Respostas interessantes marcadas com a tag

9

Uma solução pode ser a seguinte. library(dplyr) DADOS %>% rowwise() %>% mutate(Soma = (A + B + C + D + E), Média = Soma/5, Mediana = median(c(A, B, C, D, E))) #Source: local data frame [4 x 9] #Groups: <by row> # ## A tibble: 4 x 9 # Linha A B C D E Soma Média Mediana # <fct> <int> <...


6

Um pouco da explicação está aqui. Reproduzindo os dados library(tidyverse) txt <- "Linha A B C D E L1 4 3 2 2 4 L2 1 11 1 1 1 L3 0 1 2 3 4 L4 2 0 0 8 0" DADOS <- as_tibble( read.table(text = txt, header = TRUE) ) E então basta usar o transpose() para aplicar a median() para cada linha. ...


6

Diferença entre wide e long Wide format No formato amplo (wide format), as respostas de um mesmo indivíduos estarão em uma única linha e cada resposta estará em uma coluna separada. Por exemplo, no seguinte conjunto de dados, cada condado foi medido em quatro pontos de tempo, uma vez a cada 10 anos, a partir de 1970. A variável de resultado é Jobs e ...


6

Eu sou fã de usar o pacote lubridate para resolver todo e qualquer problema com data. Veja abaixo como obtive facilmente o que te interessava com funções de nomes bastante intuitivos: library(lubridate) data <- dmy_hms("01/08/2018 06:02:44") data [1] "2018-08-01 06:02:44 UTC" date(data) [1] "2018-08-01" month(data) [1] 8 Para conhecer mais funções do ...


5

Uma alternativa que surgiu recentemente é usar o pacote rap: library(tidyverse) #> Warning: package 'tibble' was built under R version 3.5.2 library(rap) txt <- "Linha A B C D E L1 4 3 2 2 4 L2 1 11 1 1 1 L3 0 1 2 3 4 L4 2 0 0 8 0" DADOS <- as_tibble( read.table(text = txt, header = ...


5

Antes de mais nada, vamos criar um exemplo reprodutível. library(tidyverse) tabela <- data_frame(timestamp = Sys.time()) E então é possível resolver a primeira questão assim: tabela %>% mutate( coluna_sem_time = as.Date(timestamp) ) # A tibble: 1 x 2 timestamp coluna_sem_time <dttm> <date> 1 ...


5

Eu acho a função as.Date bastante ruim. Muitas vezes tenho problemas com ela e sei não exatamente como resolver. Por isso, sugiro usar o pacote lubridate para trabalhar com datas. Em vez de colocar formatos tipo "%d/%m/%y" para criar objetos de data, o pacote lubridate tem funções específicas e bastante intuitivas para fazer isso. Como as tuas datas estão ...


5

Ao importar o arquivo csv inclua o argumento stringAsFactors = FALSE, assim a sua coluna com as datas será lida como character. Depois é só aplicar o mutate como você está fazendo. Só note que como o ano das suas datas estão "completos", o argumento da função as.Date deve ser "%d/%m/%Y".


5

Colunas-lista ou list-columns são uma estrutura de dados que podem ser úteis em diversos momentos quando trabalhando com o tidyverse. Elas são usadas principalmente como estruturas intermediárias. Elas podem ser usadas no R-base mas você terá que usar a função I para prevenir que o base solte um erro. Exemplo: data.frame(idade = 1:5, nome = letters[1:5], ...


5

Uma forma de resolver este problema utilizando o R básico é através da função apply. utilizando o conjunto de dados fornecido pelo Tomás, temos o seguinte: txt <- "USUARIO jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez 1160 0 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 2505 1 1 1 1 1 0 1 0 1 1 1 0 3042 1 1 ...


5

Antes de mais nada, vamos reproduzir os dados: txt <- "USUARIO jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez 1160 0 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 2505 1 1 1 1 1 0 1 0 1 1 1 0 3042 1 1 1 0 0 0 1 1 1 1 1 0 3554 1 1 0 1 1 1 1 0 1 1 1 0 " ...


5

Você pode utilizar o tidyverse para fazer o que deseja. Primeiro, crio um exemplo reprodutível: set.seed(123) df_1 <- data.frame( cod = 1, qtde = sample(x = 1:4, size = 11, replace = TRUE), mes = c(1, 1, 2, 3, 3, 3, 4, 4, 5, 6, 6) ) Agora, a análise: library(tidyverse) df_1 %>% group_by(mes) %>% mutate(n = row_number()) %>% ...


4

Também uso bastante o pacote lubridate mas, nesse caso, ela não é necessária. Basta usar a função format() que já vem carregada no pacote base: tabela <- data.frame(timestamp = Sys.time()) # criar um data.frame com a data Para objetos em formato POSIXct, use format() e especifique o que será formatado na data. Por exemplo, format(x, "%Y") preservará ...


4

Você pode usar a mesma função subset() com o operador ! que significa uma negação. Mais informações aqui. dados = subset(dados, !(VALOR1==0&VALOR2==0&VALOR3==0&VALOR4==0))


4

O que quer dizer que uma tabela está em formato wide? E long? Um banco de dados em formato wide é aquele no qual as variáveis estão desempilhadas (uma separada da outra). Um banco de dados em formato long é aquele no qual as variáveis estão empilhadas (uma sobre a outra). A figura a seguir exemplifica isso: Note que, no formato wide, x e y são os nomes da ...


