3

O docker-compose.yml abaixo foi retirado da própria documentação do docker. Minha dúvida é: por qual motivo dentro do container db temos a referencia de volumes e no final do arquivo a mesma referência se repete? O que significa?

version: '3'

services:
   db:
     image: mysql:5.7
     volumes:
       - db_data:/var/lib/mysql
     restart: always
     environment:
       MYSQL_ROOT_PASSWORD: somewordpress
       MYSQL_DATABASE: wordpress
       MYSQL_USER: wordpress
       MYSQL_PASSWORD: wordpress

   wordpress:
     depends_on:
       - db
     image: wordpress:latest
     ports:
       - "8000:80"
     restart: always
     environment:
       WORDPRESS_DB_HOST: db:3306
       WORDPRESS_DB_USER: wordpress
       WORDPRESS_DB_PASSWORD: wordpress

volumes:
    db_data:
1

O db_data é uma referencia para um volume definido dentro do seu docker-compose.yml. Dentro do service db ele está indicando que deve salvar os dados em um volume interno gerenciado pelo Docker (e não em um path mapeado no seu disco).

   db:
     image: mysql:5.7
     volumes:
       - db_data:/var/lib/mysql

No final do arquivo temos a declaração desse volume, onde você pode indicar de onde a referencia do db_data deve apontar. No arquivo está a declaração reduzida, mas aquele final pode ser definido também da seguinte forma:

volumes:
    db_data:
        driver: local

É possível definir opções extras dependendo do caso:

volumes:
    db_data:
        driver: local
        name: my_volume_name
        external: true

Consulte a documentação para ver as possíveis opções.

Lembrando que essa referencia não é a mesma utilizada para o nome do volume para o Docker. Para isso temos a propriedade name, caso contrário esse volume seguira a convenção <path_do_projeto>_<referencia_do_volume>.

Exemplo:

> docker volume ls
DRIVER              VOLUME NAME   
local               wordpress_db_data

Com name definido:

> docker volume ls
DRIVER              VOLUME NAME   
local               my_volume_name
0

Embora seja comum deixar essas informações no final, a ordem realmente é indiferente. Os elementos principais (que estão na raíz do yaml) Networks e Volumes são usados para especificar recursos, respectivamente redes e volumes.

Essa forma de estruturar reafirma a segurança de que você só irá usar volumes ou redes que previamente definiu. A definição destas é global para o seu yaml.

Somente após especificados estes podem ser usados nos serviços/containers. Esse modelo se dá pois além do nome (como vemos no caso do volume) podemos definir driver e outras informações, em contrapartida podemos reaproveitar um mesmo volume em diversos containers.

  • Então essa marcação de volumes no escopo global é uma definição, ou seja, uma marcação de que o volume será obrigatoriamente usado. Certo? É opcional essa marcação global? – Fábio Jânio 9/10/17 às 12:17
  • Não é somente uma marcação, é a definição. Que pode inclusive ser um volume externo (que não está sendo criado no seu compose, mas foi criado previamente). – Luiz Carlos Faria 10/10/17 às 12:56
  • E não é opcional – Luiz Carlos Faria 10/10/17 às 12:56

Sua resposta

By clicking “Publique sua resposta”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Esta não é a resposta que você está procurando? Pesquise outras perguntas com a tag ou faça sua própria pergunta.