Respostas interessantes marcadas com a tag

49

A serialização significa salvar o estado atual dos objetos em arquivos em formato binário para o seu computador, sendo assim esse estado poderá ser recuperado posteriormente recriando o objeto em memória assim como ele estava no momento da sua serialização. Veja a ilustração: Fonte: State of the art - Nuances sobre serialização de objetos com herança ...


21

Serialização: O que é? Em ciência da computação, no contexto de armazenamento e transmissão de dados, a serialização é o processo de salvar ou transliterar um objeto em outro em um meio de armazenamento (como um arquivo de computador ou um buffer de memória) ou transmiti-lo por uma conexão de rede, seja em forma binária ou em formato de texto como o XML ...


16

Sim, é possível, o .NET fornece essa possibilidade através de reflexão. Mas não se preocupe, não tem que fazer nada demais, basta dizer o que deseja que seja serializável. Basta usar o atributo Serializable que o framework sabe o que tem que fazer. E se precisar que alguns membros não participem da serialização pode usar NonSerializable. É possível obter a ...


15

Primeiro alguns pontos, e ao final uma solução. Seu JSON é a representação de um objeto que possui uma propriedade, games, que por sua vez é uma coleção. Simplificado, ele pode ser expresso dessa maneira: { "games": []} Essa coleção é formada por objetos simples (uma relação de propriedades com valores primitivos): {"IdJogo": "","Titulo": "","...


14

Só complementando a resposta já dada pelo @CiganoMorrisonMendez. Algumas vezes simplesmente não é possível evitar a serialização: transmitir um objeto pela rede transmitir um objeto entre AppDomains se você quiser salvar um objeto em disco Em todos esses casos, uma referência ao objeto vivo, simplesmente não faz sentido.


14

¯\_(ツ)_/¯ Detecção e correção de erro (Error detection and correction) O que são e como funcionam os códigos corretores de erros ? Definição São técnicas que permitem a entrega de dados de modo mais confiável através dos canais de comunicação. Introdução Detecção e Correção, são termos que caminham juntos sendo impossível a aplicação do segundo sem a ...


12

Ela dá capacidade da classe produzir um formato em que os dados do objeto sejam usados de forma externa ao código, em geral ele é persistido em alguma forma de armazenamento temporário ou permanente ou é transmitido para outro recurso. Este formato pode ser texto ou binário em diversas variantes padrões ou proprietárias. É muito comum usar JSON ou XML. A ...


7

Caso não seja problema, você pode incluir um package no seu projeto para possibilitar a serialização de Clousures. Lembro que o Laravel 4 utiliza esse mesmo package para o mesmo problema: https://github.com/jeremeamia/super_closure Retirado do leia me do Super Closure: Have you ever seen this? Uncaught exception 'Exception' with message '...


7

Crie o objeto com os campos desejados tipo: struct ObjJogo { public string IdJogo { get; set; } public string Titulo { get; set; } public string DtaLancamento { get; set; } //-- e outros... } Depois pege a resposta em json e passe ela pelo código: JavaScriptSerializer js = new JavaScriptSerializer(); ObjJogo jsonData = js....


7

Adicionando a interface serializable será possível transformar o objeto num formato que poderá ser salvo num arquivo. Por exemplo, para utilizar um ObjectOutputStream e salvar um objeto num arquivo do disco será necessário implementar essa interface.


5

O serialVersionUID serve para rastrear a compatibilidade de versões serializadas das classes. Isso ocorre porque se você serializa uma instância de uma classe X e salva em um arquivo, e algum tempo depois altera a classe X e desserializa aquela instância, pode ser que os dados desserializados não sejam compatíveis com a nova versão da classe, uma vez que ...


4

Tente desta maneira public sealed class NFe { public infNFe infNFe; } public sealed class infNFe { private List<det> _dets; public det[] det { get { return _dets.toArray(); } //pegamos a variável privada que é uma lista e convertemos ela para array na hora de serializar (ou quando se acessa esta propriedade - det) set { ...


4

O primeiro foreach está tentando converter o string jsonR em um JValue usando o conversor implícito. Você termina com uma string JSON, e não com um objeto, o que é o que você precisa. Para ler usando o JSON.NET, você precisa primeiro fazer o parsing apropriado (i.e., de jsonR para um JObject). Depois você pode usar o método ToObject<T> para converter ...


4

Tente informar o alias via declaração da propriedade Name de DataMember: [DataContract, Serializable] public class XMLCM5050 : XmlApi { [DataMember(Name="$name")] public string name{ get; set; } [DataMember(Name="$age")] public string age{ get; set; } }


4

Fiz um esquema parecido com a resposta do Anderson. Porém ao invés de implementar o JsonSerializable na classe de data, eu faço para a coleção inteira. Assim: class CustomJsonSerialize implements JsonSerializable { protected $data; public function __construct(array $data) { $this->data = $data; } public function ...


