Respostas interessantes marcadas com a tag

205

Essa questão é complexa e envolve, ao meu ver, dois aspectos principais: O contexto cultural no qual a interação humano-computador está inserida. O contexto de utilização (erro, alerta informativo, etc) que fez necessária a exibição da mensagem ao usuário. Sobre o contexto cultural... Primeiramente, há de se considerar que existem diferenças culturais ...


69

Cuidado ao pedir desculpas em uma exceção Se desculpar por um erro não levaria um usuário a maioria dos usuários a pensar "nossa que legal, ele sabe que o erro foi dele"; uma mensagem de erro onde o sistema admite um erro passa a imagem de que erros são tão constantes que ele admite através da mensagem. Um cliente demasiadamente rigoroso poderia encarar ...


56

O bom humor é uma tendência que vem ganhando força nesses casos, principalmente na web. Lojas de e-commerce, por exemplo, utilizam mensagens como: Ops! Pelo jeito nossas promoções fizeram sucesso, estamos trabalhando para aumentar nossa nuvem de servidores, dentro de alguns instantes pressione F5 Agora, se o sistema necessita de algo mais formal, o ...


52

Os bancos se dão ao luxo de permitir que você use senhas fracas por dois motivos: Eles podem bloquear sua senha impunemente sem perder você como usuário. Não que isso seja ruim. Afinal, é o seu dinheiro que eles estão protegendo. Se o Google ou o Facebook bloqueassem sua senha toda vez que achassem que algo errado aconteceu com sua conta, provavelmente ...


48

UX é uma sigla que significa "Experiência do Usuário" (User Experience, no original em inglês). Ela se refere a um campo de estudo dentro da Interação Humano-Computador (IHC) que busca entender como ocorrem as percepções e respostas das pessoas ao utilizarem sistemas computacionais com a intenção de criar produtos que, além de fáceis, úteis e seguros, sejam ...


37

Vamos por partes: É permitido utilizar JavaScript para alterar o comportamento natural de um elemento para agir como outro? Sim. Javascript foi criado com o intuito de dar inteligência aos componentes das páginas. De certa forma, a imaginação (e as verificações de segurança do navegador) é o limite do que se pode fazer. Você pode fazer um botão se ...


32

TL;DR Realmente atrapalha ter muita informação? Por que? Em teoria sim. Porque a capacidade da atenção humana é limitada. O usuário pode não perceber o que deveria, e mesmo que o faça isso pode gerar esforço cognitivo demasiado para uma interação mais continuada. Existem estudos ou pelo menos informações consistentes que mostram que um realmente é melhor ...


30

Ao meu ver a pergunta já foi respondida com muitos pontos positivos e importantes na interação com o usuário. Acho importante a classificação do sistema e definição do público-alvo para poder medir as características do feedback ao usuário. Trata-se de uma questão de usabilidade Primeiro, considerando falha como um erro irrecuperável, diante desses ...


27

O @OnoSendai já respondeu muito bem, mas eu gostaria de complementar com algumas coisas que julgo importantes. 1 Deixa o usuário usá-la e apresenta uma mensagem de erro indicando que ele não pode fazer isto. Essa opção é potencialmente a pior para a experiência dos usuários. Se um usuário tentou uma interação, das duas uma: ou ele desejou fazê-la ou foi ...


27

Acredito que as respostas são boas, mas a resposta do @Stormwind sobre "uma mensagem de erro genérica" me deixou um pouco intrigado. Hoje em sistemas como o Google e a Microsoft é diferente do passado, agora primeiro pedem o login e só se estiver correto pedem a senha. Acredito que isto ocorra porque a senha não é tão relevante. Já existe autenticação em ...


26

Existem dois casos muito distintos ao meu ver: Exceções para o desenvolvedor Mensagens de erro para o usuário final Texto de Exceções Acho que uma exceção deve sempre ser o mais explicativa quanto for possível, de forma a indicar o que causou, e possivelmente como corrigir o problema em que o código tropeçou... dessa forma, o desenvolvimento e a ...


25

Em teoria, saber o padrão de nomes da cultura que a maioria dos usuários do seu sistema faz parte irá facilitar bastante as coisas, uma vez que o mesmo terá uma aparência mais próxima à que os mesmos estão acostumados. Mas isso também poderá apresentar desvantagens em diversos casos: Se você precisa centralizar os dados de usuários de vários locais (...


25

Modelagem Do ponto de vista de modelagem, essa escolha não parece trazer muita distinção. O espaço ocupado por um ou por outro (seja em memória, em atributos de um objeto, ou em uma tabela em um banco de dados) é praticamente o mesmo. E também não há vantagem alguma em se usar nome ou sobrenome individualmente como identificadores, dado que mesmo o nome ...


21

Eis uma pergunta bem difícil (mas, sabe como é, challenge accepted!). :) Inevitavelmente eu preciso começar com um pouco de teoria. Semiótica A disciplina que trata do significado de imagens e textos se chama Semiótica. Ela é amplamente estudada pelas Ciências Humanas (particularmente Letras, Comunicação e Filosofia) porque tem uma forte relação com a ...


21

Os sites do governo brasileiro são adaptados para pessoas com problemas de visão, e outros tópicos da acessibilidade. Aqui vai um guia de acessibilidade (eMAG) escrito pelo próprio órgão federal. Porém mesmo assim, os problemas vão além de uma adaptação para visão limitada. Inicialmente é interessante separar as personas e os problemas de acessibilidade ...


