2

Estou fazendo um projeto em C, e tenho 3 arquivos:

1 .c contendo as definições de funções e structs.

1 .h contendo os protótipos dessas funções e structs

ae1 .c que contém o main.

No .c com as definições, eu defini a struct:

typedef struct vector {

    int numDePosicoes;
    double vetor[5000];

}ESTRUCT;

E no método main, eu tento criar uma instância dessa struct da seguinte maneira:

int main(int argc,char* argv[]) {

    ESTRUCT vetor;

    //criando separadamente um ponteiro para a struct
    ESTRUCT *ponteiroPraVetor = &vetor;

Mas o gcc acusa o erro: "error: unknown type name ‘ESTRUCT’"

Tanto na criação da struct, quando na criação do ponteiro para ela.

Obs: Eu estou usando um Makefile para montar o programa, segue ele abaixo:

CFLAGS=-Wall

Roteiro5exe:    mainr5.o    Roteiro5.o

mainr5.o:   mainr5.c    Roteiro5.h

Roteiro5.o: Roteiro5.c  Roteiro5.h

clean:
    rm *.o

OBS: Quando eu coloco todo o código no mesmo arquivo, e simplesmente compilo ele, dá certo. Talvez o problema esteja no makefile. Alguém consegue enxergá-lo?

5
  • Ah, o conteúdo do arquivo.h é esse: void inicializa_vetor(struct vector *v1); struct vector vetor; 15/07/2016 às 15:06
  • Includes colocados nos dois arquivos .c: o de definições e o do main: #include <stdlib.h> #include <stdio.h> #include <pthread.h> #include <string.h> 15/07/2016 às 15:08
  • Mas você está fazendo include do arquivo onde você definiu a struct?? Parece que não... 15/07/2016 às 16:48
  • Cristian, no arquivo.h eu fiz eu coloquei o "protótipo" da struct (nem sei se precisa). Que é o Seguinte: struct vector nomeQualquerDeStruct e no arquivo.c (sem o main) eu coloque a struct completa ( typedef struct estructe{ ..... } ESTRUCT, completa com seu conteúdo. O que você quer dizer com definir? Declarar a struct completa? 16/07/2016 às 21:26
  • Esquece, já vi a resposta. Valeu 16/07/2016 às 21:29

2 Respostas 2

1

Você tem a definição no header

typedef struct vector {

    int numDePosicoes;
    double vetor[5000];

}ESTRUCT;

E o uso em main

int main(int argc,char* argv[]) {

    ESTRUCT vetor;

    //criando separadamente um ponteiro para a struct
    ESTRUCT *ponteiroPraVetor = &vetor;

E o que tem 1.c?

E

  • numDePosicoes é int mas se é o que parece não pode ser negativo. Prefira unsigned ou size_t que existe para isso
  • ESTRUCT é o nome para a struct. Nomes com todas as letras em maiúscula são em geral reservados para constantes e é o que quem for ler seu programa espera. Nomes definidos pelo usuário costumam ter a Primeira letra maiúscula apenas. Ou um prefixo tipo t_ por exemplo.
  • vector é também o nome da struct e que tem um campo chamado vetor, só que ela podia ser anônima
  • em main declara vetor como ESTRUCT estática e aí declara um ponteiro ponteiroPraVetor com o endereço de ... vetor

Tudo isso é MUITO confuso e frágil.

Vou deixar um exemplo do simples em C para esse seu caso e você pode comparar

A struct

typedef struct
{
    unsigned size;
    double* V;

}   Vetor;

Esse é o normal: ao invés de alocar 5.000 double toda vez, e ter um campo na struct dizendo que vai usar p. ex. 8.

E já se escrevem as funções para criar e destruir um trem desses, no estilo RAAI de C++. Isso torna a sua vida mais tranquila. O mínimo

Vetor* cria_v(unsigned);
Vetor* apaga_v(Vetor*);

E claro que vai querer ver o que tem dentro para testar então já escreve uma função que faz isso. E claro que seria legar ter uns valores diferentes e que possa reproduzir então seria conveniente ter uma função que fizesse isso. Então escrevemos

int    mostra_v(Vetor*,unsigned,unsigned,const char*);
Vetor* fabrica_v(unsigned);

o header 1.h

typedef struct
{
    unsigned size;
    double* V;

}   Vetor;

Vetor* cria_v(unsigned);
Vetor* apaga_v(Vetor*);
int    mostra_v(Vetor*,unsigned,unsigned,const char*);
Vetor* fabrica_v(unsigned);

E um teste já podia ser

main para um teste

#include <stdlib.h>
#include "1.h"

int main(void)
{
    srand(220913);
    Vetor* tst = cria_v(5000);
    mostra_v(tst, 0, 4, "5 primeiros valores");
    tst = apaga_v(tst);
    // agora cria um vetor de teste com fabrica_v()_

    tst = fabrica_v(20);
    mostra_v(tst, 15, 19, "ultimos valores de teste");
    tst = apaga_v(tst); // apaga de novo
    return 0;
}

Que cria e apaga um vetor de 5000 e depois um de 20 com a tal função fabrica_v(). E usa mostra_v para ver o conteúdo.

