8

Olá, estou utilizando uma JTable para digitação de cartão de ponto. Preciso de ajuda nisso, mas já dei uma pesquisada e nada me ajudou muito. Já tentei fazer isso de várias maneiras e não consegui.

Tenho diversas batidas (entradas e saídas) no cartão de ponto e, todos eles são de horários ("##:##"). Atualmente estou transferindo o foco para um JFormattedTextField que contém essa máscara e, faço uma verificação, quando está com length.trim() == 5 e o caretPosition == 5, eu mudo o foco para a próxima célula. Mas esse método está ultrapassado - como estou programando para uma empresa, tal empresa requer que seja a JTable editável, ou crie uma interface para melhor digitação dessas bases. entretanto, a JTable editável fica mais bonito, e esse método está "travando" meu sistema, ou seja, não consigo evoluir a facilidade do cartão de ponto por causa disso - além de ficar bem feia a interface do projeto.

A dúvida: como fazer um JFormattedTextField dentro da célula, de forma que tenha essa "máscara" que quando termina de digitar, muda o foco?

O que eu já tentei:

  • Já criei um JFormattedTextField e adicionei como defaultCellEditor (ou defaultCellRenderer) para cada coluna.

  • Problema: quando eu transferia o foco para a célula de baixo, ele tratava como se fosse apenas 1 JFormattedTextField, ou seja, a verificação caía como true para a célula que estava em cima. Além disso, conforme ia digitando, mudava o valor para todas as células que continha aquele JFormattedTextField.

  • Solução nesse caso: se houver uma maneira de adicionar um List<JFormattedTextField> como cellRenderer (ou cellEditor) para uma célula em específico ao invés de uma coluna inteira.

  • O que eu tentei: Sei que esse método que vou descrever, é muita gambiarra e, não segue nem um pouco os princípios da boa prática de programação, mas o mesmo JFormattedTextField que eu estava transferindo o foco da JTable para ele, ou vice-versa, tentei mudar toda a tela para setBounds e usar isso nele, usando o getCellRect(row, col, true) para pegar o local correto.

  • O problema: o TextField ficava para trás da JTable, e eu não encontrei um método para colocar ele de volta acima, além do código ficar mais extenso e, ficar muito deselegante a interface (porque realmente é uma gambiarra).

Agradeço quem puder me ajudar, faz tempo que estou quebrando a cabeça com isso!

imagem imagem2 imagem3 imagem4

Basicamente começa na entrada 1, assim que termina de digitar o horário, ele passa para o 2, e digitando o 2, vai pro 3, e assim por diante, e quando chegar no último, ele muda de linha e vai para a entrada 1 da próxima linha.

Meu Model:

@Override
public String getColumnName(int col) {
    return colName.get(col);
}

@Override
public int getColumnCount() {
    return colName.size();
}

@Override
public Class<?> getColumnClass(int columnIndex) {
    return String.class;
}

@Override
public boolean isCellEditable(int row, int col) {
    return false;
}

@Override
public int getRowCount() {
    if (first) {
        Date adm = new Date();
        Date dem = new Date();
        try {
            dateAdm.setTime(sdf.parse(datAdm));
            dateDem.setTime(sdf.parse(datDem));
            adm = sdf.parse(datAdm);
            dem = sdf.parse(datDem);
        } catch (Exception E) {
            E.printStackTrace();
        }
        int dias = stT.dataDiff(adm, dem) + 1;
        this.first = false;
        return dias;
    } else {
        return lCard.size();
    }
}

Tem o getValueAt e o setValueAt também, mas resolvi não postar porque são grandes demais.

Meu DefaultTableCellRenderer:

class celRenderModel extends DefaultTableCellRenderer {

/**
 *
 */
private static final long serialVersionUID = 1L;

ModelCartao mCard;

public celRenderModel(ModelCartao mc) {
    this.mCard = mc;
}

@Override
public Component getTableCellRendererComponent(JTable table, Object value, boolean isSelected, boolean hasFocus, int row, int column) {
    Color c = Color.WHITE;
    if (mCard.isCor(row)) {//Verifica se é para pintar ou não (funcionando perfeitamente!)
        c = Color.GREEN;
        setBackground(c);
    } else {
        c = Color.WHITE;
        setBackground(c);
    }
    return super.getTableCellRendererComponent(table, value, isSelected, hasFocus, row, column);
}
}

