9

Estou montando um projeto que utilizo UoW para facilitar a questão de transações. Em alguns cenários, utilizo vários repositórios, persistindo os dados na memória para salvar de uma só vez no BD utilizando um método Commit() da classe UnitOfWork. Estou também utilizando Entity Framework, ao qual recebo uma Interface IDbContext no construtor do UnitOfWork e utilizo um conjunto de DbSet e o próprio SaveChanges() do framework para aderir o Commit().

Agora vamos para a dúvida, não estou utilizando a interface IDisposable no UnitOfWork e queria saber se há necessidade já que estou utilizando IoC (com SimpleInjector). Um outro ponto é que vi muitos artigos utilizando o IDisposable nos repositórios, mas estou utilizando uma única instância por request, se eu fechar a conexão do Banco de Dados e na mesma requisição chamar um outro repositório talvez solte uma Exception. Creio que o que me falta seja conhecimento em comparação a isto.

Interface IUnitOfWork:

public interface IUnitOfWork
{
    IDbSet<TEntity> Set<TEntity>() where TEntity : class;
    void Commit();
}

Classe UnitOfWork

public class UnitOfWork : IUnitOfWork //Deveria implementar IDisposable aqui ?
{
    private readonly IDbContext _dbContext;

    public UnitOfWork(IDbContext dbContext)
    {
        _dbContext = dbContext;
    }

    public IDbSet<TEntity> Set<TEntity>() where TEntity : class
    {
        return _dbContext.Set<TEntity>();
    }

    public void Commit()
    {
        _dbContext.SaveChanges();
    }
}

Interface IDbContext:

public interface IDbContext
{
    IDbSet<TEntity> Set<TEntity>() where TEntity : class;
    int SaveChanges();
}

DbContext:

public class MeuDbContext : IDbContext
{
    public MeuDbContext() : base("MeuDbContextConnectionString") 
    {
        //Configurações ...
    }

    public DbSet<ClasseA> ClasseA { get; set; }
    public DbSet<ClasseB> ClasseB { get; set; }

    public override int SaveChanges()
    {
        try
        {
            return base.SaveChanges();
        }
        catch (DbEntityValidationException exception)
        {
            var ex = HandleDbEntityValidationException(exception);
            throw ex;
        }
        catch (DbUpdateException exception)
        {
            var ex = HandleDbUpdateException(exception);
            throw ex;
        }
    }
}

IoC:

public class MeuProjetoBootstrap
{
    public static void RegisterServices(Container container)
    {
        container.Register<IDbContext, QueensberryDbContext (Lifestyle.Scoped);
        container.Register<IUnitOfWork, UnitOfWork>(Lifestyle.Scoped);
    }
}

Cenário:

public class MeuExemploApplication()
{
    private readonly IUnitOfWork _uow;
    private readonly IClasseARepositorio _classeARepositorio;
    private readonly IClasseBRepositorio _classeBRepositorio;

    public void MeuExemploApplication(IUnitOfWork uow, IClasseARepositorio classeARepositorio, IClasseBRepositorio classeBRepositorio) 
    {
        //Utilizacao de IoC
        _uow = uow;
        _classeARepositorio = classeARepositorio;
        _classeBRepositorio = classeBRepositorio;
    }

    public void Adicionar(DadosViewModel model)
    {
        // Deveria utilizar *using* aqui ? Algo como: 
        // using(_uow) { ... código citado abaixo ... }

        var classeA = new ClasseA()
        {
            PropriedadeUm = model.PropriedadeUmA,
            PropriedadeDois = model.PropriedadeDoisA
        }

        _classeARepositorio.Adicionar(classeA);

        var classeB = new ClasseB()
        {
            PropriedadeUm = model.PropriedadeUmB,
            PropriedadeDois = model.PropriedadeDoisB
        }

        _classeBRepositorio.Adicionar(classeB);

        _uow.Commit();

    }
}

Não estou utilizando a interface IDisposable em lugar nenhum. Onde devo fechar a conexão com o Banco de Dados ? Na classe Unit Of Work ? E se sim, como fazer isso utilizando IoC e sem que haja a necessidade de chamar um método Dispose() para cada operação.

OBS: Não creio que seja em um repositório, pois se eu chamar dois repositórios em uma única operação, talvez o primeiro repositório chamado feche a conexão com o Banco de Dados e como estou utilizando uma instância por request isso daria um problema para o repositório seguinte.

