38

Estou a desenvolver uma aplicação em PHP e gostaria de saber quando e porque utilizar require ou include ou require_once ou include_once?

Reparei também que dá para fazer destas formas e funciona:

require_once myfile.php;   
require_once 'myfile.php'; 
require_once ('myfile.php');
require_once ("myfile.php");
require_once "myfile.php";

Qualquer uma das formas está correta? Estão todas?

59

A diferença entre include e require é a forma como um erro é tratado. require produz um erro E_COMPILE_ERROR, o que encerra a execução do script. O include apenas produz um warning que pode ser "abafado" com @.

include_once tem a garantia que o arquivo não será incluído novamente se ele já foi incluído antes.

require_once é análogo ao include_once

require_once é um statement portanto a sintaxe com parenteses pode confundir um pouco. No primeiro olhar pode parecer que é uma função. Por isso não aconselho seu uso, apesar de não trazer consequências prejudiciais ao programa.

Diferença de aspas

Quanto a usar aspas simples (ou apóstrofo) ou aspas duplas (vírgulas dobradas) neste caso vai de gosto. Particularmente prefiro, sempre que possível, usar aspas duplas e só usar a simples quando é necessário. Um exemplo é quando há aspas dupla dentro do texto da string.

No caso específico você não pode ter nenhuma das duas aspas em nome de arquivo ou path por isso a dupla sempre será adequada. Inclusive as aspas duplas permitem o uso de interpolação de variável. Ex.: include "$nome.php"; (ainda que nesse caso a sintaxe é desnecessária).

Só lembrando que o uso das aspas duplas obriga um duplo parser para tratar a interpolação. Portanto é mais eficiente usar aspas simples. Mas nada que seja muito significativo.

Eu não aconselharia usar o primeiro exemplo mostrado. Não há vantagem e causa a impressão que myfile.php é um símbolo do programa.

Como todas as formas são aceitas pelo PHP todas podem ser usadas, não importa a forma escolhida, o mais importante é ter padronização. Escolha uma forma e fique com ela.

Desconheço qualquer desvantagem extra além da legibilidade em qualquer forma.

Não sei se é óbvio mas você também pode usar também require_once $minhavar; se a variável obviamente contiver um path completo válido para um arquivo PHP.

O que pode diferenciar mais é o local onde um destes statements está sendo usado. Ele respeita o escopo. Mas isso já é outra questão.

Coloquei no GitHub para referência futura.

  • 1
    No campo das micro-otimizações, o debate sobre aspas duplas, simples, concatenação de variáveis dentro de strings, uso de chaves em strings para delimitar variáveis e etc. é tão polêmico, quanto controverso, com resultados de benchmarking variando de pessoa para pessoa. Eu só diria que require/include, sejam _once ou não são construtores de linguagem. Acredito que statement cabe melhor para strings de propósito definido, como uma SQL query. – Bruno Augusto 14/05/14 às 12:48
  • @BrunoAugusto concordo com a primeira parte. Não gosto do termo "construtores de linguagem" porque os statements não necessariamente constroem alguma coisa e não conheço uma boa tradução para statement. – Maniero 14/05/14 às 13:04
  • 2
    Ao pé da letra statement seria afirmação, sem qualquer contexto com esse lado da programação, mas realmente dos construtores de linguagem existentes poucos realmente contróem alguma. Mas todos sabemos que o Sr. Lerdorf não é lá um cara de muita sensatez. :p – Bruno Augusto 14/05/14 às 13:35
  • @BrunoAugusto Esses dias estava até discutindo isso com alguns membros e não gostamos de nada apesar de "afirmação" era a tradução óbvia. +1 pela última frase :) – Maniero 14/05/14 às 13:44
10

require é idêntico ao include, exceto em caso de falha que também produzirá um erro fatal de nível E_COMPILE_ERROR. Em outras palavras, ele irá parar o script enquanto que o include apenas emite um aviso (E_WARNING) que permite que o script continue.

O acréscimo de _once (para ambos os casos) diz ao PHP para verificar se o arquivo já foi incluído, caso ele tenha sido não será incluso novamente.

3
  • Tratamento de erro: include: se o arquivo não existe, a um warning (E_WARNING) é lançado mas sua aplicação continua funcionando. require: se o php não localizar o arquivo, um fatal error é lançado (E_COMPILE_ERROR). neste caso o script para.

    • require & include são funções do "tipo" statement. A semântica correta do uso destas funções é: include 'file.php' || require 'file.php';

Se você usar essas funções repetidamente na mesma página (desnecessariamente ou por acidente), o mesmo será incluso ou requerido duplicadamente.

Minha recomendação mais genérica é utilizar include_once "file"; ou require_once "file"; Pois o php verifica se o arquivo já foi incluso/requerido no script.

  • OBS: função include_once, quando não encontra o arquivo informado, o seu retorno é um valor boleano false:

mas se por acaso você fazer include_once do mesmo arquivo inexistente, ele retorna true!

<?php var_dump(include_once "fake_file.php"); #retorno true ?>

Outro ponto: o uso de parênteses ao invés de "": eu uso parênteses quando meu include está inserido em uma condicional ou outra função:

<?php if(!@include_once("fake.php")){echo "fake.php não incluso";}

Fontes: http://www.w3schools.com/php/php_includes.asp

http://www.php.net/manual/pt_BR/function.include.php

  • acho que não há nenhuma semântica correta visto que todas são corretas. – Jorge B. 11/05/14 às 16:29
  • Quando eu digo semântica correta, eu digo seguir a risca a documentação do php, mas por via dos fatos, todas são realmente corretas :) – Samuel Diogo 15/05/14 às 22:30

Sua resposta

By clicking “Publique sua resposta”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Esta não é a resposta que você está procurando? Pesquise outras perguntas com a tag ou faça sua própria pergunta.