Encontrei em um backup antigo do meu sistema, o meu CellEditor, caso ajude:

public class EditarCelulaTabela extends AbstractCellEditor implements TableCellEditor {
    JComponent component = new JTextField();
    public Component getTableCellEditorComponent(JTable table, Object value,
            boolean isSelected, int rowIndex, int vColIndex) {
        ((JTextField) component).setText((String) value);
        addCellEditorListener(new CellEditorListener() {
            @Override
            public void editingCanceled(ChangeEvent e0) {
                System.out.println("Cancelou");
            }

            @Override
            public void editingStopped(ChangeEvent e1) {
                if(((JTextField)component).getText().trim().length()!=5){
                    component.requestFocus();
                    System.out.println("Parou!");
                }
            }
        });

        // Retorna a configuracao do componente  
        return component;
    }

    public Object getCellEditorValue() {
        System.out.println(((JTextField) component).getText());               
        return ((JTextField) component).getText();
    }

    public EditarCelulaTabela(final JTextField tf) {
        component = tf;
    }

}

Caso precise de mais alguma informação, só avisar!

  • mas esse método está ultrapassado - o que isso significa? – user28595 7/06/16 às 16:19
  • vou editar, para melhor compreensão! – Thomas Braz Pinto 7/06/16 às 16:22
  • 1
    Cara, uma dica, tem muito texto ai desnecessário, foque-se apenas no problema enfrentado. Eu até entendi seu problema, mas o texto longo acabou confundindo. – user28595 7/06/16 às 16:23
  • Pelo que entendi você tem uma tabela com colunas de horas editaveis, e quer que seja aplicada mascara nas células e, ao ser preenchida, quer que o foco seja passado pra seguinte. Correto? – user28595 7/06/16 às 16:24
  • exato, mas preciso de dinâmica para fazer isso (porque a JTable vai ter algumas funcionalidades que não vem ao caso no momento), quis explicar o mais detalhado possível justamente para entender melhor, desculpa o excesso, se puder ajudar, qualquer dúvida só falar! – Thomas Braz Pinto 7/06/16 às 16:25
5
+50

Foi bem difícil de fazer, mas eu consegui. :D

O código que se segue abaixo é completo, compilável, testável e executável. Inclui, em meio às devidas explicações, o código completo de todas as classes (até mesmo os imports). Assim sendo, outras pessoas poderão testar e reaproveitar isso.

O seu problema é com campos do tipo hora. Porém, para ter certeza que a minha solução é boa, eu solucionei o problema com campos dos tipos horas, datas e CPF, além de deixar aberto o caminho para implementar com quaisquer outros formatos necessários. Os campos com esses formatos da JTable têm as seguintes características nesta implementação:

  • São dados com máscaras. ##:## é usado para horas, ##/##/#### para datas e ###.###.###-## para CPFs. Ele nunca deixa a máscara ser sobrescrita ou apagada.

  • Devido ao uso da máscara, ele não deixa que caracteres inválidos sejam digitados.

  • A JTable não deixa você sair do campo de edição se o conteúdo dele não for nem válido e nem totalmente em branco. No caso das horas, ele vai verificar se a hora está entre 00 e 23 e se os minutos estão entre 00 e 59. Nas datas, ele vai verificar se os meses são de 30 ou 31 dias e vai verificar se o ano é bissexto ou não no 29 de fevereiro. No campo CPF, o cálculo dos dígitos verificadores será efetuado.

  • Após você terminar de digitar um destes campos com um valor válido (e apenas com um valor válido), ele automaticamente pula para o campo seguinte sem que você precise clicar ou pressionar TAB.

Primeiro, vamos começar com nossas classes para representar dados simples. Neste caso, horas, datas e CPFs.

Arquivo Hora.java:

import java.util.stream.Stream;

/**
 * @author Victor Stafusa
 */
public final class Hora {

    private final int horas;
    private final int minutos;

    public static Hora parse(String formatado) {
        try {
            int[] parts = Stream.of(formatado.split(":")).mapToInt(Integer::parseInt).toArray();
            if (parts.length != 2) return null;
            return new Hora(parts[0], parts[1]);
        } catch (IllegalArgumentException e) {
            return null;
        }
    }

    public Hora(int horas, int minutos) {
        if (horas < 0 || horas > 23 || minutos < 0 || minutos > 59) throw new IllegalArgumentException();
        this.horas = horas;
        this.minutos = minutos;
    }

    public int getHoras() {
        return horas;
    }

    public int getMinutos() {
        return minutos;
    }

    // Não estou usando o toString() para você poder ver que não preciso confiar na existência de um toString() em sua classe.
    public String converte() {
        return String.format("%02d:%02d", horas, minutos);
    }
}

