70

Eu estava conversando com alguns amigos programadores, quando eu ouvi o termo "normalização de banco de dados". Embora eu já tenha ouvido esse termo algumas vezes antes, não consegui compreender do que se tratava.

Surgiram algumas dúvidas:

  • O que significa esse termo?

  • Qualquer tipo de banco de dados (seja SQL ou NoSQL) pode usar essa tal normalização?

Outra coisa é que, ao pesquisar na internet, encontrei os termos "normalização de dados" e "normalização de banco dados". Existe alguma diferença entre as duas coisas ("normalização de dados" e "normalização de banco dados")? Existe o termo correto ou pode ser falado das duas formas?

Não quero mais passar vergonha ao ouvir um termo desses numa reunião e ficar sem entender :)

  • 3
    Relacionado: pt.stackoverflow.com/q/22069/101. De uma certa forma é fazer um DRY no banco de dados: pt.stackoverflow.com/q/120931/101 – Maniero 6/09/16 às 15:56
  • 5
    Essa é uma comunidade onde as perguntas funcionam de maneira a auxiliar não só a minha pessoa (que quis tirar essas dúvidas) mas outras pessoas também. Portanto, sugiro a quem deu o voto negativo mostrar algo defeituoso na pergunta, para que eu possa corrigir e, assim, ajudar a quem futuramente essa pergunta possa interessar. – Wallace Maxters 6/09/16 às 20:09
78
+150

O que é normalização?

A normalização do banco de dados é o processo de transformações na estrutura de um banco de dados que visa a eliminar redundâncias e a eliminar anomalias de inserção, atualização e exclusão.

Ao efetuar o processo de normalização, os dados cadastrados no banco de dados ficarão organizados de uma forma melhor e ocuparão menos espaço físico. Entretanto, o processo de normalização também sempre faz aumentar o número de tabelas e em muitos casos pode ser uma tarefa difícil de ser realizada. Além disso, bancos de dados normalizados além do necessário podem ter desempenho ruim e/ou complexidade excessiva.

Anomalias

A principal finalidade do processo de normalização é eliminar as anomalias de inserção, atualização e exclusão. A anomalia ocorre quando não há forma de se cadastrar alguma determinada informação sem que alguma outra informação também seja diretamente cadastrada. Por exemplo, imagine que você tenha uma tabela funcionário com os seguintes dados: codigo, nome, projeto, onde a tabela projeto corresponde ao nome do projeto no qual um funcionário foi alocado. E então você tem os seguintes dados:

codigo   nome     projeto
------   ------   --------------------
1        Pedro    Vendas
2        Maria    Vendas
3        Carlos   Cadastro de clientes

E então surgiu um projeto novo: O de emissão de notas fiscais. Como você cadastra esse novo projeto? A resposta é que não dá para cadastrar, pois para fazer isso você teria que ter algum funcionário nesse projeto - ou seja, temos uma anomalia de inserção.

Se no exemplo anterior, o funcionário Carlos fosse desligado da empresa e o removermos da tabela, a informação sobre o projeto de cadastro de clientes é perdida. Isso é um efeito colateral indesejado - é a anomalia de exclusão. Se no entanto ele apenas fosse remanejado para o novo projeto de notas fiscais, nós também perderíamos a informação acerca da existência do projeto de cadastro de clientes - essa é a anomalia de alteração.

O problema que origina essas anomalias é o fato de a informação do projeto estar toda dentro da tabela de funcionários, que não é o lugar dela. Se tivermos duas tabelas relacionadas (1-para-N) - funcionários e projetos - as anomalias desaparecem.

Anomalias também têm relação com o conceito de integridade referencial.

Primeira forma normal (1NF)

A primeira regra para eliminar as anomalias é:

Não devem existir colunas multivaloradas.

O que é uma coluna multivalorada? É uma coluna na qual é possível armazenar-se mais de um valor por registro. Por exemplo, imagine que você tenha na sua tabela de clientes as colunas codigo, nome e telefones, preenchidos assim:

codigo   nome      telefones
------   -------   --------------------------------
1        Paulo     99567-4289, 3605-4900
2        Maria     97223-0444
3        Alan      -
4        Juliana   2853-0266, 96610-5480, 2410-9941

Observe que a coluna de telefones é multivalorada. Inserir, atualizar e excluir telefones nesse esquema é algo complicado de se fazer. Pesquisar por algum número de telefone específico também é algo complicado. A solução para isso é dividir em duas tabelas:

Cliente
codigo   nome
------   -------
1        Paulo
2        Maria
3        Alan
4        Juliana
Telefone
codigo   codigo_cliente   numero
------   --------------   ----------
1        1                99567-4289
2        1                3605-4900
3        2                97223-0444
4        4                2853-0266
5        4                96610-5480
6        4                2410-9941

Ao eliminar-se todas as colunas multivaloradas, o banco de dados atinge uma forma estrutural denominada de primeira forma normal, ou simplesmente 1FN.

