17

Ao abrir as Ferramentas do Desenvolvedor no Chrome para copiar o HTML de um elemento <div id="teste">, vi que existe uma opção "copy XPath" conforme imagem abaixo:

inserir a descrição da imagem aqui

Ao escolher essa opção, ele manda pra área de transferência o seguinte:

//*[@id="teste"]

O que eu gostaria de conhecer é o quê seria essa informação e como eu poderia usá-la.

6
+50

Segundo a Wikipedia (em livre tradução):

XPath (XML Path Language) é uma linguagem de consulta para selecionar nós de um documento XML . Além disso, o XPath pode ser usado para calcular valores (por exemplo, strings , números ou valores booleanos ) do conteúdo de um documento XML. O XPath foi definido pelo World Wide Web Consortium (W3C)

XPath usa expressões de caminho para selecionar um "nó" ou um conjunto de "nós" em um documento XML ou HTML.

O que você recebeu ao executar a função Copy XPath foi uma "expressão de caminho" que representa um "caminho" segundo a sintaxe XPath para o "nó" no documento com o atributo id igual a "teste" sendo as duas "barras" a indicação que a consulta parte/inicia na raiz do documento e o asterisco (wildcard) para buscar tudo, as opções (parâmetros) entre os colchetes são usadas para filtrar a consulta.

Em javascript sua interface principal utiliza Document.evaluate() que recebe cinco parâmetros:

document.evaluate( xpathExpression, contextNode, namespaceResolver, resultType, result )
  • xpathExpression: expressão XPath (expressões de caminho)
  • contextNode: um "nó" no documento para ser avaliado
  • namespaceResolver: função para prefixos de namespace (HTML não possui namespaces)
  • resultType: uma constante que especifica o tipo de resultado desejado
  • result: objeto XPathResult

As "expressões de caminho" usadas por XPath pode ser absolutas representadas pela "barra" / ou relativas (nodeName, //, .,.., @, entre outras).

O contextNode pode ser um "nó" no documento ou o próprio document caso se deseje uma consulta "global".

Como mencionado HTML não possui "namespaces" por isto ao analisar documentos HTML o terceiro parâmetro deve receber um valor null.

Os três tipos principais resultType são:

iteradores

  • UNORDERED_NODE_ITERATOR_TYPE
  • ORDERED_NODE_ITERATOR_TYPE

Um conjunto de "nós" que podem ser iterados individualmente usando iterateNext() sobre o object (XPathResult). Caso o documento seja modificado durante uma iteração a execção NS_ERROR_DOM_INVALID_STATE_ERR será lançada.

instantâneos

  • UNORDERED_NODE_SNAPSHOT_TYPE
  • ORDERED_NODE_SNAPSHOT_TYPE

Um conjunto de "nós" estáticos, os snapshots não mudam com as mutações do documento, por isto não lançam exceções caso o "nó" tenha mudado no documento ou mesmo se tenha sido removido durante a iteração.

primeiros nós

  • ANY_UNORDERED_NODE_TYPE
  • FIRST_ORDERED_NODE_TYPE

Retorna o primeiro nó encontrado que correspondeu à expressão XPath.

A constante ANY_TYPE retorna-rá qualquer tipo que naturalmente resulte da avaliação da expressão. Pode ser qualquer um dos tipos simples (NUMBER_TYPE, STRING_TYPE, BOOLEAN_TYPE), más, se o tipo de resultado retornado for um conjunto de "nós", ele será apenas um UNORDERED_NODE_ITERATOR_TYPE.

Estas constantes são definidas pelo objecto XPathResult e a lista completa de tipos pode ser encontrada no apêndice desta documentação: Mozila Developer - XPath in JavaScript

Já o resultado (result) pode ser um objeto XPathResult ou null(que criará um novo objeto XPathResult)

XPath possui um conjunto de funções que podem ser observadas aqui: Mozila Developer

Um exemplo básico para buscar e contar todos os elementos <p> no documento:

let btn = document.getElementById('count')

btn.addEventListener('click', function(e) {
    let paragraphCount = document.evaluate( 'count(//p)', document, null, XPathResult.ANY_TYPE, null )
    alert( 'Este documento contém ' + paragraphCount.numberValue + ' elementos de paragrafo')
}, false)
<p>Paragraph one</p>
<p>Paragraph two</p>
<p>Paragraph tree</p>
<p>...</p>

<br>

<button id="count" type="button">contar</button>

As expressões de caminho podem usar "eixos" que complementam a query de consulta, estes "eixos" devem sempre estar envoltos em colchetes, exemplo:

  • //aside[@lang='en']: seleciona todos os elementos <aside> que têm um atributo "lang" com um valor "en"

  • /footer/div[last()]: seleciona o último elemento <div> que é o filho do elemento <footer>

  • /nav/button[1]: seleciona o primeiro elemento <button> que é o filho do elemento <nav>

Estas expressões também aceitam "operadores" assim como "curingas" * de modo a tornar a consulta mais construtiva.


