14

E os arrays associativos são como objetos nativos do JS?

E as strings literais/dado primitivo? O que entendo é que elas são instâncias do objeto string, porém com a diferença de serem arrays indexados, correto?

Estou com dificuldades de entender os conceitos de array x objeto. Parece que isso é mais subjetivo do que concreto.

  • 1
    Eu não gosto muito de JS então talvez eu esteja falando bobagem mas nem os próprios Arrays existem no JS. Existem Objetos que representam coleções de dados e possuem propriedades e métodos prototipados. O que comumente conhecemos como array associativo, seriam os hash maps, que também nada mais são do que objetos. – Bruno Augusto 17/11/14 às 1:16
  • Me da alguma fonte em portugues que explique sobre prototipação, por favor? ^^ – ropbla9 17/11/14 às 1:18
  • @ropbla9 Serve essa? "Como funcionam protótipos em JavaScript?" De fato, não parece haver diferença prática entre um objeto e um array, exceto que este possui Array como protótipo. Acho que se você criar um objeto normal com o protótipo Array (ou Array.prototype, não sei) e uma propriedade length ele se comportaria exatamente como um array. Vou fazer um teste... – mgibsonbr 17/11/14 às 2:13
  • P.S. Não, de fato algumas operações aplicadas num array (tipo acrescentar novos elementos na forma arr[indice] = elemento;) atualizam seu índice, enquanto num objeto qualquer isso não ocorre, independentemente do seu protótipo. São tipos diferentes mesmo, propriamente falando. – mgibsonbr 17/11/14 às 2:26
  • 1
    @mgibsonbr É que formalmente são definidos só 6 tipos: String, Number, Boolean (os primitivos), Null, Undefined e Object. Arrays e funções são tratados como casos especiais. – bfavaretto 17/11/14 às 2:42
9

TL;DR

Pode-se entender que são mas na realidade não é bem assim. Foi criado para dar esta aparência embora a implementação não seja bem essa. Strings também. Depende se você está olhando a implementação ou o conceito formal.

Conceitos

Algo pode ser subjetivo e concreto, esses conceitos não são antagônicos. Neste caso o funcionamento é objetivo e concreto. O conceito pode ser um pouco mais abstrato, apesar de objetivo. Mas todo conceito é uma abstração.

Talvez você queira dizer que entender isto não seja importante. Para fazer o básico realmente não importa mas quando você vai sendo criativo, vai querendo ir além do arroz com feijão, entender isto é fundamental. Só a total especialização permite explorar uma linguagem que possui poucas abstrações mas grandes possibilidades de criar suas próprias, que o diga os milhares de frameworks criados.

Não sou um profundo estudioso da linguagem e é provável que surjam respostas melhores que a minha.

Detalhando

Você está certo, os objetos em JS são arrays associativos ou hashes ou dicionários ou maps como também podem ser chamados (embora tecnicamente não podemos classificar assim no caso do JavaScript que só permite chaves do tipo String). Isto simplificou a criação da linguagem. Pelo menos a implementação é feita com eles.

Então sim, esses arrays são entendidos pela linguagem nativamente. Mas eles são entendidos como objetos e não como arrays. Eles são um pouco mais do que syntax sugar para arrays. Há um entendimento da linguagem em como os objetos funcionam. A sintaxe pode ser parcialmente intercambiada dando poder e flexibilidade em vários aspectos. Note que formalmente JS só possui "nativamente" o tipo Object. Ele funciona como um array associativo mas não é considerado um, formalmente falando.

O que impede um tipo ter uma implementação mais concreta mas ser reconhecido de forma mais abstrata? Isto é a base da programação moderna (para o bem ou para o mal).