Chaves candidatas e superchaves

Antes de prosseguir com as demais formas normais, faz-se necessário introduzir-se os conceitos de chaves candidatas e superchaves.

A chave primária é aquele conjunto de colunas que serve para identificar a tupla de uma forma única (pode ser só uma coluna, ou podem ser duas ou mais). É importante que o projetista do banco de dados saiba identificar quais são as colunas mais apropriadas para serem eleitas como parte da chave primária.

Entretanto, às vezes há mais do que um conjunto de colunas que poderia ser chave primária. Cada um desses conjuntos é chamado de chave candidata. Por exemplo, em uma tabela Pessoa que tenha os campos CPF, RG, Estado e Nome, tanto o CPF quanto o RG junto com o Estado são chaves candidatas. Assim, é possível chegar-se ao Nome a partir do CPF, mas também é possível chegar-se ao Nome a partir do RG e do Estado.

Qualquer conjunto de colunas que tenha como subconjunto, uma chave candidata é denominado de superchave.

Segunda forma normal (2FN)

A segunda forma normal é aquela que diz que:

Todas as colunas devem ter dependência funcional com a totalidade de cada chave candidata.

Na maioria dos casos por "cada chave candidata", entenda-se por "com a chave primária", exceto se houver mais do que uma chave candidata.

Além disso, para que uma tabela esteja na segunda forma normal, ela deve estar antes de tudo, na primeira forma normal.

Uma coluna está em dependência funcional com a chave primária quando ela é determinada no domínio da aplicação por meio da chave primária. Uma coluna não tem dependência funcional com a chave primária quando ela é definida de forma independente da chave primária ou quando ela é definida a partir de alguma outra coluna que não seja a chave primária.

Uma dependência funcional pode ser dita estar na totalidade da chave primária quando todos os campos da chave primária são necessários para estabelecer-se a relação de dependência. No caso de a chave primária ser composta, é possível se ter uma dependência parcial.

Para dar um exemplo da 2FN, imagine que sua empresa tenha representantes comerciais atuando em clientes e queira representar a relação de quais representantes comerciais atuam em quais clientes. Nessa tabela (vamos chamar de representação), temos as colunas nome_cliente e nome_representante como chaves primárias e temos também as colunas endereço_representante, endereço_cliente e valor_contrato.

Observe que as colunas endereço_representante e endereço_cliente dependem da chave primária. Mas eles não dependem de toda a chave primária, cada um depende apenas de parte dela. A solução neste caso é ter uma tabela de clientes (com o endereço do cliente), uma tabela de representantes comerciais (com o endereço dele também) e deixar na tabela de atuação as respectivas chaves estrangeiras com o valor do contrato.

Terceira forma normal (3FN)

A terceira forma normal é aquela que diz que:

Todas as colunas devem ter dependência funcional com a totalidade de cada chave candidata e nada mais além do que essas chaves candidatas.

Novamente, na maioria dos casos por "cada chave candidata", entenda-se por "com a chave primária", exceto se houver mais do que uma chave candidata. Se a única chave candidata existente for a chave primária, isso ficaria assim:

Todas as colunas devem ter dependência funcional com a totalidade da chave primária e nada mais além da chave primária.

Além disso, para uma tabela estar na terceira forma normal, ela deve estar primeiramente na segunda forma normal (e também na primeira). A parte de depender da totalidade de cada chave candidata é abordada na segunda forma normal, então o foco aqui é depender de nada mais que essas chaves.

Por exemplo. Imagine a tabela de carros com as colunas placa (chave primária), cor, nome_proprietário, endereço_proprietário:

placa      cor        nome_proprietário   endereço_proprietário
--------   --------   -----------------   ---------------------
ABX-1234   azul       José                Rua X, 123
NNU-5566   verde      Marcos              Rua exemplo, 5678
SGH-7210   preto      Maria               Avenida teste, 7743
ERT-6902   vermelho   José                Rua X, 123
BGH-5431   preto      José                Rua X, 123

Observe o endereço do proprietário - ele é uma violação da terceira forma normal. Observe que o endereço do proprietário é definido como resultado de quem é o proprietário, e não como consequência da placa do carro. Se o José mudar de endereço e atualizarmos o endereço de apenas um dos carros dele, o banco de dados ficará inconsistente (há anomalia de alteração). Se a Maria comprar mais um novo carro e adicionarmos com um outro endereço, também ficará inconsistente (anomalia de inserção). Se o Marcos vender o carro dele, o seu endereço será esquecido (anomalia de exclusão). A solução novamente, é separar em duas tabelas:

Carro
placa      cor          proprietário
--------   ----------   -------------
ABX-1234   azul         1
NNU-5566   verde        2
SGH-7210   preto        3
ERT-6902   vermelho     1
BGH-5431   preto        1
Proprietário
codigo   nome     endereço
------   ------   --------------------
1        José     Rua X, 123
2        Marcos   Rua exemplo, 5678
3        Maria    Avenida teste, 7743

Forma normal de Boyce-Codd (BCNF)

Existe uma forma normal que é um pouco mais forte que a terceira forma normal, mas que não é requisito necessário para atingir-se a quarta (ou mesmo a sexta). Essa é a forma normal de Boyce-Codd (BCNF), também chamada por vezes de 3.5NF ou de forma normal de Boyce-Codd-Heath.

