1

Tenho o seguinte hibernate.cfg.xml:

<?xml version="1.0" encoding="UTF-8"?>
<!DOCTYPE hibernate-configuration PUBLIC
    "-//Hibernate/Hibernate Configuration DTD//EN"
    "http://www.hibernate.org/dtd/hibernate-configuration-3.0.dtd">

<hibernate-configuration>

    <!-- Configuração para a instância do SessionFactory -->
    <session-factory>

        <!-- Propriedades para o Hibernate -->
        <property name="hibernate.dialect">
            org.hibernate.dialect.MySQL5InnoDBDialect
        </property>
        <property name="hibernate.show_sql">
            true
        </property>
        <property name="hibernate.connection.provider_class">
            com.zaxxer.hikari.hibernate.HikariConnectionProvider
        </property>
        <property name="hibernate.current_session_context_class">
            thread
        </property>
        <property name="hibernate.generator_mappings">
            true
        </property>

        <!-- Propriedades para o Pool de Conexões HirakiCP -->
        <property name="hibernate.hikari.dataSourceClassName">
            com.mysql.jdbc.jdbc2.optional.MysqlDataSource
        </property>
        <property name="hibernate.hikari.dataSource.url">
            jdbc:mysql://localhost:3306/teste-database1?createDatabaseIfNotExist=true
        </property>
        <property name="hibernate.hikari.dataSource.user">
            root
        </property>
        <property name="hibernate.hikari.dataSource.password">
            admin123
        </property>
        <property name="hibernate.hikari.maximumPoolSize">
            10
        </property>
        <property name="hibernate.hikari.idleTimeout">
            30000
        </property>
        <property name="hibernate.hikari.dataSource.cachePrepStmts">
            true
        </property>
        <property name="hibernate.hikari.dataSource.prepStmtCacheSize">
            250
        </property>
        <property name="hibernate.hikari.dataSource.prepStmtCacheSqlLimit">
            2048
        </property>
        <property name="hibernate.hikari.dataSource.useServerPrepStmts">
            true
        </property>
        <property name="hibernate.hikari.dataSource.useLocalSessionState">
            true
        </property>
        <property name="hibernate.hikari.dataSource.useLocalTransactionState">
            true
        </property>
        <property name="hibernate.hikari.dataSource.maintainTimeStats">
            false
        </property>
        <property name="hibernate.hikari.dataSource.useUnbufferedInput">
            false
        </property>

        <!-- Mapeamento de classes -->
        <!-- <mapping package="org.sgct.model" /> -->
        <mapping class="org.teste.model.Usuario" />
        <mapping class="org.teste.model.Contato" />
        <mapping class="org.teste.model.Endereco" />

    </session-factory>

</hibernate-configuration>

Dúvidas

1 - No arquivo de configuração do Spring (applicationContext.xml por exemplo) ao invés de ter que digitar cada propriedade neste arquivo, é possível aproveitar configurações do arquivo hibernate.cfg.xmlutilizando o seguinte trecho código:

<bean id="sessionFactory"
    class="org.springframework.orm.hibernate4.LocalSessionFactoryBean">
    <property name="configLocation" value="classpath*:hibernate.cfg.xml" />
</bean>

Mas não sei que propriedades ele aproveita do arquivo hibernate.cfg.xml quando se utiliza este trecho de código. O que eu quero entender quais propriedades ele aproveita (como talvez trechos de mapeamento de classes) além da propriedades básicas(dialect, providade_class, etc.) para que eu possa complementar o trecho com propriedades que ele não utiliza.

2 - Quando configurado o pool de conexões (no meu caso estou utilizando o HikariCP) há forma parecida de aproveitar a configuração de outro arquivo como no trecho de configuração do hibernate que eu apresentei na questão anterior?

3 - Pretendo utilizar JNDI em um arquivo xml (no caso do Tomcat era o arquivo context.xml) porque além do Hibernate eu utilizarei o Spring Security, mas como utilizo o Glassfish eu não sei se esta configuração que está no repositório do projeto HirakiCP irá funcionar da mesma forma no Glassfish pelo fato de ser para Tomcat. Não sei também se toda ou parte da configuração do pool de conexão irá para o arquivo de configuração do JNDI.

