10

Tenho um colega de trabalho que é apologista do actor model (modelo ator em português). Em linhas gerais ele parece tratar-se duma arquitetura de software para ser aplicada em sistemas distribuídos ou na cloud.

Por aquilo que percebi o conceito é que há vários atores e cada qual responsabiliza-se por completar determinada tarefa. Pareceu-me ser algo muito idêntico a microserviços mesmo.

Podem esclarecer melhor o que é de fato o modelo ator? (Normalmente não são permitidas perguntas adicionais, mas se puderem detalhar porque é que o modelo ator é diferente de microserviços, eu agradeço).

  • A resposta abaixo atendeu sua necessidade? – Murillo Goulart 24/02/17 às 13:47
  • @MurilloGoulart Em parte. Estou á procura de outras respsotas. Nao me parece que uma resposta com um copy paste integral seja aceitável, mas essa é a minha opiniao... – Bruno Costa 24/02/17 às 14:08
  • Você já compreende os conceitos de sistemas distribuidos? – Intruso 27/02/17 às 15:04
  • @Intruso Apenas duma forma superficial. – Bruno Costa 27/02/17 às 15:06
  • Meu receito é que exista confusão entre as definições específicas dos padrões e suas aplicações em determinados frameworks. Exemplo disso é a citação do Azure, que utiliza mas, não necessariamente 'dita' o padrão. Também existe ai uma confusão com a comparação de microservices, que deveria ser mais comparado com o modelo monolitico de arquitetura, mas, não necessariamente distribuido. A infraestrutura do framework (de forma que se mostre o padrão aplicado) está mais para o caso do Azure, talvez por isso, você esteja tendo dificuldades em expressar a pergunta de forma a obter respostas. – Intruso 27/02/17 às 15:26
4
+50

Os atores são componentes isolados, single-threads que encapsulam seu estado e comportamento. Isto é muito semelhante ao funcionamento dos serviços de mensagens convencionais, já que os atores recebem parâmetros de entrada por meio de mensagens.

MicroServices são componentes autônomos que por definição servem a uma única finalidade. Em teoria, os atores são um ajuste perfeito para a implementação de ambientes em microServices.

A Azure Service Fabric enfatiza especialmente o modelo Ator definindo explicitamente Atores. Encontre mais informações sobre isso aqui: https://docs.microsoft.com/en-us/azure/service-fabric/service-fabric-reliable-actors-introduction

Teoricamente, os atores podem ser vistos como microServices pequenos. Os atores são mensagens dirigidas, devem ter uma única responsabilidade (isto não está implícito no modelo, mas faz sentido), por isso há alguns equivalentes em comparação a microServices. MicroServices podem suprir também outras responsabilidades. É importante lembrar que uma arquitetura de microserviços é principalmente uma decisão organizacional. Não se trata de dimensionar uma aplicação, mas sim de dimensionar uma organização de desenvolvimento. E alguns dos principais princípios de microservices, são coisas como independência de implantação, isolamento, tendo desenvolvimentos separados e ciclos de implantação, etc

Estas são coisas que você geralmente não começa apenas usando atores. Uma aplicação com base em ator ainda é uma base de código único e deve ser implantada como um único aplicativo (pelo menos com o estado atual dos quadros de ator disponíveis). Assim, enquanto os atores proporcionam escalonamento e melhor gerenciamento de concorrência e desenvolvimento distribuído, eles ainda não fornecem o nível de separação e isolamento que uma arquitetura baseada em microserviços fornece e, portanto, não atendem às mesmas necessidades.

De modo geral, em uma arquitetura de microserviços (MSA), o ator é o próprio microservice de acordo com http://usblogs.pwc.com/emerging-technology/what-is-microservices-architecture-think-ant-colonies-beehives-or-termite-mounds/

1

Modelo de Atores O Modelo de Atores, que teve seu desenvolvimento iniciado por Carl Hewitt (Mavadatt, 2002), é utilizado em algumas linguagens de programação como um método de programação concorrente. Inicialmente, o modelo proposto por Hewitt era uma comunidade de agentes, desenvolvido na linguagem smalltalk, baseada na programação orientada a objetos onde, cada objeto era considerado como uma entidade ativa, recebendo, enviando e reagindo a mensagens. Tais objetos, bem como as mensagens de interação, foram chamados de atores (Guy, 2003).

Definições de Atores Segundo (Mavadatt, 2002), atores são objetos concorrentes e independentes que interagem pelo envio assíncrono de mensagens. Para (Guy, 2003), um ator pode ter arbitrariamente muitos “conhecidos”, ou seja, ele pode “ter conhecimento” sobre outros atores e enviar mensagens a estes. (Lieberman, 1987) coloca que atores acabam com a distinção convencional entre dados e procedimentos, criando um processamento concorrente através da alocação dinâmica de recursos em uma máquina paralela. Na composição de tal objeto, tem-se que um ator encapsula estados, um conjunto de métodos e uma thread ativa (Figura 1). Cada ator tem seu único endereço de correio, servindo como um alvo para o recebimento de mensagens, que é associado com buffers de comunicação ilimitados, formando assim uma fila para recebimento de mensagens. (Varela, 2001).

Fonte: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/86260/203223.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Sua resposta

By clicking “Publique sua resposta”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Esta não é a resposta que você está procurando? Pesquise outras perguntas com a tag ou faça sua própria pergunta.