11

Problema e Mistério:


StringBuffer y = new StringBuffer("Eduardo");

Estou usando um StringBuffer, pois preciso acrescentar alguns valores depois a ela. Estava fazendo debug e observei que existem um espaços em branco no final. Observe a imagem:

Espaços no StringBuffer Imagem 1: Espaços adicionais no StringBuffer.


O mesmo acontece quando uso o StringBuilder, alguém saber por que esses espaços são incrementados?

Existem alguns aspectos entre StringBuilder e StringBuffer. Como usar o Builder quando não envolve Thread. Acredito não ter invertido.

14

Os espaços em branco são para aprimorar a performance na hora de concatenar as Strings. Por isso que é um "buffer".

Por exemplo: se vc concatena duas Strings assim: "abc" + "def", o Java vai criar, além desses dois objetos String, um terceiro objeto contendo o resultado "abcdef". No entanto, ao usar o buffer, o Java vai jogar os chars 'd', 'e' e 'f' dentro dos espaços vazios do buffer e atualizar aquele 'count' da sua figura para refletir o novo tamanho do conjunto. Isso é uma operação muito mais rápida.

Caso os espaços em branco não sejam suficientes, o Java vai aumentar automaticamente o tamanho do buffer para você.

Tamanho esse que, aliás, você pode configurar no construtor. Isso é bom porque custa um pouco (em termos de performance) para o Java redimensionar o buffer.

  • 1
    Lógico que, no meu exemplo, a operação não é "muito mais rápida", pois fiz uma concatenação trivial de duas strings. Agora tente isso num loop grande o bastante e você vai sentir a diferença. – André 27/02/14 às 22:25
13

A hierarquia

As classes java.lang.StringBuffer e java.lang.StringBuilder possuem exatamente a mesma interface estendem java.lang.AbstractStringBuilder, que possui dois atributos principais:

char value[];
int count;

Ali são armazenados os caracteres e o tamanho real do mesmo.

Sobre o Buffer

String é um tipo que armazena um conjunto de caracteres. Ela é imutável, isto é, não pode ter o conteúdo modificado, assim como seu tamanho.

O problema com isso é que para criar novas Strings, por exemplo, através da concatenação de duas ou mais Strings, uma nova String como o tamanho total delas deve ser criada em memória. Se várias dessas operações forem executadas em sequência, a JVM precisará alocar novos blocos de memória e executar o Garbage Collector para desalocar o que não é usado a todo momento. Isso é muito "custoso" em termos de desempenho.

O StringBuffer surge para resolver o problema. Um StringBuffer nada mais é do que uma String com um Buffer, isto é, um espaço reservado para novos caracteres que pode ser modificado e torna desnecessário, até certo ponto, alocar mais memória a todo momento.

O buffer é simplesmente um vetor de caracteres maior do que o conteúdo real. Por exemplo, o buffer pode ter 1000 posições e a String real apenas 500. Isso é controlado pelo atributo count. Neste exemplo, poderíamos adicionar ainda mais 500 caracteres sem degradar o desempenho do programa.

O tamanho inicial

Em muitas situações é importante definir o tamanho inicial do buffer com um tamanho médio do que se pretende usar.

Ao fazer new StringBuffer() ou new StringBuilder(), isto é, sem definir um tamanho inicial, estamos subutilizando a classe. A capacidade inicial do buffer é de apenas 16 caracteres.

Isso significa que, se adicionarmos mais de 16 caracteres, um novo buffer terá que ser alocado.

Aumentando o tamanho

Ao estourar a capacidade do buffer o próximo será criado com o dobro do tamanho. Veja o cálculo da nova capacidade do buffer no método expandCapacity da classe AbstractStringBuilder:

void expandCapacity(int minimumCapacity) {
    int newCapacity = (value.length + 1) * 2;
    if (newCapacity < 0) {
        newCapacity = Integer.MAX_VALUE;
    } else if (minimumCapacity > newCapacity) {
        newCapacity = minimumCapacity;
    }
    value = Arrays.copyOf(value, newCapacity);
}

StringBuffer ou StringBuilder?

