Respostas interessantes marcadas com a tag

29

Boas práticas Vou te dizer o que é mais importante sobre este assunto: inventaram uma praga na cabeça dos desenvolvedores chamada "boa prática". O mundo do desenvolvimento ficará muito melhor quando as pessoas pararem de falar nisso. Essa é uma forma de dizer "faz aí do jeito que eu estou falando e não discuta". O mesmo vale pra "má prática" que é um "...


10

Em relação a "É uma má prática ter atributos int(públicos),...." não vejo o porquê, quanto muito poder-se-á questionar se ter atributos públicos, em geral, é bom. O caso que apresenta nada tem haver com "boa prática" mas sim com "bom senso"/funcionalidade. Nesse exemplo, sendo final, não vejo problema em ser public, ele não pode ser modificado. No ...


9

Em geral, pouca. Em primeiro lugar o ENUM é usado como uma forma de normalização. Então usar um mecanismo semelhante pode ser útil. Se você tem uma lista de itens dados que podem ser escolhidos exclusivamente, pode ser altamente interessante ter na sua tabela apenas um código, um ID que identifique um deles. A descrição dele pode ser mudada em algum momento,...


8

Não há falha de segurança alguma permitir o acesso aos campos (não gosto do termo atributo para isto, ainda mais neste contexto). No máximo é uma quebra de encapsulamento, ou vazamento de abstração, mesmo assim depende do caso. Se só tem o campo privado, tudo normal, nenhum problema, pode fazer à vontade. O problema começa ficar mais complicado quando tem ...


7

Você já viu nas outras respostas o que é um atributo. Eles podem ser usados em: Assembly, Module, Class, Struct, Enum, Constructor, Method, Property, Field, Event, Interface, Parameter, Delegate, Um exemplo de uso em parâmetros. void metodo([nonnull] string texto) Usando em assembly: [assembly: Help("this a do-nothing assembly")] Como nota-...


7

Este é o nome correto. Atributos, ou então no inglês, Attributes. Atributos tem várias funções: Definir informações sobre a classe, propriedade ou método, que serão usadas em tempo de execução; Adicionar comportamentos funcionais à classe, propriedade ou método; Definir agrupamentos ou segregações. Aqui há uma introdução a Attributes (em inglês).


7

Apesar de sua pergunta não estar clara o suficiente, acredito que seja isso que você quer: SELECT nome AS 'Nome do Cliente', endereço AS 'Endereco do Cliente' FROM clientes O AS faz com que mude o nome da coluna exibido no SELECT, mas não confunda, ele só muda o nome na exibição do select, ele não altera a tabela. Veja funcionando n SQLFiddle.


6

Tens de adicionar um auscultador de eventos para saberes quando é clicado ou não. E depois podes usar a propriedade .required do elemento ou setar diretamente no HTML com setAttribute. Exemplo: var activeBtn = document.getElementById('btn-ativa'); var ordenadorBanners = document.getElementById('ordem-banner'); activeBtn.addEventListener('change', ...


6

Estas são atributos, não são parâmetros. Isto faz parte do C#. O atributo é apenas uma informação, chamado de metadados. Ele sozinho não faz nada. Precisa existir um mecanismo no código que o leia e faça alguma coisa. OS que está vendo não deixam de ser personalizados. Foi o ASP.Net MVC que os criou. Neste caso eles são chamados de action filters. Você ...


6

Resumidamente eu definiria da seguinte forma: projeto de classes mal feito :), o argumento do construtor de Menu deveria ser também tipado, já que BdApp é um raw type, além de que poderia ser uma referência para IDAO, não BdApp. Por que ele não instanciou logo fazendo dessa forma: private BdApp<Contato> bd = new BdApp<Contato>();? Da forma ...


6

Se a classe não fosse parametrizada ficaria assim mesmo. O ideal é que o tipo do parâmetro do método construtor seja do mesmo tipo do membro que ele inicializará, ou seja, ele deveria ser parametrizado também. Normalmente deixa-se de inicializar no membro quando a inicialização deverá acontecer no construtor, que é justamente o que foi feito. Não tem ...


6

Atualização 2 Caso não queira fazer o uso de biblioteca, você pode usar a classe Compiler ( Obs.: Não confundir com $compile do AngularJS ) Arquivo app.component.ts import { Compiler, Component, Injector, NgModule, NgModuleRef, ViewChild, ViewContainerRef } from "@angular/core"; @Component({ selector: 'my-app', templateUrl: './app.component.html', ...


5

TL;DR Os elementos HTML têm atributos. Quando representamos esses em JavaScript obtemos objetos com propriedades. .setAttribute muda no HTML, é mais lento e cego .prop muda diretamente no objeto do DOM, mais rápido Partindo deste HTML: <input type="text" value="Escreve o teu nome" /> Se eu escrever o meu nome nesse input, e fôr buscar o seu valor ...


5

Concorrência Se esta classe pode ser instanciada por mais de uma thread, declare o contador como AtomicInteger para garantir a sua integridade. Exemplo: private static AtomicInteger contador = new AtomicInteger(0); E, para incrementar: this.indice = contador.incrementAndGet(); Quanto a usar atributo int ou Integer Use o int quando quiser o valor ...


