7

Segundo a w3, no que diz respeito a L10n e I18N, separei a explicação abaixo que vai servir como base para ilustrar minhas dúvidas.

L10n [ fonte ]

Geralmente considerada apenas como um sinônimo de tradução de uma interface gráfica ou documentação, a localização é substancialmente muito mais complexa. Ela pode implicar na personalização relacionada a:

  1. Formatos de data, hora e números
  2. Uso da moeda
  3. Verificação e classificação
  4. Símbolos, ícones e cores
  5. Textos e gráficos que, em determinada cultura, podem estar sujeitos a erros de interpretação
  6. Variação dos requisitos legais

I18n [ fonte ]

A internacionalização é a criação e o desenvolvimento de um produto, aplicação ou conteúdo de um documento que permite a localização fácil para públicos-alvo que variam em cultura, região ou idioma.

  1. Inclusão de suporte às preferências locais, regionais, culturais ou de idiomas. Normalmente, isso envolve a inserção pré-definida de dados de localização e recursos derivados de bibliotecas disponíveis ou de preferências do usuário. Exemplos incluem: formatos de data e hora, calendários locais, formatos de números e sistemas numéricos, classificação e apresentação de listas, manipulação de nomes pessoais, formas de endereço etc..

Muitos exemplos e explicações limitam a internacionalização apenas para tradução de pacotes de idioma e formatação horária e monetária. Mesmo que se faça o uso correto e amplo da i18n, ela estará sempre relacionada com a composição visual relacionada com a view, exibindo o conteúdo formatado para o idioma escolhido pelo usuário?

Sobre a localização, me parece que além de manter uma relação com a view, ela pode influenciar controllers e models, como nos exemplos n. 3, 5 e 6. L10n pode ter influência e personalizar o conteúdo que será exibido - está correto? Nesse caso, também seria baseado no idioma escolhido pelo usuário ou na regionalização do conteúdo em questão?

Procuro por algum pattern [PHP] a algum tempo mas só encontro exemplos separados, e L10n é quase inexistente. Minha I18n provê a tradução do sistema e formatação na view sem problemas, mas agora preciso ter gerência sobre o conteúdo dinâmico de acordo em a geolocalização, e creio que seja responsabilidade da L10n. Não quero uma classe multiuso nem quebrar padrão.

  • 2
    Essa até eu quero ver. Meu pacotinho de tradução simplesmente lê um arquivo .MO gerado a partir de um .PO, gera um array e bora. Agora fazer a coisa certa, do jeito certo é que são elas. – Bruno Augusto 4/11/14 às 21:08
  • @BrunoAugusto, por isso dei a base da explicação, mas ainda há outras opções como a globalização. O meu i18n trabalha com vsprintf onde posso formatar de acordo com o pacote. Acho que abrange alguns pontos da i18n, mas não faço ponte com a l10n, o que pode limitar o uso de ambos. – Papa Charlie 4/11/14 às 21:13
  • O l10n está em desuso pois é menos amplo que o i18n. No l10n você se importava com poucos aspectos , somente mesmo em traduzir texto e exibir moeda, data no formato do pais. A i18n é mais ampla e está sendo mais utilizada, você leva em consideração o conjunto de caracter (exemplo japonês, chinês), a forma de escrita ( direita - esquerda, esquerda - direita, cima - baixo ) e ajustar resources (imagens video, audio ) para a localização do usuário. Os textos colocados são muito mais teoricos do que práticos. – heat 21/11/14 às 15:50
2

Internacionalização (i18n): é o processo de desenvolvimento de uma aplicação que pode ser adaptada a vários tipos de idiomas sem interferir no núcleo do aplicação.

Localização (l10n): É o processo de adaptar uma aplicação internacionalizada para uma especifica região ou idioma com uso de uma localização (locale) especifica e traduções de textos. Fonte Wikipedia (en).

Em tese o termo localização (l10n) é usado como sinônimo de internacionalização (i18n), e globalização é o resumo de ambos os termos.

Para simplificar, O que você deseja é adaptar sua aplicação para suportar outros idiomas, formatos de data, string, fuso horário e etc de acordo com a localização (locale) do usuário, então você usará o termo internacionalização.

Configuração:

Para internacionalizar sua aplicação com PHP, basicamente dois aspectos são importantes:

01: você pode definir a função setlocale() de acordo com locale definido pelo usuário ou identificado automaticamente pela sua aplicação:

Ex:

setlocale (LC_ALL, 'pt_BR', 'pt_BR.utf8');

Desse modo você vai alterar o formato que o usuário visualiza valor monetário, data, strings e etc.

02: Traduzir as strings para isso você usará as funções do gettext disponível para dezenas de linguagens e também para o PHP.

NOTA: Não é eficaz traduzir seu site usando arrays de strings isso causa transtorno para o desenvolvimento de front-end e back-end, além de razões de performance.