Saída desse exemplo

5 primeiros valores
  [Vetor tem 5000 elementos]:
      0.00        0.00        0.00        0.00        0.00
ultimos valores de teste
  [Vetor tem 20 elementos]:
     87.25       44.76       29.88       26.44       57.38

Uma implementação de 1.c

As funções tem umas poucas linhas.

  • Em cria_v() o's elementos do vetor são zerados, porque eu preferi
  • Eu sempre uso cast para o retorno de malloc() porque conversões implícitas como essa são um risco. Antes de me lembrarem disso lembro aos vigilantes do SO que o C-FAQ é uma referência dos anos 90
#include <stdio.h>
#include <stdlib.h>
#include "1.h"

// cria o vetor com sz caras
Vetor* cria_v(unsigned sz)
{
    if (sz < 1) return NULL;
    Vetor* novo = (Vetor*)malloc(sizeof(Vetor));
    if (novo == NULL) return NULL; // nao alocou
    novo->size = sz;
    novo->V    = (double*)malloc(sz * sizeof(double));
    for (unsigned i = 0; i < sz; i += 1)
        novo->V[i] = 0.;
    return novo;
}

// apaga 'vetor' e retorna NULL
Vetor* apaga_v(Vetor* vetor)
{
    if (vetor == NULL) return NULL;
    free(vetor->V);  // apaga o vetor de double
    free(vetor); // apaga o vetor
    return NULL;
}

// mostra o conteudo do vetor na tela para as posicoes
// entre ini e fim inclusive. 'tit' um titulo opcional
int mostra_v(
    Vetor* vec, unsigned ini,
    unsigned fim, const char* tit)
{
    if(vec == NULL) return -1;
    if (tit != NULL) printf("%s\n", tit);
    printf("  [Vetor tem %d elementos]:\n", vec->size);
    for (unsigned i = ini; i <= fim; i += 1)
        printf("%10.2f  ", vec->V[i]);
    printf("\n");
    return 0;
}

// cria um vetor preenchido com porcentagens 
// aleatorias para testar
Vetor* fabrica_v(unsigned sz)
{
    Vetor* nv = cria_v(sz);
    if (nv == NULL) return NULL;  // deu pau
    for (unsigned i = 0; i < sz; i += 1)
        nv->V[i] = (double)(rand() % 100)/100. +
                   (double)(rand() % 100);
    return nv;
}
0

Me parece que você está confundindo declaração com definição. Sempre que você quer usar alguma coisa, você precisa declará-la. Declarar significa introduzir algo para o sistema. Por exemplo:

extern int a;
typedef struct { int a;} X;
void print();

Definir significa dar um corpo para as declarações. Pode imaginar como criando um espaço em memória, onde as declarações irão viver. Por exemplo:

int a = 1;
X k;
void print() {}

As definições, normalmente, são colocadas em um arquivo .c, enquanto que as declarações, normalmente, são colocadas em um arquivo .h. Isso é necessário porque sempre que for usar uma definição, você tem que ver a declaração.

Por isso que, no seu caso, a declaração do ESTRUCT está no lugar errado. Isso não é uma definição, é uma declaração e ela deve ser vista em todos os arquivos onde se queira usá-la. Portanto, você deve declará-la em um arquivo .h e incluir esse arquivo onde está a função main que por sinal, é onde você faz uma definição ao escrever:

ESTRUCT vetor;
2
  • Entendi, mas no meu arquivo que contém o MAIN, qual é a sintaxe pra incluir o meu .h? É a mesma dos .h da linguagem? = Ex: #include <stdio.h> Tentei isso com meu .h, mas deu "fatal error". 16/07/2016 às 21:32
  • Tente #include "arquivo.h"
    – user5299
    17/07/2016 às 0:56

Sua resposta

Ao clicar em “Publique sua resposta”, você concorda com os termos de serviço, política de privacidade e política de Cookies

Esta não é a resposta que você está procurando? Pesquise outras perguntas com a tag ou faça sua própria pergunta.