4

A função tail do R padrão seleciona as n últimas observações de um vetor. Por exemplo, tail(letters, 10) ## [1] "q" "r" "s" "t" "u" "v" "w" "x" "y" "z" seleciona as 10 últimas letras do alfabeto. Se tu combinar a função tail com names aplicado no data frame, é possível selecionar as três últimas colunas do data frame, não importando quais sejam elas. Veja ...


4

Aqui vão duas funções que calculam o segundo maior elemento em cada linha de uma tabela. A segunda função usa o conhecimento de qual é o valor máximo em cada linha para calcular o 2º maior. SegundoMaiorLinha <- function(DF){ m2 <- rep(-Inf, nrow(DF)) for(i in seq_len(nrow(DF))){ M <- max(DF[i, ], na.rm = TRUE) for(j in seq_len(ncol(DF)))...


4

Para substituir qualquer coluna com NA por 0, basta fazer: Dados[is.na(Dados)] <- 0


4

Existem várias maneiras para executar esta ação. Deixo aqui uma contribuição com exemplos utilizando comandos do R "base" e com auxílio de pacotes. Com comandos residentes no R: Como já mostrado por @CarlosEduardoLagosta, é interessante que um vetor seja previamente criado para que a operação seja mais fluida. Para criar os vetores, para este caso/...


4

O arquivo está preenchido de maneira incorreta na fonte. Até onde sei, vai ser impossível ler ele, desta maneira, dentro do R. Descobri isso ao rodar, no terminal, o comando cat 2019_Viagem.csv | awk -F";" '{print NF-1}' | head -7379 | tail -3 Indo por partes, o que este comando faz é o seguinte: cat 2019_Viagem.csv: imprime o conteúdo do arquivo ...


3

Se você tem uma lista, poderá fazer o seguinte: # Reprodução da lista for (i in 1:6) { assign(paste('var', i, sep = '_'), runif(30, 20, 100)) } dataset <- cbind.data.frame(mget(ls(pattern = '*var'))) cluster <- kmeans(dataset, centers = 3) dataset$kmeans <- as.factor(cluster[['cluster']]) mylist <- split(dataset, dataset$kmeans) ...


3

Você pode usar o mutate_all: Por exemplo: library(tidyverse) #> Warning: package 'tibble' was built under R version 3.5.2 mtcars <- as_tibble(mtcars) mtcars %>% mutate_all(as.character) #> # A tibble: 32 x 11 #> mpg cyl disp hp drat wt qsec vs am gear carb #> <chr> <chr> <chr> <chr> <...


3

O merge está duplicando as linhas pelo fato de que existem cargos e níveis diferentes entre as 2 bases de dados para a mesma pessoa. Por exemplo, em prof1, Fulano de Tal 1 possui CARGO P3G e em prof2 seu cargo é MS. Dito isso, você deve retirar essas duas variáveis do argumento by. merge(prof1, prof2, by = c("ID_SERVIDOR_PORTAL", "NOME", "CPF", "...


3

O R é uma linguagem que permite você fazer cálculos vetorizados, então basta: temp$t <- (temp$ano - 1997) +1 para que a conta seja aplicada a todas as linhas do seu data.frame.


3

A função seguinte filtra os dados por data, passada como argumento mes. Assume-se que o formato da data é ano-mês-dia, e portanto deverá ser passada uma data completa, mas pode ser outro formato qualquer, desde que seja também passado no argumento formato. library(lubridate) filtrarMes <- function(DF, mes, formato = "%Y-%m-%d"){ if(!grepl("%d", ...


3

O método mais rápido é usando data.table juntamente com o pacote matrixStats (pacote rap ainda está em desenvolvimento portanto não vou usá-lo mas suspeito que seja bem eficiente). Para efeitos comparativos, eu vou adicionar 200k linhas a DADOS: # carregar pacote library(data.table) DADOS <- read.table(text = " Linha A B C D E L1 4 3 ...


3

Usando o tidyverse, você primeiro precisa criar um data.frame intermediário agregando os valores de LUX e depois espalhar ele (spread()): library(tidyverse) dados %>% group_by(AVA, FAT1, FAT2) %>% summarise(LUX = sum(LUX)) %>% spread(FAT2, LUX) # Groups: AVA, FAT1 [16] AVA FAT1 Banana Gliricídia Ingá Pupunha ...


3

Por primeiro, você precisa criar uma variável identificadora: dados$id <- 1:nrow(dados) Em seguida, as variáveis que você quer que fique na linha precisam estar no lado esquerdo da formula, e na coluna do direito. Por fim, tu precisa falar qual função você quer agregar os dados. Neses caso, coloquei sum, que não fará nenhuma diferença, apenas irá manter ...


3

Aplicar funções em linhas é algo chatíssimo de fazer com dplyr. Eu prefiro transpor o data frame, resolver o problema nas colunas e depois organizar o resultado em um novo objeto: resultado <- DADOS %>% select(-LINHA) %>% # tirando LINHA pra poder aplicar as funcoes que interessam t() %>% # data frame transposto as.data.frame() %>% # ...


3

Uma forma mais rápida e simples de se fazer é via apply: cols <- c("LIQ_Jan2013","LIQ_Fev2013","LIQ_Mar2013","LIQ_Abr2013","LIQ_Mai2013","LIQ_Jun2013","LIQ_Jul2013","LIQ_Ago2013","LIQ_Set2013","LIQ_Out2013","LIQ_Nov2013","LIQ_Dez2013") teste$seg.max <- apply(teste[,cols], 1, FUN = function(x){sort(x, decreasing = T)[2]}) Comparando com as demais: ...


Apenas as respostas wiki não pertencentes à comunidade mais votadas e de um tamanho mínimo se qualificam