16

Web afora e também aqui no Stack, às vezes se fala em "abstração" quando o assunto é arquitetura/engenharia de software e orientação à objetos, principalmente.

  • O que é a tal "abstração"?
  • Por que ela é importante?
  • Como consegui-la na prática?
  • +1 uma pergunta muito interessante, dará com certeza excelentes respostas. – Jorge B. 1/07/14 às 16:11
18

Abstração em informática tem seu sentido derivado do mesmo conceito em filosofia, que é "isolar um elemento à exclusão de outros". Seu uso é muito parecido com aquele feito em matemática - em vez de resolver um problema para um domínio bem específico (ex.: tinha quatro laranjas e comi duas, quantas tenho?) transformar esse problema em um problema mais geral (ex.: x = 4 - 2) e resolver esse problema, aplicando a resolução de volta ao problema original.

Dando um exemplo concreto, como se implementa um somatório?

var resultado = 0;
for ( var i = 0 ; i < array.length ; i++ )
    resultado += array[i];

E como se implementa um produtório?

var resultado = 1;
for ( var i = 0 ; i < array.length ; i++ )
    resultado *= array[i];

Nota-se que potencialmente existem N problemas do mesmo formato: começa-se com um valor inicial, aplica-se uma operação envolvendo esse valor e um elemento da entrada, o resultado do mesmo combinado com o próximo elemento, etc, até se atingir o resultado final. Ao abstrair o problema dessa forma (i.e. isolar as características comuns, parametrizando pelas específicas) pode-se chegar a uma solução mais geral:

function reduce(array, fn, valorInicial) {
    var resultado = valorInicial;
    for ( var i = 0 ; i < array.length ; i++ )
        resultado = fn(resultado, array[i]);
    return resultado;
}

var somatorio = reduce([1,2,3,4,5], function(a,b) { return a + b; }, 0);
var produtorio = reduce([1,2,3,4,5], function(a,b) { return a * b; }, 1);

Outro exemplo mais comum no dia-a-dia é o uso de tipos e subtipos, e a criação de funções "genéricas" que atuam sobre vários tipos. Em vez de se implementar uma solução específica para um tipo de dados, implementa-se uma que atende a diversos tipos distintos, assim evitando a duplicidade do código.

Por que isso é importante, deve ser evidente. Como conseguir na prática, aí já é uma questão de raciocínio matemático: tentar enxergar similaridades dentre os diversos conceitos com o qual lidamos, descrever essa similaridade na forma de um novo conceito (mais geral, ou mais abstrato) e - conforme os recursos oferecidos pela sua plataforma de escolha - desenvolver soluções voltadas a esse novo conceito, de modo a ser facilmente reaproveitável pelos conceitos mais específicos.

Naturalmente, muito desse trabalho já foi feitos por outros, de modo que quanto mais conhecimento você tiver - quanto mais contato com trabalho de terceiros envolvendo abstração - mais facilidade você terá para identificar na prática quando uma abstração se aplica ao seu caso, de modo a desenvolver/reutilizar soluções nesse sentido. (Faça o que eu digo, não faça o que eu faço: estude matemática!)

Camadas de Abstração

Por fim, não diretamente parte da pergunta mas bastante relacionado, há o conceito de "camadas de abstração": muitas vezes para se resolver um problema "em alto nível" é desejável se poder ignorar os detalhes "de baixo nível". Por exemplo, ao escrever "crie uma janela" (ex.: new JFrame()) você ignora todo o trabalho que o computador tem para desenhar as formas geométricas que compõem essa janela, o tratamento da entrada (teclado, mouse) sobre essa janela, etc. Você está raciocinando em alto nível, e ter de pensar nesses detalhes todos só iria te atrapalhar.

Por outro lado, quem cria uma biblioteca para implementar uma interface gráfica, o faz de forma bem genérica, sem se preocupar exatamente com para que ela será usada (não como será usada, isso é parte da API, mas sim as janelas específicas que serão criadas). Ao mesmo tempo que nessa fase ignora-se como o computador vai desenhar os pixels na tela, como a memória principal vai interagir com a placa de vídeo, etc. Isso é trabalho de quem cria bibliotecas gráficas (como o OpenGL e o DirectX).