4

Esse atributo não pode ser aplicado em propriedades. Para aplicar terá de transformar a auto propriedade numa com backing field e aplicar o atributo ao backing field. [NonSerialized] private Socket socket; public Socket Socket { get { return socket; } set { socket = value; } } C# 7.0 [NonSerialized] private ...


3

Nativamente, você pode utilizar a classe System.Web.Script.Serialization.JavaScriptSerializer. new JavaScriptSerializer().Serialize(obj); Serializa o objeto obj. new JavaScriptSerializer().Deserialize<T>(objStr); Faz o papel contrário, desserializando a string objStr para o tipo T.


3

A primeira maneira que me ocorre é adicionar um input escondido depois da verificação e antes do serialize ser chamado. if (mandatoryFieldsFilled($this)) { var inputEscondido = $('input[type=submit]').clone().attr('type', 'hidden'); $(this).append(inputEscondido); $.ajax({ type : "POST", url : "/components/...


3

Se a exceção que você define na DLL (a) não vai sair da "caixa preta do processo onde ela está rodando", então você não precisa se preocupar com serialização. Se você tem uma DLL (b) ou um EXE (c) que referenciam a DLL (a), e o código deles catch a exception, você ainda está na mesma caixa do processo, e a exceção é apenas mais um objeto em memória, que é ...


3

A classe já deve existir, com os métodos mágicos, essa é a única coisa que precisa, em geral. Imagina que tenha isto: class Teste { public $nome = ''; public function __destruct(){ echo 'Olá, ' . $this->nome; } } Se fizer isto: $id = unserialize($_GET['token']); Um usuário poderia fazer isso: pagina.php?token=O:5:"Teste":1:{s:...


3

Você pode controlar exatamente como será a serialização da sua classe para XML com a interface IXmlSerializable. Se você fizer a sua classe Pessoa implementar essa interface, você pode, no método WriteXml, escolher exatamente a forma que ela será emitida quando for serializada para XML. O código abaixo mostra um exemplo de implementação para o seu cenário. ...


3

Alterar em tempo de execução o retorno da própria classe DateTime acredito que não seja possível - até porque isso poderia gerar efeitos colaterais na aplicação. Uma solução trivial seria estender a classe DateTime para uma classe sua onde você define o comportamento desejado. Neste caso, quando a função json_encode recebe um objeto que implementa a ...


3

Basta você montar um novo objeto com a estrutura desejada para a serialização. var person = new Person { Name = "Leandro", GeneralText = "teste", Address = new Address { Street = "Visconde de Nácar", Neighborhood = "Centro" } }; var jsonResult = JsonConvert.SerializeObject(new { person.Name, person.GeneralText, ...


2

Para ignorar um atributo na serialização, usei a annotation org.codehaus.jackson.annotate.JsonIgnore da própria biblioteca Jackson. Ela deve ser colocada no atributo a ser ignorado conforme o seguinte exemplo: @JsonIgnore private MeuObjeto objeto;


2

Tentando responder de uma forma lógica. Eu tenho um principio que me ajuda a resolver alguns problemas. Neste caso seria assim: strings -> funções de strings, arrays -> funções de arrays A função serialize é usada para tornar possível preservar tipos de dados, quando pretendemos guardar esses dados seja em algum arquivo de texto ou na base de dados. Quando ...


2

Cara eu já vi problema parecido com o seu usando Jaxb sobre acentuação, o que eu indiquei para pessoa era passar os bytes e verificar qual charset estava sendo usado antes, e olha que ela setava na mão o UTF-8, antes de parsear a xml. Passei este classe util para a pessoa. E deu certo. public class CharsetUtil { public static Charset detectCharset(...


2

Acredito que você esteja trazendo conteúdo do SO para cá. Então é só fazer o que já foi respondido lá. A função serialize() não vai funcionar mesmo, ela não está preparada para isto. Há uma outra solução postada lá que deve ajudar melhor o que quer, é o uso de a biblioteca Super Closure que usa reflexão para alcançar o objetivo. Se quiser fazer algo por ...


2

Decora todas as propriedades da classe com o atributo [XmlElement(Order = 1)]


2

UTC é o horário padrão universal, o chamado GMT, é a hora zero, a hora que independe do local onde está. Esta informação do fuso horário não está disponível no tipo DateTime, portanto não pode ser obtida. Acho que fica pior vindo do cliente. Em geral você deve tratar a data como UTC. Eventualmente você pode converter para a hora local. Se guardar como hora ...


2

Diretamente com o XmlSerializer, você não conseguirá. Uma alternativa é tratar o XML com os métodos do XmlDocument após serializar com o XmlSerializer. //Instancia as classes Endereco e = new Endereco(); e.logradouro = "Avenida Brasil"; e.numero = "100"; Pessoa p = new Pessoa(); p.nome = "Julio"; p....


Apenas as respostas wiki não pertencentes à comunidade mais votadas e de um tamanho mínimo se qualificam