Arquivo Data.java:

import java.util.Arrays;
import java.util.stream.Stream;

/**
 * @author Victor Stafusa
 */
public final class Data {

    private final int dia;
    private final int mes;
    private final int ano;

    public static Data parse(String formatado) {
        try {
            int[] parts = Stream.of(formatado.split("/")).mapToInt(Integer::parseInt).toArray();
            if (parts.length != 3) return null;
            return new Data(parts[0], parts[1], parts[2]);
        } catch (IllegalArgumentException e) {
            return null;
        }
    }

    public Data(int dia, int mes, int ano) {
        if (dia <= 0 || dia > 31 || mes <= 0 || mes > 12 || ano < 1583 || ano > 9999) throw new IllegalArgumentException();
        if (dia == 31 && Arrays.asList(2, 4, 6, 9, 11).contains(mes)) throw new IllegalArgumentException();
        if (dia == 30 && mes == 2) throw new IllegalArgumentException();
        if (dia == 29 && mes == 2 && (ano % 4 != 0 || Arrays.asList(100, 200, 300).contains(ano % 400))) throw new IllegalArgumentException();
        this.dia = dia;
        this.mes = mes;
        this.ano = ano;
    }

    public int getDia() {
        return dia;
    }

    public int getMes() {
        return mes;
    }

    public int getAno() {
        return ano;
    }

    // Não estou usando o toString() para você poder ver que não preciso confiar na existência de um toString() em sua classe.
    public String converte() {
        return String.format("%02d/%02d/%04d", dia, mes, ano);
    }
}

Arquivo Cpf.java:

import java.util.regex.Pattern;

/**
 * @author Victor Stafusa
 */
public final class Cpf {

    private static final Pattern REGEX = Pattern.compile("^\\d{3}\\.\\d{3}\\.\\d{3}\\-\\d{2}$");
    private final String digitos;

    public static Cpf parse(String formatado) {
        try {
            return new Cpf(formatado);
        } catch (IllegalArgumentException e) {
            return null;
        }
    }

    public Cpf(String digitos) {
        if (!REGEX.matcher(digitos).matches()) throw new IllegalArgumentException();
        String d2 = digitos.replaceAll("\\.|\\-", "");
        int[] numeros = new int[11];
        for (int i = 0; i < 11; i++) {
            numeros[i] = d2.charAt(i) - '0';
        }
        int a = 0;
        int b = 0;
        for (int i = 0; i < 9; i++) {
            a += (i + 1) * numeros[i];
            b += (11 - i) * numeros[i];
        }
        a = a % 11 % 10;
        b += 2 * a;
        b = b * 10 % 11 % 10;
        if (a != numeros[9] || b != numeros[10]) throw new IllegalArgumentException();
        this.digitos = digitos;
    }

    public String getDigitos() {
        return digitos;
    }
}

Estas três classes aí em cima são beans relativamente simples. Entretanto, note que cada uma delas têm um método estático parse(String) que retorna uma instância da classe se a String do parâmetro for válida ou null se não for, o que será útil mais adiante na nossa CellEditor.

A lógica que decide se os dados são ou não válidos está nos construtores, de forma a impossibilitar que instâncias inválidas possam ser criadas. Entretanto, essa lógica poderia estar em algum outro lugar caso fosse preciso, pois o que importa para a CellEditor (que será explanada abaixo) é que o método estático retorne uma instância apenas quando esta for válida, retornando null em caso contrário. Além disso, note que estas classes são imutáveis, para evitar-se que instâncias válidas possam se tornar inválidas futuramente, ou mesmo mudarem de um estado válido para outro, mas em um momento inoportuno.

Para a JTable, cada linha é representada por uma instância de alguma classe qualquer. Neste exemplo, eu tenho cada linha com cinco colunas, denominadas de campo1, hora, campo2, data e cpf. As colunas campo1 e campo2 são só colunas normais com o comportamento padrão, enquanto que as outras três são as nossas colunas especiais. Estes campos de cada linha estão armazenados na classe MeuElemento, que nada mais é do que um bean bem simples com getters e setters sem nada de especial.

