13

Para um trabalho de uma disciplina, eu construi o seguinte código em Python com uso dos pacotes Matplotlib e scikit-image:

#!/usr/bin/env python
# -*- coding: utf-8 -*-

import numpy as np
from scipy import interpolate
from mpl_toolkits.mplot3d import Axes3D
from pylab import *
from skimage.filter import gabor_kernel
import matplotlib.pyplot as plt
import matplotlib.gridspec as gridspec

# Função utilizada para reescalar o kernel
def resize_kernel(aKernelIn, iNewSize):
    x = np.array([v for v in range(len(aKernelIn))])
    y = np.array([v for v in range(len(aKernelIn))])
    z = aKernelIn

    xx = np.linspace(x.min(), x.max(), iNewSize)
    yy = np.linspace(y.min(), y.max(), iNewSize)

    aKernelOut = np.zeros((iNewSize, iNewSize), np.float)    
    oNewKernel = interpolate.RectBivariateSpline(x, y, z)
    aKernelOut = oNewKernel(xx, yy)

    return aKernelOut


if __name__ == "__main__":
    fLambda = 3.0000000001   # comprimento de onda (em pixels)
    fTheta  = 0              # orientação (em radianos)
    fSigma  = 0.56 * fLambda # envelope gaussiano (com 1 oitava de largura de banda)
    fPsi    = np.pi / 2      # deslocamento (offset)

    # Tamanho do kernel (3 desvios para cada lado, para limitar cut-off)
    iLen = int(math.ceil(3.0 * fSigma))
    if(iLen % 2 != 0):
        iLen += 1

    # Obtém o kernel Gabor para os parâmetros definidos
    z = np.real(gabor_kernel(fLambda, theta=fTheta, sigma_x=fSigma, sigma_y=fSigma, offset=fPsi))

    # Plotagem do kernel

    fig = plt.figure(figsize=(16, 9))
    fig.suptitle(r'Gabor kernel para $\lambda=3.0$, $\theta=0.0$, $\sigma=0.56\lambda$ e $\psi=\frac{\pi}{2}$', fontsize=25)
    grid = gridspec.GridSpec(1, 2, width_ratios=[1, 2])

    # Gráfico 2D
    plt.gray()
    ax = fig.add_subplot(grid[0])
    ax.set_title(u'Visualização 2D')
    ax.imshow(z, interpolation='nearest')
    ax.set_xticklabels([v for v in range((-iLen/2)-1, iLen/2+1)], fontsize=10)
    ax.set_yticklabels([v for v in range((-iLen/2)-1, iLen/2+1)], fontsize=10)

    # Gráfico em 3D

    # Reescalona o kernel para uma exibição melhor
    z = resize_kernel(z, 300)
    # Eixos x e y no intervalo do tamanho do kernel
    x = np.linspace(-iLen/2, iLen/2, 300)
    y = x
    x, y = meshgrid(x, y)

    ax = fig.add_subplot(grid[1], projection='3d')
    ax.set_title(u'Visualização 3D')
    ax.plot_surface(x, y, z, cmap='hot')

    print(iLen)

    plt.show()

Note a definição da variável fLambda na linha 29:

fLambda = 3.0000000001

Se a variável é definida dessa forma (isto é, com um grande número de decimais, mas com valor bem próximo de 0), a plotagem do kernel Gabor (que é a intenção desse programa) aparece como esperado:

inserir a descrição da imagem aqui

Porém, se a variável é definida em uma das formas abaixo (isto é, com o valor redondo '3'):

fLambda = 3.0
# ou
fLambda = float(3)

[...] a plotagem aparece com um resultado bastante diferente do esperado:

inserir a descrição da imagem aqui

A minha primeira impressão era de que a interpolação utilizada no reescalonamento do kernel (função resize_kernel) estava errada, mas pode-se observar na visualização 2D (que utiliza diretamente o Kernel devolvido pelo pacote scikit-image, isto é, SEM interpolação), que o kernel já está diferente.

Outra informação: ao usar o valor 3.000000000000001 (15 decimais) o resultado é igual ao da primeira imagem; ao usar valores com mais decimais (por exemplo, 3.0000000000000001 - 1 casa decimal a mais), o resultado já passa a ser igual à segunda imagem.