String

Você tem que pensar no tipo String de duas formas. Existe um tipo abstrato que encapsula uma string (lembrando que em JS cada variável pode ser de qualquer tipo e inclusive pode mudar o tipo mas o dado, o valor em si não muda de tipo nunca, se achar que mudou o tipo, mudou o dado). Concretamente este objeto tem suas propriedades em chaves associadas a um array. Uma destas propriedade é o texto da string propriamente dito (o que não deixa de ser uma outra abstração já que um texto nada mais é que um array de caracteres). A linguagem tem alguns entendimentos extras com este objeto. Ele não é um objeto qualquer criado pelo usuário, é algo que tem relevância maior para a linguagem. Há um tratamento especial para este tipo.

String pode ser usada de forma mais convencional como objeto:

var x = "texto"; //ajudado pela linguagem como string
var y = new String("texto"); //ajudado pela linguagem como objeto

Mas note que há diferenças. A primeira forma é otimizada. A segunda funciona mais como um objeto normal. A recomendação é não usar a segunda forma.

Se é sobre isto que você acha que alguma coisa pode ser considerado nativo, então acho que ficou mais claro, a linguagem tem entendimento maior sobre alguns tipos de dados definidos nela e consegue dar um tratamento especial. Mas todos os tipos tendem a serem usados como se fossem objetos normais. Muito provavelmente a forma como as propriedades e métodos dos tipos primitivos são acessados seja diferente de um objeto "normal" mas na aparência, na abstração, é quase a mesma coisa.

Implementação

Evidentemente a forma exata como é implementado é um detalhe de implementação. Cada interpretador/compilador pode fazer do jeito que achar melhor desde que atenda todos os requisitos da linguagem que todo usuário dela espera. Para isto existe uma especificação da linguagem.

Note que não estou dizendo que todos os objetos em JavaScript são implementados exatamente como se fossem arrays associativos da linguagem, até porque não existem arrays associativos na especificação da linguagem. A sintaxe realmente permite acessar dados de um objeto como se fossem arrays de propriedades mas há uma diferença de implementação interna.

Quando você cria um Object você não pode fazer um push() ou um sort() ou acessar .length da estrutura do objeto (claro que o seu tipo pode ter uma das propriedades com este nome) que é possível fazer em um Array (um tipo que não faz parte da linguagem e sim da biblioteca). Eles são tipos diferentes que funcionam de forma semelhante. Podemos dizer que um objeto é um array-like mas não o tipo Array mesmo.

O mesmo vale para String, parece mas ela não é apenas um Array com propriedades e uma dessas propriedades é um outro Array de caracteres (JS nem tem o conceito de caractere único como em outras linguagens, um caractere sozinho não deixa de ser uma string).

Mas você pode varrer (com for in) todos os elementos de um objeto como se fosse um Array. Você pode fazer o mesmo com um texto, caractere a caractere. Mas isto não os torna um Array normal da linguagem, ele ainda é um Object.

Não confundir um objeto em termos gerais com um Array. Claro que o tipo Array não deixa de ser um objeto, ele vem do mesmo protótipo de Object mas o contrário não é verdadeiro. Um Object qualquer não é construído com um Array, até porque você teria um problema do ovo e da galinha. O mesmo vale para String. Como os objetos precisam de strings para suas chaves o tipo String não poderia depender do Object para existir.

var meuObjeto = { a: 1, "b": 2 };
for (var chave in meuObjeto) console.log("key " + chave + "; value " + meuObjeto[chave]);
console.log("tipo: " + typeof(meuObjeto));

Coloquei no GitHub para referência futura.

Conclusão

Existe aí uma confusão entre a implementação concreta que sim, é baseada em array associativo e o conceito formal que trata esses arrays como objetos e só.

Mas já vi outras definições sobre o assunto. Eu imagino que isto tem a ver com o fato que existem implementações diferentes. Por isto, em geral (mas não em todos os casos), não é importante entender a implementação e sim a abstração exposta no padrão da linguagem. O que você precisa entender é que as propriedades de um objeto podem ser acessadas da mesma forma como é feito em um array associativo e isto traz vantagens, torna a linguagem mais dinâmica.

Veja a lista de objetos built-in na MDN. Não quer dizer que todos eles fazem parte da linguagem.