É bem raro encontrar-se casos de tabelas que estejam na terceira forma normal, mas não na forma normal de Boyce-Codd. Além disso, existem casos (incomuns) onde essa forma normal é impossível de ser atingida (diferentemente das formas entre a primeira e a sexta, que sempre podem ser atingidas).

A diferença aparece quando há mais do que uma chave candidata e elas têm alguma intersecção. A ideia é que os campos que são chaves candidatas sempre determinem os demais campos, e nunca sejam determinados por esses. Assim sendo, na forma normal de Boyce-Codd não é permitido chegar-se a uma chave candidata com base em alguma outra chave candidata por meio de dependências funcionais.

Pegando o exemplo emprestado de uma resposta do SOen, vamos dizer que cada pizza pode ter várias coberturas diferentes, cada uma de um tipo diferente e que você tem dois tipos de pizzas com essas coberturas:

Pizza   Cobertura    Tipo de cobertura
-----   ----------   -------------
1       muçarela     queijo
1       pepperoni    carne
1       azeitonas    vegetal
2       muçarela     carne
2       linguiça     queijo
2       pimenta      vegetal

Há duas chaves candidatas aí: Pizza e tipo de cobertura definem a cobertura usada. Uma outra chave candidata é que a partir da pizza e da cobertura utilizada, nós podemos definir o tipo da cobertura utilizada.

Note que para qualquer que seja a chave candidata que nós olhamos, a demais coluna depende da totalidade da chave candidata e de nada mais do que a chave candidata, então a terceira forma normal foi atingida.

Bem, tem algo errado aí, pois linguiça não é um queijo e muçarela não pode ser carne e queijo ao mesmo tempo - apesar de termos atingido a terceira forma normal, ainda temos anomalias.

A solução é novamente dividir em duas tabelas:

Pizza   Cobertura
-----   ----------
1       muçarela
1       pepperoni
1       azeitonas
2       muçarela
2       linguiça
2       pimenta
Cobertura    Tipo da cobertura
----------   -------------
muçarela     queijo
pepperoni    carne
azeitonas    vegetal
linguiça     carne
pimenta      vegetal

Quarta forma normal (4FN)

É raro encontrar-se casos de tabelas que estejam na terceira forma normal, mas não na quarta. A quarta forma concerne em anomalias existentes na relação entre diferentes colunas da chave primária, e só se aplica em tabelas com chaves primárias compostas por três colunas ou mais.

Para uma tabela estar na quarta forma normal, ela tem que primeiramente estar também na terceira forma normal. A forma normal de Boyce-Codd não é necessária.

É meio difícil de se explicar, mas imagine que tenhamos o caso de representantes comerciais atuando em clientes, onde vários representantes podem atuar em vários clientes e que tenhamos contratos de prestação de serviços em que vários representantes atuam em vários contratos. E então temos a seguinte tabela, onde todas as colunas são chave primária:

representante contrato cliente
------------- -------- ------------------
Geraldo       1        loja de roupas
Geraldo       1        hospital
Geraldo       2        loja de roupas
Geraldo       2        hospital
Marta         1        loja de brinquedos
Marta         1        hospital
Marta         3        loja de brinquedos
Marta         3        hospital
Luís          2        loja de roupas
Luís          2        loja de brinquedos
Luís          4        loja de roupas
Luís          4        loja de brinquedos

Observe que temos relações de muitos-para-muitos entre representantes e contratos e entre representantes e clientes. Mas não temos entre clientes e contratos! Aqui está a violação da forma normal e a possibilidade de se ter algum tipo de anomalia. O ideal é separar em duas tabelas, uma com a relação entre representantes e clientes e outra com a representação entre representantes e contratos:

representantes-contratos
-------------- ---------
Geraldo        1
Geraldo        2
Marta          1
Marta          3
Luís           2
Luís           4
representantes-clientes
-------------- ------------------
Geraldo        loja de roupas
Geraldo        hospital
Marta          loja de brinquedos
Marta          hospital
Luís           loja de roupas
Luís           loja de brinquedos

Observe que na tabela original nós temos informações redundantes. Por exemplo, a informação que Marta está no contrato 1 aparece duas vezes. Se deletássemos a tupla Marta-1-hospital, teríamos uma anomalia de exclusão, vez que Marta atua no hospital (contrato 3) e Marta está no contrato 1 (na loja de brinquedos). Também temos uma anomalia de inserção no caso de termos algum representante alocado para algum contrato no qual não haja ainda nenhum cliente.

