3

Sabe-se que um polinômio fn:x->y=c0+x*c1+x²*c2+x³*c3+...+x^n*cn pode atender a N=n+1 condições e a partir de n=1 há conveniência para usar em fórmulas de spline, como por exemplo f1 pode atender às condições f1(x0)=y0 e f1(x1)=y1, f2 pode atender às condições f2(x0)=y0, f2(x1)=y1 e mais uma, f3 pode atender às condições f3(x0)=y0, f3(x1)=y1 e outras duas, daí em diante.

Pergunta

Podemos fazer isso para, a partir de uma sequência associada de M=m+1 argumentos e resultados [x0,x1,...,xm]->[y0,y1,...,ym] e um grau n de polinômio com uma fórmula fn, criar splines com m trechos de xi a xf (x0...x1, x1...x2, ..., x(m-1)...xm) atendendo às duas condições fn(xi)=yi e fn(xf)=yf e ainda adicionalmente as condições de em cada uma das D=m-1 divisória de trechos xd (x1, x2, ..., x(m-1)) ter-se continuidade de derivadas de ordens 1,2,...,N-1 no spline?

Imagino que resulte em um sistema de equações lineares. Mas seria possível resolver não em complexidade cúbica mas sim quadrática, talvez linear? Como fazer isso? Há algoritmos conhecidos voltados especificamente para coisas como essa?

  • 2
    sim é possível em qualquer uma das complexidades que vc falou, como fazer ? (é algum exercício de faculdade ou curso? se eu resolver por vc vai perder a graça de vc estudar e entender certo ?), onde usamos isso ? em interpolações lineares, cúbicas ou quadrática... imagine um áudio sampleado em 44100Hz, podemos interpolar up ou down usando essas fórmulas ai, o mesmo em imagens, podemos reduzir ou aumentar uma imagem interpolando, cada uma dessas complexidades (cúbica, quadrática ou linear), vai te dar um melhor resultado ou não em sua interpolação, a interpolação linear é a mais simples – ederwander 12/07 às 16:55
  • Não é exercício de faculdade, é uma matéria de estudo de interesse despertado ao programar uma modelagem matemática para mecânica de atributos de jogo digital. Spline é muito útil em vários campos que envolvem jogos digitais, desde o sample até os diversos estados, inclusive de animação. – RHER WOLF 12/07 às 17:01
  • Não sei se você percebeu, mas o título é superficial e o texto que explica bem a pergunta é muito específico. Se refere à busca de exatamente um spline que com um polinômio de grau "n" tenha continuidade em todas as derivadas até ordem "n-1". Se der pra fazer isso com complexidade linear, com certeza vou ficar bastante surpreso, será demais! – RHER WOLF 12/07 às 17:05
  • Em áudio usamos muito o spline para fazer resample/interpolação, para fazer um downsample de áudio de modo geral dá para aplicar um filtro passa baixa seguido de uma interpolação Spline, isso vai evitar aliasing no áudio x->y ... dá para fazer o mesmo usando complexidade linear e acredite se quiser em áudio até que funciona bem e é simples de mais, é ótimo de se fazer para testar algum conceito antes de aplicar uma interpolação cúbica ... – ederwander 12/07 às 17:10
  • Entendo. O spline não tem só relevância sensorial, de sons a movimentos. Também tem no campo da matemática. As vezes encontramos fórmulas muito pesadas de se processar num algoritmo para fazer a análise, aí a rápida construção de aproximações razoáveis pode depois reduzir custo de processamento e tornar a busca de fórmulas e tabelas mais praticável. Essas fórmulas podem precisar de algumas condições e no meu caso eu uso muito a primeira ordem de derivada e as vezes considero a segunda. – RHER WOLF 12/07 às 17:22

1 Resposta 1

3

Não conheço algoritmo de spline amplamente estudado com esse propósito, portanto tenho a intenção de desenvolver um novo aos poucos.

O que me motivou a perguntar, resolver e ainda registrar aqui no stackoverflow foi eu não conseguir encontrar nem criar um algoritmo eficiente sem estudo aprofundado como esse. De fato, precisei disso porque tive problemas de desempenho por trabalhar com problemas muito grandes com enorme complexidade de operações dos algoritmos. Agora o resultado ficará aqui registrado para quando precisarmos revisar.