Eis o arquivo MeuElemento.java:

/**
 * @author Victor Stafusa
 */
public class MeuElemento {

    private String campo1;
    private String campo2;
    private Hora hora;
    private Data data;
    private Cpf cpf;

    public MeuElemento() {
    }

    public String getCampo1() {
        return campo1;
    }

    public void setCampo1(String campo1) {
        this.campo1 = campo1;
    }

    public String getCampo2() {
        return campo2;
    }

    public void setCampo2(String campo2) {
        this.campo2 = campo2;
    }

    public Hora getHora() {
        return hora;
    }

    public void setHora(Hora hora) {
        this.hora = hora;
    }

    public Data getData() {
        return data;
    }

    public void setData(Data data) {
        this.data = data;
    }

    public Cpf getCpf() {
        return cpf;
    }

    public void setCpf(Cpf cpf) {
        this.cpf = cpf;
    }
}

Tendo então a classe MeuElemento que representa cada uma das linhas, podemos então criar uma lista de elementos e com ela construir a nossa TableModel. Eis então o arquivo MeuTableModel.java:

import java.util.List;
import javax.swing.table.AbstractTableModel;

/**
 * @author Victor Stafusa
 */
public class MeuTableModel extends AbstractTableModel {

    private static final long serialVersionUID = 1L;
    private final List<MeuElemento> elementos;

    public MeuTableModel(List<MeuElemento> elementos) {
        this.elementos = elementos;
    }

    @Override
    public int getRowCount() {
        return elementos.size();
    }

    @Override
    public int getColumnCount() {
        return 5;
    }

    @Override
    public String getColumnName(int columnIndex) {
        return new String[]{"Nome 1", "Horas", "Nome 2", "Data", "CPF"}[columnIndex];
    }

    @Override
    public Class<?> getColumnClass(int columnIndex) {
        return new Class<?>[]{String.class, Hora.class, String.class, Data.class, Cpf.class}[columnIndex];
    }

    @Override
    public boolean isCellEditable(int rowIndex, int columnIndex) {
        return true;
    }

    @Override
    public Object getValueAt(int rowIndex, int columnIndex) {
        MeuElemento elemento = elementos.get(rowIndex);
        switch (columnIndex) {
            case 0:
                return elemento.getCampo1();
            case 1:
                return elemento.getHora();
            case 2:
                return elemento.getCampo2();
            case 3:
                return elemento.getData();
            case 4:
                return elemento.getCpf();
            default:
                throw new IllegalArgumentException();
        }
    }

    @Override
    public void setValueAt(Object aValue, int rowIndex, int columnIndex) {
        MeuElemento elemento = elementos.get(rowIndex);
        switch (columnIndex) {
            case 0:
                elemento.setCampo1((String) aValue);
                break;
            case 1:
                elemento.setHora((Hora) aValue);
                break;
            case 2:
                elemento.setCampo2((String) aValue);
                break;
            case 3:
                elemento.setData((Data) aValue);
                break;
            case 4:
                elemento.setCpf((Cpf) aValue);
                break;
            default:
                throw new IllegalArgumentException();
        }
        fireTableCellUpdated(rowIndex, columnIndex);
    }
}

Tendo a TableModel, nosso próximo passo é a CellRenderer. Portanto, segue-se o arquivo MeuCellRenderer.java:

import java.awt.Color;
import java.awt.Component;
import javax.swing.JTable;
import javax.swing.table.DefaultTableCellRenderer;

/**
 * @author Victor Stafusa
 */
public class MeuCellRenderer extends DefaultTableCellRenderer {

    private static final long serialVersionUID = 1L;
    private final ModelCartao mCard;

    public MeuCellRenderer(ModelCartao mCard) {
        this.mCard = mCard;
    }

    @Override
    protected void setValue(Object value) {
        setText(value == null ? ""
                : value instanceof Hora ? ((Hora) value).converte()
                : value instanceof Data ? ((Data) value).converte()
                : value instanceof Cpf ? ((Cpf) value).getDigitos()
                : value.toString());
    }

    @Override
    public Component getTableCellRendererComponent(JTable table, Object value, boolean isSelected, boolean hasFocus, int row, int column) {
        Color c = mCard.isCor(row) ? Color.GREEN : Color.WHITE;
        setBackground(c);
        return super.getTableCellRendererComponent(table, value, isSelected, hasFocus, row, column);
    }
}

O método setValue(Object) é o responsável por preencher o valor a ser exibido de acordo com o objeto referente a célula que será obtido da TableModel. Por causa disso, esse método acaba sendo o responsável por converter o valor (seja ele de qual classe for) para a representação em String que o mostrará na tela.