  • Legal... Porém, ficou uma dúvida. Em um cenário como DDD (onde o próprio Eric Evans ensina sobre repositórios), você acha que é uma má prática mesmo sendo utilizado nesta questão ? Sendo a melhor prática substituir por Extesions Methods os repositórios ? Creio que o livro tenha sido criado antes mesmo do C# oferecer recursos como o Extesions Methods e ele se baseia em uma ferramenta como o Java que eu não sei se possuí está alternativa. Se puder me tirar essa dúvida, agradeço. – Wilson Santos 7/04/17 às 23:24
  • "você acha que é uma má prática mesmo sendo utilizado nesta questão?". Sim. Você leu a resposta? – Cigano Morrison Mendez 10/04/17 às 4:04
  • "Sendo a melhor prática substituir por Extesions Methods os repositórios ? Creio que o livro tenha sido criado antes mesmo do C# oferecer recursos como o Extesions Methods e ele se baseia em uma ferramenta como o Java que eu não sei se possuí está alternativa." A pergunta não é sobre Java: é sobre C# usando Entity Framework. Não existe extensions para Java. Não existe Entity Framework para Java. Se estivéssemos falando sobre Java e repositórios em Java, não haveria qualquer problema de práticas na sua questão. Peço novamente que releia a resposta vinculada à sua pergunta. – Cigano Morrison Mendez 10/04/17 às 4:07
10
+150

Não sei qual framework de injeção de dependência você está utilizando, mas normalmente esses frameworks tem algo chamado lifestyle (que você mesmo mostrou em seu código), e dependendo do lifestyle, o próprio container chamará o Dispose() para você.

Normalmente eles vem com essas possíveis configurações:

  • Transitório (transient): uma instância nova cada vez que for necessário injetar o objeto
  • Singleton: uma instância única para a aplicação. No caso de uma aplicação web, por exemplo, a mesma instância será utilizada para várias requests (ou seja, enquanto o processo existir).
  • Por Thread: uma instância por thread (eu particularmente nunca precisei usar isso)
  • Por Request: será utilizada uma nova instância para cada request, mas esse obviamente não funciona com aplicações WPF e Win Forms, por exemplo.

O correto é você estudar o framework que você está utilizando e entender se ele também funciona assim, eu utilizo o Ninject e sei que ele funciona assim.

Veja aqui uma tabela mostrando como os scopes do Ninject funcionam.


No caso do Ninject para as situações acima, ele só não chamará o Dispose() automaticamente para o transitório, sendo que a classe que receberá a dependência deverá implementar o IDisposable e fazer o dispose dos recursos (ex: DbContext) por conta própria.

Repository Pattern + DbContext + Dispose onde?

É bem comum ver pessoas que estão estudando/aprendendo (assim como eu) lerem a respeito de EF + Repository Pattern + IoC + UoW, olhando assim até parece uma fórmula perfeita para uma boa arquitetura, mas isso é apenas conceitual.

Na verdade, para evitarmos complexidade ao trabalhar com o DbContext, o ideal é garantir que para a execução de uma ação (ex: cadastrar usuário, aprovar pagamento, processar pedido, liberar produtos) seja utilizado a mesma instância de DbContext. Isso porque a menos que você interfira nas configurações dele, quando você carrega uma lista de entidades, o EF, por exemplo, cria classes proxy e já começa a observar quaisquer mudanças nesses objetos. Ele é inteligente ao ponto de caso você venha a mudar quaisquer objetos no seu grafo, ou seja, classes filhas, netas e etc, ao executar o SaveChanges() ele vai saber exatamente o que fazer.

Mas alguns exemplos de repository pattern recebem uma instância do DbContext em seu construtor, e acabam tendo algum método genérico (muitas vezes em um RepositoryBase) assim:

public Repository(IDbContext db)
{
    this._db = db;
}

public void Update(T entity)
{
    this._db.Set<T>().Attach(entity);
    this._db.Entry(entity).State = EntityState.Modified;
}

Qual a necessidade desse Attach() e dessa alteração manual no State do entry? Simples, esse objeto foi recuperado através de outra instância do DbContext. Se tivesse sido utilizada a mesma instância, nem precisaria existir esse método Update(). Mas como você vai garantir que a mesma instância de DbContext vai ser utilizada durante toda a execução da sua ação, até chamar o SaveChanges (quando for o caso)?

Ioc FTW?

Daí viram que seria possível resolver esse problema com o IoC, onde ele guardaria uma instância única do DbContext e injetaria a mesma instância em diferentes repositórios. Daí não tem mais necessidade de manualmente utilizar Attach, Detach e nem desse Update nos repositórios.

Como vários repositórios podem compartilhar o mesmo DbContext, nenhum deles deve chamar o Dispose() dele, pois como vamos ter certeza que nenhum outro ainda precisará dele? Iremos configurar uma instância Singleton? Não é exatamente uma boa ideia manter um DbContext por aí vagando pela aplicação o tempo todo (posso estar enganado).

