1

Segue o meu código que contém um método booleano:

import java.util.Scanner;

public class ativ16 {
    public static void main(String[] args) {
        int n, i, v[];
        Scanner entrada = new Scanner(System.in);
        n = entrada.nextInt();
        v = new int[n];

        for (i = 0; i < n; i++) {
            System.out.println("Digite um número: ");
            v[i] = entrada.nextInt();
        }


        if (VetorEhPalindromo(v, n)) {
            System.out.println("vetor é palíndromo");
        } else {
            System.out.println("vetor não é palíndromo");
        }
    }

    static boolean VetorEhPalindromo(int v[], int n) {

        int i, temp;
        int t[] = new int[v.length];
        boolean ehPalindromo = false;

        for (i = 0; i < v.length; i++) {
            t[i] = v[i];
        }

        for (i = 0; i < v.length; i++) {

            if (i < (t.length / 2)) {
                temp = t[i];
                t[i] = t[t.length - i - 1];
                t[t.length - i - 1] = temp;
            }

        }

        for (i = 0; i < t.length; i++) {

            if (t[i] == v[i]) {
                ehPalindromo = true;
            } else {
                ehPalindromo = false;
            }
        }

        return ehPalindromo;
    }
}

A minha dúvida é a respeito do condicional if no método main(). Por que o if(VetorEhPalindromo(v,n)) não recebe uma condição e ainda assim executa o código corretamente? Por exemplo: if(VetorEhPalindromo(v, n) == true).

  • 1
    Não entendi qual é a dúvida. O método retorna um booleano, então qual é o problema? – Maniero 14/11/16 às 22:16
  • @bigown acho que é pelo fato do retorno do método citado ser a condição do if apenas. – user28595 14/11/16 às 22:17
  • O simples fato do método retornar um booleano já representa uma condição pro if verificar. Lembre-se, o if avalia uma condição como true ou false, se o método por si já retorna isso, seu retorno que é a condição verificada. – user28595 14/11/16 às 22:19
  • Então por padrão sempre que eu apenas chamar a função dentro do if, o programa entende como uma condição do tipo função == true? – Leko 14/11/16 às 22:23
  • 1
    @diegofm tentei melhorar isso, acho que ficou melhor desta forma. – viana 16/11/16 às 12:30
8

Veja este código:

class Ideone {
    public static void main (String[] args) {
        int x = 10;
        boolean cond = x == 10; //produz um resultado booleano
        System.out.println(cond); //imprime o resultado igual faria com um int
        if (cond) { //usa a variável com o valor booleano p/ tomar uma decisão
            System.out.println("executou");
        }
        cond = metodo(); //atribui o valor recebido pelo método
        System.out.println(cond); //imprime o seu valor
        if (cond) { //toma a decisão de acordo com o valor dessa variável
            System.out.println("executou");
        }
        System.out.println(x == 10); //agora sem a variável
        if (x == 10) { //toma a decisão sem variável, mas é a mesma coisa
            System.out.println("executou");
        }
        System.out.println(metodo()); //imprime o valor booleano recebido do método
        if (metodo()) { //toma a decisão baseado no valor recebido do método
            System.out.println("executou");
        }
    }
    public static boolean metodo() {
        return true;
    }
}

Veja funcionando no ideone e no CodingGround.

Muita gente deve se surpreender que é possível guardar o resultado da expressão booleana, que as pessoas costumam chamar de condição. O primeiro dia que vi algo sobre o assunto em programação na hora percebi que isso era o normal, eu estava na oitava série, nem tinha formação matemática completa, mas sabia o básico que todo mundo deveria saber. Eu tive a sorte de começar aprender por baixo. Hoje as pessoas aprendem o que vem por cima sem ter o fundamento.

Uma coisa que muito programador iniciante não entende, e incrivelmente até alguns com anos de experiência, é que um if executará o bloco de comando, ou não, baseado em um valor booleano, ou seja, se tiver um valor verdadeiro, entra no bloco, se tiver falso, não entra no bloco (entrará no else se tiver). É só isso que o if faz, qualquer outra coisa não é função dele, se por acaso tiver outras coisas, é independente do if e na prática será executado antes, seu resultado será armazenado temporariamente em algum lugar para ser usado pelo if.

De onde vem esse valor booleano? Pode vir de uma expressão qualquer, desde que o resultado seja um true ou ou false. É comum que essa expressão use um operador de comparação (==, !=, >, <, >=, <=), afinal eles geram sempre um resultado booleano. Operadores relacionais (&&, ||, !) também geram um booleano, esses últimos inclusive exigem que os operandos sejam booleanos também.

Mas se usar uma variável que já guarde um valor booleano? Isso é uma expressão que gera um resultado booleano e pode ser usado no if sem problema, ele tem o que se espera. Assim como você usa uma variável inteira para fazer uma conta, porque não usar uma variável booleano para estabelecer uma condição? Seria estranho não fazer isso, seria assimétrico. Então pode-se fazer:

int x = 1;
int y = x + 5;

no lugar de

int y = 1 + 5

Porque não poderia fazer o que está no exemplo acima?

E se ao invés de usar uma variável eu usar um método que retorne um booleano? Não vai dar o mesmo resultado? Não vai fornecer exatamente o que eu preciso para usar no if?

O que eu percebo é que as pessoas acham que o if é algo especial, e ele não é, ele só faz o que eu descrevi acima. Na verdade toda linguagem é montada de forma o mais simétrica possível. Onde vale uma coisa, vale para tudo. Se em algum lugar não puder valer faz-se uma exceção justificada na sua especificação e implementação.