Quinta forma normal (5FN)

A quinta forma normal é mais restrita que a quarta, e também se aplica à tabelas com 3 ou mais colunas na chave primária. Novamente, para que a quinta forma normal seja atingida, é necessário atingir-se a quarta forma normal primeiramente.

Vamos imaginar um caso semelhante ao que usei na quarta forma normal, mas que dessa vez além de existir a relação entre representantes e clientes e entre representantes e contratos, também temos a relação entre clientes e contratos. Dessa forma, temos essa tabela:

representante contrato cliente
------------- -------- ------------------
Geraldo       1        loja de roupas
Geraldo       1        hospital
Geraldo       2        loja de roupas
Marta         1        hospital
Marta         3        loja de brinquedos
Marta         3        hospital
Luís          2        loja de roupas
Luís          4        loja de brinquedos

Observe que essa tabela é diferente daquela que usamos na quarta forma normal. Há algumas redundâncias, como por exemplo ela diz duas vezes que Geraldo está na loja de roupas e que o contrato 1 é aplicado ao hospital. A técnica usada para colocarmos na quarta forma normal não se aplica, pois para quaisquer duas colunas obtidas da chave, existe uma relação (ou seja, temos a relação contrato-cliente também). Assim, essa relação já está na quarta forma normal, mas ainda há espaço para normalização. Ao decompormos ela em três relações diferentes, chegamos a quinta forma normal:

representantes-contratos
-------------- ---------
Geraldo        1
Geraldo        2
Marta          1
Marta          3
Luís           2
Luís           4
representantes-clientes
-------------- ------------------
Geraldo        loja de roupas
Geraldo        hospital
Marta          loja de brinquedos
Marta          hospital
Luís           loja de roupas
Luís           loja de brinquedos
contratos-clientes
--------- ------------------
1         loja de roupas
1         hospital
2         loja de roupas
3         loja de brinquedos
3         hospital
4         loja de brinquedos

Sexta forma normal (6FN)

Para uma tabela chegar a sexta forma normal, ela primeiramente deve estar na quinta forma normal. Ela dita que:

Toda tabela só pode ter uma ou nenhuma coluna que não seja parte da chave primária.

Encontrar casos onde a quinta forma normal foi atingida mas a sexta não, é fácil: Qualquer tabela com duas ou mais colunas que não sejam chave primária são uma violação da sexta forma normal.

Entretanto, encontrar-se casos onde a sexta forma normal faça sentido de ser aplicada e traga algum benefício real com isso é bem raro - na maior parte dos casos aplicá-la acaba sendo maluquice, pois a aplicação desta forma normal tende a produzir uma explosão no número de tabelas sem trazer nenhum ou quase nenhum benefício com isso. A sexta forma normal não foi definida para ser algo útil na prática, ela tem mais a finalidade de ser um limite teórico que defina qual é o ponto final a partir do qual nenhuma outra normalização seria possível.

Para ver como seria o processo aqui (e também duvidar de qualquer benefício real que isso traga), imagine a tabela pessoa com os campos codigo (chave primária), nome (NOT NULL), sexo (NOT NULL) e cor_favorita (NULLABLE), e tenhamos esses registros:

codigo   nome      sexo   cor_favorita
------   -------   ----   ------------
1        Marcela   F      verde
2        Rodolfo   M      -
3        Tiago     M      amarelo

Ela seria decomposta assim:

pessoa-nome
------ -------
1      Marcela
2      Rodolfo
3      Tiago
pessoa-sexo
------ ----
1      F
2      M
3      M
pessoa-cor-favorita
------ ------------
1      verde
3      amarelo

Observe que cada coluna que não fazia parte de chave primária acabou indo parar em uma tabela separada. Observe também que a tabela pessoa-cor-favorita não tem um registro para o elemento 2 (o Rodolfo). Essa forma de normalização elimina a necessidade de se ter NULLABLE em colunas, e todas as colunas resultantes são NOT NULL. Os casos das colunas que eram nulos simplesmente acabaram sendo omitidos dos registros resultantes.

Forma normal de domínio-chave (DKNF)

A forma normal de domínio-chave é a que dita que:

Todas as restrições de integridade do banco de dados devem ser impostas ou por restrições de chave ou por restrições de valores de domínio.

Por restrições de chave, entende-se chaves primárias e chaves estrangeiras. Por valores de domínio entende-se o conjunto de valores válidos para cada determinada coluna.

