36

Como há uma obsessão por perguntas com acentos, aqui vai a minha :)

O SQLite permite fazer comparações diretas ou através do like com qualquer encoding/charset desde que seja feito byte a byte. Ele só permite fazer a comparação desconsiderando a sensibilidade de caixa (case insensitive) com caracteres ASCII.

Eu tenho algumas situações que preciso usar o SQLite com case insensitive e consequentemente accent insensitive também para caracteres latinos (ISO 8859-1 ou Latin1). Não preciso e não uso encoding UTF-8 ou UTF-16, até porque, e não só, falta implementação dos devidos tratamentos desses encodings no SQLite.

A resposta padrão dos desenvolvedores do SQLite, que é english centric, é que se você precisa de tratamento extra ao ASCII, você deve providenciar isso. Eles afirmam que você já terá isso disponível na sua aplicação. O que não é verdade no meu caso.

Muitas vezes uso o SQLite em linguagens que não têm o tratamento adequado para normalizar a caixa dos caracteres levando em consideração caracteres latinos, pelo menos não de uma forma que podem ser chamadas pelo SQLite.

Se usasse UTF8 ainda não usaria a ICU(en) pelo seu peso em memória e processamento. É canhão para matar passarinho e em alguns casos me traria complicações indesejáveis.

Precisaria ser em C para se comunicar diretamente com a API do SQLite sem overhead e para ser portável para qualquer linguagem usada na aplicação e também para o sistema operacional, que é outro requisito.

Os principais requisitos:

  • normalizar o case tratando caracteres principais (desconsiderando acentos) do ISO-8859-1
  • leveza (memória e processamento)
  • simplicidade (que permite fácil implantação e manutenção)
  • portabilidade (de linguagem e sistema operacional)
  • evitar duplicação de dados nas tabelas (criar coluna normalizada)
  • inexistência de dependência externa ou de licença que me permita compilar junto com minha aplicação/SQLite.

Pode ser uma biblioteca simples ou uma função para inscrever na API do SQLite. Preferencialmente que também funcione com o LIKE e FTS, UPPER e LOWER, etc.

Já pesquisei e não resolve meu problema:

Referência: API SQLite

  • Você já considerou criar uma coluna adicional normalizada? – utluiz 9/01/14 às 13:29
  • 4
    @utluiz Já! É mais overhead ainda. Em alguma situação específica até pode ser uma solução (deselegante), mas na maioria dos casos, seria um absurdo fazer isso. – Maniero 9/01/14 às 13:32
  • Criar uma coluna adicional é um overhead que pode ser válido em alguns casos onde a eficiência da busca é crucial e a comparação não se resolve apenas com encoding. Uma aplicação é em permitir a pesquisa de palavras com pequenas variações de escrita com o algoritmo [Soundex] (en.wikipedia.org/wiki/Soundex). – utluiz 9/01/14 às 13:45
  • 1
    Ah, e seja qual for a solução, para que ela seja eficiente, não basta aplicar uma cláusula de comparação na consulta, ela deve atuar sobre os índices do banco para não causar um Full Table Scan. – utluiz 9/01/14 às 13:48
  • @utluiz Concordo com sua última afirmação e que a coluna adicional pode válida em alguns casos. – Maniero 9/01/14 às 13:55
22
+50

O Sqlite possui case insensitive apenas para ASCII nativamente, pois um dos objetivos da base de dados é justamente ser Lite :) e há o entendimento de que qualquer aplicação que dependa de comparação de linguagem específica já vai ter uma função pra isso, visto que a base de dados é apenas mais um dos pontos onde ela será usada.

Para ter uma ordem na forma que desejar, usando seus próprios critérios, basta implementar uma nova collation, utilizando a família de funções sqlite3_create_collation( )(en), que permite você apontar uma função própria sua em C, que faz a comparação entre strings da forma que você achar mais conveniente.