Assim como eu não compreendo porque programadores criam variáveis sem necessidade alguma* (variáveis são apenas uma forma de armazenamento, se não precisa armazenar, pra que criá-la?), não entendo porque as pessoas acham que é obrigado fazer

if (metodo() == true)

Na verdade isso é absolutamente redundante tomando o exemplo acima. Isso seria o mesmo que fazer

x = x; //sim, está só atribuindo o valor de x em x, todo mundo vê a redundância.

Nesse exemplo está pegando o valor que o método retorna, no caso sabemos que é true e compara para saber é ele é true, portanto dará true. Porque não usar logo o valor recebido se é isso que queremos? Pra que criar uma passo adicional que não faz nada além do que já sabemos? Vejo cada desculpa quando o programador é pego fazendo uma bobagem dessas...

Quando vezes vejo métodos fazerem algo assim:

public boolean condicao(int x) {
    if (x == 10) {
        return true;
    } else {
        return false;
    }
}

Quando basta fazer apenas:

public boolean condicao(int x) {
    return x == 10; //retorna exatamente o que precisava
}

Quando vejo isso sei que o código daquela pessoa terá muitas coisas erradas porque ela não tem a menor noção de coisas básicas da computação, ou até mesmo da matemática e só conseguirá seguir receitas, o que está longe de ser programação de fato.

Eu acho que o problema é até esse mesmo. As pessoas não enxergam que o if elimina uma variável que todo mundo acha que é necessária sempre.

Como as linguagens funcionam

Esquece esse negócio de condição, o que existe é uma expressão booleana. Não tem mágica, não tem nada especial, se não fosse assim é que seria especial. Isso tudo não é programação, isso é matemática (básica), nada mais que isso. Uma pessoa que aprendeu matemática por completo entende isso sem ler um material de programação.

Linguagens têm regras bem definidas de como elas funcionam e elas tentam ser o mais intuitivas possível, tentam ser lineares, simétricas, fazendo apenas o óbvio.

Tudo que é escrito é executado em pares de valores (algumas coisas coisas pode executar sozinhas ou nem precisar de um valor, mas jamais em trios ou mais elementos) e sempre uma instrução do que deve fazer com o valor.

Um if é fruto de um valor booleano que é avaliado e decide se desvia a execução para outro ponto ou mantêm a sequência. Além disso ele possui desvios incondicionais escondidos para controlar o bloco. Esse valor booleano deve ser algo único. Se ele não é único ele deve executar a expressão que está escrita ali para dar o resultado único. Se essa expressão tem sub-expressões (pares de operados com um operador), cada uma delas precisa ser executada antes.

Na verdade você também funciona assim. Para avaliar uma expressão completa, seu cérebro vai avaliando sub-expressões, você faz "uma continha" de cada vez e vai pegando o resultado para usar na próxima continha, até que, de passo em passo, fez a "contona" que deu o resultado final. Como pode ser visto aqui:

Avaliação de expressão

Por isso que eu falo que a primeira linguagem que alguém deve aprender é Assembly. Entender como o computador funciona antes de criar abstrações. É muito difícil entender como as coisas são quando a abstração vem primeiro.

Veja Como é feito um compilador? para ajudar ter uma ideia como isso funciona. Dê atenção para a árvore abstrata de sintaxe que é disso que estou falando no parágrafo anterior ao diagrama. É assim porque o computador só consegue executar operações concretas muito simples, o resto é abstração em cima disso.

Alguns "programadores" morrem sem entender isso. Na verdade sempre foram seguidores de regras que eu sempre falo, nunca foram programadores. Existe uma diferença entre programar e escrever um punhado de código que a pessoa sequer entende o que faz. Por sorte alguns são curiosos e perguntam e aprendem.


*Criação de variável sem razão aparente, nem mesmo de documentação é o caso mais óbvio da pessoa estar seguindo receitas de bolo sem entender o que está fazendo. Outro exemplo muito comum é declarar uma variável antes e logo em seguida atribuir sem valor ao invés de fazer tudo de uma vez. Eu entendo porque as pessoas declaram todas variáveis no começo da função ou método, elas aprenderam errado que isso é bom. Aprenderam assim porque linguagens antigas obrigavam ser assim, mas o mais correto é sua declaração ser o mais perto possível de seu uso e com o menor escopo possível. Dentro do menor escopo possível.

4

É simples entender. If testa uma condição, se a condição é satisfeita então a condição retorna true. Logo se você testar um Boolean já estará dando o resultado ao IF.

Veja o exemplo para você entender:

Teste de "afirmação"

    Boolean teste = true;
if(teste){
// Vai entrar aqui porque teste é verdadeiro
} else {
// Não vai entrar aqui porque a condição já foi satisfeita
}

Teste de negação

Já se você colocar um ! antes da varriável na condicional seu teste será inverso, ou seja ao invés de você estar testando se a condição se satisfaz você estará testando se a condição não se satisfaz

    Boolean teste = true;
if(!teste){
// Não vai entrar aqui porque teste é verdadeiro
} else {
// Vai entrar aqui porque teste é verdadeiro e o if está testando se a condição NÃO foi satisfeita
}

Sua resposta

By clicking “Publique sua resposta”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Esta não é a resposta que você está procurando? Pesquise outras perguntas com a tag ou faça sua própria pergunta.