Esta forma normal é bem forte, sendo mais forte que a quinta forma normal e que a forma normal de Boyce-Codd juntas. Porém, ela não é mais forte que a sexta, uma vez que permite a existência de várias colunas que não sejam parte da chave primária em uma mesma tabela e nem a sexta é mais forte que ela, uma vez que não há mecanismo na 6FN que garante que todas as restrições de integridade sejam modeladas tal como exige a DKNF.

Esta forma normal é o nirvana, a utopia, o estado ideal e perfeito da normalização. Entretanto, na prática, é quase impossível de se atingi-la porque qualquer banco de dados com regras de negócio com alguma complexidade provavelmente vai ter algum tipo de regra de consistência que não tem como ser modelada apenas como restrições de chave ou de valores de domínio. Entretanto, mesmo quando inatingível, um esforço para chegar próximo a ela é válido por eliminar várias possibilidades de anomalias.

Outras formas normais

Existe um algoritmo publicado (algoritmo de Barnstein) para se normalizar tabelas e levá-las até a terceira forma normal. Entretanto, pesquisas realizadas posteriormente descobriram que esse algoritmo é um pouquinho mais rígido do que a terceira forma normal exige, mas ainda sem satisfazer a forma normal de Boyce-Codd ou a quarta forma normal. Por esse motivo, a forma normal atingida por esse algoritmo foi chamada de forma normal de chave elementar (EKNF).

Uma outra forma normal existente, mais forte que a quarta forma normal e que a forma normal de Boyce-Codd juntas, porém mais fraco que a quinta forma normal e a forma normal de Boyce-Codd juntas é a forma normal de tupla essencial (ETNF). Os autores que definiram essa forma normal a colocam como uma alternativa para a quinta forma normal padrão, que embora seja mais fraca, seria tão efetiva quanto. A ETNF é atingida quando a BCNF for atingida e pelo menos uma chave candidata tiver apenas um campo. Os autores também se referem a outros trabalhos que definem a forma normal de superchaves (superkey normal form - SKNF), a forma normal livre de redundâncias (redundancy-free normal form - RFNF) e forma normal de chave completa (key-complete normal form - KCNF). A 5NF+BCNF é mais forte que a SKNF que é mais forte que a RFNF que é mais forte que a ETNF que é mais forte que a 4NF+BCNF. Também é demonstrado que a KCNF é igual a RFNF, embora tenham sido definidas por pessoas diferentes e de formas diferentes.

Ah, e é claro, temos também a forma não-normalizada (Unnormalized form), que é aquela forma que não se adequa nem mesmo a primeira forma normal.

Até onde normalizar?

Em geral, muitos ficam satisfeitos em atingir a terceira forma normal e não se preocupam muito com as demais formas normais superiores a essa porque:

  • Se aplicam a casos raros, pois quando a terceira forma normal é atingida, quase sempre a Boyce-Codd, a quarta e a quinta também foram por sorte ou acidente. Isso ocorre porque é difícil se ter um caso na 3NF que não está na BCNF e também porque tabelas com três ou mais colunas na chave primária e que tenham relações de dependência entre essas colunas são algo bem raro.

  • Uma vez que a terceira forma normal é atingida (e provavelmente, por sorte a quarta e a quinta também), restam bem poucas possibilidades que permitam a introdução de anomalias. Procurar atingir a sexta forma normal é em geral maluquice e não traz benefício prático algum. Procurar atingir a forma normal de domínio-chave é quase sempre impossível, embora essa busca possa revelar ainda alguma possibilidade de anomalia que possa ser eliminada.

  • Por vezes, para melhorar-se o desempenho do banco de dados ou simplificar-se a sua estrutura, a recomendação acaba sendo a de desnormalizar algumas coisas. Muitos sistemas com foco em dataware house ou business inteligence são normalizados só até a segunda forma normal, muitas vezes sendo concebidos a partir de estruturas que já estava na terceira forma normal e que sofreram uma desnormalização.

  • Aliás, a sexta forma normal tem mais utilidade quando se pensa em desnormalização ao invés de normalização. A ideia seria procurar algumas das tabelas que tenham relacionamentos 1-para-1 e então unificá-las, efetuando assim uma desnormalização.

Onde posso aplicar o conceito de normalização?

O conceito de normalização e as formas normais se aplicam somente aos bancos de dados relacionais. Outros tipos de bancos de dados que não sejam relacionais (por exemplo, uma aplicação que salve dados em arquivos organizados em pastas), também podem ter conceitos análogos a normalização para eliminar-se redundâncias, melhorar-se a estrutura e reduzir-se a possibilidade de produzirem-se anomalias. Entretanto, nesse campo, os conceitos de normalização não são tão bem definidos quanto no caso de bases de dados relacionais e cada caso terá as suas particularidades.

