1

Em Java, temos os chamados tipos primitivos e os chamados objetos. Qual a diferença entre os dois?

  • Alguma das respostas resolveu sua dúvida? Acha que pode aceitar uma delas? Veja o tour como fazer isso, se ainda não o fez. Você ajudaria a comunidade identificando qual foi a melhor solução para você. Pode aceitar apenas uma delas. Mas pode votar em qualquer pergunta ou resposta que achar útil no site todo (quando tiver pontuação suficiente). – Maniero 3/08/18 às 21:19
5

Vamos entender Em programação, o que é um objeto?. Portanto todos os dados são objetos.

Há uma ideia errada que só existe objetos em programação orientada a objeto. Se isto fosse verdade, como chamaria o que não é um objeto?

Quando fala em primitivo está usando um adjetivo então sozinho ele não faz sentido. Portanto quando usa este termo, está se referindo ao que como sendo primitivo? É um objeto primitivo! Poderíamos chamar de objeto rudimentar em oposição ao objeto complexo, embora algumas linguagens usam o termo primitivo para objeto que também são complexos em algum nível.

Em C# "tudo" é objeto no sentido de OOP, ou seja, "tudo" deriva de Object, não existe a ideia de tipos primitivos. E o próximo Java começará abandonar essa ideia também (ainda existirão os tipos primitivos, mas ele será só uma especialização dos tipos por valor que também derivarão de Object). Quero ver como chamarão esses novos tipos que não se encaixam na definição de primitivo e nem na de objeto que inicialmente a linguagem definiu, pe o que dá definir errado no começo.

Talvez tipos primitivos seriam aqueles que não derivam de Object. Uma ideia errada para uma linguagem que se diz totalmente OO.

Então vamos diferenciar o que é derivado de Object e o que é um objeto de forma geral.

Em Java hoje, apenas classes podem derivar de Object, mas isto vai mudar. De qualquer forma todos os dados são objetos. Alguns tem taxinomia que indica o nome Object em sua hierarquia, outros não possuem isso.

Taxonomia é hierárquica, tudo tem vários níveis de classificação. Cada dado individualizado é um objeto, não importa características específicas. Alguns se conformam com Object. Object e objeto são coisas distintas, em níveis diferentes, definem características diferentes, apenas possuem o mesmo nome.

Costuma-se dizer que

Os dois problemas mais difíceis da computação são invalidação de cache e nomear coisas

-- Phil Karlton.

Quando temos dificuldades de usar os nomes corretos, nos contextos corretos temos dificuldades de entender os problemas de forma correta. Por isso OOP é tão difícil, ele exige que se classifique tudo de forma correta para funcionar bem e se fizer errado é difícil consertar depois. E a internet, ou mesmo outras fontes, está cheia de nomenclaturas erradas. Só o entendimento correto nos leva pelo caminho correto.

Não estou dizendo que o meu entendimento é o correto, qualquer pessoa pode questionar, mas é o que se costuma usar no nosso meio quando a pessoa pensa a respeito do que está usando.

O termo objeto sempre foi usado em todas as linguagens muito antes de OOP virar moda ou até existir. Não podemos ignorar esse termo porque a moda resolveu apropriar o termo para si. Pior ainda se uma linguagem foi mal conceituada e agora está tendo dificuldades de explicar o que é o certo e implementar o mecanismo necessário para o que ela idealizou desde o início funcione.

O tipo baseado em classe gera um objeto que deriva de Object. Se um tipo primitivo não gera um objeto, ele gera o que então?

Para dar mais contexto, a dúvida se originou na minha resposta (veja comentário também) em outra pergunta do AP. Então todo objeto só existe quando é instanciado, e o que muda na instanciação só depende se o tipo é por valor (o termo primitivo ruim) ou por referência. A alocação não pode definir se é um objeto ou não, sempre é, não importa se está no stack ou heap, se tem uma referência para ele ou não.

Veja mais em O que é considerado primitivo em uma linguagem de programação?.

