6

Se strings em Python são imutáveis, como conseguimos alterá-la com o método replace(), por exemplo?

Ex:

s = "banana"

s = s.replace("b", "z")

print(s) # zanana

Isso é uma alteração da string original ou não? Eu estou atualizando o valor de s e não criando uma nova string. Não é isso?

8
  • 7
    Veja id(s) antes de depois do replace (Em CPython o id retorna o endereço de memória do seu objeto - se mudar, é porque criou um novo objeto).
    – Woss
    19/03 às 16:48
  • 7
    Spoiler: se string fosse mutável, você não precisaria reatribuir s em s = s.replace, bastaria executar s.replace que mudaria internamente os caracteres, que não é o que acontece na prática. Listas, por exemplo, são mutáveis e você pode fazer o append sem ter que fazer algo como lista = lista.append(...)
    – Woss
    19/03 às 16:50
  • 1
    s é uma variável e não um objeto string. Com conceitos certos fica fácil entender.
    – Maniero
    19/03 às 16:50
  • @Maniero discordo, o lema da linguagem python é que tudo é um objeto. Talvez o que você afirmou seja verdade para algumas linguagens mas não para Python. Quando você interage com o objeto s está fazendo uma chamada ao método replace da classe str.
    – Danizavtz
    20/03 às 14:59
  • 3
    Já vi algumas pessoas afirmando isso, mas não vi um documento canônico com isso. Já blog de gente influente na comunidade falando isso e o resto repetindo como papagaio, o que não quer dizer que esteja correto. Eu ainda não li a resposta dada por inteiro porque preciso sair, mas o começo parece promissor, até porque o hkotsubo costuma responder as cosias adequadamente e não compra esses mitos que o pessoal espalha por aí. Fica o alerta para quem quer aprender certo. Qualquer linguagem que queira repelir um conceito da computação não merece crédito. Não estou afirmando que a linguagem faz isso.
    – Maniero
    20/03 às 15:12
8

Isso é uma alteração da string original ou não?

Não.

Vamos acompanhar passo a passo (de forma simplificada) o que acontece:

s = "banana"

Aqui criamos um objeto do tipo string (para ser mais preciso, uma instância da classe str), cujo conteúdo é o texto "banana", e atribuímos na variável s. Ou seja, temos algo assim:

s aponta para "banana"

Depois, nesta linha:

s = s.replace("b", "z")

Aqui tem duas coisas acontecendo: primeiro replace retorna outra string (no caso, "zanana"), e depois o resultado é atribuído na variável s. Então agora está assim:

s aponta para "zanana"

Ou seja, a variável s agora aponta para a string "zanana". Mas a string "banana" continua lá, inalterada (ela só não tem mais ninguém apontando para ela, mas note que ela em si não foi modificada).


Uma forma de ver que a variável mudou (que ela aponta para outro objeto) é imprimir o id da mesma. Segundo a documentação, no CPython (que provavelmente é a implementação que você está usando) é retornado o endereço do objeto na memória. Então podemos fazer esse teste:

s = "banana"
# imprime a string e o id
print(s, id(s)) # banana 19192864

s = s.replace("b", "z")
print(s, id(s)) # zanana 24317376

Os números exatos vão mudar cada vez que você executar e não serão os mesmos que coloquei acima. Mas o importante é que o id antes e depois do replace não serão os mesmos, porque depois do replace a variável s passa a apontar para a outra string que foi gerada, e não mais para a original.

Isso vale para todos os métodos de que "modificam" a string (como upper, lower, etc): na verdade eles retornam outra string com o valor modificado. Tanto que você pode fazer assim:

s = "banana"
# atribuir o resultado de replace para outra variável, em vez de "s"
outra = s.replace("b", "z")

print(s) # banana
print(outra) # zanana

Se uma string fosse mutável, o método replace mudaria o próprio valor de s, mas veja acima que não foi o caso. s continuou sendo "banana", e a variável outra, que recebe o retorno de replace é que passa a apontar para a nova string. O detalhe é que essa variável poderia ser o próprio s (como no seu código), mas isso não quer dizer que a string mudou, e sim que a variável passou a apontar para outra string. Variável é uma coisa, e objeto é outra.