O caso do NoSQL em especial é bem interessante, pois a ideia dele é modelar dados que não necessitam ter uma forte consistência (o que se denomina consistência eventual), e muitas vezes os seus dados provêm de locais onde não há uma estrutura muito forte e bem definida para os dados. Por esse motivo, não faz tanto sentido falar-se em normalização em bases NoSQL quanto se faz com SQL relacional, pois a ideia do NoSQL é aceitar, tolerar e saber lidar com eventuais anomalias e ser capaz de se virar mesmo se elas surgirem. Bases de dados NoSQL sacrificam consistência em troca de escalabilidade, e por esse motivo, anomalias têm que ser toleradas. Apesar disso, ainda assim existem alguns conceitos referentes à normalização em NoSQL, mas não são tão bem definidos ou amadurecidos. Veja um pouco sobre isso aqui.

Normalização de dados e normalização de banco de dados

Para fechar a resposta à sua pergunta, normalização de banco de dados consiste na normalização da estrutura do banco de dados, enquanto que normalização de dados corresponde à normalização dos dados já existentes nas tabelas.

Entretanto, especialmente em caso de reestruturações de bancos de dados que já estão em produção, os dois conceitos andam tão juntos e misturados que nem acaba fazendo sentido falar-se em um deles sem estar falando também do outro. Daí, em muitas situações que acontecem na prática, eles acabam sendo colocados como se fossem sinônimos.

  • 3
    Com essa "incompleta", eu já entendi melhor o conceito. Muito obrigado por gastar seu precioso tempo +1 – Wallace Maxters 6/09/16 às 16:45
  • @WallaceMaxters Acho que agora minha resposta está pronta. :) – Victor Stafusa 6/09/16 às 18:46
  • Só uma dúvida, no exemplo da 1NF, se a tabela tivesse 4 campos de telefone (telefone1, telefone2, ...), resolveria o problema? Não me ficou claro se é uma coluna com múltiplos valores, ou, também, múltiplos colunas "iguais". No caso de não ser um problema na 1NF, só se tornaria um na 6NF? – Costamilam 14/08/18 às 1:34
  • 1
    @GuilhermeCostamilam Resolveria entre aspas. Isso é uma forma bem tosca, limitada e gambiarrada de se fingir que não é um campo multivalorado, mas serve para driblar/enganar a 1FN. A definição de campo multivalorado é um campo com múltiplos valores e não múltiplos campos para representar múltiplos valores (que eu acho que é ainda pior do que não estar na 1FN, ou no mínimo tão ruim quanto)... – Victor Stafusa 14/08/18 às 2:50
  • 1
    @GuilhermeCostamilam ...No caso, você pode até atingir a 6FN mantendo essa gambiarra. Isso que demonstra que normalização por si só não é o suficiente para se criar uma modelagem boa, pois é perfeitamente possível ter-se uma modelagem horrorosa e inadequada e mesmo assim normalizada. – Victor Stafusa 14/08/18 às 2:51
13

Normalização de dados é um conjunto de regras aplicadas a tabelas de banco de dados relacionais a fim de manter a consistência dos dados, evitar duplicações/redundância e problemas com remoções ou atualizações de registros.

As formas normais são 1FN, 2FN, 3FN, BCNF, 4FN e 5FN. As tabelas geralmente são normalizadas até a terceira forma, a quarta e quinta formas normais tratam de problemas específicos.

10

A pergunta já tem uma resposta muito boa, quase um capítulo de um livro dando todos os detalhes, mas senti falta de algo importante nela que percebo que muita gente confunde ou não entende porque a normalização é necessária, e assim tem uma forma "resumida" para entender o assunto sem precisar ver todas as formas normais.

Desnormalização indevida

Especialmente em tempos de NoSQL (particularmente em modelo de documento) vejo a normalização sendo atacada indevidamente, muitas vezes por pessoas que não a entendem (vou desconsiderar a má fé para tentar dar um motivo para sua tecnologia preferida existir e ser ubíqua, o que NoSQL não é e não deve ser).

Também não estou dizendo que a normalização mesmo sendo adequada deva ser aplicada sempre, só tenha claro que no momento que não aplicar terá o fardo de lidar com isso. Uma regra sendo ignorada com consciência pode ser útil. Um dos problemas do modelo de documento é que ele "exige" a desnormalização em "tudo", então a regra passa ser descumprir a regra e a exceção fazer o adequado.

Canonicalidade

Problemas que não exigem normalização não devem ser normalizados, mas o que deve ser, quase sempre deve por um motivo básico, é necessário que uma informação seja canônica, ou seja, ela só deve existir em um lugar da sua base de dados. Não quer dizer que não possa haver repetição, esse é um erro comum. Eu explico isso na pergunta O DRY é para evitar redundâncias, certo? que é um conceito mal entendido pela maioria das pessoas achando que o problema é a repetição. O mesmo que vale para o código vale para o dado, é importante ter uma referência única sobre aquele conhecimento.