Observe que mantive a mesma lógica sua para escolher se a célula é branca ou verde. Como não sei o que a sua classe ModelCartao faz e nem o critério que ela usa para decidir a cor da célula, decidi então colocar uma implementação minimalista dela para que você então substitua pela implementação que você quiser. Esse é o meu arquivo ModelCartao.java:

public class ModelCartao {
    public boolean isCor(int row) {
        return row % 2 == 0; // Use o critério que você achar melhor.
    }
}

Feito isso tudo, agora é que vem a parte mais difícil e trabalhosa. Chegamos na nossa CellEditor. Eis então o arquivo MeuCellEditor.java:

import java.awt.AWTException;
import java.awt.Component;
import java.awt.EventQueue;
import java.awt.Robot;
import java.awt.event.KeyEvent;
import java.awt.event.KeyListener;
import java.text.ParseException;
import java.util.function.Predicate;
import javax.swing.AbstractCellEditor;
import javax.swing.JFormattedTextField;
import javax.swing.JTable;
import javax.swing.JTextField;
import javax.swing.table.TableCellEditor;
import javax.swing.text.JTextComponent;
import javax.swing.text.MaskFormatter;

/**
 * @author Victor Stafusa
 */
public class MeuCellEditor extends AbstractCellEditor implements TableCellEditor {

    private static final long serialVersionUID = 1L;
    private JTextComponent component;
    private int colunaEditando;
    private int linhaEditando;

    public MeuCellEditor() {
        this.colunaEditando = -1;
        this.linhaEditando = -1;
    }

    private boolean celulaHora() {
        return colunaEditando == 1;
    }

    private boolean celulaData() {
        return colunaEditando == 3;
    }

    private boolean celulaCpf() {
        return colunaEditando == 4;
    }

    @Override
    public boolean stopCellEditing() {
        boolean vazio = component.getText().replaceAll(":|_| |\\/|\\-|\\.", "").isEmpty();
        if (!vazio && getCellEditorValue() == null) return false;
        return super.stopCellEditing();
    }

    @Override
    public Object getCellEditorValue() {
        return celulaHora() ? Hora.parse(component.getText())
                : celulaData() ? Data.parse(component.getText())
                : celulaCpf() ? Cpf.parse(component.getText())
                : component.getText();
    }

    @Override
    public Component getTableCellEditorComponent(JTable table, Object value, boolean isSelected, int row, int column) {
        this.colunaEditando = column;
        this.linhaEditando = row;
        if (celulaHora()) {
            component = campoHora();
            if (value instanceof Hora) component.setText(((Hora) value).converte());
        } else if (celulaData()) {
            component = campoData();
            if (value instanceof Data) component.setText(((Data) value).converte());
        } else if (celulaCpf()) {
            component = campoCpf();
            if (value instanceof Cpf) component.setText(((Cpf) value).getDigitos());
        } else {
            component = new JTextField();
            if (value != null) component.setText(String.valueOf(value));
        }
        EventQueue.invokeLater(() -> component.requestFocusInWindow());
        return component;
    }

    private static Robot ROBOT;

    private synchronized static Robot obterRobot() {
        if (ROBOT == null) {
            try {
                ROBOT = new Robot();
            } catch (AWTException e) {
                throw new UnsupportedOperationException(e);
            }
        }
        return ROBOT;
    }

    private static JFormattedTextField campoMascara(String mascara, int posicaoFinal, Predicate<String> teste) {
        Robot robot = obterRobot();
        MaskFormatter formatter;
        try {
            formatter = new MaskFormatter(mascara);
        } catch (ParseException e) {
            throw new AssertionError(e);
        }
        formatter.setValidCharacters("0123456789");
        formatter.setPlaceholderCharacter('_');
        JFormattedTextField jftf = new JFormattedTextField(formatter);
        jftf.addKeyListener(new KeyListener() {
            @Override
            public void keyTyped(KeyEvent e) {
                if (jftf.getCaretPosition() == posicaoFinal && teste.test(jftf.getText().replace("_", "") + String.valueOf(e.getKeyChar()))) {
                    robot.keyPress(KeyEvent.VK_TAB);
                    robot.keyRelease(KeyEvent.VK_TAB);
                }
            }