Modelando o problema

Para começar, já que:

  • fórmulas fm isoladas podem atender a M condições conservando continuidade em derivadas de todas as ordens e
  • polinômios m<=n na forma descrita no enunciado de ordens estão dentro do modelo fn ao considerar zero os coeficientes c(m+1), c(m+2), ..., cn (de graus m+1, m+2, ..., n),

então com uma só fórmula fm o spline está completo e atende aos requisitos desejados se m<=n (caso não haja o rigor de não aceitar ordem m de polinômio menor que a ordem n exigida, o que considero verdadeiro) e atender às condições de associação de argumentos e valores de spline (fm(x0)=y0, fm(x1)=y1, ..., fm(xm)=ym).

Resolvido nessas circunstâncias, podemos nos focar então em problemas onde n>m e portanto uma só fórmula não atende a todas as condições de associação. Vamos considerar que cada trecho do spline se limita a argumentos entre dois valores vizinhos de x. O algoritmo desejado atende às seguintes condições.

  • Algoritmo tem os parâmetros M ou m, N ou n, x[0, 1, ..., m] e y[0, 1, ..., m].
  • Tem N=n+1 coeficientes na fórmula f(x) = polinômio de grau n (não necessariamente o fn do enunciado da questão, deve ser possível resolver os sistemas de equações).
  • Resultado é uma função condicional (spline) que associa cada um de m intervalos (X0=[x0,x1], X1=[x1,x2], ..., X(m-1)=[x(m-1),xm], portanto F=m-1 fronteiras x1, x2, ..., x(m-1)) a uma fórmula com modelo f e coeficientes c já calculados.
  • Spline tem M=m+1 associações de argumentos e valores de spline (x0->y0, x1->y1, ..., xm->ym) respeitados pelas associações de intervalos às fórmulas com coeficientes adequados.
  • Spline tem pelo menos até ordem D=n-1 de derivadas contínuas (f, f', f'', ..., f^(D)) mesmo nas fronteiras.
  • Portanto considera-se {D,F,m,M,n,N} c {Inteiros}, sequência x crescente, 0 <= D < n < N <= m < M e F < m.

Leve em conta que não necessariamente deverá se restringir os cálculos ao intervalo [x0,xm], portanto mesmo durante a construção do algoritmo o primeiro intervalo sendo [x0,x1] e o último [x(m-1),xm] na prática o primeiro intevalo do spline final é [-inf,x1] e o último é [x(m-1),+inf].

Reduzindo o problema: pontos iniciais e finais de intervalos

Sendo assim, para cada intervalo Xi = [xi,x(i+1)] = [xi,xf] podemos calcular os N=n+1 coeficientes de f específicos do intervalo. Respeitando as condições f(xi)=yi e f(xf) = y(i+1) = yf, encontramos dois em função dos outros, mas restarão outros n-1 coeficientes a serem calculados em cada trecho.

Se por conveniência escrevermos o polinômio numa forma incomum, f(x) = c0*(xf-x) + (x-xi)*( c1 + (xf-x)*( c2 + c3*x + c4*x² + c5*x³ + ... + cn*x^(n-2) ) ) (por mais confuso que pareça), e resolvermos c0 e c1 com essas duas condições significa a solução do sistema linear { f(xi)=yi , f(x(i+1))=y(i+1) } ser simplesmente { c0=yi/(xf-xi) , c1=yf/(xf-xi) }.

Com isso, o problema se resume em a cada intervalo Xi achar esses n-1 coeficientes c2, c3, ..., cn de f(x) = yi*((xf-x)/(xf-xi)) + (x-xi)*( yf/(xf-xi) + (xf-x)*( c2 + c3*x + c4*x² + c5*x³ + ... + cn*x^(n-2) ) ) respeitando o critério das fronteiras de trechos mantiverem a continuidade de derivadas nas fronteiras.

Reduzindo o problema: modelando o problema das fronteiras

Se há m intervalos (com D=n-1 coeficientes cada a serem calculados), então há F=m-1 fronteiras para ajustar continuidades de D=n-1 derivadas, portanto D*m-D*F coeficientes restantes a serem solucionados, ou seja, restarão D coeficientes, o equivalente aos de um intervalo (como se um ficasse de fora).

Precisaremos adaptar o problema a essa realidade. Uma maneira de fazer isso é criar mais um conjunto de equações que façam o papel de uma fronteira adicional para "preencher as condições do intervalo restante". Outra maneira é substituir os D*m coeficientes por outros valores que correspondam a D*F coeficientes.

Além disso, cada intervalo tem fórmula f com coeficientes de valores distintos das outras e precisamos diferenciá-los. Para isso, cada intervalo Xi terá a fórmula fi com coeficientes ci2, ci3, ..., cin.