4 - Há também o caso de referenciar a conexão no trecho de configuração do Hibernate pois como no na minha versão do hibernate.cfg.xml que coloquei acima eu utilizo a propriedade hibernate.connection.provider_class mas neste artigo é utilizado a propriedade dataSource. Qual a diferença entre a utilização de um ou outro? Quando utilizado JNDI é utilizado qual destes?

  • Uma recomendação, mesmo sabendo que as perguntas estão relacionadas, dentro do possível tente quebrar suas dúvidas em múltiplas questões (isso não só ajuda o catálogo do site, mas aumenta suas chances, pois pode ser que um usuário seja capaz de responder uma mas não todas as questões). – Anthony Accioly 27/07/14 às 17:11
  • Entendi. Obrigado Anthony. – klaytonbrito 27/07/14 às 18:26
  • Sem problemas, eu escrevi a resposta enquanto você estava editando, não percebi que você tinha subdivido. Se quiser fazer rollback não tem problema, o conselho foi mais para te ajudar a obter respostas (se quiser deixar subdivido eu "refatoro" aqui também). – Anthony Accioly 27/07/14 às 18:37
  • 1
    Não precisa mais, mas valeu. Eu estava subdividindo as questões, mas como você colocou uma resposta eu voltei do jeito que estava para não complicar. Mas na próximas questões já sei como fazer. – klaytonbrito 27/07/14 às 19:07
2

TL;DR:

  • Use o que puder / quiser do seu servidor de aplicação
  • Quanto mais componentes do Servidor de Aplicação usar, mais simples ficará sua configuração.
  • Você não precisa repetir configurações.
  • Praticamente tudo que é configurável do hibernate.cfg.xml pode ser configurado no Spring; mantenha a configuração no local que fizer mais sentido e onde possa ser melhor reaproveitado (e.g., um data source configurado no Spring poderá ser usado com um JdbcTemplate).

Segue um apanhado sobre suas dúvidas:

  1. Enquanto o Javadoc da classe não é claro sobre quais recursos são aproveitados, veja que existem propriedades extras para carregar arquivos de mapeamento (setMappingDirectoryLocations, setMappingJarLocations, setMappingLocations, setMappingResources). O Spring irá reaproveitar a configuração de data source, transações, etc, mas você não precisa configurar nada disso no hibernate.cfg.xml (se quiser, pode configurar tudo pelo Spring vide 3).
  2. Sim. Veja três:
  3. No GlassFish você irá configurar um pool de conexões no próprio console (que será persistido no arquivo domain.xml, mas isso não vem ao caso). Use o pool do próprio GlassFish, não se preocupe em integrar um pool externo. Adicionalmente você não precisaria nem configurar e utilizar o Hibernate se não quiser. O GlassFish já vem com o EclipseLink, basta você criar um arquivo persistence.xml que ele já se encarregará de disponibilizar as bibliotecas para você (essa é a principal vantagem de um App Server vs um container como o Tomcat). É claro que você é livre para configurar e utilizar o Hibernate e usufruir de sua API se quiser. No Spring há pouco a ser feito uma vez que o container vai cuidar do pool e de transações:

    <!-- Obtém data source do GlassFish -->
    <jee:jndi-lookup id="datasSource" 
         jndi-name="jdbc/dataSourceName" expected-type="javax.sql.DataSource" />
    <!-- Detecta e configura o provedor de transações do GlassFish -->
    <tx:jta-transaction-manager/>
    

    E então suas configurações do LocalSessionFactoryBean ou - se preferir o caminho do JPA puro - use o LocalContainerEntityManagerFactoryBean (veja esse artigo para maiores detalhes). Ambos consomem o dataSource e o transactionManager.

