3

Gostaria de saber se eu fizer uma VIEW com uma consulta simples, se a chamada da view gera um novo SELECT, ou seja, um sub-SELECT totalizando 2 SELECTS ou se apenas aponta para o SELECT de dentro da VIEW?

Executei apenas o SELECT de dentro da VIEW e executei a VIEW, inclusive com algumas variações e pelo plano de execução gerou apenas um SELECT.

Gostaria de entender melhor como é feita a execução apenas do SELECT em relação a mesma execução através de uma VIEW...

O plano de execução otimiza a consulta nesses casos?

Estrutura básica dos testes:

CREATE VIEW teste AS
SELECT * FROM Produtos WHERE estoque = 1; 

SELECT * FROM Produtos WHERE estoque = 1; 

SELECT * FROM teste

SELECT nome FROM teste

SELECT nome + 'produto' FROM teste

Quando faço um SELECT em uma VIEW (que já contém um SELECT dentro):

  • Apenas um SELECT é executado? (Que está dentro da VIEW)
  • Ou o SELECT da VIEW mais a consulta interna, gerando dois SELECTs?

No meu entendimento o banco de dados faz apenas um link do SELECT da VIEW direto para o SELECT interno da VIEW, pois a VIEW não é uma tabela, isto está correto?

Atualmente estou usando SQL Server

  • Não entendi direito, pode explicar melhor. E diga qual é a base de dados. MySQL? – bfavaretto 28/07/17 às 1:11
  • Quando faço um SELECT em uma VIEW (que já contém um SELECT dentro), apenas um SELECT é executado? Ou o SELECT da VIEW e a consulta interna, gerando dois SELECTs? Atualmente estou usando SQL Server – ℛɑƒæĿ 28/07/17 às 12:57
3

Como consta na documentação BOL a respeito de exibições (views) não indexadas, “(...) uma exibição não existe como um conjunto armazenado de valores de dados em um banco de dados. As linhas e colunas dos dados vêm de tabelas referidas em consultas que definem a exibição e são produzidas, dinamicamente, quando a exibição é referenciada”. Ou seja, é uma tabela virtual definida por uma consulta e utilizada como se fosse uma tabela.

Quando se cria a exibição, especifica-se o nome e o código da consulta. Para exibições não indexadas o SQL Server armazena então somente metadados da exibição, como a descrição do objeto, colunas, segurança, dependências etc. Quando se chama uma exibição não indexada, o processador de consultas substitui a referência da exibição por sua definição; ou seja, expande a definição da exibição e após gera o plano de execução.

Como exemplo, temos tabela de produtos.

-- código #1
CREATE TABLE Produto (
  Código int primary key,
  Seção char(1) not null,
  Descrição varchar(80) not null,
  Fornecedor varchar(30) not null
); 
go

Podemos criar exibição que retorne somente os produtos da seção de vestuário.

-- código #2
CREATE VIEW dbo.Produto_Vestuário 
     with SCHEMABINDING as 
     SELECT Código, Descrição, Fornecedor
       from dbo.Produto
       where Seção = 'V';
go

Agora, para listar os produtos da seção de vestuário temos o seguinte código:

-- código #3
SELECT Código, Descrição, Fornecedor
  from Produto_Vestuário;

Para listar os itens de vestuário de um único fornecedor, temos

-- código #4
SELECT Código, Descrição
  from Produto_Vestuário
  where Fornecedor = 'ITA';

O que faz o processador de consultas ao analisar o código #4? Inicialmente ele expande o código da exibição no código da chamada:

-- código #5
SELECT Código, Descrição
  from (SELECT Código, Descrição, Fornecedor
          from Produto
          where Seção = 'V') as PV
  where Fornecedor = 'ITA';

E a seguir entra em ação o otimizador de consultas e a geração do plano de execução.

Para o código #4 ao final é gerado então algo semelhante a

-- código #6
SELECT Código, Descrição
  from Produto
  where Seção = 'V'
        and Fornecedor = @1;

Isto pode ser confirmado ao analisar o predicado gerado para código #4:

#4: [Produto].[Fornecedor]=[@1] AND [Produto].[Seção]='V'

Algumas aplicações

  • mecanismo de segurança para permitir que usuários acessem dados por meio da exibição, sem conceder-lhes permissões para acessarem diretamente as tabelas base subjacentes da exibição;
  • fornecer interface compatível com versões anteriores para emular uma tabela que existe, mas cujo esquema foi alterado;
  • desenvolver soluções de forma modular. Pode-se resolver cada passo do problema com uma consulta, criando então exibição baseada nessa consulta. Este processo pode simplificar a solução permitindo focar um passo de cada vez.

Referências

  • Excelente explicação, muito obrigado José! – ℛɑƒæĿ 31/07/17 às 12:10
  • Manda demais em SQL. 👏 – rbz 20/08/18 às 21:07

Sua resposta

By clicking “Publique sua resposta”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Esta não é a resposta que você está procurando? Pesquise outras perguntas com a tag ou faça sua própria pergunta.