Após ter essa collation implementada, basta a incluir na query desejada:

SELECT nome, endereco FROM cadastro ORDER BY nome COLLATE CollationExemploPtBr

Detalhes da função a ser implementada vão da necessidade de cada um, o importante é saber que sua função vai receber as duas strings a serem comparadas, e deve retornar 0 para strings consideradas iguais (ação e acao, em português, deveriam retornar 0), algum positivo para string1 maior que string2, e um negativo para string1 menor que string2.

Uma das vantagens de ter sua própria collation é que você pode não se limitar a comparar caracteres apenas pela acentuação, mas também fazer com que & e E tenham o mesmo "peso" na hora de ordenar uma string, ou qualquer outra coisa que seja conveniente para o resultado desejado.

Desde que você chame a função create_collation antes de começar a usar as funções de base de dados propriamente ditas, pode usar sua collation (ou várias diferentes ao mesmo tempo, conforme desejar) normalmente como index. Isso é especialmente importante para manter a performance do DB sem perder a liberdade de ordenar como quiser. Estas funções funcionam tão eficientemente ou até melhor do que as nativas do SQLite, dependendo apenas da qualidade do código implementado.

Lembre-se de que a collation é apenas uma parte do processo, pois na hora de localizar uma string com LIKE, por exemplo, você também deve implementar uma função compatível, podendo usar a família de funções create_function()(en) que usa o mesmo princípio, apontar uma função do seu código que processe o resultado da forma que desejar.

Segue um exemplo simplificado, adaptado de uma função que uso em alguns aplicativos:

// Atencao: esta implementacao esta muito simplificada,
// e foi postada como mero exemplo. Por ter sido rapidamente
// adaptada e simplificada de um codigo de uso interno para
// ser postada no SO, pode conter erros de tipagem e alguma
// condicao nao tratada (como utf mal formado) ou bugs.
//
// Esta implementacao somente esta considerando os caracteres
// acentuados entre u+0000 e u+00ff, para fins de exemplo, e
// considerando as equivalencias basicas em pt_BR
//
// -- Bacco

sqlite3 *db;
if (SQLITE_OK==sqlite3_open( "databasename.db", &db)
{

   sqlite3_create_collation( db,
                             "CollationExemploPtBr",
                              SQLITE_UTF8,  /* Nota [1] */
                              &example_table_ptbr, /* Nota [2] */
                              &example_collation ); 

// [1] A pergunta original menciona 8859-1. Notar que este codigo
// trata de UTF, mas basta ajustar os "ifs" pra ignorar UTF e
// usar a tabela com 256 caracteres "puros".
//
// [2] Notar que estou usando um cargo pra nao referenciar o
// example_table_ptbr direto no example_collation.
// O SQLite repassa esse pointer ao chamar a funcao indicada. 
// Este e um otimo jeito de usar a mesma funcao com tabelas diferentes.
// Se sua funcao ja tiver a tabela embutida,
// basta usar null neste parametro.

// ... seu codigo aqui ...

