5

Estou a tentar analisar os casos (linhas) de um data.frame com dplyr, mas sem sucesso. Criei duas funções para isso:

f1 <- function(x) {
  c(s = sum(x), 
    m = mean(x), 
    v = var(x))
}

f2 <- function(x) {
  apply(x, 1, f1)
}

Meu data.frame (data_1):

for (i in 1:6) {
  assign(paste('var', i, sep = '_'), 
         runif(30, 20, 100))
}

data_1 <- do.call(
  cbind.data.frame, 
  mget(ls(pattern = '*v'))
)

Uso das funções do package dplyr:

library(dplyr)

data_1 %>%
  mutate_at(.vars = vars (starts_with('v')),
            .funs = funs(.= f2))

data_1 %>%
  mutate_if(is.numeric, .funs = funs(.= f2))

Error in mutate_impl(.data, dots) : Evaluation error: dim(X) must have a positive length.

Como a análise é feita nas linhas, e tenho três funções (soma, média e variância), o retorno esperado é de três colunas.

3

Aqui vão duas maneiras de fazer o que pede, uma com R base e a outra com o pacote dplyr.

Primeiro vou refazer os dados, com set.seed para tornar os resultados reprodutíveis. E dum modo mais fácil e natural que com chamadas a assign.

set.seed(1234)    # Torna os resultados reprodutíveis

data_1 <- as.data.frame(replicate(6, runif(30, 20, 100)))
names(data_1) <- paste0("var", 1:6)

Viu? Muito mais fácil

Solução R base.

cbind(data_1, t(f2(data_1)))

Solução dplyr.

library(dplyr)

data_1 %>%
  bind_cols(data_1 %>% f2() %>% t() %>% as.data.frame())

Esta instrução aplica bind_cols com primeiro argumento o que vem do pipe %>% e segundo argumento o resultado da aplicação de f2() aos dados. Mas depois disso, é necessário transpor a matriz de saída de f2() e transformá-la em data.frame.

Talvez seja mais simples ter a saída da função f2 já no formato requerido por bind_cols.

f2b <- function(x) {
  apply(x, 1, f1) %>% t() %>% as.data.frame()
}

data_1 %>%
  bind_cols(data_1 %>% f2b())
3

Uma opção usando o pacote data.table:

library(data.table)

#transformar o data frame em data.table
data_2 = as.data.table(data_1)

# criar os indices para indicar que o cálculo será feito para cada linha
data_2[, i := .I]

# vetor com nome das colunas para calcular
colNam = paste0('var_', 1:6)

# calcular soma, media e var para cada ID i (ou seja, cada linha)
data_2[, ":=" (s = sum(.SD), m = rowMeans(.SD), v = apply(.SD, 1, var)), by = i, .SDcols = colNam]

# remover coluna ID
data_2[, i := NULL]
3

O erro

A mensagem de erro indica que a função apply(), chamada por f2() está sendo rodada em um objeto que não tem duas dimenções. Isso ocorre porque o mutate vai tentar aplicar a função em cada uma das colunas, que de fato não tem duas dimensões.

A solução

Executar operações por linha é uma questão não trivial dentro do . Isso ocorre porque este pacote/filosofia foi pensado para trabalhar com tabelas em formato longo e por grupos.

A maior prova disso é que já houveram esforços de três grandes desenvolvedores do tidyverse para atacar essa questão. O Hadley Wickham criou purrrlyr, a Jenny Bryan tratou o tema aqui (e principalmente aqui) e o próprio Romain François, atual mantenedor do , criou recentemente este pacote.

A resposta que ofereço então, será usar o purrr::transpose() para resolver a questão.

O oferece a função transpose que torna lista[[1]]][[2]] em lista[[2]][[1]]. Usando essa função podemos criar uma coluna-lista para cada linha.

