1

Esta pergunta já tem uma resposta aqui:

Estava dando uma olhada em alguns posts aqui no site e me deparei com está pergunta aqui. Pois bem, na resposta aceita foi explicado a declaração de expressões de funções, anônimas, nomeadas e autoinvocada. Causando minha dúvida na função nomeada. Para que serve o nome da função se o valor do return está no nome da variável e não no nome da função. Qual o propósito de se nomear uma função que está dentro de uma variável?

//expressão anônima de função
var a = function() {
  return 3;
}

//expressão nominada de função
var a = function bar() {            // dúvida para que serve bar
  return 3;
}

//expressão "autoinvocada" de função
(function digaOi() {
   alert("Oi!");
})();

marcada como duplicata por Caique Romero, bfavaretto javascript 13/07/18 às 16:00

Esta pergunta foi feita antes e já tem uma resposta. Se essas respostas não abordarem completamente sua pergunta, faça uma nova pergunta.

  • Ao meu ver é uma "Possível" duplicata pois acredito que a resposta linkada já explique a diferença na parte Exemplo de visibilidade de escopo e no meu entendimento ao invés de abrir uma pergunta você poderia comentar na resposta, mas é só minha opinião, para ela ser considerada duplicata precisa do voto de outros usuários. – Caique Romero 13/07/18 às 15:11
  • Sim eu vi Exemplo de visibilidade de escopo, acontece que ainda não entendi. Lá está no exmplo ** var funcaoDois = function banana() { banana() }** certo? Apenas chamou banana, como faço para trabalhar com a função banana. Posso fazer assim: var funcaoDois = function banana() { banana() { console.log("Alguma coisa")}. }. Isto foi que gerou minha dúvida. – LeAndrade 13/07/18 às 15:17
  • Da uma lida nas outras respostas do mesmo link elas se complementam. – Caique Romero 13/07/18 às 15:18
  • Curiosamente foi feita a mesma pergunta ontem, por outro usuário. Marquei como duplicata da mesma pergunta que apontei no caso de ontem, avise aqui se o conteúdo que tem lá (+ as respostas daqui) não resolverem sua dúvida. – bfavaretto 13/07/18 às 16:02
0

Seria por uma questão de escopo, onde a função bar() só é acessível dentro de a.

A função a recebe um outro nome bar que só é visível dentro de a:

var a = function bar() {
  // bar é visível aqui
  return 3;
}
// bar NÃO é visível aqui
a();   //  retorna 3
bar(); // erro: bar is not defined

Não vejo muita utilidade em criar um segundo nome para a mesma função e este último com escopo limitado.

Veja neste exemplo que tanto faz chamar a quanto bar o efeito é o mesmo:

var x = 0;
var a = function bar(){
   console.log(x);
   // setTimeout(a, 2000);
   // ou
   setTimeout(bar, 2000);
   x++;
}

a();

  • Então, continuo sem entender muito bem. As chaves aí no caso delimitam qual função, a ou bar? Como eu utilizo bar no seu segundo exemplo? Posso fazer var a = function bar() { bar(){ console.log("Testando")}? – LeAndrade 13/07/18 às 15:20
  • Estou editando a resposta para ficar mais claro. – Sam 13/07/18 às 15:22
2

Como foi comentado na pergunta que citou - e na resposta do @dvd, há a diferença entre os escopos. Quando você faz:

var a = function bar() {
    // ...
}

Dentro da função existirá a referência à própria função bar, algo que na função anônima não existirá.

var a = function () {

}

Como poderia ser possível referencia algo sem nome? Mas e por quê não pelo próprio objeto a? Bom, a função é a própria definição de a, o que implica que dentro da mesma o objeto a não esteja definido.

E por quê definir o nome é útil? Bom, a solução mais simples que poderia utilizar esta técnica é definir uma função recursiva como callback de um evento:

function myEvent(callback, n) {
  return callback(n);
}

const result = myEvent(function fatorial(n) {
  return (n == 0) ? 1 : n * fatorial(n-1)
}, 5);

console.log(result)

Nota: repare que ao fazer

 
 var a = function bar() {}
 
console.log(a.name)
 

O valor de a.name será bar, não a.

  • Entendido Anderson. – LeAndrade 13/07/18 às 17:32

Esta não é a resposta que você está procurando? Pesquise outras perguntas com a tag ou faça sua própria pergunta.