  • 1
    não poderia existir resposta melhor que a tua. Entendi uma porcentagem mais do que satisfatória e isso salvou muito do meu tempo. Se tivesse como eu marcaria certo 1000x, no entanto eu só posso agradecer de coração, haha. – ropbla9 17/11/14 às 5:23
  • @ropbla9 pode sim, eu acho até que vai aparecer. De qualquer forma leia tudo o que puder sobre o assunto. Já tem ótimas informações na resposta do mgibsonbr. Ainda vou melhorar a minha. Tem algumas coisas que não estão claras e estou pesquisando (p/ o meu benefício as melhores perguntas são as que me fazem pesquisar) para complementar. – Maniero 17/11/14 às 10:40
5

Eu não sei o que você entende por "array associativo", mas o fato é que em JavaScript todo tipo "objeto" pode receber propriedades cuja chave é textual. Arrays são objetos, mas strings nem sempre (ver resposta do Maniero para mais detalhes).

var tipos = [0, 0.0, true, "teste", new String("teste"), [], {}, /regex/, function() { }];
tipos.forEach(function(dado) {
  dado.foo = "bar";
  $("<tr></tr>")
      .append("<td>" + dado + "</td>")
      .append("<td>" + typeof dado + "</td>")
      .append("<td>" + (dado.foo == "bar") + "</td>")
      .appendTo($("table tbody"));
});
// null e undefined lançariam uma exceção no teste acima
<script src="https://ajax.googleapis.com/ajax/libs/jquery/1.11.1/jquery.min.js"></script>
<table>
  <tr><th>Dado</th><th>typeof</th><th>Propriedades arbitrárias?</th></tr>
</table>

A propósito, toda chave é textual, somente. Se você faz array[0] = 10 isso é o mesmo que fazer array["0"] = 10, para todos os efeitos. Da mesma forma, não dá pra usar um objeto complexo como chave (diferentemente de um dicionário ou map mais geral, como temos em outras linguagens) pois ele será convertido em string antes de ser inserido:

function log(texto) {
  $("<p>" + texto + "</p>").appendTo($("#saida"));
}

var arr = [];
log(arr.length); // 0
arr[0] = 10;
log(arr.length); // 1
arr["1"] = 20;
log(arr.length); // 2
arr.push(30);
log(arr.length); // 3
log(JSON.stringify(arr)); // [10, 20, 30]

var obj = {};
obj.foo = 10;
obj["bar"] = 20;
obj[{ um:"objeto" }] = 30;
obj[{ outro:"objeto" }] = 40;
log(JSON.stringify(obj)); // { "foo":10, "bar": 20, "[object Object]":40 }
<script src="https://ajax.googleapis.com/ajax/libs/jquery/1.11.1/jquery.min.js"></script>
<div id="saida"></div>

Num futuro próximo, haverá suporte para um Map propriamente dito (i.e. que utiliza qualquer objeto como chave), mas objetos comuns somente aceitam strings, ou convertem o que quer que for passado para o subscrito em uma string antes de utilizar.

Quanto a acessar strings como arrays, não sei ao certo como está especificado, mas na prática acessar um índice de uma string te retorna uma substring com um único caractere:

var str = "abc";
var ch = str[1];
typeof ch; // string
ch == "b"; // true

Usar str.charAt(indice) produz o mesmo resultado.

Se você quer os "caracteres" propriamente ditos, uma maneira é obter os code units (16 bits) usando o método str.charCodeAt(indice), que te retorna o caractere como um número inteiro (no EcmaScript 6 haverá também o str.codePointAt(indice), esse retornando qualquer code point inclusive nos SMPs). O processo inverso pode ser feito via String.fromCharCode(inteiro, ...) (ou String.fromCodePoint(...)).

Sua resposta

By clicking “Publique sua resposta”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Esta não é a resposta que você está procurando? Pesquise outras perguntas com a tag ou faça sua própria pergunta.