Decidi reduzir o número de coeficientes. O modo de redução que escolhi foi para cada uma das D=n-1 ordens o=2,3,...,n substituir os coeficientes c por k de uma das duas seguintes maneiras.

  • { c0o=k0o+k1o , c1o=k1o+k2o , ... , c(m-1)o=k(m-1)o+kmo }.
  • { c0o=k0o-k1o , c1o=k1p-k2o , ... , c(m-1)o=k(m-1)o-kmo }.

Sendo que em ambas opções considera-se k0o = kmo = 0, restando k1o, k2o, ..., k(m-1)o indefinidos, resultando em F coeficientes por ordem o e assim totalizando F*D. Sendo assim, as fórmulas fi seguem um dos modelos seguintes.

  • fi(x) = yi*(x(i+1)-x)/(x(i+1)-xi) + (x-xi)*( y(i+1)/(x(i+1)-xi) + (x(i+1)-x)*( (ki2+k(i+1)2) + (ki3+k(i+1)3)*x + (ki4+k(i+1)4)*x² + (ki5+k(i+1)5)*x³ + ... + (kin+k(i+1)n)*x^(n-2) ) ).
  • fi(x) = yi*((x(i+1)-x)/(x(i+1)-xi)) + (x-xi)*( y(i+1)/(x(i+1)-xi) + (x(i+1)-x)*( (ki2-k(i+1)2) + (ki3-k(i+1)3)*x + (ki4-k(i+1)4)*x² + (ki5-k(i+1)5)*x³ + ... + (kin-k(i+1)n)*x^(n-2) ) ).

Com isso, são F=m-1 fronteiras x1, x2, ..., xF e F*D=(m-1)*(n-1) coeficientes k. Para cada fronteira, criar D equações para igualar as derivadas de ordem 1, 2, ..., D leva a um sistema de F*D equações lineares, correspondendo ao número de coeficientes.

Para facilitar, as fórmulas foram implementadas no maple usando o número M de associações de argumentos e resultados, a ordem polinomial n, o índice i do intervalo e o fator kf = ±1 do segundo coeficiente k que compõe coeficiente c (já zerando coeficientes k nulos dos extremos).

inserir a descrição da imagem aqui

Por exemplo, quando M=5 e n=3 as duas fórmulas de fi para cada um dos n=4 intervalos (i=0,1,2,3) são as que estão logo abaixo.

inserir a descrição da imagem aqui

Reduzindo o problema: montando o sistema

Sendo assim, para cada fronteira xi e { x1, x2, ..., xF } tem-se as equações do sistema f(i-1)'(xi) = fi'(xi), f(i-1)''(xi) = fi''(xi), ..., f(i-1)^(D)(xi) = fi^(D)(xi). Para facilitar, foi implementado um procedimento que forma para cada fronteira as equações já com as variáveis e coeficientes reunidos no lado esquedo da equação e os termos independentes a direita, ou seja, o sistema de equações lineares da forma mais legível que pode (ainda que nem tanto quando o problema resolvido é grande) e exibe "fronteira, ordem de derivada, equação correspondente". Lembrando que D = n-1 e F = m-1 = M-2.

inserir a descrição da imagem aqui

Por exemplo, os dois sistemas no exemplo anterior com M=5 e n=3 são exibidos da forma a seguir.

inserir a descrição da imagem aqui

Reduzindo o problema: entendendo o sistema

Alterando o procedimento, reparamos que a representação dos sistemas em forma de matriz parece ser de uma matriz esparsa (preenchida com muitos zeros) segundo algum padrão. No exemplo, as matrizes ficam assim se as colunas se associarem às variáveis na sequência ki_o e { k1_2, k1_3, k2_2, k2_3, k3_2, k3_3 }.

inserir a descrição da imagem aqui

Verificando se cada coeficiente é zero ou outra expressão, podemos observar a esparsidade de matrizes e isso é mais facilmente feito se for exibido na célula ao invés da expressão algum marcador curto que indica se é zero ou não. Alterando o procedimento de modo que isso seja aplicado, observamos algo parecido com o que é apresentado a seguir.

inserir a descrição da imagem aqui

Assim pode-se observar matrizes bem maiores e possivelmente entender o padrão. Além disso, lembremos que cada equação iguala ou subtrai duas fórmulas (uma do intervalo a esquerda da fronteira e a outra da direita), cada uma com até 2*D coeficientes e, ainda assim, metade deles são em comum com a outra, totalizando até 3*D coeficientes k tratadas como variáveis na equação do sistema.

