3

Tenho esta classe exemplo:

public class User : APerson
    {
        private string _userName;

        [DataMember]
        public virtual string UserName
        {
            get { return _userName; }
            set
            {
                if (string.IsNullOrWhiteSpace(value))
                {
                    throw new FormatException(ErrorMessage.User.USERNAME_REQUIRED);
                }

                if (value.Length > 50)
                {
                    throw new FormatException(ErrorMessage.User.USERNAME_TOO_LONG);
                }

                _userName = value;
            }
        }

        [DataMember]
        public virtual string Password { get; set; }

        [DataMember]
        public virtual bool IsActiveDirectory { get; set; } = false;

        [IgnoreDataMember]
        public virtual IList<Application> Applications { get; set; }

        [IgnoreDataMember]
        public virtual IList<UserAccessKey> UserAccessKeys { get; set; }

        [IgnoreDataMember]
        public virtual IList<UserApplication> UserApplications { get; set; }

        [IgnoreDataMember]
        public virtual AClient Client { get; set; }

        [IgnoreDataMember]
        public virtual IList<UserLog> UserLogs { get; set; }
    }

O AClient, é esta classe abstrata:

public abstract class AClient
    {
        private string _companyName;
        private string _company;

        [DataMember]
        public virtual int Id { get; set; }

        [DataMember]
        public virtual Guid Hash { get; set; }

        [DataMember]
        public virtual bool IsManager { get; set; }

        [DataMember]
        public virtual string CompanyName
        {
            get { return _companyName; }
            set
            {
                if (!string.IsNullOrEmpty(value) && value.Length > 100)
                {
                    throw new Exception(ErrorMessage.Client.COMPANY_NAME_TOO_LOG);
                }
                _companyName = value;
            }
        }

        [DataMember]
        public virtual string Company
        {
            get { return _company; }
            set
            {
                if (!string.IsNullOrEmpty(value) && value.Length > 150)
                {
                    throw new Exception(ErrorMessage.Client.COMPANY_TOO_LONG);
                }
                _company = value;
            }
        }

        [DataMember]
        public virtual bool IsActive { get; set; }

        [DataMember]
        public virtual string CssFileExtensionName { get; set; }

    }

Até aí tudo bem. O problema é que, se eu via LINQ tentar localizar no atributo Client da classe User, o atributo Description, que não existe na classe abstrata, eu terei um erro de compilação.

O que fazer nesses casos? Como explicar para o LINQ qual a classe concreta que herda da classe abstrata, que possui este atributo.

Além disso: Se eu tiver o seguinte exemplo:

public virtual IList<APerson> Patients { get; set; } = new List<Patient>();

Eu tenho um erro de compilação, mesmo a classe Patient herdando de APerson.

Se eu fizer isso abaixo, a segunda linha funciona. A primeira não!

public virtual IList<APerson> Patients { get; set; } = new List<Patient>();

public APerson person { get; set; } = new Patient();

Não consigo entender estes problemas. Alguém pode me dar uma luz? Obs.: Começando agora com ID.

  • Certo, mas seu questionamento não tem relacão com injeção de dependência, consegue colar o conteúdo do erro de compilação na pergunta? – Felipe Assunção 21/09/17 às 17:39
  • Não??? Mas na injeção de dependência você da preferência a interfaces e classes abstratas no lugar de classes concretas, não? A minha dúvida é como programar desta forma. Qual categoria indica? E com relação ao erro, não estou na máquina agora mas o erro informa que patient não e um aperson... o mais louco e que se eu fizer um atributo simples, não em lista, ele da certo... Já posto esse exemplo – DiegoSantos 21/09/17 às 17:42
  • 2
    Relacionado: O que são covariância e contravariância? – ramaral 25/09/17 às 20:54
7
+50

Qual o problema com List<Animal> lista = new List<Girafa>() ?

Não funciona pois a classe genérica List<T> permite inserir na lista.

Veja, não posso adicionar Camelo numa lista de Girafas:

List<Animal> animais = new List<Girafa>();
animais.Add(new Camelo()); // se a lista é de animais,
                           // então deveria ser possível
                           // inserir camelos nela

Usando LINQ com uma lista da classe de base

Se você tem uma lista de Animal, e quer tratar apenas os elementos que são Girafa, das duas uma:

  • Faz um cast de todos os elementos para Girafa:

    animais.Cast<Girafa>().Select(girafa => girafa.PropriedadeDaGirafa);
    
  • Seleciona dentre todos os animais, somente os que são Girafa:

    animais.OfType<Girafa>().Select(girafa => girafa.PropriedadeDaGirafa);
    

A escolha depende de você saber de antemão que todos os elementos da lista são de fato Girafas ou se podem haver outros animais diferentes na lista.

Qual é do papo de Variância?

Variância é a forma com que o tipo varia com o parâmetro genérico (é mais fácil entender com os exemplos! =D ). No C# só se aplica variância a interfaces e delegates genéricos.

  • Covariância: suponha uma interface IS<T>. IS e T são covariantes quando IS varia junto com T. Assim sendo isso é válido:

    Animal a = (Girafa)g;
    IS<Animal> ia = (IS<Girafa>)ig;
    
  • Contra-variância: suponha outra interface IE<T>. IE e T são covariantes é quando IE varia contrariamente a T. Assim sendo isso é válido:

    Animal a = (Girafa)g;
    I<Girafa> ig = (I<Animal>)ia;
    

Uma questão que sobra é o que faz um tipo ser covariante ou contra-variante com relação ao seu parâmetro?

Ou melhor, que característica do tipo faz os exemplos acima serem verdadeiros?

