Respostas interessantes marcadas com a tag

17

Isso foi uma simplificação da resposta, C pode usar as duas formas. Em tese Go poderia também, não sei se o linker da linguagem é capaz hoje. A não ser que tenha algo na especificação da linguagem que impeça a linkagem dinâmica (que eu saiba não tem), nada impede que venha a ter. A estática é criar um executável monolítico, assim tudo o que você precisa já ...


16

Quais as principais características? Vou citar só o que é mais importante. Ela é uma linguagem de alto nível, muito mais que C, de forma semelhante ao C#, por exemplo. É compilada e gera executável nativo. Originalmente foi concebida para ser uma linguagem para desenvolvimento de sistemas e não tanto para aplicativos, mas isto não ocorreu de fato, então é ...


10

Linkagem estática significa que as bibliotecas necessárias ao funcionamento do programa são embutidas no próprio arquivo do executável. Quem faz isso é o linker, daí o nome. Na linkagem dinâmica as bibliotecas permanecem fora do executável, e são carregadas "dinamicamente", no momento da execução. Uma desvantagem da linkagem estática você já descobriu: o ...


9

Segundo a FAQ da linguagem, Go usa um coletor paralelo mark-and-sweep. O algoritmo básico é o mesmo usado no Java, porém em paralelo para melhor desempenho, consistindo em varrer o "grafo" de objetos e marcando os objetos que são referenciados de alguma forma com uma flag. Após percorrer todas as referências, os objetos que não estão marcados podem ser ...


6

O jeito mais fácil é converter com Itoa() para texto e pegar os caracteres com len(). Mas dá para fazer matematicamente também (módulo math). package main import ("fmt" "strconv" "math") func main() { t := strconv.Itoa(57890) fmt.Println("Tamanho matematicamente calculado:", math.Floor(math.Log10(math.Abs((57890)))) + 1) for i :=...


5

Na minha connect String faltava dizer qual Banco vou usar database=PWBT. Feito isto conectou numa boa! Sem esta informação o Select estava sendo feito no banco "master" padrão do SQL. Ficou assim: db, err := sql.Open("mssql", "server=pwbt.database.windows.net;user id=admin-jose;password=password;database=PWBT;port=1433")


5

O arredondamento se dá com a função math.Round(). Porém nem tente usá-la para resolver o problema que tem aí. O que deseja é exatidão e não precisão. Tipos de ponto flutuante binários não possuem exatidão, eles servem para cálculos aproximados apenas. Para valores monetários ou outros tipos de valores que precisam de exatidão o correto é usar o tipo Decimal....


4

Programas escritos em linguagem Go, apesar de compilados, vão ter os recursos requeridos pela especificação embutidos no executável gerado. A linguagem vai ser compilada assim como C, C++, Rust, etc, ou seja, diretamente para o código de máquina e não para um bytecode intermediário para ser executado por uma VM (que proveria GC por exemplo). A diferença com ...


4

A liguagem GO tem uma forma bem propria de tratar inicialização de módulos/packages. Existe uma descrição deste problema de inicialização em http://golang.org/doc/effective_go.html#initialization Para simplificar veja este exemplo mostrando a Execução implicita e explicita na Linguagem GO Fonte: main.go package main import ( "fmt" cmds "./commands" ...


4

Este é um problema que nenhuma linguagem que eu conheço conseguiu resolver por conta própria. Não há garantias da ordem de execução. Simples assim. O compilador até tenta fazer isto dentro de uma ordem que garanta que dependências sejam atendidas em sua plenitude mas não conte que tudo será feito corretamente, especialmente se houver dependências cíclicas. ...


4

A melhor definição que eu já ouvi sobre esse assunto foi a seguinte: Ponteiros servem para compartilhar. Normalmente essa dúvida se resume à uma questão de semântica. Por exemplo: Você cria um valor do tipo Calculadora. calc := NewCalculadora() Ok, você tem a sua calculadora (calc). Você pretende/precisa mutar/alterar os valores desse tipo? (autor ou ...


4

O primeiro par é usado para receber uma parâmetro que é tratado de forma especial. Isto é chamado method receiver. É uma forma muito semelhante a como as linguagens tratam métodos onde há um parâmetro implícito que é o objeto this, mas no caso de Go é recebido de forma explícita. Sendo separado fica mais fácil o compilador identificar a condição especial. ...


4

Não sei onde você pretende usar esse código, mas uma solução alternativa seria o uso de expressões regulares. package main import ( "fmt" "os" "regexp" ) func main() { s := "IiiiIiII a A NnNnN" matched, err := regexp.MatchString(`^(?i)i.*a.*n$`, s) if err != nil { fmt.Println(err) os.Exit(1) } fmt....


4

fazer projetos em Python onde, ao inicializar o mesmo eu guardo uma variável Destaquei a palavra variável. Não consigo imaginar porque tentou usar uma constante em Go se em Python usou uma variável, se quer fazer o mesmo então escreva um código compatível, não introduza uma outra semântica. Uma constante deve ser um valor que não mudará nunca. Um horário é ...


4

A declaração do método na interface conforme mostrada é uma sintaxe inválida, você precisa declarar toda a assinatura do método. E fazendo isso só poderá se conformar com a interface se implementar um método que seja exatamente igual ao da interface, não pode ter diferença. Go não tem isso. Ainda mais por não ter herança e assim covariância, no caso do tipo ...