Então, vamos definir que só precisaremos de uma determinada instância de DbContext até que nossa ação seja executada. As ações ficam na camada de aplicação, como exemplo o teu método Adicionar. O método adicionar vai utilizar todos os repositórios que quiser, de alguma forma chamar o SaveChanges e dar o Dispose() no DbContext, além disso garantir que esse mesmo DbContext vai ser utilizado somente durante a execução das ações daquela aplicação. Para isso, ao invés de injetar os repositórios na camada de aplicação, uma ideia seria criar uma classe única para cuidar dessa única instância do DbContext que deverá ser usado somente para aquela ação em particular, e ela também injetará esse DbContext nos repositórios. Já que essa classe vai representar uma execução da aplicação, vamos chamá-la de UnitOfWork (unidade de trabalho):

public class UnitOfWork: IDisposable
{
    public UnitOfWork()
    {
        this._db = new QueensberryDbContext();
    }

    public RepositoryA GetRepositoryA()
    {
        return new RepositoryA(_db);
    }

    public IDbSet<TEntity> Set<TEntity>() where TEntity : class
    {
        return _db.Set<TEntity>();
    }

    public void Dispose()
    {
        _db.Dispose();
    }
}

public class MeuExemploApplication: IDisposable
{

    public MeuExemploApplication(UnitOfWork uow) 
    {
        this._uow = uow;
    }

    public void Adicionar()
    {
        var coisas = _uow.GetRepositorioA().GetAlgumaCoisa(); // por repositório
        var usuarios = _uow.Set<Usuario>().ToList(); // acessando diretamente o set
        // faz tudo o que tem que fazer no método "Adicionar"
        _uow.Commit(); // save changes
    }

    public void Dispose()
    {
        _uow.Dispose(); // dispose uow, que internamente fará dispose do DbContext
    }
}

Perceba que ao trabalhar com o UnitOfWork, ele fica responsável por gerenciar o tempo de vida do DbContext, pois ele representa uma unidade de trabalho, e idealmente o DbContext deveria ser mantido somente até a execução dessa tarefa/action/ação (como quiser chamar os use cases de sua aplicação). Nesse caso, você não tem o DbContext no seu container de injeção de dependência, e o UnitOfWork deve ser configurado por Scope, ou seja, sempre que uma aplicação for instanciada, uma nova instância exclusiva para aquela aplicação do UnitOfWork (que consequentemente terá seu próprio DbContext) será injetada, e a aplicação é quem cuida do seu exclusivo UnitOfWork chamando o Dispose() por conta própria.

Aplicações Web

No caso de uma aplicação web, onde o asp.net gerencia todo o fluxo de requisições, eu particularmente não vejo a menor necessidade de utilizar UnitOfWork. Isso porque cada requisição pode ser entendida como uma unidade de trabalho, daí você configura o DbContext no IoC novamente, mas utiliza a opção Per Request.


Eu particularmente estou de acordo com o Cigano, eu só utilizo Repository Pattern em minhas aplicações como uma forma de encapsular e reutilizar queries complexas (bem como acessá-las dentro do Domain), mas isso poderia ser substituído por métodos de extensão (conforme observado pelo Cigano), nem utilizo também o UnitOfWork, porque meu acesso a dados sempre é feito através de uma aplicação web (Web API ou WCF), e caso eu venha a precisar de um WPF ou WinForms, eu consumo a API/WCF. Por isso até o momento não tive necessidade de utilizar o UnitOfWork.

Eu acho que o Repository Pattern adiciona sim uma complexidade, e precisa ser bem analisado se vale a pena, o link com a resposta do Cigano é excelente. Eu entendo que em uma arquitetura orientada a microservices, acaba sendo desnecessário utilizar. Mas se você está montando uma super API, talvez valha a pena, pois as chances de você precisar reutilizar um código são altas.

KISS

  • 4
    Obrigado, jovem. Votaria duas vezes se pudesse. – Cigano Morrison Mendez 17/05/17 às 2:15
  • 1
    @CiganoMorrisonMendez eu que agradeço pelo link nos comentários. Já guardei o link para distribuir a alguns amigos desenvolvedores (inclusive na equipe onde trabalho). Votei e também votaria mais vezes! – Alisson 17/05/17 às 2:29
  • 1
    Obrigado cara. Estou utilizando Simple Injector e percebi que realmente, após a execução de uma View (MVC), ele entra no Dispose de forma automática. Estava utilizando buscas através do UoW, mas já refatorei o código para não fazer buscas pelo UoW pois estava sobrecarregando a memória, então pra qualquer tipo de busca crio uma instância e já dou dispose em seguida (verifiquei que até o consumo de memória do pool da aplicação). – Wilson Santos 18/05/17 às 0:31

Sua resposta

By clicking “Publique sua resposta”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Esta não é a resposta que você está procurando? Pesquise outras perguntas com a tag ou faça sua própria pergunta.