3

Para facilitar o entendimento da minha pergunta, segue o seguinte exemplo:

Um POJO:

public class Person {

    private String name;
    private String location;

}

String JSON:

String json = {name:"Jose", location:"Eslovenia"};

Serialização:

Gson gson = new GsonBuilder().create();
Person p = gson.fromJson(json, Person.class);

Insert na base dados:

 Session session = HibernateUtil.getSessionFactory().openSession();
 session.beginTransaction();

 session.save(p);
 ...

Noto que em diversos exemplos sempre existe um padrão de campos tanto de um objeto json para um objeto java e um objeto java para os campos do banco de dados.

A dúvida não é a nível de código e sim conceitual:

1 - Nos exemplos com alguns campos funciona de forma ok, mas em um sistema real, é possível manter tal padrão nos 3 níveis (json, java e banco) com muito mais campos e complexidade?

2 - Se for possível manter, trabalhar dessa forma é considerado uma boa prática de programação seguir esse tipo de padrão?

3 - Existe algum caso que esse padrão seria impraticável?

4 - A modelagem do Banco de Dados deve refletir no POJO e o POJO deve servir de base para o objeto json?

Qualquer outra consideração fora as perguntas também é muito bem vinda.

2

Imaginando que este JSON vai ser usado em uma API:

1 - Nos exemplos com alguns campos funciona de forma ok, mas em um sistema real, é possível manter tal padrão nos 3 níveis (json, java e banco) com muito mais campos e complexidade?

Possível tudo é :). Em projetos pequenos, acredito que você até consegue manter esta estrutura e que funcionará muito bem para um pequeno sistema monolítico, sendo bastante produtivo com ele. Mas logo perceberá que isto não funcionará com o tempo.

2 - Se for possível manter, trabalhar dessa forma é considerado uma boa prática de programação seguir esse tipo de padrão?

Eu não vejo problemas se isto estiver facilitando sua vida. Como disse anteriormente, para casos simples funcionará e trará um grande ganho de tempo. Mas se este sistema tende a crescer muito e ganhar complexidade, este modelo terá data de validade.

No primeiro caso que você não quiser/puder obedecer este comportamento, você começará a sair deste padrão, e ele parará de fazer sentido e trazer dores de cabeça.

3 - Existe algum caso que esse padrão seria impraticável?

Citando alguns exemplos:

  • Imagine que você tenha um POJO Pessoa (creio que no seu caso, o POJO é uma entidade JPA/Hibernate, mas vamos chamar de POJO) com 15 campos (nome, data de nascimento, sexo, idade, estado civil, etc). Dentre eles, 5 são obrigatórios. Faz sentido os 15 estarem sempre no seu request/response? Se tiver campos com 100 ou até 1000 caracteres, você precisará sempre retornar eles? E se tiver informações sensíveis da Pessoa (chave primária, documento, etc), precisará controlar com anotações do Gson no POJO para não enviá-las (pode ter casos que você gostaria e outras não). E a lista segue...
  • Se você precisar mudar seu POJO (separar uma tabela em duas outras tabelas, mover campos para outro POJO, mudar o nome de um campo, etc), seu JSON vai mudar também... qual o impacto desta mudança na sua aplicação que envia/consome o JSON a cada vez que isto ocorrer?
  • Se precisar disponibilizar um micro-serviço que salva Pessoa para outros sistemas, é provável que os atributos de Pessoa não seja o ideal para o entendimento deste serviço para outros sistemas que se comunicarão com ele.

4 - A modelagem do Banco de Dados deve refletir no POJO e o POJO deve servir de base para o objeto json?

O modelo que é simples e funciona bem, ao meu ver, é:

  • O serviço que disponibilizará este JSON é representado por um DTO, que será serializado/deserializado. Ele será usado apenas para ser preenchido com as informações necessárias.
  • O DTO não consegue acessar o POJO, ficaria em um projeto diferente. Motivo? Se você amarrar seu POJO ao DTO você fica refém das mudanças do POJO, mesmo que em um grau muito menor que o proposto na sua pergunta. Ao meu ver, as mudanças do POJO nunca devem refletir diretamente no seu DTO.

Como sugestão de organização e sem deixar muito complexo, penso em uma organização com três projetos:

  • projeto-api (depende do projeto-service):
    • Contém: DTOs.
    • Responsabilidade: preenche e serializa/deserializa o DTO com as informações recebidas pelo service. Pode usar VOs para esta comunicação com o projeto-service.
  • projeto-service (depende do projeto-dominio):
    • Contém: services (para as regras de negócio) e VOs.
    • Responsabilidade: Ele invoca os métodos de busca/salvar/atualizar/remover do projeto-dominio passando o POJO e utilizando VOs para se comunicar com o projeto-api.
  • projeto-dominio:
    • Contém: POJOs.
    • Responsabilidade: salvar no banco de dados o POJO, contendo os métodos de busca/salvar/atualizar/remover.

Dá para melhorar, isto é apenas um exemplo.

Sobre esta nomenclatura de VO, POJO, DTO, etc, não se preocupe, isto não é bem definido mesmo. Apenas crie um padrão para o seu projeto ao utilizar cada nomenclatura.

  • primeiramente obrigado pelas respostas bem detalhadas. Achei a ideia bem próxima do que o Fabio comentou anteriormente, praticamente um consenso, o que é bom. O que eu entendi foi que para não ter uma modelagem tão engessada e trabalhar com uma possível modularidade, então um DTO receberia os dados, um POJO seria utilizado para persistência e um VO para retornar os dados? Na resposta anterior, foi sugerido utilizar o Dozer para fazer uma atribuição de dados automática com pequenas customizações entre POJO e o DTO. Nesse sentido, você tem alguma sugestão? – Fells 29/07/16 às 13:07
2

Não vejo problemas em manter esse padrão em casos mais simples como o CRUD, porém, em modelos mais complexos tenho utilizado um objeto que representa a consulta na base e outro para transferir dados para a view, desta forma consigo criar uma query que tenha a melhor performance possível e utilizo um DTO para representar o JSON necessário para comunicação com a view.

A modelagem da base não deveria restringir o que você deve fazer no código, tendo em vista que em geral utilizamos bases relacionais e trabalhamos com linguagens orientadas a objeto, deixaríamos de aproveitar algumas funcionalidades como herança se o fizessemos.

Na prática tenho utilizado o Dozer para executar a transformação do POJO ou VO para o DTO, que transfere dados de uma classe para outra por convenção (campos com mesmo nome) ou configuração descrita em um XML.

Sua resposta

By clicking “Publique sua resposta”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Esta não é a resposta que você está procurando? Pesquise outras perguntas com a tag ou faça sua própria pergunta.