona.
func(2, 3, 10, 25)         # Não funciona pois é obrigatório nomear C e D.
0
-4

Esse operador é utilizado em multiplicações.

Ex:

A = 5
B = 7 
C = A*B

Sua resposta

Ao clicar em “Publique sua resposta”, você concorda com os termos de serviço, política de privacidade e política de Cookies

Esta não é a resposta que você está procurando? Pesquise outras perguntas com a tag ou faça sua própria pergunta.