}

static const char example_table_ptbr[] = {
    /* u+0000 .. U+007F */
   0x00,0x01,0x02,0x03,0x04,0x05,0x06,0x07,  0x08,0x09,0x0A,0x0B,0x0C,0x0D,0x0E,0x0F,
   0x10,0x11,0x12,0x13,0x14,0x15,0x16,0x17,  0x18,0x19,0x1A,0x1B,0x1C,0x1D,0x1E,0x1F,
   0x20,0x21,0x22,0x23,0x24,0x25,'E' ,0x27,  0x28,0x29,0x2A,0x2B,0x2C,0x2D,0x2E,0x2F,
   0x30,0x31,0x32,0x33,0x34,0x35,0x36,0x37,  0x38,0x39,0x3A,0x3B,0x3C,0x3D,0x3E,0x3F,
   0x40,0x41,0x42,0x43,0x44,0x45,0x46,0x47,  0x48,0x49,0x4A,0x4B,0x4C,0x4D,0x4E,0x4F,
   0x50,0x51,0x52,0x53,0x54,0x55,0x56,0x57,  0x58,0x59,0x5A,0x5B,0x5C,0x5D,0x5E,0x5F,
   0x60,'A' ,'B' ,'C' ,'D' ,'E' ,'F' ,'G' ,  'H' ,'I' ,'J' ,'K' ,'L' ,'M' ,'N' ,'O' ,
   'P' ,'Q' ,'R' ,'S' ,'T' ,'U' ,'V' ,'W' ,  'X' ,'Y' ,'Z' ,0x7B,0x7C,0x7D,0x7E,0x7F,
   /* u+0080 .. U+00FF */
   0x20,0x20,0x20,0x20,0x20,0x20,0x20,0x20,  0x20,0x20,0x20,0x20,0x20,0x20,0x20,0x20,
   0x20,0x20,0x20,0x20,0x20,0x20,0x20,0x20,  0x20,0x20,0x20,0x20,0x20,0x20,0x20,0x20,
   0x20,'!' ,'C' ,'L' ,0x20,'Y' ,0x20,0x20,  0x20,'C' ,'A' ,'<' ,0x20,0x20,'R' ,0x20,
   'O' ,0x20,'2' ,'3' ,0x20,'U' ,0x20,0x20,  0x20,'1' ,'O' ,'>' ,0x20,0x20,0x20,'?' ,
   'A' ,'A' ,'A' ,'A' ,'A' ,'A' ,0x20,'C' ,  'E' ,'E' ,'E' ,'E' ,'I' ,'I' ,'I' ,'I' ,
   'D' ,'N' ,'O' ,'O' ,'O' ,'O' ,'O' ,'X' ,  'O' ,'U' ,'U' ,'U' ,'U' ,'Y' ,0x20,'S' ,
   'A' ,'A' ,'A' ,'A' ,'A' ,'A' ,0x20,'C' ,  'E' ,'E' ,'E' ,'E' ,'I' ,'I' ,'I' ,'I' ,
   'D' ,'N' ,'O' ,'O' ,'O' ,'O' ,'O' ,'/' ,  'O' ,'U' ,'U' ,'U' ,'U' ,'Y' ,0x20,'Y' };

int example_collation(void* pArg,int n1,const void* s1,int n2,const void* s2)
{
   int v = 0;
   unsigned char b1;
   unsigned char b2;
   unsigned char *t = (unsigned char *)pArg;
   unsigned char *p1 = (unsigned char *)s1;
   unsigned char *p2 = (unsigned char *)s2;
   unsigned char *c1 = p1 + n1;
   unsigned char *c2 = p2 + n2;

   while( ( p1 < c1 || p2 < c2 ) && v == 0) {
      b1 = *(p1++);
      b2 = *(p2++);

      if ( p1 > c1 )
         b1 = 0x20;

      else if ( b1 < 0x80 )
         b1 = t[ b1 ];

      else if( ( b1 & 0xFE ) == 0xC2 )
         b1 = t[ 0x80 | ( ( b1 << 6 ) & 0x40 ) | ( *(p1++) & 0x3F ) ];

      if ( p2 > c2 )
         b2 = 0x20;

      else if ( b2 < 0x80 )
         b2 = t[ b2 ];

      else if( ( b2 & 0xFE ) == 0xC2 )
         b2 = t[ 0x80 | ( ( b2 << 6 ) & 0x40 ) | ( *(p2++) & 0x3F ) ];

      v = b1 - b2 ;
   }
   return v;
}
3

Para alternar entre comparações case insensitive e case sensitive existe uma chave de configuração:

PRAGMA case_sensitive_like=OFF;

Sobre remover acentuações, encontrei essa referência com uma function que parece promissora:

SELECT spellfix1_translit('água'); -- agua 
SELECT * FROM table WHERE spellfix1_tanslit(column) LIKE 'a%'; 

A implementação em questão, parte de uma tabela virtual para encontrar palavras "próximas", usa uma mega tabela de traduções para obter a contrapartida ASCII de caracteres acentuados (ou seja, faz a substituição de caracteres romanos na unha). Para mais detalhes veja a estrutura de dados translit[] e a função transliterate que omiti por questões de espaço e simplicidade (a mensagem de "copyright" do cabeçalho é bem interessante hehehe).