Toda vez que o mesmo conhecimento é replicado em outro lugar seu código tem que ser responsável por administrar essa réplica. É isto que deseja para seu código, ter que lidar com esse fardo? O que acontece se ele (você) falhar nisso? Inconsistência. Você pode ter a mesma informação modificada em um lugar e não no outro, e você tem a mesma informação em dois estados diferentes e dependendo de quem for acessar um ou outro mostrará algo inconsistente.

Note que existem casos que uma mesma informação em determinado momento precisa ser congelada e se torna outra informação, quando isto ocorre não importa a repetição, pelo contrário, deve repetir mesmo, porque essa repetição é circunstancial, em algum momento potencialmente elas serão diferentes e devem ser mesmo, porque elas passaram representar algo diferente.

Só porque os dados sejam os mesmos em dois lugares não quer dizer que seja a mesma informação. Assim como só porque existem dois José da Silva que são a mesma pessoa. Ou se dois irmãos gêmeos univitelinos sejam a mesma pessoa. Repetição não é o motivo para normalizar, ser canônico é.

Falsa premissa

Um erro comum que vejo por aí, e deve ser culpa de professores e livros que ensinaram errado, é dizer que normalização serve para reduzir espaço consumido. Isto é apenas um efeito colateral agradável e sempre desejável, mas não é o motivo para normalizar, o motivo é a canonicalidade da informação.

Tampouco é correto dizer que espaço hoje não é problema. Ocupar mais espaço faz você acessar mais o armazenamento de massa (HDD ou SSD) e ter menos dados no armazenamento de performance (RAM), isto é prejudicial para a performance.

Claro que normalizar pode trazer algumas dificuldades de performance em algumas situações também, mas tem que pensar bem se vale a pena trocar a dificuldade de manter os dados e o risco de inconsistência pela performance um pouco melhor.

Curiosamente a desnormalização pode ajudar evitar JOIN de leitura, mas se usado em exagero pode criar uma espécie de JOIN de escrita que é muito pior facilitando criar deadlocks e outros fenômenos prejudiciais.

A evolução do hardware (NVRAM) tornará o custo de fazer um JOIN irrisório e desprezível. Nada evoluirá para ter que lidar bem com informações não-canônicas.

Normalização correta

Entenda que não estou discutindo a normalização errada. Hoje em todos os bancos de dados relacionais mainstream tem maneiras de usar modelos flexíveis de dados que podem evitar a normalização desnecessária.

É interessante dar uma olhada em Qual a diferença entre Associação, Agregação e Composição em OOP?. Geralmente casos de composição não devem ser normalizados, em banco de dados isso é mais fácil e melhor de se fazer por causa da maneira como se acessa dados (a não ser que o acesso seja em tamanho fixo de linha, raro hoje em dia). A agregação é caso claro para a normalização. A associação também seria, mas tem casos que é possível transformá-la em composição para efeitos de banco de dados, então é preciso atentar para isto como otimização (a agregação também pode, mas é mais raro).

Um dos motivos que critico os microsserviços é que destrói-se a normalização em nome de uma arquitetura quase sempre não é necessária. Em vez de ter um sistema com informações canônicas tem-se várias subsistemas cada um com sua informação canônica (possivelmente), mas no todo viola-se o DRY por completo e vira um pesadelo cuidar disso.

Cuidado com a regra pela regra, todas elas podem e devem ser quebradas se for mais importante fazê-lo. Para saber quando quebrar é preciso bastante domínio do que está fazendo. Sem quebrar regras já estará fazendo errado por definição, e só acertará por coincidência. Sempre lembrando:

Fiat 147 todo detonado andando pelas ruas

Você pode tolerar anomalia nos seus dados? NoSQL prega isto.

Tendo essas coisas de forma mais clara, releia a resposta do Victor Stafusa prestando mais atenção aos detalhes dela. Tinha prestado forte atenção a esta frase?

A principal finalidade do processo de normalização é eliminar as anomalias de inserção, atualização e exclusão.

Além das formas normais

Um ponto que a resposta aceita não toca é sobre a normalização não tão evidente. O exemplo mais comum que sempre cito é você ter um cliente e um fornecedor, mas ambas são a mesma entidade, se mudar o endereço tem que mudar em dois lugares diferentes. Ou deveria ter só uma entidade e tratar só a relação de clientela ou fornecimento como algo separado (normalizado ou não) ou então se não quiser normalizar certo (uma forma normal não existente nos livros sobre o assunto) deve garantir que alterando na tabela de cliente altere na tabela de fornecedor. Virtualmente nenhum sistema que eu conheço faz isso certo. Curiosamente é mais fácil fazer isto no modelo de documento, mas porque quase todo mundo que adota esse modelo ainda pensa como no relacional não fazem certo também.

