3

Vendo aqui a opção de botar o CI no GitLab (https://docs.gitlab.com/ee/ci/README.html). Fiquei em dúvida sobre a nomenclatura que eles usam.

Eles dizem que tudo roda em uma pipeline (https://docs.gitlab.com/ee/ci/pipelines.html), e que isso é a "linha de montagem" do meu software. Essa pipeline, por sua vez, é dividida em stages e jobs.

  • O que são stages?
  • O que são jobs?

Relacionado:

4

stages são, digamos assim, "rótulos" gerais. Um estágio só começa quando o estágio anterior termina. Dentro de um mesmo estágio, entretanto, diversos jobs distintos podem ser executados em paralelos.

Tome, por exemplo, o seguinte pipeline:

3 stages e 4 jos

Ele tem 3 estágios, em ordem:

  1. build-test-nucleo
  2. build-apps
  3. test-apps

Por sua vez, eles são divididos nos seguintes jobs:

  1. build-test-nucleo
    • build-nucleo
  2. build-apps
    • build-mobile
    • build-portal
  3. test-apps
    • test-mobile

Na imagem fica bem claro a relação de dependência de execução. Internamente, o que acontece:

  1. um runner levanta um container para realizar o job build-nucleo; quando termina guarda um cache (se houver)
  2. quando o estágio anterior terminar, o seguinte vai ocorrer em paralelo:
    • um runner levanta outro container para realizar o job build-mobile; também guardará cache caso haja
    • um outro runner levanta mais um container para realizar o job build-portal; também guardará cache caso haja
  3. quando os dois jobs do estágio anterior terminarem, o job test-mobile será chamado.

Como o cache só é aproveitado dentro da mesma pipeline, compartilhado por jobs, o test-mobile poderá até guardar um cache, mas isso não terá efeitos práticos.

A seguir, excertos significativos do .gitlab-ci.yml que resultam nesse pipeline:

stages:
  - build-test-nucleo
  - build-apps
  - test-apps

cache:
  - .m2
  - '*/target'

build-test-nucleo:
  stage: build-test-nucleo
  script:
    - cd nucleo
    - mvn compile test
    - cd ..

build-mobile:
  stage: build-apps
  script:
    - cd mobile
    - mvn compile
    - cd ..
  dependencies:
    - build-nucleo

build-portal:
  stage: build-apps
  script:
    - cd portal
    - mvn compile
    - cd ..
  dependencies:
    - build-nucleo

test-mobile:
  stage: test-apps
  script:
    - cd mobile
    - mvn test
    - cd ..
  dependencies:
    - build-mobile
  artifacts:
    paths:
      - mobile/*.dump*
      - mobile/target/
    when: on_failure
    expire_in: 1 week

Explicando:

Primeiro, eu quis usar os meus stages, não os stages padrão. Se nada for definido, o GitLab se comporta como se existissem esses stages (fonte):

stages:
  - build
  - test
  - deploy

Essa pipeline de 3 estágios já me atendeu ao fazer builds de bibliotecas, mas eu precisava de algo mais agora. A ideia é continuar com mais estágios e por todos os passos do build aqui, mas estou trabalhando com calma.

Depois eu especifico o cache que vai ser compartilhado com os jobs. Eu precisei usar '*/target' protegido por aspas simples para evitar que o YAML tivesse interpretação especial.

Nota: se você definir um cache dentro do job, ele sobrescreverá a definição do cache. Não haverá merge! Isso já me deu dor de cabeça.

Após essas duas definições, vou atrás de montar meus jobs. Cada job precisa indicar seu stage e ter um script de execução. O script é a linha de comando mesmo, sem segredos. Pode abusar do bash caso sua máquina de build seja Linux =)

Eu fiz questão de colocar que um job depende do outro para ser executado, pois, isso me dá uma liberdade maior para por condicionais de execução de algum job e evitar que jobs conseguintes sejam executados. A ideia é que quando eu terminar, exista um job de empacotamento automático para o portal e o mobile que seja executado apenas ao subir uma tag, para então ter o job manual para por o executável em teste.

No caso do job de teste, eu mandei que ele arquivasse arquivos:

artifacts:
  paths:
    - mobile/*.dump*
    - mobile/target/
  when: on_failure
  expire_in: 1 week

No caso, estou arquivando apenas quando há falhas no build (when: on_failure). Como são resultados para inspeção de bugs em testes automatizados, não me interessa que eles fiquem muito tempo no ar, então pus tempo de expiração de 1 semana (expire_in: 1 week). Os arquivos para serem arquivados ou estão dentro de mobile/target, ou então combinam com o glob mobile/*.dump*.

Sua resposta

Ao clicar em “Publique sua resposta”, você concorda com os termos de serviço, política de privacidade e política de Cookies

Esta não é a resposta que você está procurando? Pesquise outras perguntas com a tag ou faça sua própria pergunta.