Vou explicar usando as interfaces dos exemplos acima.

Covariância - IS<T>

Ocorre quando T é usado apenas como saída do tipo IS<T>. Por isso, se anota o parâmetro genérico com out:

interface IS<out T>
{
    T LerValor();
}

Vamos testar pra ver se vai dar problema:

IS<Animal> ia = (IS<Girafa>)ig;
Animal a = ia.LerValor(); // parece bom... IS<Girafa>.LerValor()
                          // retorna Girafa, que é um Animal.
                          // Beleza!

Contra-variância - IE<T>

Ocorre quando T é usado apenas como entrada do tipo IE<T>. Por isso, se anota o parâmetro genérico com in:

interface IE<in T>
{
    void EscreveValor(T valor);
}

Vamos testar pra ver se vai dar problema:

IE<Girafa> ig = (IE<Animal>)ia;
ig.EscreveValor( (Girafa)g ); // parece bom... IE<Animal>.EscreveValor()
                              // recebe Animal, então se eu só puder passar
                              // Girafa's tá de boa, pois Girafa é Animal.
                              // Beleza!

Composição de vários níveis de variância

Fica mais fácil entender usando delegates neste caso.

Vou definir eles assim:

delegate T DS<out T>();
delegate void DE<in T>(T valor);

Vamos a algumas afirmações e alguns códigos para demonstrar:

  • A saída da saída é uma saída

        DS<DS<Girafa>> ssg = () => () => new Girafa();
        DS<DS<Animal>> ssa = ssg;
    
        // vou receber uma girafa (como sendo um animal)
        Animal a = ssa()();
    
  • A entrada da saída é uma entrada

        DS<DE<Animal>> sea = () => a => Console.WriteLine(a);
        DS<DE<Girafa>> seg = sea;
    
        // vou passar uma girafa (mas o delegate sabe usar qualquer animal)
        var g = new Girafa();
        seg()(g);
    
  • A saída da entrada é uma entrada

        DE<DS<Animal>> esa = sa => Console.WriteLine(sa());
        DE<DS<Girafa>> esg = esa;
    
        // vou passar uma girafa (mas o delegate sabe usar qualquer animal)
        var g = new Girafa();
        esg(() => g);
    
  • A entrada da entrada é uma saída

        DE<DE<Girafa>> eeg = eg => eg(new Girafa());
        DE<DE<Animal>> eea = eeg;
    
        // vou receber uma girafa (através do delegate)
        Animal a;
        eea(a2 => a = a2);
    

Tentei fazer uma imagem para explicar, não sei se está confusa, se estiver me falem que eu mudo ou tiro ela.

Composição de níveis de variância

Composições titânicas

Vamos a uns exemplos mais, digamos, complexos:

  • A entrada da saída da entrada da entrada... o que seria? Já respondo: é entrada.

        DE<DE<DS<DE<Animal>>>> eeseg = null;
        DE<DE<DS<DE<Girafa>>>> eesea = eeseg;
    
  • E a entrada da saída ^5 da entrada da saída da entrada da entrada... o que seria? Direto ao ponto: é saída.

        DE<DE<DS<DE<DS<DS<DS<DS<DS<DE<Girafa>>>>>>>>>> eesessssseg = null;
        DE<DE<DS<DE<DS<DS<DS<DS<DS<DE<Animal>>>>>>>>>> eesesssssea = eesessssseg;
    

É possível responder muito rápido a essas questões. Basta contar as entradas.

  • Número par de entradas é saída

  • Número ímpar de entradas é entrada

Mas e as saídas?

R: saídas não afetam em nada

  • A saída da saída ^10000: é saída pois tem número par de entradas (0 é par)

  • A saída ^100 da entrada da saída ^101: é entrada pois possui número ímpar de entradas (apenas 1 entrada)

  • Na imagem, você está escrevendo em inglês puro ou tem português? Mais especificamente: e, que língua está o do da imagem? – Jefferson Quesado 29/09/17 às 1:13
  • 1
    Haha... o "do" é português mesmo, é, ficou estranho. O ruim, é que OUT e IN em português ia ficar super longo. Não sei o que fazer... talvez substituir "do" por um "×", ou escrever em inglês mesmo. – Miguel Angelo 29/09/17 às 10:24
1

O @ramaral indicou nos comentários a pergunta que tem a resposta.

Este problema acontece porque o tipo Patient não é covariante em relacão a APerson. O que isto quer dizer é que Patiente não é um tipo mais genérico que APerson.

O problema é que a sua lista de APerson não lhe pode garantir que não haverá problemas de execução, quando você tentar adicionar um objeto dum tipo diferente de Patient mas que herde de APerson.

Já quando você tenta atribuir um Patient a uma variável do tipo APerson está tudo correto. O tipo Patient é contravariante em relacão a APerson. Isto quer dizer que ele é sub-tipo de APerson. Voce também puderia atribuir qualquer outro sub-tipo que não haveria problemas.

Isto é mais simples entender pelo fato que todos os tipos são contravarientes em relacão a object.

Resumindo, a forma de resolver o seu problema é mudar o tipo da lista de pacientes para o tipo genérico Patient.

public virtual IList<Patient> Patients { get; set; } = new List<Patient>();

Também puderia manter a sua lista genérica, mas nesse caso voce nao pode assegurar que só encontrará objetos do tipo Patient nela.

public virtual IList<APerson> Patients { get; set; } = new List<APerson>();

Sua resposta

By clicking “Publique sua resposta”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Esta não é a resposta que você está procurando? Pesquise outras perguntas com a tag ou faça sua própria pergunta.