6

Sei que existem (aparentemente) dois principais tipos de string em Rust:

  • str, que, até onde sei, é um tipo primitivo;
  • String, que, até onde eu sei, faz parte da biblioteca padrão std da linguagem.

No entanto, fico com algumas perguntas:

  1. Quais as diferenças entre eles?
  2. Quando usar str e quando usar String?
  3. Por que criar tal distinção?

1 Resposta 1

7

Quais as diferenças entre eles?

str é o tipo para guardar textos de uma forma mais bruta. Lembra um pouco o array de char do C, porque ele é um array de bytes (um caractere pode ser formado por mais de 1 byte). Mas é diferente, principalmente porque ele usa um formato de UTF-8 e não ASCII, e claro, ele consegue pegar o tamanho em tempo constante. E também porque é imutável.

É um tipo por valor, portanto o texto já é o objeto. Geralmente é usada por referência para não ter que copiar de um contexto para outro, e em alguns raros casos acaba sendo alocada no heap, quando precisa disso, tem a solução do String.

Um literal de texto é do tipo &'static str isso significa que ele será uma referência para o objeto bruto em outro lugar. E esse lugar é a memória estática, mas esse 'static não indica local, mas sim tempo de vida. É uma forma de dizer que esse objeto durará por todo tem pode vida da aplicação. A grande sacada de Rust é o controle absoluto do tempo de vida sem um coletor de lixo, por isso precisa dizer o tempo de vida em grande parte da situações.

String é uma wrapper para o str e é um tipo por referência alocado no heap, portanto o tempo de vida tende ser maior e exige um controle menos sofisticado por parte do programador.

Além disso ele é mutável, portanto pode alterar o dado sem ter que copiar para outro objeto, e o gerenciamento de mudanças é todo interno, em vez de ser uma array e bytes é uma lista de caracteres (portanto até o tamanho pode mudar).

O tempo de vida dele é ligado à ter referência para ele, então de certa forma podemos dizer que ele é gerenciado por uma forma de garbage collector.

A coleta é feita quando a referência para o objeto deixa de existir. O tipo String tem uma referência de propriedade, então há um vínculo direto entre elas.

A classe é bem completinha: documentação.

fn main() {
    let strVar : &'static str = "str";
    let stringVar : String = "String".to_string(); // precisa converter o tipo
    teste(strVar);
    teste(&stringVar);
}

fn teste(texto: &str) {
    println!("Isto é um {}", texto);
}

Veja funcionando no ideone. E no repl.it. Também coloquei no GitHub para referência futura.

Quando usar str e quando usar String?

A preferência é usar str sempre que possível porque imutável é melhor, e se você tem controle fácil do tempo de vida encaixa com a filosofia da linguagem de economizar recursos. Se precisa da mutabilidade ou deixar o tempo de vida mais livre e controlado pelas circunstâncias, então o String é preferível. Ele é menos eficiente no uso geral, mas claro que será mais eficiente que ficar copiando o objeto str para lá é para cá por um motivo ou outro.

Não esqueça de estudar slice.

Por que criar tal distinção?

Linguagens que buscam eficiência precisam dar a opção mais eficiente e a mais flexível e poderosa. As linguagens de script é que optam só pela flexível para ser mais fácil.

Sua resposta

Ao clicar em “Publique sua resposta”, você concorda com os termos de serviço, política de privacidade e política de Cookies

Esta não é a resposta que você está procurando? Pesquise outras perguntas com a tag ou faça sua própria pergunta.