Como será então a matriz nessas condições? Como será quando M=9 e n=2? Será que encontramos a cada linha no máximo três (3*D = 3*(n-1) = 3) céluas não nulas e próximas?

inserir a descrição da imagem aqui

Hmm... aparentemente, sim. E se M=9 e n=3? No máximo seis células não nulas por linha?

inserir a descrição da imagem aqui

E se M=9 e n=4?

inserir a descrição da imagem aqui

Aparentemente, as matrizes somente têm células a cada linha que sejam não nulas numa distância menor que 3*D células a partir da que está na diagonal principal. Pode-se aplicar algoritmos genéricos como o uso de matrizes inversas ou obtenção de forma escalonada reduzida, mas a complexidade de operações é cúbica em relação ao parâmetro F e adaptar um algoritmo que evita trabalhar com todas as células diminui a complexidade em relação a F, podendo assim trabalhar muito melhor com grande número de associação de argumentos e valores de spline principalmente em baixas ordens de polinômios.

Resolvendo o problema

Percebe-se que há F "blocos" de D linhas onde por fora não é esparso. A razão disso é o fato de cada bloco corresponder com uma fronteira, que tem D linhas e trabalha com 2*D ou 3*D coeficientes. O primeiro e o último bloco têm 2*D colunas e os outros têm 3*D.

Aparentemente, é possível separar os blocos como se fossem sistemas distintos. Seria como resolver os sistemas encontrando os valores das variáveis associadas às diagonais principais da matriz inteira, cada uma em função das outras variáveis que se incluem no sistema do bloco. Isso significa 2 sistemas de D equações e 2*D variáveis e F-2 sistemas de D equações e 3*D variáveis, resultando na complexidade F*D³.

Além disso, as D variáveis obtidas de um sistema podem ser usados no próximo para reduzir D colunas (operações de complexidade ocorrendo em todos os blocos diferentes do primeiro, logo complexidade F*D²), significando F-1 sistemas de D equações e 2*D variáveis e 1 sistema (o último) de D equações e 3*D variáveis, conservando a complexidade F*D³ mas ainda assim melhorando o desempenho.

Como o último sistema é DxD, espera-se que se obtenha os valores das últimas variáveis. Como os outros são Dx(2*D) e têm valores das variáveis do próximo, é possível obter um sistema DxD delas com operações por bloco de maneira similar ao passo anterior.

Isso corresponde com o escalonamento da matriz para a forma escalonada reduzida da matriz onde as operações de linha se restringem às linhas do mesmo bloco e do próximo na primeira etapa e às linhas do mesmo bloco e do anterior na segunda etapa. Essa simples adaptação resolve e reduz a complexidade de (F*D)³ para F*D³.

Com o sistema resolvido, tem-se os coeficientes k, com isso tem-se coeficientes c e finalmente tem-se cada fórmula de cada intervalo com coeficientes calculados, assim obtendo a spline em complexidade F*D³ atendendo às condições de continuidade e associação de argumentos e valores de spline.

Implementando e testando

Usando o maple, pude implementar uma função completa de spline usando kf=1 e testar plotando o gráfico de spline (e suas derivadas) construído com n=3, x=1,3,5,7,9 e y=1,1,2,4,6. O nome escolhido do argumento do spline foi arg. Atente-se ao fato dos nomes de incógnitas estarem diferentes e a abordagem de solução de sistemas escolhida foi simbólica e não matricial.

inserir a descrição da imagem aqui

Observa-se não só neste exemplo mas em outros testes que fiz que os valores estão corretos e as derivadas que devem ser contínuas de fato são. O resultado foi satisfatório. Além disso, fiz uma modificação no algoritmo (passei a tratar k0o = z e usei esse parâmetro z para suavizar a curva) e refiz os mesmos testes. Veja o exemplo anterior com o novo algoritmo.

inserir a descrição da imagem aqui

A suavização ocorre encontrando o z que equilibra os valores absolutos das derivadas de ordem n do primeiro intervalo e do último. Como resultado, encontramos uma nova curva que parece até mais realista que a anterior. Enquanto não encontro problemas com este algoritmo, considero-o satisfatório.

Sua resposta

Ao clicar em “Publique sua resposta”, você concorda com os termos de serviço, política de privacidade e política de Cookies

Esta não é a resposta que você está procurando? Pesquise outras perguntas com a tag ou faça sua própria pergunta.