5

Antes de qualquer coisa, você falou em segurança. Segurança não é a intenção de escolher usar variáveis privadas. A intenção é proteger-se contra vícios de programação (especialmente o acoplamento) que levam a uma degradação da qualidade do código. Dito isso, não é uma prática boa ou ruim usar getVariavel em vez de this.variavel dentro da própria classe ...


5

Você poderia usar o .attr assim: if($('#img').attr('src') != ""){ } Dessa forma ele vai verificar se o atributo src do seu elemento imagem não está vazio e se não estiver o if será true, caso contrário pode colocar um else.


4

Em coisas simples, internas (ninguém fora da sua equipe ou você mesmo vai usar seu código) não precisa usar mesmo. Você tem controle total sobre o uso e se aquilo foi usado, você consegue rapidamente com ajuda do IDE, e quem sabe algum plugin, mudar tudo que usa o que foi deprecado. Em códigos que são usados extensivamente e/ou é disponibilizado para ...


3

O método parseDouble é o mais usado para fazer esse tipo de conversão. public class ConvertStringToDouble { public static void main(String[] args) { String aString = "700"; double aDouble = Double.parseDouble(aString); System.out.println(aDouble); } } Você pode também fazer o CAST para converter para o seu tipo. double aDouble = (Double)...


3

contenteditable="false" pelos vistos não funciona em input, faça assim (readonly) <input type="email" name="email-empresa" id="email-empresa" placeholder="ex: seuemail@domínio.com" class="txt-input" readonly value="seuemail@teste.com"> Assim ainda pode posicionar o cursor lá, mas caso não queira pode sempre colocar disable: <input ...


3

Não há uma forma de fazer isto. A única solução viável é mudar a informação. Pelo exemplo mostrado dá para usar uma string simples. Se tem apenas um caractere, cada um será um elemento, se cada um puder ter mais caracteres, providencie um separador para cada substring. Claro, tem que tratar essa string adequadamente para pegar as partes. Os detalhes podem ...


3

No windows podes fazer assim: import ctypes FILE_ATTRIBUTE_HIDDEN = 0x02 ret = ctypes.windll.kernel32.SetFileAttributesW('CAMINHO/PARA/FICHEIRO.txt', FILE_ATTRIBUTE_HIDDEN) if ret: print 'Ficheiro definido para oculto' else: # se retornar algum erro raise ctypes.WinError() Resposta retirada daqui. ...


3

Quando o jQuery não encontra nenhum elemento, vem um objeto arraylike vazio. Isso não é considerado logicamente falso pelo javascript, então o código que você postou é equivalente a: if (true) { } O que você pode fazer, é dar uma olhada na propriedade length do retorno do jQuery. Se você não obteve nenhum elemento, o length vai ser zero. Aí você pode ...


3

Veja se resolve: $('.carousel-indicators li').data('slide-to'); $('.carousel-indicators').data('target'); Colocando data da forma que você colocou no HTML, funciona.


3

Quando você compara alguma coisa precisa usar == ou === (comparação strict). O = é para atribuir valor à alguma variável.


3

Dois problemas: o .data() já te dá uma String, não precisas (nem deves) usar o .val() comparação deve ser feita com == ou ===, usar só = é uma atribuição. Solução: if($('.carousel-indicators li.active').data('slide-to') == 0){ console.log('Teste'); };


3

O GUID é uma forma de criar um identificador (uma identidade) único estável (não vai mudar) para algum objeto de forma a não depender de nenhum mecanismo central que garanta a unicidade em mecanismos independentes. Este objeto deve ser único globalmente até mesmo se este objeto seja usado em máquinas diferentes que não "se conhecem". Pensa em um domínio de ...


3

Nesse seu pode fazer como quiser, mas se for usar o AuthorizationFilterAttribute que é o padrão do framework, aí não tem como colocar argumentos. Você pode criar o seu herdando o AuthorizationFilterAttribute, aí pode acrescer um construtor com o parâmetro que deseja. Mas o framework não respeitará isso, será necessário criar a lógica de controle, talvez ...


3

Antes de entender os atributos booleanos em HTML é fundamental entender como funciona a lógica booleana. Dentro da lógica booleana pode-se classificar coisas ou fenômenos como verdadeiro ou falso. Um exemplo: Jonas Souza é do sexo masculino? Resposta: Verdadeiro O número 8 é maior que o número 5? Resposta: Verdadeiro O Brasil é um país localizado no ...


2

[Obsolete("Não utilizar esse método.")] public void Metodo(); [Serializable] public class Classe(); [WebMethod] public static void Listar(); Esses nomes entre chaves acima de cada nome de método ou declaração de classe são os atributos e servem para identificar e classificar classes e seus campos segundo alguns critérios, atribuindo-lhes propriedades ...


2

Existem dois problemas no teu código. Um deles é a dúvida que tens sobre como se usar o jQuery para pegar/escrever no data-. O outro problema é talvez a razão de não teres conseguido o resultado quando testas-te com o data-. O teu HTML é <div class="box_campo"> <input type="text" data-campo="0"> <ul> <li>apenas ...


Apenas as respostas wiki não pertencentes à comunidade mais votadas e de um tamanho mínimo se qualificam