Se uma string fosse mutável, o código abaixo não daria erro:

s = "banana"
# mudar o primeiro caractere da string (**dá erro!**)
s[0] = 'z' # TypeError: 'str' object does not support item assignment

Apenas para fins de comparação, listas em Python são mutáveis, o que quer dizer que você pode modificá-las, sem precisar criar outra lista e nem atribuir a outra variável:

lista = [3, 20, 1]
print(id(lista))

# adiciona um elemento
lista.append(10)

# remove o primeiro
lista.pop(0)

# ordena
lista.sort()

print(lista) # [1, 10, 20]
print(id(lista)) # será o mesmo impresso no início

Eu imprimi o id da lista antes e depois das operações, e veja que ele será o mesmo, pois continua sendo a mesma lista: somente os elementos dela é que são alterados.

Repare que não preciso fazer algo como lista = lista.sort(), pois sort já ordena a própria lista (em vez de retornar outra lista ordenada). O mesmo não acontece com strings, então apenas chamar replace não é suficiente: você precisa pegar o valor retornado, pois a string original não é modificada. É isso que queremos dizer com "strings são imutáveis".

4
  • Obrigado pela explicação completa hkotsubo. Já que você citou a mudança de atribuição à variável s, quando você muda o valor de uma mesma variável, ocorre o mesmo que quando você usa um método numa string, ou seja, a variável permanece a mesma, mas os IDs ficam diferentes, pois apontam para valores diferentes? Por exemplo: em x = 10 print(id(x)) x = 20 print(id(x)) os IDs serão diferentes, pois apontam para objetos diferentes. Esse caso é o mesmo em relação à utilização de métodos como replace, upper ou lower? É o que chamam de parte dinamicamente tipada do Python? 21/03 às 17:25
  • @CarlosSanches Quando você chama um método, ele é chamado no objeto para o qual a variável aponta. s.replace vai chamar o replace para a string que s está apontando. Não sei se foi isso que vc quis saber...
    – hkotsubo
    21/03 às 18:50
  • @CarlosSanches Já sobre "dinamicamente tipada", isso é outra coisa (quer dizer que as variáveis podem mudar o tipo, por exemplo, posso fazer s = 'abc' - s é uma string - e depois posso fazer s = 1 - s é um número inteiro). Ou seja, a mesma variável pode assumir valores de tipos completamente diferentes. Sobre esse assunto, sugiro ler aqui: pt.stackoverflow.com/q/21508/112052
    – hkotsubo
    22/03 às 0:12
  • Ok. Obrigado novamente. 23/03 às 3:10
5

De acordo com a documentação da classe str:

Dados textuais em Python são tratados como objetos str, ou strings. Strings são sequências imutáveis de code points Unicode.

Então, como strings são imutáveis em Python, é de se esperar que métodos como o replace não alterem a string original, mas sim criem e retornem uma nova string.

No caso do str.replace, é possível referir à documentação para entender melhor o que está acontecendo:

str.replace(old, new)

Retorna uma cópia da string com todas as ocorrências da substring old substituídas por new.

E, de fato, conforme sugere um dos comentários da pergunta, pode-se utilizar a função embutida id para confirmar que replace retorna um objeto diferente do original, uma vez que possuem endereços de memória[1] diferentes:

>>> s = "banana"
>>> id(s)
4441918384
>>> s = s.replace("b", "z")
>>> id(s)
4440837616 # ID diferente do anterior. Trata-se, portanto, de um novo valor!

Algumas linguagens permitem a modificação de strings, mas como esse não é o caso do Python, não é correto esperar que um método (ou qualquer outro código) seja capaz de modificar uma string, já que a própria linguagem determina que se trata de uma estrutura de dados imutável.

Então, no seu código,

s = "banana"
s = s.replace("b", "z")

print(s) # zanana

Você não está modificando a string criada pela expressão literal "banana". O replace está criando uma nova string que é, enfim, utilizada na reatribuição da variável s.

O que muda é a variável s, já que você está alterando o valor para qual ela aponta. Antes, apontava para "banana" e, após a reatribuição, aponta para "zanana".

O código em questão cria duas strings diferentes, que jamais são ou serão modificadas.

Para mais detalhes, ler O que é uma variável?.


[1]: O endereço de memória é o valor retornado por id na implementação CPython. A documentação garante, no entanto, que é uma identificação única para objetos diferentes.

1
  • 2
    Obrigado pelo retorno Luiz. De fato, olhar a documentação responde clara e rapidamente o meu questionamento. "Cópia" já diz tudo. A dúvida é gerada em quem está começando, como eu, por conta da variável ser a mesma. Mas os IDs diferentes já respondem a isso também. 21/03 às 17:35

Sua resposta

Ao clicar em “Publique sua resposta”, você concorda com os termos de serviço, política de privacidade e política de Cookies

Esta não é a resposta que você está procurando? Pesquise outras perguntas com a tag ou faça sua própria pergunta.