Respostas interessantes marcadas com a tag

9

Você pode especificar as colunas através dos argumento by, by.x e by.y (caso os nomes das variáveis sejam diferentes entre os data.frame). Dessa forma, merge(dados, dados_aux, by = c("CIDADE", "UF")) deve te dar o resultado esperado.


8

Há sim. Vá ao menu Tools -> Global options -> Restore .RData into workspace at startup.


7

Para isso eu costumo usar o pacote XML. Permite dizer qual a tabela da página web que interessa. Neste caso essa página tem várias. A terceira não tem nada de interesse, portanto extraí as números 1, 2, e 4. library(XML) URL <- "http://globoesporte.globo.com/futebol/brasileirao-serie-a/" tabela1 <- readHTMLTable(URL, which = 1) tabela1 tabela2 <-...


7

O seguinte serve? Primeiro traça-se um gráfico vazio, só para definir os limites nos eixos x e y. Depois vem o gráfico a sério. Note os argumentos axes = FALSE e add = TRUE no fim do boxplot. cores <- RColorBrewer::brewer.pal(10, "Dark2") plot(1, type = "n", xlim = c(0, ncol(dfMateriaisEstudo) + 1), ylim = range(dfMateriaisEstudo), ...


7

Esse é um ficheiro CSV standard mas algumas colunas precisam de processamento posterior. Tente o seguinte. str2num <- function(x){ x <- gsub(",", "", x) as.numeric(x) } URI <- "https://www.ishares.com/us/products/239600/ishares-msci-acwi-etf/1467271812596.ajax?fileType=csv&fileName=ACWI_holdings&dataType=fund&asOfDate=20141231" ...


6

A primeira coisa a fazer é obter um vetor de dias da semana abreviados. Para isso vou usar as funções Sys.Dat e weekdays. Depois ordeno e aplico a função inversa (outra vez order). # Hoje é segunda-feira, para começar no domingo tem que ser -1:5 y <- weekdays(Sys.Date() + -1:5, abbreviate = TRUE) DDA <- DataDeAcesso[order(order(y))] E é só adaptar o ...


6

Eu sugiro que você use o pacote dplyr para fazer este tipo de operação. Segue um exemplo de uso que resolveria o seu problema: library(dplyr) x <- mtcars %>% group_by(cyl, vs, am) %>% summarise( valor = sum(mpg), qtd = n() ) Dentro da função group_by você indica quais são as variáveis pelas quais você quer fazer as agregações (No ...


6

Há várias coisas erradas com o seu código. Em primeiro lugar, as seguintes duas instruções são equivalentes, uma vez que o argumento format é "%Y-%m-%d" por defeito: as.Date(base$DATE_END, "%Y-%m-%d") as.Date(base$DATE_END) Em segundo lugar, é melhor transformar toda a coluna DATE_END em classe Date uma única vez, logo no início do código, e depois usá-...


6

Supondo que o conjunto de dados se chama dados, rode o seguinte comando: write.csv(dados, file="NomeDoArquivo.csv", na=" ", row.names=FALSE, quote=FALSE) em que na=" " diz que todo NA em dados será substituído por um espaço em branco row.names=FALSE informa o R pra não colocar o nome das linhas no csv final quote=FALSE tira as aspas dos nomes das colunas ...


6

1ª Forma: Manual Eu normalmente obtenho o output do modelo de regressão que eu quero, transformo-o em um data frame, e para isso conto com a ajuda do pacote broom. Em seguida, utilizo as funções de formatação de tabela, como kable kableExtra::kableExtra. Exemplo "na mão" m1 <- lm(Sepal.Length ~ Sepal.Width + Species, data = iris) sm1 <- ...


6

Esta função compara coluna a coluna com identical e tem como saída um vetor lógico com os nomes das colunas do primeiro dataframe. Se um nome de coluna existir no primeiro df mas não no segundo, o valor é NA. comparar <- function(DF1, DF2){ inx <- match(names(DF1), names(DF2)) res <- sapply(inx, function(i) { if(is.na(i)) NA else ...


6

RNotebook usa R Markdown, que é uma extensão da linguagem de marcação Markdown com suporte para embutir blocos de código R. Ou seja, em qualquer caso, é o mesmo formato de arquivo, com a mesma sintaxe (pode inclusive escrever o arquivo em qualquer aplicativo de texto, assim como qualquer código R ou markdown). A diferença está na execução do código. O Knit ...


6

Para usar diferentes variáveis no ggplot, seus dados precisam estar em formato longo. Há várias opções para isso: dados <- read.table( "https://docs.google.com/uc?id=1IT-GAzi51JYvEs5_NpwYScqAu4rqklWB&export=download", header = TRUE) dados.l <- tidyr::pivot_longer(dados, cols = c("frameshift", "splice_acceptor", &...


5

O erro está dizendo o problema: as variáveis t e t2 possuem comprimentos diferentes da sua variável resposta. Veja o erro que aparece nesse código bem simples em que as variáveis possuem comprimentos diferentes. > y = 1:9 > x1 = 1:10 > x2 = 1:10 > lm(y ~ x1 + x2) Error in model.frame.default(formula = y ~ x1 + x2, drop.unused.levels = TRUE) : ...


5

Pelo resultado que você observou, vou assumir que você está usando uma versão em português do Excel do Windows. Geralmente, quando salvamos uma planilha do Excel do Windows em CSV, ele é salvo com ; como separador. Isso acontece principalmente em versões brasileiras (algumas europeias também) do Excel, pois nosso separador de decimais é a vírgula, e não o ...


