-1

Eu fazendo a verificação dos dois últimos dígitos para validação de CPF.

Fiz o código, mas só está calculando o primeiro dígito. Não estou conseguindo, incluir no mesmo laço para calcular o segundo dígito:


    while True:

    #CPF deve ser inserido sem formatação Ex.16695835009
    cpf = input("Informe o seu CPF: ")

    if len(cpf) != 11 or not cpf.isnumeric():
        print("Dados inseridos incorretamente.\nDigite novamente.")
        continue

    novo_cpf = cpf[:-2]
    soma_digitos = 0
    lista_digitos = []

    for key, index in enumerate(novo_cpf):
        key_reverso = len(novo_cpf) + 1 - key
        lista_digitos.append(key_reverso * int(index))
        soma_digitos += lista_digitos[key]

    d = 11 - (soma_digitos % 11)

    if(d > 9):
        d = 11 - d

    '''
    Os prints abaixo é só para verificação da saída do código.
    '''
    print(lista_digitos)
    print(soma_digitos)
    print(d)
  • 1
    Só de curiosidade, pq quer incluir no mesmo laço? – Bacco 9/11 às 22:41
  • @Bacco, na vdd o exercício pede para ser feito a verificação do CPF informado pelo usuário. Em nenhum momento, pede para que seja feita no mesmo laço. Sou iniciante na linguagem Python e pensei que se incluísse a verificação do segundo dígito no mesmo laço, seria menos código e assim poupasse a repetição do laço for novamente. – Thiago Souza 9/11 às 23:43
1

Até dá para fazer tudo com um único laço, só não sei se faz tanta diferença assim. Mas antes vamos tentar fazer com dois laços, aí comparamos com a versão "um-laço-só".


Antes dos laços em si, você já poderia converter a string em uma lista de números, na qual cada elemento desta lista é um dígito. Para isso podemos usar map e int:

def validar_cpf(cpf):
    if len(cpf) != 11:
        return False

    try:
        digitos = list(map(int, cpf))
    except ValueError:
        return False

    # restante da validação...

Assim, se algum caractere da string não puder ser convertido para número, ele cai no bloco except e a função já retorna False. Fiz assim porque posteriormente eu vou precisar converter esses caracteres para número, para poder fazer os cálculos do dígito verificador. Ao mesmo tempo, eu já valido se a string de fato contém dígitos.

Também escolhi desta forma porque isnumeric() pode retornar True para vários caracteres que dão erro ao serem convertidos para número com int(), como por exemplo o ½ (VULGAR FRACTION ONE HALF) - veja aqui a lista completa - então eu acho essa verificação melhor do que simplesmente usar isnumeric() (com a vantagem de que já cria a lista com os caracteres convertidos para números, pois vou precisar desses números posteriormente). Como é o usuário que está digitando os dados, existe a possibilidade dele digitar algum desses caracteres, então já fazemos esta verificação logo no início.


Agora sim, aos cálculos. Primeiro vamos fazer a versão com 2 loops (o algoritmo pode ser facilmente buscado na internet, eu usei este site como fonte):

def validar_cpf(cpf):
    if len(cpf) != 11:
        return False

    try:
        digitos = list(map(int, cpf))
    except ValueError:
        return False

    def calcula_digito(multiplicador):
        total = 0
        for d in digitos:
            if multiplicador >= 2:
                total += d * multiplicador
                multiplicador -= 1
            else: break
        resto = total % 11
        if resto < 2:
            return 0
        else:
            return 11 - resto

    # primeiro dígito não bate, CPF inválido
    if digitos[9] != calcula_digito(10):
        return False

    # segundo dígito não bate, CPF inválido
    if digitos[10] != calcula_digito(11):
        return False

    return True

Eu criei a inner function calcula_digito, que contém o loop para calcular o dígito verificador. Para o primeiro dígito verificador, começamos com 10, que é multiplicado pelo primeiro dígito do CPF, depois multiplicamos o segundo dígito por 9, o terceiro por 8, etc (parando no 2, por isso o if multiplicador >= 2, e um break para interromper o loop caso o multiplicador seja menor que 2).

No segundo dígito verificador, eu faço o mesmo algoritmo, mas começando a multiplicar por 11. A lógica do loop é a mesma, e por isso eu reaproveitei o código da função interna calcula_digito. Mas como essa função é chamada duas vezes, então estou fazendo dois laços.


Repare que o que muda de um loop para outro é somente o valor inicial do multiplicador (10 para o primeiro, 11 para o segundo), e a condição de parada é a mesma (vou até o valor do multiplicador ser 2). Sendo assim, seria possível fazer tudo em um único loop:

def validar_cpf(cpf):
    if len(cpf) != 11:
        return False

    try:
        digitos = list(map(int, cpf))
    except ValueError:
        return False

    def calcula_resto(resto):
        if resto < 2:
            return 0
        else:
            return 11 - resto

    total1 = total2 = 0
    multiplicador = 11
    for d in digitos:
        if multiplicador >= 2:
            if multiplicador >= 3:
                total1 += d * (multiplicador - 1)
            total2 += d * multiplicador
            multiplicador -= 1
        else: break

    # primeiro dígito não bate, CPF inválido
    if digitos[9] != calcula_resto(total1 % 11):
        return False

    # segundo dígito não bate, CPF inválido
    if digitos[10] != calcula_resto(total2 % 11):
        return False

    return True

Eu aproveito o mesmo loop para calcular o somatório referente a ambos os dígitos verificadores (tanto iniciando com 11 quanto com 10), e em seguida calculo os respectivos dígitos usando o resto da divisão segundo as regras do algoritmo.


