0

Esse programa é um exercício para se trabalhar com pilhas, está tudo certo, mas quando eu diminuo tamanho da pilha pra excluir o ultimo termo ele aparece no penúltimo elemento do vetor.

#include <stdio.h>
#include <windows.h>

typedef struct viagem {
  char nome[50];
  char uf[2];
}v;

typedef struct pilha{
  int topo;
  int distancia;
  int visitadas;
  v cidades[10];
}p;

void empilhar (p *pilha) {
  int dist;
  system("cls");
  pilha->topo++;
  printf("Cidade destino: " );
  scanf("%[^\n]s",&pilha->cidades[pilha->topo].nome );
  printf("UF: " );
  scanf("%s",&pilha->cidades[pilha->topo].uf );
  printf("Distancia: " );
  scanf("%i",&dist);
  pilha->visitadas++;
  pilha->distancia=pilha->distancia+dist;
}
void desempilhar (p *pilha){
  pilha->topo--;
}
int main (){
  p pilha;
  pilha.topo=-1;
  pilha.visitadas = 0;
  pilha.distancia = 0;
  int flag=1;
  int opc;
  do {
    system ("cls");
    if (pilha.topo == -1) {
      printf("Voce esta em Maringa-Pr !");
    }
    else {
      printf("Voce esta em %s-%s",pilha.cidades[pilha.topo].nome,pilha.cidades[pilha.topo].uf);
    }
    printf("\nVoce visitou %i cidades", pilha.visitadas );
    printf("\nVoce percoreu %ikm\n", pilha.distancia );
    printf("\n1-Avancar");
    printf("\n2-Voltar");
    printf("\n3-Sair");
    printf("\nopcao: " );
    scanf("%i%*c",&opc );
    switch (opc) {
      case 1:
        empilhar (&pilha);
      break;
      case 2:
        desempilhar (&pilha);
      break;
      case 3:
        flag=0;
      break;
    }
  } while(flag);
  printf("Programa finalizado ! " );
  scanf("%*i",&opc);
}
  • 1
    Note que para armazenar 2 caracteres em uma string (caso da UF) você precisa prever espaço para o caractere terminador '\0'. Declare char[3]. – anonimo 22/04 às 12:47
  • Perfeito ! Muito obrigado – Wingeds 22/04 às 16:23
  • 1
    O problemamente não está exatamente na pilha, explico: a pilha que você implementou guarda apenas as variáveis v.nome e v.uf, quando você desempilha, esses dados são atualizados e a interface informa corretamente em qual cidade o usuário se encontra. Contudo, a pilha não guarda as variáveis pilha.distancia e pilha.visitadas e como a função desempilhar() não altera esses valores, ao desempilhar, os dados permanecem inalterados. – v. Santos 22/04 às 17:42
  • a observação do @v.Santos é pertinente – zentrunix 23/04 às 1:34
0

Problema 1:

typedef struct viagem {
  char nome[50];
  // char uf[2]; // <-------------- ERRO
  char uf[3];
} v;

Problema 2:

void desempilhar (p *pilha){
  if (pilha->topo >= 0)  // <------- FALTA
    pilha->topo--;
}

E a observação do @v. Santos está correta: distância e "visitadas" deveriam fazer parte de cada elemento da pilha, não apenas um valor para toda a pilha.

1

Boa tarde Wingeds,

Acredito que exista um problema conceitual na sua Pilha, que, por definição, são estruturas de dados LIFO (Last in, first out). Elas podem ser implementadas, dentre outras formas, através de Vetores dinâmicos e de Listas encadeadas.

No caso que você apresentou o que pude perceber é que você está usando a instancia de um TAD para armazenar dados nele, mas isso conceitualmente não é uma pilha.

Ilustração de uma pilha abaixo

inserir a descrição da imagem aqui

Voltando para o seu problema:

As operações de Inserir (Push) e Remover (Pop) na pilha vão variar de acordo com o modelo que você está utilizando. No caso de vetores o Pop é através de um "Apagar lógico", que se trata de voltar uma posição no "Topo" da pilha, sem necessariamente remover o valor, e o Push será sobrescrevendo esses valores anteriores ou inserindo valores em espaços vazios. No caso de listas encadeadas o Push é através de alocação dinâmica, famoso malloc(), onde você vai alocar o espaço de uma célula (TAD) e o ligar no topo da lista, e o Pop se dá através da função free(), onde você vai liberar o espaço alocado para a célula que deseja apagar, tomando cuidado, claro, para não perder a referência do valor anterior.

Ilustração abstratas de Push e Pop

inserir a descrição da imagem aqui

inserir a descrição da imagem aqui

Caso minha observação esteja incorreta e a sua atividade se trate realmente de usar a instancia do seu struct para armazenar seus dados favor sinalizar para que eu possa apagar a resposta!

Abraços e bons estudos!

  • Discordo. O que define uma pilha não é a natureza do vetor utilizado na sua implementação, mas sim o respeito à logica LIFO. No presente caso, o sujeito que fez a pergunta implementou uma pilha estática - que infelizmente tem lá seus problemas - e, portanto, não faz o menor sentido o uso de malloc() para a alocação dinâmica de memória. – v. Santos 22/04 às 17:36
  • Boa tarde @v.Santos, acho que houve um desentendimento da sua parte. Primeiramente: Em nenhum momento eu disse que o que DEFINE a pilha é o uso de vetores dinâmicos, eu disse que são estruturas de dados do tipo LIFO e que PODEM SER IMPLEMENTADAS ATRAVÉS de vetores dinâmicos, pois de fato é possível. O questionamento sobre a estrutura dele ser uma pilha se deu pelo fato dos dados não estarem separados para serem removidos ou inseridos seguindo o conceito que apresentei. Mas obrigado pela observação, irei editar para ficar mais claro e evitar desentendimentos futuros, abraços! – H.Lima 22/04 às 20:13
  • Não creio que seja um caso de "desentendimento da minha parte", na realidade, eu realmente não concordo com a sua resposta e mesmo após os seus esclarecimentos continuo não concordando. Explico: as suas referências às implementações de uma pilha dinâmica, no mínimo, não se relacionam à pergunta, já que não faz o menor sentido usar malloc() e free() no código apresentado. E a sua concepção de que não se deve usar uma "instância de uma struct" para armazenar dados em uma pilha é, no mínimo, equivocada. Abraços @H.Lima. – v. Santos 22/04 às 21:43

Sua resposta

By clicking “Publique sua resposta”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Esta não é a resposta que você está procurando? Pesquise outras perguntas com a tag ou faça sua própria pergunta.