5

Você pode alterar o a codificação da coluna toda de uma vez dados$Col_Nova <- iconv(dados$Col_Velha, to = "latin1//TRANSLIT", from = "UTF-8")


5

O operador lógico %in% é muito útil nessas situações para te evitar escrever diversas comparações com | (ou). Exemplo usando dplyr: library(dplyr) dados <- dados %>% filter(NOME %in% paste("LEITO", c(1001:1003))) dados NOME VALOR 1 LEITO 1001 10 2 LEITO 1002 20 3 LEITO 1003 30


5

Eu faria assim: library(stringr) library(dplyr) dados %>% filter(str_extract(NOME, "\\d{1,}") %in% 1001:1019) A função str_extract extrai um padrão de uma string usando regex. No caso, o padrão é: \\d{1,}, isto é, pelo menos 1 número inteiro.


5

Use a função summary(), I<-sample (c(0,1), 8, T) V<-I==1 Assim criei um vetor de TRUE FALSE > summary(V) Mode FALSE TRUE logical 6 2


5

A maneira mais fácil de resolver isto é com o pacote ggplot2. Mas antes é preciso colocar os dados no chamado formato longo, usando a função melt do pacote reshape2: library(reshape2) dados_estado_civil <- melt(dados_estado_civil) names(dados_estado_civil) <- c("Estado_Civil", "mes", "valor") dados_estado_civil Estado_Civil mes valor 1 ...


5

Crie um vetor com as 25 cores. cores=c('blue', 'red', 'pink', 'orange', 'gray', '#fb5772', '#d953bd', '#c26a31', '#919c75', '#d312b4', '#4549e5', '#6f95ef', '#f15050', '#54c2de', '#8f2e78', '#1412ef', '#9f8e03', '#e86255', '#6e2802', '#318f5d', '#9d0cee', '#95b631', '#376ab5', '#ed53c0', '#a76600') boxplot(a,b,c,d,e,...


5

Para tornar a análise mais organizada, você pode fazer o seguinte: 1) crie um data.frame com todas as suas variáveis. Mas, como cada vetor tem tamanhos diferentes, faça: library(qpcR) x<-qpcR:::cbind.na(a,b,c,d,e,f,g,h,i,j,k,l,m,n,o,p,q,r,s,t,u,v,x,z,w) e, após: dataset<-data.frame(x) 2) empilhe suas variáveis, de modo a criar grupos (ou factors). ...


5

Ao contrário do Linux e macOS, as distribuições de LaTeX para o Windows são um lixo. Quase sempre dá algum conflito e é muito difícil consertar sem acesso a um bom terminal, coisa que o Windows não tem. O que tenho sugerido nos últimos meses pra quem quer usar R e LaTeX no Windows é a instalação do pacote TinyTex. Sim, é um pacote pro R, mas ele instala uma ...


5

Nas funções write.table. write.csv e write.csv2, existe uma opção (na) onde você define como quer que sejam exportados os dados faltantes. Tente write.table(x, ..., na = "")


5

Aparentemente o teu código está correto. Rodei ele no meu PC (é um Mac, na verdade) e, a menos dos caracteres especiais (como em msicas, por exemplo), deu tudo certo: Isso me chamou a atenção sobre algum possível problema de character encoding. Note a seguinte linha na mensagem de erro que está no teu post: The file content/post/2018-09-12-hello-world.Rmd ...


5

Eu faria isso usando o pacote dplyr. Com o dplyr você vai combinando operações simples até atingir o resultado que você deseja: Primeiro, os bancos de dados: dados1 <- data.frame( ITEM = c(123,456,789,234,345,456,567,678), CLASSIFICACAO = c("AZUL", "AMARELO", NA, "VERDE", "PRETO", NA, NA, "ROSA"), stringsAsFactors = FALSE) dados2 <- data.frame( ...


5

A tua função tem um problema de lógica. Se v é nulo, está tudo certo: ela para. Mas se v não for nulo, ela vai continuar fazendo a recursão indefinidamente. Suponha, como no teu exemplo, que v <- c(1,2,3,5): v <- c(1, 2, 3, 5) v[-1] [1] 2 3 5 v[-1] é o vetor v sem o primeiro elemento. O segundo passo da tua função recursiva é eliminar o segundo ...


5

Como você não forneceu as faixas de categorização, estipulei-as subjetivamente para responder. A função recode, do package car, resolve o problema: library(car) dataset<-data.frame(Município=c(LETTERS[1:4]),IVS=c(0.488,0.253,0.158,0.685)) dataset$novavariavel<-recode(dataset$IVS, '0:0.2="Muito Baixa"; 0.21:0.35="Baixa"; 0.36:0.5="Alta"; 0.51:1="...


5

Com dplyr você pode fazer assim: library(dplyr) DADOS %>% group_by(GUIA) %>% filter(ORDEM == min(ORDEM)) %>% ungroup() # A tibble: 3 x 3 ORDEM GUIA COR <dbl> <fct> <fct> 1 1 111 AZUL 2 2 333 PRETO 3 1 555 ROSA


5

Ajuste o parâmetro oma (outer margin area) do seu gráfico. Por exemplo, library(corrplot) par(oma=c(0, 15, 15, 0)) corrplot(cor(mtcars)) par(oma=c(0, 0, 0, 0)) corrplot(cor(mtcars))


Apenas as respostas wiki não pertencentes à comunidade mais votadas e de um tamanho mínimo se qualificam