Neste comentário você disse que queria fazer tudo em um único loop, pois assim "seria menos código". Bom, olhe novamente para as funções acima e veja se o ganho foi realmente significativo (na minha opinião, não foi, é praticamente a mesma quantidade de código).

Mas o ponto não é "escrever menos código". Um código mais curto não é necessariamente "melhor", assim como um código mais longo não é necessariamente "pior". Primeiro procure escrever um código claro e correto, e depois você pensa nessas otimizações.

Se está preocupado com o desempenho, sinceramente, esses loops não são tão custosos assim e para a grande maioria dos casos a diferença será irrelevante. Em sistemas reais você faz testes de desempenho para ver onde estão os gargalos e não se preocupa com essas micro-otimizações (até porque em sistemas reais, na grande maioria das vezes, provavelmente o gargalo não estará nesses loops menores).

Pense também na manutenção do código: futuramente pode ser que uma outra pessoa (ou até mesmo você) tenha que mexer no código, então o melhor é que ele esteja claro quanto ao que é feito. Claro que pode ser uma questão de opinião se o algoritmo fica melhor expresso com um loop ou dois, mas você não deveria escrever um código que fica confuso e difícil de entender e manter, só porque ficou menor (o tamanho do código não deve ser um objetivo em si, há outros pontos a se considerar).


Conforme comentado pelo Bacco, daria para otimizar o segundo loop, pois o primeiro elemento é multiplicado por 11, sendo que no final pegamos o resto da divisão por 11, então este elemento não influencia no resultado final. Portanto, o segundo loop poderia começar do segundo dígito em diante:

def validar_cpf(cpf):
    if len(cpf) != 11:
        return False

    try:
        digitos = list(map(int, cpf))
    except ValueError:
        return False

    # incluir o índice no qual começa o loop
    def calcula_digito(multiplicador, inicio = 0):
        total = 0
        for d in digitos[inicio:]:
            if multiplicador >= 2:
                total += d * multiplicador
                multiplicador -= 1
            else: break
        resto = total % 11
        if resto < 2:
            return 0
        else:
            return 11 - resto

    # primeiro dígito não bate, CPF inválido
    if digitos[9] != calcula_digito(10):
        return False

    # segundo dígito não bate, CPF inválido
    if digitos[10] != calcula_digito(10, 1): # começa o loop do segundo elemento
        return False

    return True

Agora a função calcula_digito pode receber o índice no qual o loop será iniciado (ou zero, se nenhum for indicado - lembrando que listas começam no índice zero).

digitos[inicio:] constrói uma sub-lista a partir do índice inicio. Claro que eu poderia fazer um if inicio == 0: faço o for em digitos, e se inicio for um valor diferente, aí eu crio a sub-lista (assim evito de criar uma sub-lista à toa, quando o índice for zero).

Outra alternativa é usar um while:

def calcula_digito(multiplicador, inicio = 0):
    total = 0
    indice = inicio
    while True:
        if multiplicador >= 2:
            total += digitos[indice] * multiplicador
            multiplicador -= 1
            indice += 1
        else: break
    resto = total % 11
    if resto < 2:
        return 0
    else:
        return 11 - resto

Assim, evito a criação de sub-listas. De qualquer forma, repare que as alterações são mais no sentido de criar ou não novas estruturas à toa, se isso faz mais sentido ou não de acordo com o contexto, etc, e o que menos importa aqui é se o código vai ficar menor.

  • 1
    De curiosidade, com 2 loops ainda dá pra pular a casa * 11 do segundo loop (pq cá entre nós, multiplicar por onze para tirar o resto da divisão por onze é meio sem sentido). – Bacco 10/11 às 20:20
  • 1
    @Bacco Tem razão, atualizei a resposta, obrigado! – hkotsubo 10/11 às 21:27
  • 1
    @hkotsubo Isso não é uma resposta, mas sim uma aula de como escrever corretamente um código, pensando em todos os lados. Foi muito esclarecedora e motivadora. Ainda não vi no curso de Python que estou fazendo algumas coisas como map e como tratar exceções, para falar a verdade, entrei no capítulo de funções por agora. Então, ainda tenho um longo caminho a percorrer na linguagem. – Thiago Souza 15/11 às 1:47

Sua resposta

Ao clicar em “Publique sua resposta”, você concorda com os termos de serviço, política de privacidade e política de Cookies

Esta não é a resposta que você está procurando? Pesquise outras perguntas com a tag ou faça sua própria pergunta.