PL/SQL (acrónimo para a expressão inglesa Procedural Language/Structured Query Language) é uma extensão da linguagem padrão SQL para o SGBD Oracle da Oracle Corporation.

PL/SQL (acrónimo para a expressão inglesa Procedural Language/Structured Query Language) é uma extensão da linguagem padrão SQL para o SGBD Oracle da Oracle Corporation. É uma linguagem procedural da Oracle que estende a linguagem SQL.

PL/SQL é uma linguagem de programação baseada em opções monográficas de edição. Ela é composta por três camadas, definição, edição, e conclusão.

Estrutura Básica do PL/SQL

Com PL/SQL, você pode usar instruções SQL para manipular dados do Oracle e controle de fluxo para processar os dados. Além disso, você pode declarar constantes e variáveis, definir procedimentos e funções. Assim, PL/SQL combina o poder de manipulação dos dados de SQL com o poder de processamento de dados das linguagens procedurais.

As unidades básicas (procedimentos, funções e blocos anônimos) que compõem um programa PL/SQL são blocos lógicos, que podem conter qualquer número de sub-blocos aninhados. Tipicamente, cada bloco lógico corresponde a um problema ou subproblema a ser resolvido. Assim, PL/SQL suporta a "abordagem dividir para conquistar" para a resolução de problemas chamado refinamento passo a passo.

Um bloco (ou sub bloco) permite agrupar declarações logicamente relacionadas. Dessa forma, você pode colocar declarações perto de onde elas são usadas. As declarações são locais para o bloco e deixam de existir quando o bloco é concluído.

A unidade básica em PL/SQL é um bloco. Todos os programas em PL/SQL são compostos por blocos, que podem estar localizados uns dentro dos outros. Geralmente, cada bloco efetua uma ação lógica no programa. Um bloco tem basicamente a seguinte estrutura:

DECLARE

Seção para declaração de variáveis,tipos e subprogramas locais.

BEGIN

Seção Executável, nesta seção ficam as instruções procedimentais e SQL. Esta é a única seção do bloco que é indispensável e obrigatória.

EXCEPTION

Seção/Setor onde ficam as instruções de exceção. Ex: valor vazio, valor duplicado

END

A ordem das partes segue uma lógica. Primeiro vem a parte declarativa, em quais objetos podem ser declarados. Uma vez declarados, os objetos podem ser manipulados na parte executável. Exceções que surgem durante a execução podem ser tratadas na parte de tratamento de exceção.

Você pode aninhar sub blocos na parte executável e na de tratamento de exceções de um bloco PL/SQL ou subprograma, mas não na parte declarativa. Além disso, você pode definir subprogramas locais na parte declarativa de qualquer bloco. No entanto, você pode chamar subprogramas locais só a partir do bloco em que eles são definidos.


Mais Informações

histórico | histórico do fragmento