tidy_data <- data_1 %>% 
  as_tibble() %>% 
  mutate(linhas = transpose(data_1) %>% map(unlist))

tidy_data
# A tibble: 30 x 7
    var1  var2  var3  var4  var5  var6 linhas   
   <dbl> <dbl> <dbl> <dbl> <dbl> <dbl> <list>   
 1  29.1  56.5  89.2  33.3  79.5  55.1 <dbl [6]>
 2  69.8  41.2  23.3  92.0  93.3  38.3 <dbl [6]>
 3  68.7  44.4  45.4  30.7  99.6  26.6 <dbl [6]>
 4  69.9  60.6  21.1  30.5  95.4  88.0 <dbl [6]>
 5  88.9  34.5  39.1  28.4  58.9  38.8 <dbl [6]>
 6  71.2  80.8  76.5  60.9  42.7  99.1 <dbl [6]>
 7  20.8  36.1  44.6  44.0  40.1  68.2 <dbl [6]>
 8  38.6  40.7  60.7  22.1  60.3  99.9 <dbl [6]>
 9  73.3  99.4  24.1  44.8  59.8  50.0 <dbl [6]>
10  61.1  84.6  65.2  79.4  45.5  64.4 <dbl [6]>
# ... with 20 more rows

Depois de isso feito, basta aplicar sua função para cada linha com mutate() + map().

tidy_data %>% 
  mutate(estats = map(linhas, f1))

# A tibble: 30 x 8
    var1  var2  var3  var4  var5  var6 linhas    estats   
   <dbl> <dbl> <dbl> <dbl> <dbl> <dbl> <list>    <list>   
 1  29.1  56.5  89.2  33.3  79.5  55.1 <dbl [6]> <dbl [3]>
 2  69.8  41.2  23.3  92.0  93.3  38.3 <dbl [6]> <dbl [3]>
 3  68.7  44.4  45.4  30.7  99.6  26.6 <dbl [6]> <dbl [3]>
 4  69.9  60.6  21.1  30.5  95.4  88.0 <dbl [6]> <dbl [3]>
 5  88.9  34.5  39.1  28.4  58.9  38.8 <dbl [6]> <dbl [3]>
 6  71.2  80.8  76.5  60.9  42.7  99.1 <dbl [6]> <dbl [3]>
 7  20.8  36.1  44.6  44.0  40.1  68.2 <dbl [6]> <dbl [3]>
 8  38.6  40.7  60.7  22.1  60.3  99.9 <dbl [6]> <dbl [3]>
 9  73.3  99.4  24.1  44.8  59.8  50.0 <dbl [6]> <dbl [3]>
10  61.1  84.6  65.2  79.4  45.5  64.4 <dbl [6]> <dbl [3]>
# ... with 20 more rows

A solução acima deixa o resultado numa coluna-lista, caso fique desconfortável com elas podemos expandir o mutate e teremos

tidy_data %>% 
  mutate(s = map_dbl(linhas, sum),
         m = map_dbl(linhas, mean),
         v = map_dbl(linhas, sd))

# A tibble: 30 x 10
    var1  var2  var3  var4  var5  var6 linhas        s     m     v
   <dbl> <dbl> <dbl> <dbl> <dbl> <dbl> <list>    <dbl> <dbl> <dbl>
 1  29.1  56.5  89.2  33.3  79.5  55.1 <dbl [6]>  343.  57.1  24.0
 2  69.8  41.2  23.3  92.0  93.3  38.3 <dbl [6]>  358.  59.7  29.7
 3  68.7  44.4  45.4  30.7  99.6  26.6 <dbl [6]>  315.  52.6  27.4
 4  69.9  60.6  21.1  30.5  95.4  88.0 <dbl [6]>  365.  60.9  30.0
 5  88.9  34.5  39.1  28.4  58.9  38.8 <dbl [6]>  289.  48.1  22.4
 6  71.2  80.8  76.5  60.9  42.7  99.1 <dbl [6]>  431.  71.9  19.0
 7  20.8  36.1  44.6  44.0  40.1  68.2 <dbl [6]>  254.  42.3  15.4
 8  38.6  40.7  60.7  22.1  60.3  99.9 <dbl [6]>  322.  53.7  26.9
 9  73.3  99.4  24.1  44.8  59.8  50.0 <dbl [6]>  351.  58.6  25.8
10  61.1  84.6  65.2  79.4  45.5  64.4 <dbl [6]>  400.  66.7  13.9
# ... with 20 more rows

Outra solução possível seria jogar a tabela num formato longo, agrupar os dados por linhas e criar um sumário com as estatísticas.

Estas soluções são mais robustas do que transformar a tabela em matriz porque na matriz pode ocorrer a coerção dos dados para character caso haja uma coluna deste tipo na tabela.

Sua resposta

Ao clicar em “Publique sua resposta”, você concorda com os termos de serviço, política de privacidade e política de Cookies

Esta não é a resposta que você está procurando? Pesquise outras perguntas com a tag ou faça sua própria pergunta.