Opinião (caso de uso)

Usei há algum tempo atrás esta sintaxe para buscar com XMLHttpRequest() fragmentos de HTML que seriam acomodados ao DOM programaticamente más, confesso ser difícil manter a organização. Mudei de foco e passei para uma abordagem usando fetch() e .text() da resposta e manipular os fragmentos usando uma função especifica que criei.

No HTML uma vez que ela retorna "nós" pode ser útil para construir analisadores ou manipuladores de objetos, sua gama potencial de uso depende da proposta (necessidade) e da criatividade do desenvolvedor.

Para mim (minha critica) é só mais uma forma de atravessar documento.

Já no XML é fácil observar seu potencial, exemplo:

fetch('https://subversivo58.github.io/lab/assets/XPath-example.xml').then(r => {
    if ( r.ok ) {
        return r.text()
    }
    throw new Error('Failed request XML Document! Status code: ' + r.status)
}).then(text => {
    showResult((new window.DOMParser()).parseFromString(text, "text/xml"))
}).catch(e => {
    console.error(e)
})


function showResult(xml) {
    var txt = "";
    path = "/bookstore/book/title"
    if ( xml.evaluate ) {
        var nodes = xml.evaluate(path, xml, null, XPathResult.ANY_TYPE, null);
        var result = nodes.iterateNext();
        while (result) {
            txt += result.childNodes[0].nodeValue + "<br>";
            result = nodes.iterateNext();
        }
    }
    document.getElementById("demo").innerHTML = txt;
}
<p id="demo"></p>

<br>

<p>Este código foi baseado nesta <a href="https://www.w3schools.com/xml/tryit.asp?filename=try_xpath_select_cdnodes" target="_blank" rel="nofollow">fonte</a></p>


Links e documentações:

Supporte a document.evaluate e XPath caniuse.com

xpath


PS:

Fontes como Mozila Deleveloper, W3Schools ou MSDN carecem de apresentar nas suas documentações todas as referencias a funções, operadores ou mesmo a sintaxe usada em XPath.

  • Há alguma vantagem em utilizar o document.evaluate em vez de document.querySelectorAll ou document.querySelector? – Bruno Costa 28/03/18 às 22:52
  • Propriamente dito querySelector() ou querySelectorAll() são seletores de CSSXPath é próprio para DOM (seletor de nós) ... eu mesmo já não uso mais e nunca fiz questão de testar mas depois de seu comentário fiz uma breve pesquisa e encontrei este teste em jsperf.com. Parece que XPath é mais rápido que querySelectorAll() – Lauro Moraes 29/03/18 às 1:00
  • Só uma coisa, testes no front-end nunca são precisos... devem levar em consideração que irão gerar resultados diferentes para cada navegador bem como a própria base de quem esta "testando" (arquitetura do sistema, processador, memoria, etc...) – Lauro Moraes 29/03/18 às 1:19
4

Resumidamente Xpath é uma linguagem de busca de nós em documentos XML (mas também utilizada em HTML), você executa uma expressão Xpath em um certo documento XML/HTML/ qualquerMLsuportado e o resultado vai ser 0 ou mais nós que equivalem aquela expressão.

É muito similar a seletores CSS. Por exemplo podemos escrever as duas buscas equivalentes em CSS e Xpath: div > .className p em css e //div/[contains(@class, 'className')//p em xpath, ambas representam "todos os elementos p descendentes diretos ou indiretos de elementos com a classe className, sendo esses por sua vez filhos diretos de div".

Embora quase idênticos em propósito a seletores CSS, seletores Xpath são mais poderosos. Tem uma infinidade de buscas que são possíveis em Xpath mas não em CSS, alguns exemplos de simples demonstração:

  • buscar nós ancenstrais //div/.. (todos os parents de divs);
  • buscar nós de acordo com regra > em atributo //section[valor>35.00] (sections com atributo valor maior que 35.00);
  • buscar elemetos cujo texto interno seja equivalente //p[text()=../blockquote/text()] (todos os p cujo parent possua um filho blockquote com texto igual a p).

Logo Xpath é muito útil em casos onde:

  1. seja a única coisa disponível (derp);
  2. você precisa fazer buscas complexas que não possam ser expressadas em outra linguagem de busca disponível (css por exemplo).

Um caso de uso muito comum é no selenium, uma ferrameta de automatização de ações em navegadores, basicamente você escreve código que imita ações de usuários no navegador para testar interfaces de forma automatizada. É possível usar CSS e Xpath (a API vai variar conforme a linguagem), geralmente é preferível CSS pela legibilidade e simplicidade, mas as vezes você quer expressar algo do tipo "atributo value do input#id tem o mesmo valor que o contido na textarea#id" e aí não tem muitas opções fora Xpath.

Obs: recomendo este post do John Resig (criador da jQuery) sobre uma comparação de Xpath vs CSS.

Sua resposta

By clicking “Publique sua resposta”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Esta não é a resposta que você está procurando? Pesquise outras perguntas com a tag ou faça sua própria pergunta.