3

Como eu também estou "brincando" com docker recentemente, resolvi fazer alguns testes. main.go package main import ( "fmt" "os" mgo "gopkg.in/mgo.v2" ) func main() { url := os.Getenv("MONGO_URL") fmt.Printf("[%v]\n", url) session, err := mgo.Dial(url) if err != nil { panic(err) } fmt.Println("ping", session....


3

Um slice é composto por 3 membros: o endereço onde ele deve começar, que deve ser dentro de um array na memória, ou seja, é um ponteiro o tamanho para ele saber onde termina, é um inteiro a capacidade da fatia que também é um inteiro. Se o slice não é feito em cima de um array, um será criado. Um erro comum é achar que ele já é um array. São coisas ...


3

Isso ocorre por conta de onde a variável está definida, quando você define: var Nome string Ela se torna global, acessível a tudo, portanto não apenas uma conexão. Fazendo: curl -X POST -d "nome=inkeliz" 127.0.0.1:8000/teste-post Retorna: Old Name: New Name: inkeliz Depois: curl -X POST -d "nome=x" 127.0.0.1:8000/teste-post Retorna: Old Name: ...


3

de fato há duas formas bem comuns, normalmente isso é feito através de uma view engine da sua linguagem, da qual usa uma sintaxe própria, é uma das funcionalidades que ela prove é justamente a realização de acesso de variáveis que são passadas do seu back-end para sua view e também pode ser realizada outras operações, no caso do Go, eu vejo as pessoas ...


3

Existem algumas possibilidades para trabalhar com requisições que exigem processamento pesado. Vou basear minha resposta supondo que você está utilizando nodejs como frontend server. Primeiro você terá que decidir se a requisição que exige processamento será síncrona (usuário espera resposta do servidor) ou assíncrona ( usuário envia a requisição e esquece ...


3

Como em outras linguagens, usando o math.Round: Round returns the nearest integer, rounding half away from zero. Dessa forma, vai truncar para o valor inteiro mais próximo, no seu caso 0.016666666666666666 vai ser 0. Após importar o math, só fazer: round := math.Round(diff.Hours()) Segue um exemplo rodando no Go Playground


2

Supondo que o projeto gocode ao qual se refere é este: https://github.com/nsf/gocode, basta rodar o comando: go get -u github.com/nsf/gocode Isso fará com que o pacote seja devidamente instalado e seu binário fique disponível na pasta $GOPATH\bin.


2

Não posso responder todas as perguntas... Existe alguma coisa pronta em relação a criptografia AES e RSA para a linguagem Go? Sim, na verdade muito mais do que apenas RSA e AES. Mas, sobre o AES ele também suporta AES-GCM, que é um AEAD, além de vários outros métodos de cifra de bloco. Em resumo veja isto e este aqui que é complementar. Este último ...


2

Para o primeiro caso use o método strconv.Itoa() para converter o valor numérico para string e o método len() para verificar o tamanho da mesma. Para a segunda situação, use rune(str)[position] no qual, position representa a posição da string passada como parâmetro. Lembrando que você disse posição 3, no entanto como o vetor inicia com 0, o retorno em ...


2

Pode ser evitado usando um _ antes do nome declarado: import (_ "fmt") for _ index, item := range retorno.Threads { fmt.Fprint(w, item.Id) } Coloquei no GitHub para referência futura.


2

Quando você executar o seu código go, o Windows vai te pedir permissão para que outros dispositivos na sua rede privada possam acessar essa porta (8080). Basta você permitir que ela ficará acessível. Na hora de acessar, ao invés de você utilizar o endereço localhost + porta, você terá de utilizar o endereço IP do se computador nessa rede mais a porta. Para ...


2

Uma forma muito simples seria adicionar 0 a esquerda até que haja dois números, você tem o fmt.Sprintf que pode fazer isso. Se for utilizar ficaria como: func (c Clock) String() string { return fmt.Sprintf("%02v:%02v", strconv.Itoa(c.hour), strconv.Itoa(c.minute)) } Mas, você neste caso não precisa do strconv, poderia utilizar: func (c Clock) String() ...


2

Em golang quando você cria uma constante ela é uma literal, um valor escalar que pode ou não ser nomeado. Em outras palavras, seu valor ou expressão fica diretamente definido em tempo de compilação como se tivéssemos escrito diretamente no código. Vejamos dois casos: No primeiro, escrevemos uma constante e depois duas variáveis e logo em seguida sua ...


2

Usando variadic functions: package main import "fmt" // Here's a function that will take an arbitrary number // of `int`s as arguments. func sum(nums ...int) { fmt.Print(nums, " ") total := 0 for _, num := range nums { total += num } fmt.Println(total) } func main() { ...


2

Infelizmente não é possível e vc tem que reiniciar o serviço, o que é relativamente rápido. Golang tem inúmeras outras vantagens e isso é apenas um detalhe. Se isso for um fator crítico, uma opção seria vc portar a sua aplicação para Google Cloud Platform AppEngine, que permite que vc roteie os requests entre versões do código deployed. Isso minimiza o ...


Apenas as respostas wiki não pertencentes à comunidade mais votadas e de um tamanho mínimo se qualificam