  • 1
    como você mesmo diz, "o Java hoje", na teoria, informa que existem os tipos primitivos e que existem os objetos. Se há essa diferença no tratamento desses assuntos por parte do Java, então por que seria incorreto dizer que há diferenças? – Alexandre S. V. Oliveira 5/02/18 às 17:08
  • 1
    Acho que você não leu a resposta com atenção. – Maniero 5/02/18 às 17:09
  • acho que não estou entendendo bem o que quer dizer. Primeiramente, você escreve que todos os dados são objetos. Isso me faz pensar que você não diferencia tipo primitivo de objeto. No final, você escreve que todo objeto só existe quando é instanciado. Isso me faz pensar que agora você diferencia tipo primitivo de objeto, pois, no Java, atualmente, a instanciação seria a criação de um objeto, e que tipos primitivos não são instanciáveis. Entendeu como não entendo sua resposta? – Alexandre S. V. Oliveira 5/02/18 às 17:21
  • 1
    @JeffersonQuesado isso (acho, se eu entendi o que disse). Por que? Tem uma visão diferente? – Maniero 6/02/18 às 0:37
  • 1
    Mas é concreto (do ponto de vista da computação, não vou entrar na discussão que no computador tudo é abstrato exceto os elétrons). Porque o 1 de um int deveria ser diferente do 1 de um Integer, exceto pelo fato que o segundo tem uma referência para ele, e alocado no heap, salvo alguma otimização? Ambos são instâncias do meu valor. Apesar de terem o mesmo valor, não possuem identidade, são objetos diferentes, são instâncias distintas do mesmo modelo, um direto e outro indireto. – Maniero 6/02/18 às 0:46
0

O Java possui dois tipos de dados que são divididos em por valor (tipos primitivos) e por referência (tipos por referência).

Os tipos primitivos são boolean, byte, char, short, int, long, float e double. Os tipos por referência, são classes que especificam os tipos de objeto Strings, Arrays Primitivos e Objetos.

Uma variável do tipo primitivo pode armazenar exatamente um valor de seu tipo declarado por vez, quando outro valor for atribuído a essa variável, seu valor inicial será substituído.

As variáveis de instância de tipo primitivo são inicializadas por padrão, as variáveis dos tipos byte, char, short, int, long, float e double são inicializadas como 0, e as variáveis do tipo boolean são inicializadas como false. Esses tipos podem especificar seu próprio valor inicial para uma variável do tipo primitivo atribuindo à variável um valor na sua declaração.

O Java fornece dois tipos primitivos para armazenar números de ponto flutuante na memória, o tipo float e double.

A diferença entre eles é que as variáveis double podem armazenar números com maior magnitude e mais detalhes, ou seja, armazena mais dígitos à direita do ponto de fração decimal, do que as variáveis float. As variáveis do tipo float representam números de ponto flutuante de precisão simples e podem representar até 7 dígitos.

As variáveis do tipo double representam números de ponto flutuante de precisão dupla, onde precisam duas vezes a quantidade de memória das variáveis float fornecendo 15 dígitos, sendo o dobro da precisão de variáveis float. Os valores do tipo double são conhecidos como literais de ponto flutuante. Para números de ponto flutuante precisos, o Java fornece a classe BigDecimal (pacote java.math).

Listagem 2: Exemplo dos tamanhos de tipos primitivos

public class Tipos_de_Dados {

public static void main(String[] args) {
    System.out.println("Tipos de dados em Java: \n" +
            "\nMenor Byte: " + Byte.MIN_VALUE +
            "\nMaior Byte: " + Byte.MAX_VALUE +
            "\nMenor Short Int: " + Short.MIN_VALUE +
            "\nMaior Short Int: " + Short.MAX_VALUE +
            "\nMenor Int: " + Integer.MIN_VALUE +
            "\nMaior Int: " + Integer.MAX_VALUE +
            "\nMenor Long: " + Long.MIN_VALUE +
            "\nMaior Long:" + Long.MAX_VALUE +
            "\nMenor Float: " + Float.MIN_VALUE +
            "\nMaior Float: " + Float.MAX_VALUE +
            "\nMenor Double: " + Double.MIN_VALUE +
            "\nMaior Double: " + Double.MAX_VALUE);