            @Override
            public void keyPressed(KeyEvent e) {
            }

            @Override
            public void keyReleased(KeyEvent e) {
            }
        });
        return jftf;
    }

    private static JFormattedTextField campoHora() {
        return campoMascara("##:##", 4, x -> Hora.parse(x) != null);
    }

    private static JFormattedTextField campoData() {
        return campoMascara("##/##/####", 9, x -> Data.parse(x) != null);
    }

    private static JFormattedTextField campoCpf() {
        return campoMascara("###.###.###-##", 13, x -> Cpf.parse(x) != null);
    }
}

Este arquivo demanda maiores explicações:

  1. Primeiramente, a CellEditor mantém os campos colunaEditando e linhaEditando para saber qual é a célula da JTable que está sendo editada a fim de descobrir o tipo de componente mais apropriado para a edição. Tal componente é armazenado no campo component quando este tornar-se disponível (inicialmente é null).

  2. Os métodos celulaHora(), celulaData() e celulaCpf() servem para identificar qual é o tipo da célula do componente que está sendo editado. A lógica destes métodos é simples, e consiste apenas em verificar um número fixo de coluna, mas para algumas JTables complicadas que você for fazer no mundo real, certamente haverá casos em que isso não será algo tão simples assim.

  3. O método stopCellEditing() é fundamental. Ele é que é o método responsável por prender a edição na célula (ao retornar false) se o conteúdo dado na entrada não estiver preenchido corretamente sem estar em branco. O replaceAll(":|_| |\\/|\\-|\\.", "") é a parte que elimina os caracteres especiais da máscara, onde ":|_| |\\/|\\-|\\." quer dizer "dois pontos ou sublinhado ou espaço em branco ou barra ou traço ou ponto". A ideia é que o stopCellEditing() só retorne true se o campo ou estiver preenchido de forma adequada ou esteja em branco, retornando false em caso contrário (ou seja, se preenchido de forma parcial, incompleta e/ou inválida). Assim sendo, o usuário não poderá deixar este campo preenchido de forma incorreta ou parcial, forçando um preechimento que ou seja válido ou deixe o campo vazio.

  4. O método getCellEditorValue() é o responsável por obter o objeto (não necessariamente uma String) representado pela célula em edição. No nosso caso, além de String, ele pode retornar Hora, Data ou Cpf.

  5. O método getTableCellEditorComponent(JTable, Object, boolean, int, int) é o responsável por criar o componente de edição do CellEditor. É ele também que registra qual é a célula que está sendo editada. É importante se notar que este método não reutiliza componentes de uma célula para outra, descartando-os quando ocorrer uma mudança da célula escolhida (e isso é de propósito). Caso contrário, é possível obter-se alguns bugs de fazer os valores de uma célula começarem a ser incorretamente copiados em outras células quando o componente é reutilizado.

  6. O EventQueue.invokeLater(() -> component.requestFocusInWindow()) é um workaround importante, pois por vezes um campo começa a receber digitação sem estar com o foco, o que causaria problemas para pular sozinho para o próximo campo depois sem precisar do TAB. Com essa gambiarra, humm, ops quero dizer... técnica especial o componente ganha o foco sozinho quando ele começa a receber digitação.

  7. O método campoMascara(String, int, Predicate<String>) é o responsável por criar o componente de edição. Ele cria um JFormattedTextField de acordo com a máscara informada no parâmetro. É neste método que é possível se ver a técnica que usei para fazer ele pular para o campo subsequente sozinho quando a digitação é terminada. Usei uma master-power-super-gambeta-plus com o java.awt.Robot que fica enviando ao sistema operacional um pressionamento da tecla TAB de dentro de um KeyListener para pular de campo sempre que ele percebe que o mesmo foi preenchido adequadamente. O parâmetro posicaoFinal serve para que ele possa saber em qual posição do texto ele deve pular de campo e o teste serve para que ele possa avaliar se o campo foi preenchido corretamente ou não. É importante notar que o TAB só será disparado quando o campo estiver com o caret na última posição e isso fará com que ele se torne válido (e é isso que é testado), pois este critério tem que concordar com a situação aonde o stopCellEditing() retorna true com o campo preenchido.

