5

Estou com uma dúvida em relação ao operador +.

Nesta resposta sobre o operador, foi dito o seguinte:

O + também pode fazer o papel de um operador binário. Nesse caso, opera sobre dois valores. Nesse sentido, o + pode ter duas funções diferentes, a depender do tipo dos dois operandos:

  • Realizar a soma de dois valores (adição); ou:
  • Realizar a concatenação de duas strings.

...

  • Primeiro, o operador converte os dois operandos a valores primitivos. Após isso, irá seguir a um dos dois modos:
    1. Modo string: Se qualquer um dos dois operandos for uma string, o outro operando será convertido ao tipo string correspondente. Os dois valores serão posteriormente concatenados e retornados como string.
    2. Modo numérico: Caso contrário (nenhum dos operandos é string), converterá ambos os operadores ao tipo number. Os dois valores serão posteriormente somados e retornados como número.

Eu percebi alguns comportamentos. O operador + "parece" que invoca a função valueOf sempre que esta está presente dentro de um objeto. Vejam abaixo:

function User() {
  return {
    valueOf: () => 'Brendam'
  }
}

const result = new User() + new User()

console.log(result)

Como visto acima, o + fez algo a mais do que eu esperava. Mas não acabou por ai. O mesmo comportamento acontece se tentarmos usar este operado para converter um objeto literal que tenha o mesmo método, porém que retorne um número. Se o mesmo retornar uma string, recebemos NaN como resultado:

let obj = {
  valueOf: function() {
    return 'Brendam'
  }
}

let obj2 = {
  valueOf: function() {
    return 10;
  }
};

console.log(+obj)  // NaN
console.log(+obj2) // 10

Confesso que fiquei muito confuso com o uso deste operador:

  • Por que + invoca o valueOf? Qual a relação entre eles?
  • Só este operador faz isso? Ou o mesmo comportamento se repete para algum outro operador?
3
  • 2
    coisas bizarras do javascript, não consigo imagiar new User() + new User() em java, c, c++ ou c# por exemplo :D – Ricardo Pontual 27/05 às 0:32
  • 2
    @RicardoPontual seria tão simples se lançasse só uma exceçãozinha... – Cmte Cardeal 27/05 às 0:38
  • 1
    pois é, o javascript engana a gente, não da erro em muitas situações, mas retorna algo difícil de entender – Ricardo Pontual 27/05 às 0:43

1 Resposta 1

5

Esse é um comportamento que se deve à natureza de coerções típicas do JavaScript. É uma linguagem que historicamente se baseia na conversão automática de tipos, então existem vários mecanismos para que isso seja feito.

No caso do + (tanto binário quanto unário) e a maioria dos outros operadores que realizam a conversão ao tipo esperado, há uma série de etapas a serem tomadas para que o runtime decida como converter ao valor adequado.

Abaixo exploraremos como funciona a conversão de objetos a um primitivo esperado. No caso desta resposta, o resultado esperado é number, mas pode variar a depender do operador que se utiliza.

No final das contas, as etapas são muito similares. Basta seguir o algoritmo descrito na spec.

Por que + invoca o valueOf? Qual a relação entre eles?

Por que é design da linguagem.

  • No caso do unário +, a especificação (entre as muitas etapas listadas) aplica a operação abstrata ToNumber que, em caso de objetos (isto é, valores nos quais o valueOf é levado em conta), chama ToPrimitive, que chama OrdinaryToPrimitive, que, por fim, chama o método valueOf em objetos.

  • No caso do binário +, que opera no "modo string" ou "modo numérico", pode ocorrer isto:

    1. No modo string, chama-se a operação abstrata ToString aos operandos. Seguindo para objetos, invoca-se ToPrimitive que, como já vimos acima, invocará OrdinaryToPrimitive.
    2. No modo numérico, chama-se a operação abstrata ToNumeric, de modo que ocorrem etapas similares ao que ocorreu no unário, só que para os dois argumentos.

Note, no algoritmo de OrdinaryToPrimitive, que ele primeiro tenta invocar valueOf e, se não disponível, possui fallback ao toString. Isso já explica o comportamento demonstrado na pergunta.

É algo muito sutil e pouco usado (muita gente nem sabe que o valueOf existe), por isso não se vê muito sobre isso.

Eu não esperaria alguém (com exceção, talvez, de criadores de bibliotecas) utilizando esse mecanismo para desenvolver código no dia a dia. É algo extremamente obscuro.

E claro, o JavaScript tinha que complicar mais um pouco. Na maioria das conversões de tipos, se houver um método definido por @@toPrimitive (isso é um well known symbol) no objeto ao qual deseja se realizar a conversão, este será utilizado. Basicamente, antes de se invocar a operação abstrata OrdinaryToPrimitive, a implementação tenta chamar o método definido por esse well known symbol. No caso dele ser undefined, utiliza-se OrdinaryToPrimitive como fallback.

Para entender, pense no @@toPrimitive como uma operação de conversão não ordinária. No caso dele não existir, utiliza-se a conversão ordinária.


Só o operador + faz isso? Ou o mesmo se repete para algum outro?

Esse comportamento não é exclusivo do +.

Como o JavaScript é uma linguagem que faz diversos tipos de coerção típicas. Portanto, a maioria dos operadores que faz coerção de tipos automaticamente está "suscetível" ao método valueOf. Isso acontece porque as diversas conversões que o JavaScript faz culminam na operação abstrata OrdinaryToPrimitive que, como já vimos acima, acaba invocando o valueOf.

Por padrão, chama-se o valueOf. Caso este não exista, invoca-se toString. No caso de coerções que visam uma conversão ao tipo string, o toString é chamado antes do valueOf, se este existir. O @@toPrimitive é sempre priorizado, se existir.


Sobre o último tópico da pergunta, o resultado é diferente porque, no primeiro caso, o + foi utilizado como operador binário que efetua concatenação. Já no segundo exemplo, o + foi utilizado como operador unário, de modo a realizar a conversão ao tipo number.

Sua resposta

Ao clicar em “Publique sua resposta”, você concorda com os termos de serviço, política de privacidade e política de Cookies

Esta não é a resposta que você está procurando? Pesquise outras perguntas com a tag ou faça sua própria pergunta.