}

} Listagem 3: Declaração dos tipos primitivos

public class Tipos_Primitivos {
    public static void main(String[] args) {
          byte tipoByte = 127;
          short tipoShort = 32767;
          char tipoChar = 'C';
          float tipoFloat = 2.6f;
          double tipoDouble = 3.59;
          int tipoInt = 2147483647;
          long tipoLong = 9223372036854775807L;
          boolean tipoBooleano = true;
          System.out.println("Valor do tipoByte = " + tipoByte);
          System.out.println("Valor do tipoShort = " + tipoShort);
          System.out.println("Valor do tipoChar = " + tipoChar); 
          System.out.println("Valor do tipoFloat = " + tipoFloat);
          System.out.println("Valor do tipoDouble = " + tipoDouble);
          System.out.println("Valor do tipoInt = " + tipoInt);
          System.out.println("Valor do tipoLong = " + tipoLong);
          System.out.println("Valor do tipoBooleano = " + tipoBooleano);
    }
}

Na Listagem 3 o tipo declarado como char é sempre declarado com aspas simples porque o tamanho é somente de 1 caractere. Os tipos float sempre irão possuir o caractere “f” no final do valor para sua identificação, sendo a mesma coisa com o tipo long só que é inserido o caractere “L”.

Tipos por referência Os programas utilizam as variáveis de tipos por referência para armazenar as localizações de objetos na memória do computador. Esses objetos que são referenciados podem conter várias variáveis de instância e métodos dentro do objeto apontado.

Para trazer em um objeto os seus métodos de instância, é preciso ter referência a algum objeto. As variáveis de referência são inicializadas com o valor “null” (nulo).

Por exemplo, ClasseConta acao = new ClasseConta(), cria um objeto de classe ClasseConta e a variável acao contém uma referência a esse objeto ClasseConta, onde poderá invocar todos os seus métodos e atributos da classe. A palavra chave new solicita a memória do sistema para armazenar um objeto e inicializa o objeto.

Listagem 4: Exemplo acessando um método do objeto

public class AcessaMetodo {

    public void imprime(){
        System.out.println("Bem Vindo ao Java!");
    }

    public static void main(String[] args) {
        AcessaMetodo acessa = new AcessaMetodo ();
        acessa.imprime();

    }

}

A saída desse código acima irá ser reproduzida através da ação acessa.imprime(), porque está sendo acessado o método do objeto que foi inicializado com a variável definida como “acessa”.

Considerações finais As variáveis de tipos por valor não referenciam objetos, esses tipos de variáveis não podem ser utilizadas para invocar métodos. Lembrar de que as variáveis locais não são inicializadas por padrão (variáveis dentro dos métodos). As variáveis do tipo primitivo não podem ser inicializadas como referência a um objeto.

Fonte:https://www.devmedia.com.br/tipos-de-dados-por-valor-e-por-referencia-em-java/25293

Classes Wrappers em Java

  • dentro do contexto em que a pergunta está inserida, sua resposta atende a minha dúvida. "Uma variável do tipo primitivo pode armazenar exatamente um valor de seu tipo declarado por vez, quando outro valor for atribuído a essa variável, seu valor inicial será substituído". "Tipos por referência Os programas utilizam as variáveis de tipos por referência para armazenar as localizações de objetos na memória do computador. Esses objetos que são referenciados podem conter várias variáveis de instância e métodos dentro do objeto apontado." – Alexandre S. V. Oliveira 6/02/18 às 10:44
  • sim, @AlexandreS.V.Oliveira – LR10 6/02/18 às 11:04
  • @AlexandreS.V.Oliveira a pergunta em si não tem contexto algum, ela é muito simples para ter um contexto. O contexto está nos comentários que culminou em pt.stackoverflow.com/questions/274048/…. Deveria ter colocado esse contexto. O LR10 não sabia deste contexto. Eu dei a resposta que eu prometi lá. E lá tem um link sobre tipos por valor e tipos por referência. Note que você não usa esses termos em nenhum lugar dessa pergunta, usa dois termos: tipo primitivo e objeto (minúsculo). Você ainda acha objeto – Maniero 6/02/18 às 11:23
  • é sinônimo de tipo por referência, e tipo primitivo é sinônimo de tipo por valor, e não é. Tudo isto está explicado na minha resposta. Além desta resposta falar de algo fora do contexto real (porque não a pergunta não esclarecia), tem erros nela, apesar de estar certa em boa parte, mas não diz qual é a real diferença entre os dois termos perguntados. – Maniero 6/02/18 às 11:25

Sua resposta

By clicking “Publique sua resposta”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Esta não é a resposta que você está procurando? Pesquise outras perguntas com a tag ou faça sua própria pergunta.