  8. Por fim, os métodos estáticos campoHora(), campoData() e campoCpf() são os responsáveis por criar as JFormattedTextField necessárias, especificando para cada caso diferente, a máscara, a posição em que o TAB automático pode ser disparado e o teste para verificar se o preenchimento foi ou não correto.

Finalmente, para completar, a nossa classe principal para poder rodar e testar o nosso programa. Eis o arquivo TesteJTable.java:

import java.awt.EventQueue;
import java.util.ArrayList;
import java.util.List;
import javax.swing.JFrame;
import javax.swing.JTable;

/**
 * @author Victor Stafusa
 */
public class TesteJTable {

    public static void main(String[] args) {
        EventQueue.invokeLater(TesteJTable::rodar);
    }

    private static void rodar() {
        JFrame jf = new JFrame("Teste");
        jf.setBounds(20, 20, 500, 200);
        jf.setDefaultCloseOperation(JFrame.DISPOSE_ON_CLOSE);
        List<MeuElemento> elementos = new ArrayList<>(4);
        elementos.add(new MeuElemento());
        elementos.add(new MeuElemento());
        elementos.add(new MeuElemento());
        elementos.add(new MeuElemento());
        MeuTableModel tm = new MeuTableModel(elementos);
        JTable jt = new JTable(tm);
        jt.setDefaultEditor(Object.class, new MeuCellEditor());
        jt.setDefaultRenderer(Object.class, new MeuCellRenderer(new ModelCartao()));
        jf.add(jt);
        jf.setVisible(true);
    }
}
  • Onde você faz a captura do offset do campo, pra saber que ele já está na ultima posição preenchida e assim mudar para o seguinte? Quebrei a cabeça aqui usando DocumentFilter, PlainDocument e nenhum deu certo kkkk Outro detalhe que notei é que o stopcellEditing é chamado antes do keyListener, ai não consegui identificar também que a pessoa estava apertando tab por este listener antes que a edição fosse parada. – user28595 25/06/16 às 14:02
  • @diegofm A detecção da posição está no jftf.getCaretPosition() == posicaoFinal no keyTyped. O valor posicaoFinal é 4, 9 ou 13, dependendo do campo (eu poderia ter usado simplesmente mascara.length() - 1, mas isso daria errado se aparecesse alguma máscara em que o último caractere é fixo). Para chegar nisso eu também quebrei a cabeça por várias horas tentando usar PlainDocument, FocusListener, ActionMap+InputMap. Cheguei a tentar sobreescrever o método setText" e experimentei também mais um monte de outras coisas que não deram certo. – Victor Stafusa 25/06/16 às 17:02
  • @diegofm E quanto ao stopCellEditing vir antes ou depois do keyTyped, é importante notar que os dois devem concordar entre si. O keyTyped verifica se o campo foi preenchido corretamente e está na última posição antes de mandar o TAB, e o stopCellEditing retorna true somente se estiver em branco ou preenchido completamente. Assim sendo, para as células relevantes, o keyTyped só envia um TAB se, e somente se, o stopCellEditing for retornar true e o campo não estiver vazio. – Victor Stafusa 25/06/16 às 17:09
  • 1
    Pior que já até testei, mas eu estava empacando aqui pra entender a lógica toda ali no celleditor. Agora entendi o trecho mais "polemico" que me custou algumas horas aqui ontem hehe. Achei interessante você usar EventQueue.invokeLater(() -> component.requestFocusInWindow()), eu estava forçando isso sobreescrevendo o método changeSelection da JTable. De qualquer forma, meus parabens, a lógica aplicada no cell editor ficou excelente e flexivel não só ao problema da pergunta, mas a outras adaptações +1 :D – user28595 25/06/16 às 17:33
  • 1
    Cara, muito obrigado mesmo, e parabéns a sua explicação, os métodos que você utilizaram eu conhecia muito pouco, mas além de resolver o problema consegui aprender com ele, devido a isso que você fez. E relaxa, porque a sua "gambiarra" não é pior do que a que eu estava tentando fazer (kkkk) (de sobrescrever a JTable com um FormattedTextField e usar setBounds para transferir de um para outro) novamente, meus parabéns e muito obrigado! – Thomas Braz Pinto 26/06/16 às 17:24

Sua resposta

By clicking “Publique sua resposta”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Esta não é a resposta que você está procurando? Pesquise outras perguntas com a tag ou faça sua própria pergunta.