Aprender modelar e normalizar

Modelar dados é provavelmente a característica mais importante que um desenvolvedor deve ter, e a maioria, mesmo experientes, é bem ruim nisto (eu sou ainda depois de 36 anos fazendo). Tendo isso em mente comece se preparar.

Precisa ter uma enorme capacidade de interpretação de texto, e um texto que sequer existe, e entendimento matemático, especialmente conjuntos, sabe aquilo que viu partindo da 3a. série (na minha época) e que quase ninguém dá bola e que muitos professores nem entendem porque estão ensinando aquilo? Se faltar essas coisas, comece tudo de novo, sem alicerce nada para em pé.

Exemplos de normalização

Eu já dei vários reviews sobre modelagem e normalização. Ler estes exemplos pode ajudar ganhar experiência. Só não tome essas coisas como regra. Tem de outras pessoas também, mas é mais difícil eu achar.

Me impressiona esta pergunta ter apenas cerca de 4 mil visualizações até o momento que escrevi esta resposta, o que indica muito porque tem tanta aplicação problemática por aí, as pessoas não estão preocupadas com as coisas certas.

  • 1
    Alternativas para o (anti-)padrão Entity-Attribute-Value acho que é um complemento ou um exemplo em partes da sua resposta. – rray 9/08 às 13:10
  • "Um dos motivos que critico os microsserviços é que destrói-se a normalização em nome de uma arquitetura quase sempre não-necessária." - Estou muito longe de ser um grande conhecedor de microsserviços, mas até onde sei, só uma arquitetura de microsserviços mal-feita ou mal-planejada estaria realmente destruindo a normalização provavelmente por estar sacrificando a canonicidade. Ou no mínimo isso seria um trade-off onde sacrifica-se normalização para ganhar desempenho, algo análogo a uma desnormalização, e só seria válido se feito de forma consciente e bem-pensada. – Victor Stafusa 10/08 às 5:35
  • Pode ser, só que então eu nunca vi uma bem feita. Tem um jeito de fazer e manter a normalização, cada ms cuidar de uma tabela, o que seria uma das coisas mais bobas que eu já vi. Quando você faz um ms ele envolve tudo o que ele precisa. Aí em outro ms envolve tudo o que ele precisa de forma isolada, só que algumas das coisas que ele tem já tinha no outro, só não teria se ele dependesse do outro ms pra dar essa informação de forma isolada e o ms fazer a relação, o q já vi alguns fazerem, ou seja os ms juntos viram "bancos de dados". Adoraria saber mais sobre o que pensa disto e quem sabe rever. – Maniero 10/08 às 11:38
  • Não sei ao certo, pois não conheço o suficiente sobre o assunto. Mas a ideia de microsserviços é a de dividir o domínio em pequenos pedaços que possam ser gerenciados, evoluídos e reutilizados separadamente. Se isso for feito de forma errada, seja pela falta ou pelo excesso, vai dar errado. Aí acho que o que vale é observar a finalidade de cada microsserviço numa perspectiva top-down, aplicar o YAGNI no BD subjacente e substituir o que seriam algumas das chaves estrangeiras do modelo monolítico por URLs ou códigos externos, o que não deixa de ser o que já ocorre com CPF ou CEP, por exemplo. – Victor Stafusa 13/08 às 9:48
  • @VictorStafusa também não conheço tanto poque nunca fiz e nunca farei. Ele é usado por dois motivos: dar escala (o SO é um dos 50 maiores sites e não precisa) e cumprir a lei de Conway (</sarcasmo>). Mas aí é que entra o banco de dados. Todo mundo diz que não existe ms se você tiver um DB monolítico, ele só existe se cada ms tiver seu próprio DB. Aí você "normaliza" demais, o que acaba sendo uma desnomalização universal. Cada DB tem que ter tudo o que ele precisa para funcionar porque não pode consultar outros, aí não tem duplicação nele, mas tem no universo todo. – Maniero 13/08 às 11:08
-1

A normalização é importante e deve ser levada até à 3FN, mas por questões de performance tambem poderá ser necessário proceder à desnormalização. Por vezes, depois de fazer o modelo de dados todo bonitinho, faz-se o teste de carga e a base de dados arrrrraaasstaaa-se. Pode ser necessário reverter alguma da normalização ;-) Bom senso!

  • Eu concordo com seu ponto de vista apesar de muita gente ter negativado sua resposta. Banco de dados tem que ser analisado juntamente com o negócio. Não existe uma regra que não pode ser "quebrada". – Thiago Araújo 12/08 às 18:02

Sua resposta

Ao clicar em “Publique sua resposta”, você concorda com os termos de serviço, política de privacidade e política de Cookies

Esta não é a resposta que você está procurando? Pesquise outras perguntas com a tag ou faça sua própria pergunta.