Para usar o gettext o que você precisa saber se seu servidor suporta esse recurso:

if (!function_exists("gettext")){
   echo "gettext não esta instalado\n";
}
else{
   echo "gettext é suportado\n";
}

Veja no manual PHP como prosseguir com a instalação e configuração do gettext.

Após configurar seu servidor sua aplicação esta pronta para ser traduzida. Agora é só prosseguir com o desenvolvimento em suas camadas (MVC) da aplicação normalmente, mas com uma exceção para que gettext possa identificar e fazer a tradução você agora usará a função _() em suas strings, isso em qualquer camada que essas strings aparecerão, model, view ou controller, um ex:

echo _("text to be translated");

// ou

echo gettext("text to be translated");

Tradução das strings

Eu recomendo o programa Poedit para extrair as strings da sua aplicação e gerar seus arquivos .po (Portable Object) um arquivo de texto contendo suas traduções, um exemplo abaixo:

#: test.php:3
english/messages.po:
msgid "Hello World!"
msgstr "Hola Mundo"

Esse arquivo pode ser traduzido por qualquer pessoa com ajuda do Poedit ou outro editor. Ao salvar este arquivo será compilado um outro arquivo .mo (Machine Object) um arquivo binário que o gettext usa para leitura e tradução das strings.

Com seus .mo traduzidos, salve em uma pasta de acordo com cada locale:

Portable Object files

.
├── i18n
│   ├── en_US
│   │   └── LC_MESSAGES
│   │       └── messages.mo
│   ├── en_UK
│   │   └── LC_MESSAGES
│   │       └── messages.mo
│   └── es_ES
│       └── LC_MESSAGES
│           └── messages.mo
└── index.php       

Automaticamente seus textos serão traduzidos de acordo com o locale do usuário.

Considerações

Embora à primeira vista o gettext parece ser e um pouco complexo, uma vez configurado em seu sistema sua aplicação poderá ser traduzida e atualizada de maneira rápida e eficaz, e ainda permite que outras pessoas que não sejam respectivamente programadores possam trabalhar nas traduções dos arquivos de maneira síncrona e usando apenas um editor de .po.

Existem alguns "contras" à essa maneira para internacionalizar aplicação, uma delas é devido os arquivos binários .mo ficarem armazenados na memória do servidor cada alteração nos arquivos .po você terá que recompilar e gerar novos arquivos .mo e com isso reiniciar seu servidor.

Alternativas se seu servidor não suporta gettext

Como alternativa você pode usar uma library em PHP similar para simular o a função _() da mesma maneira que o WordPress usa como fallback caso não exista a função gettext. No entanto o uso dessa alternativa resulta consideravelmente a performance do servidor.

  • A parte de configuração não era necessária, e você abordou apenas pacotes de tradução e minha questão é justamente sobre l10n. Localização vai além de "adaptar uma aplicação internacionalizada", isso é a própria internacionalização. – Papa Charlie 30/11/14 às 5:43
  • @PapaCharlie Eu concordo com a definição do Adriano (e da Wikipedia) sobre os termos. Porém, as definições desses termos não são absolutas, tem pessoas e empresas que os usam conforme suas próprias definições. – bfavaretto 1/12/14 às 16:23
  • Pois é @bfavaretto, não são absolutas. Mas não concordo com a descrição da l10n que foi dada. Até a descrição pela W3 pode gerar confusão, mas ao meu ver, a l10n tem relação com conteúdo regional e não apenas o fato de "adaptar uma aplicação internacionalizada". Mas estou aberto ao debate :) – Papa Charlie 1/12/14 às 19:35
  • @PapaCharlie o assunto é muito bom! realmente causa dúvidas, na minha percepção se o objetivo é tornar um produto/aplicação disponível para outros idiomas e culturas i18n é o termo p/ design/desenvolvimento. Disponibilizar esse produto/conteúdo no formato correcto para o seu alvo, ex: en_UK, en_US, en_AU então o L10n faz sentido, digamos que uma aplicação i18n X esta localizada para pt_BR, pt_PT e en_US, tecnicamente falando disso em PHP é mais ou menos como citei anteriormente, no meu ponto de vista, mas acho vai que mto além, e falando de escala mundial o termo G11n seja mais apropriado. – Adriano Rosa 2/12/14 às 3:26
  • Veja o caso do Google Doodles que formata o logotipo. Ou quando você acessa um site nacional de notícias e ver o destaque da sua cidade. É a L18n em ação. Meu ponto é esse e não o foco na I18n. Como disse na questão, já tenho a I18n em funcionamento. – Papa Charlie 2/12/14 às 4:02

Sua resposta

By clicking “Publique sua resposta”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Esta não é a resposta que você está procurando? Pesquise outras perguntas com a tag ou faça sua própria pergunta.