Esse resultado parece correto pra alguém (será o Gabor kernel tão diferente para valores inteiros e de ponto flutuante assim)? Pode haver algum erro de precisão envolvido? Será alguma especificidade do Python ou mesmo do pacote scikit-image?

Versão do Python: 2.7.5 (windows 7 32bit) Versão do Matplotlib: 1.3.1 Versão do numpy: 1.8.0 Versão do scikit-image: 0.9.3

  • 3
    Eu "apostaria" num erro de precisão. Lembre-se que 3.0000000001 é maior que 3, se em qualquer momento for exigido um teto ele será 4 no primeiro caso e 3 no segundo (quando vi o ceil no seu código quase achei que havia achado o erro, mas aí percebi que ele envolvia fSigma e não fLambda). E, claro, ao aumentar demais o limite de casas decimais você atinge o limite da representação em ponto flutuante, fazendo o valor voltar a ser 3 (e, portanto, o resultado ser igual ao da segunda imagem). – mgibsonbr 14/12/13 às 11:52
  • Obriado pelo comentário, @mgibsonbr. Você deve ter razão, talvez o pacote scikit-image use um ceil internamente e cause diferenças no resultado. Estou fazendo um teste semelhante em C++ com OpenCV pra ver se encontro essa mesma diferença. De todas as formas, obrigado pela ajuda! :) – Luiz Vieira 14/12/13 às 16:29
  • Disponha! Eu entendo pouco de matemática, mas também me ocorreu a possibilidade de que sua função tenha uma descontinuidade justamente nesse ponto, o que faria com que o resultado ficasse radicalmente diferente para o valor de 3 ou para um valor tendendo a 3. Não sei se se aplica ao seu caso em particular ou não, mas se o seu teste com C++ der resultados semelhantes vale a pena investigar essa possibilidade... – mgibsonbr 14/12/13 às 22:59
  • Entendo, mas não sei se é o caso porque trata-se de uma função senoidal em que o 3 é o comprimento da onda (wavelength, ou lambda). Segundo várias fontes que eu li, nesse domínio (processamento de imagens) o parâmetro lambda é dado em pixels. Por isso, eu não esperava ver muita diferença das ondas produzidas pela imagem 1. – Luiz Vieira 14/12/13 às 23:08
  • 1
    @mgibsonbr: Fiz o teste em C++ com OpenCV. Lá, os resultados são consistentes, isto é, não faz absolutamente nenhuma diferença usar 3.0 ou 3.00001 no valor de lambda. Creio que a diferença deve ser algum detalhe do pacote scikit-image mesmo, talvez algo como o que você sugeriu. – Luiz Vieira 18/12/13 às 17:23
7
+50

As diferenças decorreram na verdade de uma pequena confusão (de minha parte mesmo, desculpem!) a respeito do primeiro parâmetro utilizado na chamada da função gabor_kernel do pacote scikit-image. NÃO HÁ ERRO no código de gabor_kernel, o scikit-image apenas utiliza uma abordagem diferente do OpenCV (com o qual eu estava acostumado).

Essa resposta corrige a anterior, e foi alcançada com a ajuda dos colegas em comentários efetuados na questão e também com uma dúvida enviada diretamente ao desenvolvedor do pacote scikit-image (veja issue no Git do projeto neste link).

Explicando melhor...

O filtro de Gabor é composto de um sinal sinusoidal e um envelope gaussiano. O sinal sinuisoidal é definido por três parâmetros: um relacionado ao comprimento da onda (ou à sua frequência, dependendo do ponto de vista preferido), outro à orientação espacial do sinal (rotação) e o terceiro ao deslocamento (offset) da função. O envelope gaussiano é definido por dois parâmetros: um desvio padrão (a média é o centro do kernel) e uma razão de aspecto (quão circular a gaussiana bidimensional é; 1 significa totalmente circular - o scikit-image utiliza dois desvios padrões distintos para x e y, para ter o mesmo efeito).