/*
**    spellfix1_translit(X)
**
** Convert a string that contains non-ASCII Roman characters into 
** pure ASCII.
*/
static void transliterateSqlFunc(
  sqlite3_context *context,
  int argc,
  sqlite3_value **argv
){
  const unsigned char *zIn = sqlite3_value_text(argv[0]);
  int nIn = sqlite3_value_bytes(argv[0]);
  unsigned char *zOut = transliterate(zIn, nIn);
  if( zOut==0 ){
    sqlite3_result_error_nomem(context);
  }else{
    sqlite3_result_text(context, (char*)zOut, -1, sqlite3_free);
  }
}

Quanto a implementação da função, se você quiser algo mais "robusto", uma vez que ICU está fora de questão, existem outras opções como unac. Basta utilizar a função acima como template e substituir a chamada à transliterate pela função de normalização que você preferir.

  • O PRAGMA só funciona para ASCII. Vou analisar melhor o resto, depois dou um retorno. Parece ser, pelo menos, um bom começo. Só não deu para perceber ainda se resolve tudo, porque não basta tirar os acentos para a comparação funcionar bem. Já vi soluções até simples de normalizar a string, mas que gerava processamento desnecessário aos montes. Não sei se é o caso. Achei a tabela muito grande p/ minha necessidade, mas isso dá p/ customizar. Vou analisar o unac também. – Maniero 9/01/14 às 16:10
  • Se for para personalizar (não acho que hoje essa tabela é tão grande em termos de consumo de memória, mesmo para devices embarcados), veja que já é possível tratar o case diretamente na tabela também (eu por outro lado deixaria o case sensitive off para like e comporia funções UPPER e LOWER). Em relação à overhead e processamento, sempre vai valer o trade-off de espaço vs processamento, sem colunas extras ou algum tipo de estrutura de dados auxiliar você vai ter que executar a normalização a cada consulta, e isso vai ser caro (pode ser mais caro ou menos caro, mas será caro). – Anthony Accioly 9/01/14 às 16:23
  • Claro, o problema é ser caro sem ser necessário. E já vi várias soluções assim. Dependendo de como usar UPPER e LOWER, acontece justamente isso. – Maniero 9/01/14 às 16:28
0

Apesar da pergunta já ter sido respondida e @Maniero ter deixado claro

evitar duplicação de dados nas tabelas

Em algumas situações não é possível criar um collate sqlite3_create_collation. E, usar duplicação de dados pode cumprir com os outros requisitos como:

leveza e simplicidade

E caso você também tenha interesse em accent insensitive você pode ter a alternativa com duplicação de campo com o uso de slug.

CREATE TABLE 'posts' (
    'id' INTEGER PRIMARY KEY AUTOINCREMENT NOT NULL, 
    'name' TEXT, 
    'name_slug' TEXT);

Ao inserir, será necessário inserir a informação duas vezes. A primeira de forma crua e a segunda, slug. No exemplo seria name e name_slug. Slugify em C++

INSERT INTO items ( name, name_slug )
    VALUES ( "O nome do POST é comprido", "o-nome-do-post-e-comprido" );

E ao realizar comparação ou like, usar o mesmo procedimento de slugify do termo de busca.

# Post é
SELECT * FROM items WHERE status = 1 AND name_slug like "%post-e%"

Sua resposta

By clicking “Publique sua resposta”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Esta não é a resposta que você está procurando? Pesquise outras perguntas com a tag ou faça sua própria pergunta.