4

Qual a diferenças entre os ORM's? Quando usar um e quando usar o outro? Quais as vantagens de desvantagens de cada um?

  • 1
    Dapper funciona em cima do ADO.NET... ele implementa métodos de extensão para a interface IDbConnection... e mapeia os dados com os objetos: github.com/StackExchange/Dapper – Rovann Linhalis 19/07/18 às 0:35
  • Só pra ver se compreendi, o Dapper ele busca os dados e já mapeia para minha classe model? é isso? – Nicola Bogar 19/07/18 às 0:37
  • isso.. a connection continua sendo ADO.NET – Rovann Linhalis 19/07/18 às 0:38
  • 1
    Beleza, vou dar uma olhada no Fonte que me mandou! – Nicola Bogar 19/07/18 às 0:40
  • Existe a possibilidade de usar dapper junto ao EntityFramework? – Nicola Bogar 19/07/18 às 0:41
6

Eu discordo um pouco do que disseram aí. Ambos são micro ORMs.

O .NET trabalha com data providers. Existe uma API básica que toda aplicação .NET entenderá para acessar fontes de dados, especialmente banco de dados relacionais, já que o modelo foi pensado para este tipo e fonte. Qualquer banco de dados ou outra fonte pode criar um provedor de dados se sustentando nesta API e entregar os dados da melhor forma possível ao .NET. Em cima dessa API pode ser construído ORMs.

Um ORM é um mapeador objeto relacional, ou seja, ele cria um objeto baseado em campos do modelo relacional (isso foi relaxado e é possível usar outros modelos de acesso a dados) de um banco de dados, e o objeto pode ser transformado em campos que será atualizados no banco de dados. Um ORM nada mais que isto. Isto se faz necessário não só pela forma como cada um é constituído, mas também porque a tipagem de cada um tende a ser diferente e pode ser necessário uma conversão ou adaptação.

Alguns ORMs são mais leves e fazem essencialmente isto, por isso são chamados de Micro ORMs, e os que possuem uma infraestrutura mais sofisticada dando outras funcionalidades, provavelmente implementando um mecanismo de repositório, são Full ORMs.

ADO.NET e Dapper são Micro ORMs. Entity Framework e nHibernate são full. Alguns do Full ORMs tendem a abstrair o banco de dados, ainda que isto pode não ser tão vantajoso quanto parece.

ADO.NET vem por padrão no .NET e possui uma infra miníma e até alguma pequena funcionalidade próxima ao de um repositório, mas de forma bastante limitada e um pouco problemática. Ele é sempre uma camada em cima do provedor de dados e por isso é mais lento. Se usar mal ele pode ser trágico. Mas o mesmo vale para um Full ORM. De uma certa form,a ele é até mais ORM que o Dapper por oferecer facilidades extras. Ele não cria um objeto POCO, mas cria um objeto que é acessado através de uma sintaxe de coleção de dados. É possível criar uma extensão que entregue um objeto POCO se for o que se deseja.

O Dapper, criado pela empresa proprietária deste site, também é uma camada em cima do provedor de dados e tem uma performance incrível, batendo o ADO.NET. Ele tem uma infra mais simples, e faz só o mapeamento básico e conversão sem nenhum mecanismo extra, até mesmo um CRUD precisa de um extra (disponível). É muito rápido, muito simples, e só supre uma deficiência do provedor de dados que não tem mesmo função de prover um modelo de dados. Ele cria um objeto normal.

Por incrível que pareça o Dapper tende a ser mais interessante por ser uma tecnologia criada com base em uso mais realista e ser algo mais moderno. Ainda que provisione menos funcionalidades, acaba funcionando melhor que o ADO.NET para a maioria dos casos. Em geral é possível criar aplicações muito simples e flexíveis com ele, além de muito performáticas.

Particularmente eu só usaria o ADO.NET se eu estiver acostumado com ele e não quiser mexer com outra coisa. Mesmo suas vantagens acabam sendo desvantagens em alguns pontos. Ou eu usaria o data provider direto, embora o ganho seja mínimo e a desvantagem acaba não compensando.

É possível usar ambos juntos, inclusive com o EF. Mas o ideal é não misturar tanto. Se o fizer precisa ter muita noção do que está fazendo para aproveitar o melhor de ambos e não criar novos problemas. De fato algumas pessoas usam o EF onde pode e quando fica muito complicado usá-lo vai mais na mão ou com as ferramentas próprias mais flexíveis do EF ou usando o Dapper ou ADO.NET.

Lembre-se que um Micro ORM sempre usará queries do banco de dados enqaunto que um Full ORM usará uma linguagem própria de consulta, no caso do EF o LINQ to Entities.

  • 1
    Eu comecei usar o dapper recentemente e estou maravilhado com ele, incrívelmente perfomático mesmo – gabrielfalieri 24/07/18 às 13:21
  • Eu usei o Dapper numa aplicação desktop simples, ele é simples de instalar e de definir os objetos para ele. Eu gostei muito e vou usar em outros projetos futuramente. Tem o Dapper Linq também :) – gato 26/07/18 às 1:26
3

ADO.NET

Não é um ORM (Object-Relational Mapping ou Mapeamento objeto-relacional em português).

Segundo a documentação:

O ADO.NET é um conjunto de classes que expõem serviços de acesso a dados para desenvolvedores do .NET Framework.

O ADO.NET fornece um conjunto rico de componentes para criar aplicativos distribuídos e de compartilhamento de dados. Faz parte do .NET Framework, fornecendo acesso a dados de aplicativo relacionais e XML. O ADO.NET oferece suporte a uma variedade de necessidades de desenvolvimento, incluindo a criação de clientes front-end de banco de dados e objetos comerciais de camada intermediária usados por aplicativos, ferramentas, linguagens ou navegadores da Internet.

Dapper

Também não é um Full ORM (ORM completo) propriamente dito. A própria documentação deixa isso claro:

Is Dapper an ORM? Yes and no! People are still arguing about it. Dapper has earned the title of king of the C# Micro ORM but is considered by multiple people as a simple object mapper for .NET.

em tradução livre:

Dapper é um ORM?

Sim e não! As pessoas ainda estão discutindo sobre isso. Dapper ganhou o título de rei do C # Micro ORM, mas é considerado por muitas pessoas como um simples (N.T.: simples no sentido "faz unicamente isso...") mapeador de objetos para o .NET.

Micro ORM x Full ORM

ORM é Mapeador Objeto-Relacional e funciona como consultando e criando objetos, em tempo de execução, entre o código do cliente e o banco de dados relacional. Os Full ORMs (ORM completos em tradução livre) fornecem vários recursos poderosos, como armazenamento em cache de objetos e consultas, controle de concorrência, linguagens de consulta orientada a objetos, etc..

O Micro ORM é basicamente um mapeador que cria objetos com base na consulta ao banco de dados. Eles abstraem boa parte dos recursos dos ORMs para ganhar em performance.

Limitações (vou usar o termos em inglês):

  • Second Level caching;
  • Lazy loading;
  • Identity tracking;
  • Change tracking;
  • Modelo rico de mapeamento que suporta multiplas fontes de dados;
  • unit-of-work API - essensialmente um método SubmitChanges() que aplica modificações em lote (batch)

Sua resposta

By clicking “Publique sua resposta”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Esta não é a resposta que você está procurando? Pesquise outras perguntas com a tag ou faça sua própria pergunta.