Programadores que se concentram em soluções para o usuário final em geral estão no nível de abstração mais alto (i.e. usar as ferramentas disponíveis para atender a uma necessidade do mundo real), mas nem sempre possuem as ferramentas no melhor nível possível. Por isso, se você perceber que está (ou vai) se repetindo demais na construção de um sistema, considere que talvez seja interessante abstrair um pouco o problema com o qual está lidando - criando soluções para essa abstração, e em seguida aplicando-as ao problema real. Isso é usar abstração na prática.

3
  • O que é a tal "abstração"? Eu aprendi e tenho em minha mente a seguinte definição:

Abstração para a OO, nada mais é do que você observar comportamentos e estruturas do dia-dia, e transformá-los em uma linguagem computacional.

  • Por que ela é importante?

Por que ao utilizá-la sabiamente ou seja do jeito certo, você conseguirá com menos esforço e mais qualidade criar sistemas computacionais que mais se aproximarão à expectativa do usuário. Ou seja você realmente conseguirá atenteder a necessidade do usuário.

  • Como consegui-la na prática?

Sem contar que esse é um processo árduo, e que poucas pessoas dominam ele com maestria, você conseguirá com muito estudo, e prática ao mesmo tempo. Tá certo não é tão árduo assim, mas se mais pessoas dominassem como deveria propriamente dito, muitos sistemas não se seriam emcontrados em estados deploráveis como vemos tão facilmente hoje em dia.

Essa é a minha opinião, baseada no que aprendi sobre a engenharia de software até agora!, tentei ser breve e espero ter ajudado!

Valeuu! :D

3

TL;DR

O que é Abstração?

Abstração é o ato de resumir características ou ações similares partilhadas entre dois ou mais objetos.

Por que ela é importante?

Porque quando bem feita reforça o paradigma de virtualizar o mundo real.

Como consegui-la na prática?

Observando estados e comportamentos similares entre dois ou mais objetos.


De acordo com a Wikipedia:

Em Ciências da Computação, abstração é o processo de separação de idéias específicas dos métodos de trabalho. Estruturas computacionais são definidas por seus significados (semântica) enquanto escondem detalhes de como elas funcionam. Abstração tenta fatorar detalhes de um padrão comum para que programadores possam trabalhar de forma mais próxima à realidade humana.

"Mas é uma droga tão maçante!" - Tank, Matrix

Orientação a Objetos não tem como um dos mais básicos objetivos representar o mundo real de forma programática? Um objeto Porta representa uma porta no mundo real, com suas características (proprieddes) e ações (métodos).

E assim como no mundo real várias coisas têm similaridades, sejam de características ou ações. A diferença é que não entre si, afinal se fosse assim abririamos a porta do carro e a da geladeira seria aberta junto.

Continuemos com o exemplo do objeto Porta. Vamos agora introduzir um objeto Portão. Ambos são basicamente a mesma coisa, tem características partilhadas, ações em comum, mas um Portão tem algumas coisas que uma Porta comum não tem (controle remoto, talvez).

Sem abstração teríamos:

class Porta {

    private $isOpen = FALSE;

    public function __construct() {}

    public function open() {

        $this -> isOpen = TRUE;
    }

    public function close() {

        $this -> isOpen = FALSE;
    }
}

class Portao {

    private $isOpen = FALSE;

    public function __construct() {}

    public function open() {

        $this -> isOpen = TRUE;
    }

    public function close() {

        $this -> isOpen = FALSE;
    }
}

Qualquer coisa que um Portão precisasse para abrir/fechar, por exemplo até poderia ser implementada em seus próprios métodos, mas de todo jeito não eliminaria o code smell da repetição.

E se repetiriamos isso de novo, de novo e de novo é hora de abstrair!

No nosso cenário didático podemos resumir tanto a Porta quanto o Portão a:

  • Possuir uma estrutura física que bloqueia ou libera o acesso ao interior / exterior (a porta em si)
  • Abrir e fechar

A primeira é uma característica e as duas últimas, ações. Nossa refatoração preliminar ficaria:

class Porta {

    protected $isOpen = FALSE;

    public function __construct() {}

    public function open() {

        $this -> isOpen = TRUE;
    }

    public function close() {

        $this -> isOpen = FALSE;
    }
}

class Portao extends Porta {}

Abstraimos a flag de estado da Porta, se aberta ou fechada e as ações de abertura e fechamento reduzindo os objetos.

Ações públicas são melhor caracterizados por Interfaces aqui desconsideradas

Sua resposta

By clicking “Publique sua resposta”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy