4

Fala galera,

Preciso criar um modelo de estrutura em que todas minhas tabelas tenham chave primária composta por id e versão, de forma que posso ter varias versões para cada id.

Problema:

CREATE TABLE table1 {
    id              BIGSERIAL,
    version         INT NOT NULL,
    CONSTRAINT pk_table1 PRIMARY KEY (id, version)
}

CREATE TABLE table2 {
    id              BIGSERIAL,
    version         INT NOT NULL,
    table1_id       BIGINT NOT NULL,
    CONSTRAINT pk_table2 PRIMARY KEY (id, version),
    CONSTRAINT fk_table1 FOREIGN KEY (table1_id) REFERENCES table1(id)
}

Ao executar a estrutura acima, por não referenciar todos os campos da chave primária composta da table1 na FK, o seguinte erro é retornado:

ERROR: there is no unique constraint matching given keys for referenced table "table1 "

Minha duvida esta no relacionamento com outras tabelas. Eu gostaria de não precisar criar um campo de versão para cada FK que eu criar na tabela para simplificar a quantidade de campos, conseguir manter o relacionamento do registros apenas por id e controlar o histórico do relacionamento por campos de data/hora.

Eu já li a documentação do Postgre sobre a clausula MATCH PARTIAL que acredito que seria minha solução, porém ainda não foi implementada.

  • Existe algum work around para esta situação?
  • O que estou fazendo vai contra algum principio de modelagem de dados? Devo correr para uma solução diferente?

Estou utilizando o PostgreSQL versão 10.5.

  • 1
    FK de PK composta, precisa referencias todos os campos se não me engano. CONSTRAINT fk_table1 FOREIGN KEY (id, version) REFERENCES (table1) – rbz 30/08/18 às 13:29
  • 1
    @rbz isso não irá funcionar porque na table2 apenas tem um campo referente à table1. E se ao invés de colocar a coluna version como parte da chave primária não cria a chave primária apenas com o id e depois uma UNIQUE CONSTRAINT com os dois? – João Martins 30/08/18 às 13:32
  • 1
    Então aí não vai conseguir ter o que pretende. A FK precisa sempre de referenciar uma coluna específica e não uma chave composta (que poderiam ser múltiplas colunas). – João Martins 30/08/18 às 13:35
  • 2
    A ideia do @rLinhares é de boa! Criar um campo dummy apenas para ser chave primária e depois criar uma UNIQUE CONSTRAINT com o id e version, assim garantia que a composição das duas colunas era única e já tinha uma chave primária única também que conseguiria referenciar corretamente na table2! – João Martins 30/08/18 às 13:44
  • 2
    @RovannLinhalis entendi, e acho que faz sentido. eu não estava pensando em parte de uma chave composta como sendo chave primária de outra tabela, sendo possível sim que ela se repetisse... – rLinhares 30/08/18 às 14:09
2

Considerando todos os comentários, e em especial a indicação do @rLinhares, será que isto resolverá o seu problema?

CREATE TABLE table1 
{
    dummy_id        BIGINT GENERATED BY DEFAULT AS IDENTITY PRIMARY KEY,
    id              BIGSERIAL   NOT NULL,
    version         INT         NOT NULL,
    UNIQUE(id, version)
}

CREATE TABLE table2
{
    dummy_id        INT GENERATED BY DEFAULT AS IDENTITY PRIMARY KEY,
    id              BIGSERIAL   NOT NULL,
    version         INT         NOT NULL,
    table1_id       BIGINT      NOT NULL,
    CONSTRAINT      fk_table1   FOREIGN KEY (table1_id) REFERENCES table1(dummy_id),
    UNIQUE(id, version)
}

Sua resposta

By clicking “Publique sua resposta”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Esta não é a resposta que você está procurando? Pesquise outras perguntas com a tag ou faça sua própria pergunta.