Esta é uma dúvida comum. Olhe o Javadoc (links estão no início da resposta) e note que ambas tem exatamente a mesma interface, isto é, os mesmos métodos e assinaturas de métodos.

Qual a diferença? Vamos analisar um método básico nas duas versões, o append(String).

A versão no StringBuilder é:

public StringBuilder append(String str) {
    super.append(str);
    return this;
}

E a versão no StringBuffer é:

public synchronized StringBuffer append(String str) {
    super.append(str);
    return this;
}

Notou a diferença? É o synchronized!

Dizemos que a classe StringBuffer é sincronizada, enquanto a classe StringBuilder não é sincronizada.

Sincronizado vs. Não Sincronizado

Quais as vantagens e desvantagens em ser ou não sincronizado?

Quando uma classe é sincronizada, ela é mais própria para trabalhar em ambientes com várias threads, por exemplo, num servidor de aplicação que atende a vários usuários ao mesmo tempo. Imagine várias threads escrevendo um log em memória, por exemplo.

Nesse caso, somente uma thread por vez pode adicionar conteúdo ao StringBuffer. O problema é que isso gera também bloqueios indesejados na execução, pois nem sempre estamos modificando a classe.

Se várias threads querem apenas ler alguma informação da classe, então a sincronização está atrasando eles sem motivo. Só para citar um exemplo, a classe StringBuffer tem o método de busca indexOf sincronizado.

Já quando uma classe não é sincronizada, ela não é adequada para ser usada concorrentemente por mais de uma thread, porém ela obtém o máximo de aproveitamento para ser modificada por uma única thread e também para ser usada no modo de leitura por várias threads.

Como regra geral, se o objeto será usado apenas no escopo de um método, não sendo compartilhado, opta-se sempre pelo StringBuilder, que foi criado justamente com esse propósito.

Já se o objeto for compartilhado de alguma forma com outras classes e for possível que alguém o use em múltiplas threadas, o StringBuffer é mais adequado.

Esse raciocínio de aplica a diversas outras classes da JVM. Veja por exemplo, as classes Hashtable (sincronizada), HashMap (não sincronizada) e ConcurrentHashMap (sincronizada apenas para alteração, mas não para leitura).

Por isso, é evidente a importância de conhecer bem as APIs da linguagem antes de sair usando sempre as mesmas soluções indiscriminadamente.


Para maiores detalhes, ver minha outra resposta aqui no SO.

6

Isso tem relação com os tamanhos padrão e a forma como o buffer interno é incrementado, tanto para o StringBuffer quanto para o StringBuilder.

Você consegue ver isso porque está inspecionando o campo value do objeto, onde a string é construida e armazenada. Repare, de qualquer forma, que o tamanho real da sua string é mantido no campo count.

5

Apenas para acrescentar, se olha na classe StringBuilder está assim:

/**
 * Constructs a string builder that contains the same characters
 * as the specified <code>CharSequence</code>. The initial capacity of
 * the string builder is <code>16</code> plus the length of the
 * <code>CharSequence</code> argument.
 *
 * @param      seq   the sequence to copy.
 * @throws    NullPointerException if <code>seq</code> is <code>null</code>
 */
public StringBuilder(CharSequence seq) {
    this(seq.length() + 16);
    append(seq);
}

public StringBuilder append(Object obj) {
    return append(String.valueOf(obj));
}

public StringBuilder append(String str) {
    super.append(str);
    return this;
}

Repare que no construtor ele deixa 16 caracteres em branco inicialmente, exatamente a quantidade de espaços em branco que está depois do Eduardo, no seu exemplo. Esse é o tamanho que é deixado como buffer por padrão, mas como dito em outra resposta você pode passar o tamanho inicial no StringBuffer ou StringBuilder.

Esse espaço sobrando faz que o tamanho não necessariamente fique mudando a cada inserção de valores no seu objeto, e ao mesmo tempo não tem um sobra tão grande assim ao ponto de consumir um espaço significativo de memória.

Sua resposta

By clicking “Publique sua resposta”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Esta não é a resposta que você está procurando? Pesquise outras perguntas com a tag ou faça sua própria pergunta.