    • No caso do Hibernate, você pode tanto pular a configuração de data source para que ele use a do hibernate.cfg.xml quanto excluir essa configuração do hibernate.cfg.xml e configurar tudo pelo Spring; você também pode escolher entre configurações com ou sem JTA (já que o GlassFish provê o serviço, não custa nada). Para mais detalhes veja os métodos setDataSource e setJtaTransactionManager

    • Analogamente para JPA você pode também pular a configuração de data source para que o Spring use o que foi específicado no persistence.xml, ou adotar a estratégia oposta e excluir a configuração relativa a isso do persistence.xml, configurando apenas pelo Spring (para mais detalhes veja os métodos setDataSource e setJtaDataSource.

  4. Essa é apenas uma propriedade do Hibernate, se você usar o data source do connection pool do GlassFish não precisará se preocupar com isso. Imaginando que você queira usar um pool externo e não queira configurar essa propriedade diretamente no hibernate.cfg.xmlé possível também configurá-lo pelo Spring:

    • Configuração por anotações / java (vide exemplo do artigo mencionado):

      Properties hibernateProperties() {
          return new Properties() {
              {
                  // Demais propriedades
                  setProperty("hibernate.connection.provider_class", env.getProperty("com.zaxxer.hikari.hibernate.HikariConnectionProvider"));
              }
          };
      } 
      
    • Configuração xml:

      <bean id="sessionFactory"
          class="org.springframework.orm.hibernate4.LocalSessionFactoryBean">
          <property name="configLocation" value="classpath*:hibernate.cfg.xml" />
              <property name="hibernateProperties">
              <props>
                  <property name="hibernate.connection.provider_class" 
                      value="com.zaxxer.hikari.hibernate.HikariConnectionProvider" />
              </props>
      </bean>
      
  • Obrigado por me responder Anthony. Quando se projeta um aplicação usando apenas MySQL por exemplo, é interessante ainda usar o JTA? Pois pelo que li sobre o JTA, JTA só é interessante quando se usa vários recursos externos (e não só um, no caso do MySQL), o que você acha? – klaytonbrito 28/07/14 às 3:07
  • 1
    Olá Klayton, você realmente não precisa de transações distribuídas se só tem um banco; porém precisa de um TransactionManager para as transações declarativas do Spring (vide sua pergunta anterior). Enquanto você pode usar um HibernateTransactionManager (modelo session per thread),se você já tem um container provendo o serviço de JTA, por que não usar? – Anthony Accioly 28/07/14 às 15:38
  • 1
    Veja que, após setado, você programará da mesma maneira que faria com um TransactionManager mais simples, a diferença é que poderá incluir um segundo data source, fila jms, etc sem problemas, e estará usando os compoenentes do App Server. – Anthony Accioly 28/07/14 às 15:40
  • 1
    Opa, a ideia é ser simples ;). O tx:jta-transaction-manager irá detectar o container e configurar um bean JtaTransactionManager (com nome transactionManager). Faz muito tempo que não uso Hibernate puro, mas acho que se você configurar o LocalSessionFactoryBean para usar esse bean (usando a propriedade jtaTransactionManager) tudo deve funcionar como esperado. Se preferir fazer tudo do lado do hibernate precisará configurar o jta-data-source, bem omo como as propriedades hibernate.transaction.jta.platform e hibernate.transaction.factory_class – Anthony Accioly 28/07/14 às 19:33
  • 1
    Opa, perdão, encurtei meu comentário sobre JTA e acabei deixando escapar (o jta-data-source é do JPA). A propriedade que quis dizer é hibernate.connection.datasource. Sobre a factory_class acredito que tenha que ser org.hibernate.engine.transaction.internal.jta.CMTTransactionFactory (para deixar o container controlar as transações, veja essa melhoria), e a jta.platform do GlassFish, por motivos históricos, é a org.hibernate.service.jta.platform.internal.SunOneJtaPlatform. O Spring já configura tudo isso para você. – Anthony Accioly 29/07/14 às 12:09

Sua resposta

By clicking “Publique sua resposta”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Esta não é a resposta que você está procurando? Pesquise outras perguntas com a tag ou faça sua própria pergunta.