20

1) O que é Ergonomia? Ergonomia (ou "fatores humanos") é a disciplina científica relacionada ao entendimento das interações entre seres humanos e outros elementos de um sistema, e também é a profissão que aplica teoria, princípios, dados e métodos para projetar a fim de otimizar o bem-estar humano e o desempenho geral de um sistema. Os ergonomistas ...


20

UX é uma área do conhecimento que estuda a interação dos usários com o produto ou objeto seja ele um software ou dispositivo físico com o objetivo de facilitar seu uso. Em outras palavras a UX 'pensa' em como o usuário deve utilizar o objeto, como comunicar seus conceitos e funcionalidades através da interface sem a leitura prévia de um manual inteiro. ...


20

Não tenho grande fundamentação porque este tipo de coisa em específico não tem muita teoria fundamentada. UX é muita observação e experiência, usando a base de conhecimento adquirida para tomar decisões. E muitos especialistas em UX que tentam usar regras quebram a cara (alguns dirão que são charlatões) porque UX depende de entendimentos intangíveis. ...


18

Princípios de Usabilidade (também chamados de Heurísticas) são guias ou "conselhos de especialistas" a respeito de boas práticas no design de interfaces com o usuário. Eles advém de um método chamado Avaliação Heurística (proposto por Jakob Nielsen em 1990) e servem para dois propósitos: facilitar a escolha entre diferentes alternativas de design durante a ...


18

Talvez infelizmente, o erro é clássico. O Wikipedia o define assim: a resposta HTTP que indica que o cliente se comunicou com o servidor, mas o servidor não pode encontrar o que lhe foi requisitado seja por um link compartilhado errado por terceiros ou um link em sua própria página que não exista mais. A página deve redirecionar para outra página? A ...


18

Já existem algumas threads no Information Security, site da Stack Exchange específico sobre segurança da informação, que trata, mais ou menos, do mesmo assunto. Na verdade lá existe uma tag específica sobre esse tópico, user-enumeration. Em uma das perguntas realizada lá, é questionado se existe alguma razão específica e se é útil mostrar uma mensagem de ...


18

Devolvo a pergunta: que problema vê em considerar espaço em branco? Eu não vejo problemas técnicos. Talvez de UX. Mas aí é relativo, depende do público. O espaço é uma caractere como outro qualquer, não consigo ver porque ele deva ser tratado diferentemente de a ou 1 ou 個, menos ainda por causa da posição dele. A não ser que a senha seja usada em algum ...


17

Tecnicamente não há diferença Com ambas as abordagens é possível implementar compatibilidade com qualquer navegador, em qualquer versão. A diferença entre elas é como de uma abordagem top-down ou bottom-up, mas no fim você pode alcançar os mesmos resultados. A estratégia pode influenciar na mentalidade da equipe Por exemplo, a Graceful Degradation ("...


17

Eu estou fazendo a cadeira de IHM na faculdade nesse semestre e o professor abordou exatamente esse assunto. O professor explicou que o sistema precisa ser o mais intuitivo e de fácil entendimento possível. Logo, você pode usar tanto o ícone quanto o texto ou até mesmo os dois para o botão/opção/o que seja, mas precisa ter sempre em mente que o usuário não ...


16

Depende da filosofia de experiência de usuário desejada. Em geral, algumas regras são utilizadas como padrão[Citation Needed]: Função disponível: Quando a sua validação procedural precisa ser atômica e no final da ação (late validation). Objetos desabilitados: Quando o seu objetivo é demonstrar um soft block; O usuário se beneficia com o conhecimento que a ...


16

1)É permitido utilizar JavaScript para alterar o comportamento natural de um elemento para agir como outro? O javascript é uma linguagem que faz os sites se tornarem interativos e segundo a pagina JavaScript observada as regras de linguagem tudo é possível. 2)Qual é o impacto gerado por esta abordagem? Existe uma diferença de desempenho na renderização ...


16

Placeholders devem conter exemplos ou descrições? Sempre que possível devem conter exemplos e descrições, ambos, amigável e educadamente, na medida certa, que ajude o usuário a entender como preencher os campos. Usabilidade, essa é palavra. Já existe uma thread no User Experience, site da Stack Exchange específico sobre as experiências relacionadas ao ...


15

Vou fundamentar a minha resposta com base nessa imagem, tirada do seu bom exemplo de que o problema é mais comum do que pode parecer (achei melhor reproduzir a imagem aqui para facilitar aos leitores): Há algumas questões envolvidas ai, que realmente tornam essa interação confusa. 1. Ordem dos Botões de Ação Primeiramente, a ordem dos botões. Há quem diga ...


15

Não tem um padrão que podemos considerar como universal. Como todo aspecto de UX temos que analisar quem é o usuário, o que ele espera, porque um faz mais sentido que o outro, e isto inclui analisar a plataforma que estão usando, já que fazer algo diferente o que é "normal" será menos intuitivo. O guia da Microsoft diz que deve usar a segunda pessoa para ...


15

De acordo com Jakob Nielsen do Nielsen Norman Group existem três principais limites de tempo (que são determinados pelas habilidades de percepção humana) a serem lembrados ao otimizar o desempenho da Web e de aplicativos. 0,1 segundo é o limite para que o usuário sinta que o sistema está reagindo instantaneamente, o que significa que nenhum feedback ...


Apenas as respostas wiki não pertencentes à comunidade mais votadas e de um tamanho mínimo se qualificam