Talvez seja mais comum na literatura (vide equações disponíveis na Wikipedia, implementação do OpenCV e applet Java referida na resposta anterior) a caracterização do sinal sinusoidal em termos do comprimento de onda (lambda). De todas as formas, o comprimento e a frequência da onda se relacionam segundo uma razão (vide esse link na Wikipedia, por exemplo) tal que a frequencia f é igual a uma velocidade v dividida pelo comprimento de onda lambda:

inserir a descrição da imagem aqui

Assumindo-se 1 para a velocidade (devido ao contexto de processamento de imagens digitais), é uma alternativa totalmente correta calcular o componente complexo do filtro de Gabor com a multiplicação do valor da FREQUÊNCIA ao invés da divisão do valor do COMPRIMENTO DE ONDA.

A divisão que eu mencionei como "DÚVIDA 1" na resposta anterior deve-se apenas à normalização do envelope gaussiano (para que a soma dos pesos no kernel gaussiano seja igual a 1 - notem nos testes abaixo que a escala de valores no eixo z é menor do que nos testes que eu fiz na resposta anterior).

Concluindo...

Na minha construção eu estava considerando que o parâmetro inicial da função gabor_kernel era o comprimento de onda em pixels, e não a frequência do sinal como esperado pelo pacote scikit-image. Desse modo, as variações observadas não eram decorrentes de diferenças de precisão no Python ou de erros no pacote scikit-image, mas sim do fato de que há diferenças significativas entre 3 e 3.00001 em termos de representação de frequência.

Considerando isso, eu mantive no meu código original a definição do kernel em termos do comprimento de onda (lambda), e apenas utilizei o valor 1.0 / fLambda como parâmetro para a chamada de gabor_kernel (isto é, simplesmente converto o valor do comprimento de onda para o valor de frequência, como esperado pelo pacote).

Testando novamente, o kernel agora apresenta os resultados consistentes e sem variações. :)

Teste com fLambda = 3: inserir a descrição da imagem aqui

Teste com fLambda = 3.00001: inserir a descrição da imagem aqui

Código final correto:

#!/usr/bin/env python
# -*- coding: utf-8 -*-

import numpy as np
from scipy import interpolate
from mpl_toolkits.mplot3d import Axes3D
from pylab import *
from skimage.filter import gabor_kernel
import matplotlib.pyplot as plt
import matplotlib.gridspec as gridspec

# Função utilizada para reescalar o kernel
def resize_kernel(aKernelIn, iNewSize):
    x = np.array([v for v in range(len(aKernelIn))])
    y = np.array([v for v in range(len(aKernelIn))])
    z = aKernelIn

    xx = np.linspace(x.min(), x.max(), iNewSize)
    yy = np.linspace(y.min(), y.max(), iNewSize)

    aKernelOut = np.zeros((iNewSize, iNewSize), np.float)    
    oNewKernel = interpolate.RectBivariateSpline(x, y, z)
    aKernelOut = oNewKernel(xx, yy)

    return aKernelOut


if __name__ == "__main__":
    fLambda = 3              # comprimento de onda (em pixels)
    fTheta  = 0              # orientação (em radianos)
    fSigma  = 0.56 * fLambda # envelope gaussiano (com 1 oitava de largura de banda)
    fPsi    = np.pi / 2      # deslocamento (offset)

    # Tamanho do kernel (3 desvios para cada lado, para limitar cut-off)
    iLen = int(math.ceil(3.0 * fSigma))
    if(iLen % 2 != 0):
        iLen += 1

    # Obtém o kernel Gabor para os parâmetros definidos
    z = np.real(gabor_kernel(1.0/fLambda, theta=fTheta, sigma_x=fSigma, sigma_y=fSigma, offset=fPsi))

    # Plotagem do kernel

    fig = plt.figure(figsize=(16, 9))
    fig.suptitle(r'Gabor kernel para $\lambda=3.0$, $\theta=0.0$, $\sigma=0.56\lambda$ e $\psi=\frac{\pi}{2}$', fontsize=25)
    grid = gridspec.GridSpec(1, 2, width_ratios=[1, 2])

    # Gráfico 2D
    plt.gray()
    ax = fig.add_subplot(grid[0])
    ax.set_title(u'Visualização 2D')
    ax.imshow(z, interpolation='bicubic')
    ax.set_xticklabels([v for v in range((-iLen/2)-1, iLen/2+1)], fontsize=10)
    ax.set_yticklabels([v for v in range((-iLen/2)-1, iLen/2+1)], fontsize=10)

