0

Eu tenho um banco de dados em um VM, podia reiniciar a VM e acessar o banco após isso normalmente

Porém agora se reinicio a VM, quando tento acessar o banco pelo pgAdmin III recebo a seguinte mensagem:

Server doesn't listen

The server doesn't accept connections: the connection library reports

could not connect to server: Conexão recusada Is the server running on host "127.0.0.1" and accepting TCP/IP connections on port 5432?

If you encounter this message, please check if the server you're trying to contact is actually running PostgreSQL on the given port. Test if you have network connectivity from your client to the server host using ping or equivalent tools. Is your network / VPN / SSH tunnel / firewall configured correctly?

For security reasons, PostgreSQL does not listen on all available IP addresses on the server machine initially. In order to access the server over the network, you need to enable listening on the address first. For PostgreSQL servers starting with version 8.0, this is controlled using the "listen_addresses" parameter in the postgresql.conf file. Here, you can enter a list of IP addresses the server should listen on, or simply use '*' to listen on all available IP addresses. For earlier servers (Version 7.3 or 7.4), you'll need to set the "tcpip_socket" parameter to 'true'.

You can use the postgresql.conf editor that is built into pgAdmin III to edit the postgresql.conf configuration file. After changing this file, you need to restart the server process to make the setting effective.

If you double-checked your configuration but still get this error message, it's still unlikely that you encounter a fatal PostgreSQL misbehaviour. You probably have some low level network connectivity problems (e.g. firewall configuration). Please check this thoroughly before reporting a bug to the PostgreSQL community.

Fiz alguns testes através dos snapshots da VM e constatei que o problema passa a ocorrer após o comando

sudo a2enmod rewrite

postgresql.conf connection settings:

# - Connection Settings -

listen_addresses = '*'      # what IP address(es) to listen on;
                    # comma-separated list of addresses;
                    # defaults to 'localhost'; use '*' for all
                    # (change requires restart)
port = 5432             # (change requires restart)
max_connections = 100           # (change requires restart)
#superuser_reserved_connections = 3 # (change requires restart)
unix_socket_directories = '/var/run/postgresql' # comma-separated list of directories
                    # (change requires restart)
#unix_socket_group = ''         # (change requires restart)
#unix_socket_permissions = 0777     # begin with 0 to use octal notation
                    # (change requires restart)
#bonjour = off              # advertise server via Bonjour
                    # (change requires restart)
#bonjour_name = ''          # defaults to the computer name
                    # (change requires restart)

Já tentei reiniciar o serviço do postgres e não funcionou.

  • algo no pg_log ao tentar reiniciar o serviço? – Rovann Linhalis 30/05/18 às 21:06
0

Na maioria das vezes isso se dá pela presença do arquivo de lock postmaster.pid devido uma parada brusca do PostgreSQL, seja por uma queda do servidor ou por um kill -9.

A mensagem de erro já dá a dica da primeira coisa a ser checada: o servidor PostgreSQL está no ar? Primeiramente veja se há processos do usuário postgres em execução:

$ ps -ef | grep postgres

Se não houver, tente iniciar o serviço e cheque tanto o arquivo de log do sistema quando o do postgres. É possível que ao parar a VM o banco não tenha sido fechado corretamente, nesses casos o arquivo de trava postmaster.pid pode não ter sido removido, evitando por questões de segurança que o mesmo cluster Postgres seja iniciado em duplicidade. Se for esse o caso, a sua tentativa de start resultará na seguinte mensagem de erro:

FATAL: lock file ”postmaster.pid“ already exists

Muito provavelmente o erro aparecerá no seu syslog ou no messages, ou ainda diretamente no seu terminal caso tente efetuar o start usando:

pg_ctl start -D [diretório raíz do cluster]

É seguro deletar o arquivo postmaster.pid desde que esteja certo de que não há mais nenhum processo do Postgres em execução. Sem o arquivo de trava o banco subirá efetuando o redo de quaisquer transações ainda não despejadas em data files pelo processo de checkpoint e então entrará no modo de execução normal, permitindo novas conexões na porta 5432. Acompanhe esse processo de inicialização através do arquivo de log do PostgreSQL, até que seja apresentada a seguinte mensagem:

LOG: database system is ready to accept connections

Agora, caso o resultado de seu ps -ef | grep postgres acuse a existência de processos ainda em execução, tente efetuar um stop do serviço antes de mais nada. Se eles continuarem no ar, faça um kill (não use kill -9!) e espere que eles sumam. Só aí fica seguro deletar o postmaster.pid e reiniciar o banco.

Para evitar ocorrências desse tipo, sempre efetue o stop do PostgreSQL antes de rebootar o servidor. Caso o banco esteja sendo iniciado como serviço de init, systemd etc., é possível que tal processo não esteja corretamente configurado, ou que sua VM tenha sido desligada abruptamente, como que "puxada da tomada", ao invés de efetuar todo o processo de shutdown seguro.

Sua resposta

By clicking “Publique sua resposta”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Esta não é a resposta que você está procurando? Pesquise outras perguntas com a tag ou faça sua própria pergunta.