4

Tenho problemas para salvar a saída de funções no R. No código a seguir, por exemplo, crio uma matriz que representa um jogo de sudoku:

quantLinhas <- readline(prompt = 'insira o número de linhas do sudoku: ') #para saber a dimensão do sudoku
quantLinhas <- as.numeric(quantLinhas) #readline salva como string, transferindo para numérico


construcaoSudoku <- function(){
  matrizSudoku <- NA   #atribuindo NA para o rbind funcionar corretamente
  
  for(i in seq(1, quantLinhas)){
    linhaEntrada <- scan()
    matrizSudoku <- rbind(matrizSudoku, linhaEntrada) 
  }
  matrizSudoku <- matrizSudoku[-1,]    #retirando a primeira linha, composta por NAs
  sudoku <- return(matrizSudoku)
}

reparem na última linha, onde tento retornar a matrizSudoku e salvá-la na variável sudoku. Acontece que não funciona, ao que parece, a variável sudoku é gerada localmente, mas não globalmente. Preciso dela salva globalmente pois será usada mais a frente por outra função

1
  • Aparentemente, depois de criada a função, eu posso rodar ela atribuindo-a a uma variável, desta forma: sudoku <- construcaoSudoku() Mas não há como fazer isso dentro da própria função? – yoyo 26/07/20 às 3:51

1 Resposta 1

7

O princípio a seguir é este:

Em R as funções retornam o resultado da última instrução.

Então, para retornar uma variável, basta pô-la sózinha na última instrução.

construcaoSudoku <- function(){
  matrizSudoku <- NA   #atribuindo NA para o rbind funcionar corretamente
  
  for(i in seq(1, quantLinhas)){
    linhaEntrada <- scan()
    matrizSudoku <- rbind(matrizSudoku, linhaEntrada) 
  }
  matrizSudoku <- matrizSudoku[-1,]    #retirando a primeira linha, composta por NAs
  matrizSudoku
}

Também podia ser return(matrizSudoku) mas a função return não é necessária neste caso.

Para atribuir o resultado da função no .GlobalEnv é fácil. Basta atribuir o resultado da função, não dentro da função.

sudoku <- construcaoSudoku()

Finalmente, isto responde à pergunta tal como foi colocada. Mas eu não utilizaria uma variável, quantLinhas definida fora da função e que não é passada como argumento. Creio que isto é má prática, a evitar se possível.

A função ficaria melhor com um argumento:

construcaoSudoku <- function(n){
  matrizSudoku <- NA   #atribuindo NA para o rbind funcionar corretamente

  for(i in seq_len(n)){
    linhaEntrada <- scan()
    matrizSudoku <- rbind(matrizSudoku, linhaEntrada) 
  }
  matrizSudoku <- matrizSudoku[-1,]    #retirando a primeira linha, composta por NAs
  matrizSudoku
}

sudoku <- construcaoSudoku(quantLinhas)

Uma função equivalente, mas mais simples, é a versão abaixo, com um ciclo replicate.

construcaoSudoku2 <- function(n){
  matrizSudoku <- t(replicate(n, scan()))
  matrizSudoku
}

sudoku2 <- construcaoSudoku2(quantLinhas)

Ou até, numa única linha de código,

construcaoSudoku3 <- function(n) t(replicate(n, scan()))

Sua resposta

Ao clicar em “Publique sua resposta”, você concorda com os termos de serviço, política de privacidade e política de Cookies

Esta não é a resposta que você está procurando? Pesquise outras perguntas com a tag ou faça sua própria pergunta.