    # Gráfico em 3D

    # Reescalona o kernel para uma exibição melhor
    z = resize_kernel(z, 300)
    # Eixos x e y no intervalo do tamanho do kernel
    x = np.linspace(-iLen/2, iLen/2, 300)
    y = x
    x, y = meshgrid(x, y)

    ax = fig.add_subplot(grid[1], projection='3d')
    ax.set_title(u'Visualização 3D')
    ax.plot_surface(x, y, z, cmap='hot')

    print(iLen)

    plt.show()
5

Com a ajuda dos comentários efetuados, me parece que há um possível erro no cálculo realizado pela função gabor_kernel do pacote scikit-image.

A função original (obrigado ao @ricidleiv por postar o link com o código) faz o cálculo do valor complexo. As linhas que executam tal cálculo estão no final da função, e são reproduzidas abaixo:

g = np.zeros(y.shape, dtype=np.complex)
g[:] = np.exp(-0.5 * (rotx**2 / sigma_x**2 + roty**2 / sigma_y**2))
g /= 2 * np.pi * sigma_x * sigma_y                                   # <- DÚVIDA 1
g *= np.exp(1j * (2 * np.pi * frequency * rotx + offset))            # <- DÚVIDA 2

return g

Para comparação, considere o código da mesma função na implementação do OpenCV (disponível aqui) e as fórmulas (em versão complexa, real e imaginária) disponíveis na Wikipedia:

inserir a descrição da imagem aqui

A implementação do OpenCV calcula diretamente o valor real (que é o que me interessa, e de fato a implementação que eu fiz no Python chama np.real para extrair o valor real do valor complexo devolvido). A implementação do scikit-image calcula o valor complexo, mas a implementação tem algumas características que parecem estar incorretas.

Na linha marcada com o comentário "<- DÚVIDA 1", por exemplo, por que essa divisão é executada? Ela parece ser um valor redundante, uma vez que a divisão por 2 * sigma da fórmula já está incluida pela multiplicação do valor -0.5 na linha anterior.

Além disso, a parte final da fórmula - que calcula o sinal complexo, está multiplicando a frequencia (lambda, na fórmula) pelo valor de x rotacionado, sendo que deveria dividi-lo ao meu entender.

Eu fiz um pequeno teste copiando a função original do scikit-image para o meu código e chamando-a my_gabor_kernel. Alterei essa parte do código de forma que me parecesse correto segundo a fórmula do filtro Gabor na Wikipedia. Ficou assim:

g = np.zeros(y.shape, dtype=np.complex)
g[:] = np.exp(-0.5 * (rotx**2 / sigma_x**2 + roty**2 / sigma_y**2))
g *= np.exp(1j * (2 * np.pi * rotx / frequency + offset))

return g

Após executar novos testes, não há mais diferença entre a utilização do valor 3 ou 3.0001. O resultado do kernel produzido também parece condizente, ainda que com uma frequencia aparente (visual) leventemente maior do que anteriormente observado. Considerando que o valor de lambda é dado em pixels, esse resultado me parece condizente e o "problema" de precisão não ocorre.

Usando o valor 3: Usando o valor 3

Usando o valor 3.000001: Usando o valor 3.0000001

EDIT:

Aqui está o código completo que eu utilizei no meu teste, caso alguém mais deseje testar:

#!/usr/bin/env python
# -*- coding: utf-8 -*-

import numpy as np
from scipy import interpolate
from mpl_toolkits.mplot3d import Axes3D
from pylab import *
from skimage.filter import gabor_kernel
import matplotlib.pyplot as plt
import matplotlib.gridspec as gridspec

def my_gabor_kernel(frequency, theta=0, bandwidth=1, sigma_x=None, sigma_y=None,
                 offset=0):
    if sigma_x is None:
        sigma_x = _sigma_prefactor(bandwidth) / frequency
    if sigma_y is None:
        sigma_y = _sigma_prefactor(bandwidth) / frequency

    n_stds = 3
    x0 = np.ceil(max(np.abs(n_stds * sigma_x * np.cos(theta)),
                     np.abs(n_stds * sigma_y * np.sin(theta)), 1))
    y0 = np.ceil(max(np.abs(n_stds * sigma_y * np.cos(theta)),
                     np.abs(n_stds * sigma_x * np.sin(theta)), 1))
    y, x = np.mgrid[-y0:y0+1, -x0:x0+1]

    rotx = x * np.cos(theta) + y * np.sin(theta)
    roty = -x * np.sin(theta) + y * np.cos(theta)

    g = np.zeros(y.shape, dtype=np.complex)
    g[:] = np.exp(-0.5 * (rotx**2 / sigma_x**2 + roty**2 / sigma_y**2))
    #g /= 2 * np.pi * sigma_x * sigma_y
    g *= np.exp(1j * (2 * np.pi * rotx / frequency + offset))

    return g

# Função utilizada para reescalar o kernel
def resize_kernel(aKernelIn, iNewSize):
    x = np.array([v for v in range(len(aKernelIn))])
    y = np.array([v for v in range(len(aKernelIn))])
    z = aKernelIn

    xx = np.linspace(x.min(), x.max(), iNewSize)
    yy = np.linspace(y.min(), y.max(), iNewSize)

    aKernelOut = np.zeros((iNewSize, iNewSize), np.float)    
    oNewKernel = interpolate.RectBivariateSpline(x, y, z)
    aKernelOut = oNewKernel(xx, yy)

    return aKernelOut


if __name__ == "__main__":
    fLambda = 3.0000001      # comprimento de onda (em pixels)
    fTheta  = 0              # orientação (em radianos)
    fSigma  = 0.56 * fLambda # envelope gaussiano (com 1 oitava de largura de banda)
    fPsi    = np.pi / 2      # deslocamento (offset)

    # Tamanho do kernel (3 desvios para cada lado, para limitar cut-off)
    iLen = int(math.ceil(3.0 * fSigma))
    if(iLen % 2 != 0):
        iLen += 1

    # Obtém o kernel Gabor para os parâmetros definidos
    z = np.real(my_gabor_kernel(fLambda, theta=fTheta, sigma_x=fSigma, sigma_y=fSigma, offset=fPsi))
    print(z.shape)

    # Plotagem do kernel

    fig = plt.figure(figsize=(16, 9))
    fig.suptitle(r'Gabor kernel para $\lambda=3.0$, $\theta=0.0$, $\sigma=0.56\lambda$ e $\psi=\frac{\pi}{2}$', fontsize=25)
    grid = gridspec.GridSpec(1, 2, width_ratios=[1, 2])

    # Gráfico 2D
    plt.gray()
    ax = fig.add_subplot(grid[0])
    ax.set_title(u'Visualização 2D')
    ax.imshow(z, interpolation='bicubic')
    ax.set_xticklabels([v for v in range((-iLen/2)-1, iLen/2+1)], fontsize=10)
    ax.set_yticklabels([v for v in range((-iLen/2)-1, iLen/2+1)], fontsize=10)

    # Gráfico em 3D

    # Reescalona o kernel para uma exibição melhor
    z = resize_kernel(z, 300)
    # Eixos x e y no intervalo do tamanho do kernel
    x = np.linspace(-iLen/2, iLen/2, 300)
    y = x
    x, y = meshgrid(x, y)

    ax = fig.add_subplot(grid[1], projection='3d')
    ax.set_title(u'Visualização 3D')
    ax.plot_surface(x, y, z, cmap='hot')

    print(iLen)

    plt.show()

P.S.: Também para comparação, pode-se brincar com essa applet Java do depto de computação da Universidade de Groningen. Pra chegar em um resultado semelhante, use 90 no deslocamento (a applet recebe o offset em graus). Como a imagem tem tamanho fixo (o meu código escala pra facilitar a visualização), use 30 ao invés de 3 no comprimento para ser mais fácil de enxergar. Exemplo do uso da applet:

inserir a descrição da imagem aqui

EDIT:

Eu abri uma issue no Git do projeto scikit-image (link aqui). Quando tiver uma resposta mais oficial eu atualizo aqui.

Sua resposta

By clicking “Publique sua resposta”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Esta não é a resposta que você está procurando? Pesquise outras perguntas com a tag ou faça sua própria pergunta.