10

Quando se está mexendo com , quase sempre esbarramos em ter que manusear tabelas e populá-las com algum tipo de informação. Para situações mais simples, o DefaultTableModel resolve, mas quando se tem um objeto personalizado, a recomendação que recebemos dos mais experientes é de se criar o próprio TabelModel.

Como posso popular uma JTable com um TableModel próprio, usando esta classe de objeto, por exemplo?

public class Funcionario {

    private String nome;
    private int idade;
    private int matricula;
    private boolean admitido;

    public Funcionario(String nome, int idade, int matricula) {
        this.nome = nome;
        this.idade = idade;
        this.matricula = matricula;
        this.admitido = true;
    }

    public String getNome() {
        return nome;
    }

    public void setNome(String nome) {
        this.nome = nome;
    }

    public int getIdade() {
        return idade;
    }

    public void setIdade(int idade) {
        this.idade = idade;
    }

    public int getMatricula() {
        return matricula;
    }

    public void setMatricula(int matricula) {
        this.matricula = matricula;
    }

    public boolean isAdmitido() {
        return admitido;
    }

    public void setAdmitido(boolean admitido) {
        this.admitido = admitido;
    }
}
15

Introdução

Para Criar um Tablemodel, é necessário estender da classe AbstractTableModel, que é uma classe abstrata com as principais funcionalidades necessárias para se trabalhar com o preenchimento da tabela. Podemos também implementar a interface TableModel, mas a primeira opção já a implementa, adicionando outras funcionalidades que a torna mais completa para o caso.


Principais métodos da classe AbstractTableModel

Antes de criar um TableModel, é importante entender o funcionamento de alguns dos métodos que iremos usar:

  • isCellEditable(int rowIndex, int columnIndex) = recebe as coordenadas da célula(linha e coluna) e retorna um booleano que indicará se o conteúdo da célula é editável ou não;

  • getRowCount() = retorna o total de linhas que a tabela possui;

  • getColumnCount() = retorna o total de colunas que a tabela possui;

  • getColumnName(int column) = recebe um índice e retorna o nome da coluna daquele indice informado;

  • getColumnClass(int columnIndex) = recebe um índice de coluna e retorna o tipo de dado das células daquela coluna;

  • getValueAt(int rowIndex, int columnIndex) = este método é que preencherá a tabela, célula por célula, de acordo com suas coordenadas(linha e coluna).

  • setValueAt(Object aValue, int rowIndex, int columnIndex) = este método será chamado sempre que uma célula for alterada na tabela.

  • fireTableDataChanged() = notificará todos os listeners que houve alteração na tabela e que a mesma deve ser redesenhada.

Com estes métodos, já podemos criar uma base de TableModel para que a tabela saiba como se preencher com objetos do tipo Funcionario.


Criando o TableModel

Iremos criar a classe FuncionarioTableModel, que receberá uma lista de objetos:

import java.util.ArrayList;
import javax.swing.table.AbstractTableModel;

public class FuncionarioTableModel extends AbstractTableModel {

    //aqui transformei em coluna cada propriedade de Funcionario
    //que eu quero que seja exibida na tabela  
    private String colunas[] = {"nome", "idade", "matricula", "admitido"};
    private ArrayList<Funcionario> funcionarios;
    private final int COLUNA_NOME = 0;
    private final int COLUNA_IDADE = 1;
    private final int COLUNA_MATRICULA = 2;
    private final int COLUNA_ADMITIDO = 3;

    public FuncionarioTableModel(ArrayList<Funcionario> funcionarios) {
        this.funcionarios = funcionarios;
    }

    //retorna se a célula é editável ou não
    @Override
    public boolean isCellEditable(int rowIndex, int columnIndex) {
        return true;
    }

    //retorna o total de itens(que virarão linhas) da nossa lista
    @Override
    public int getRowCount() {
        return funcionarios.size();
    }
    //retorna o total de colunas da tabela
    @Override
    public int getColumnCount() {
        return colunas.length;
    }
    //retorna o nome da coluna de acordo com seu indice
    @Override
    public String getColumnName(int indice) {
        return colunas[indice];
    }

    //determina o tipo de dado da coluna conforme seu indice
    @Override
    public Class<?> getColumnClass(int columnIndex) {
        switch (columnIndex) {
            case COLUNA_NOME:
                return String.class;
            case COLUNA_IDADE:
                return Integer.class;
            case COLUNA_MATRICULA:
                return Integer.class;
            case COLUNA_ADMITIDO:
                return Boolean.class;
            default:
                return String.class;
        }
    }

    //preenche cada célula da tabela
    @Override
    public Object getValueAt(int rowIndex, int columnIndex) {
        Funcionario funcionario = this.funcionarios.get(rowIndex);

        switch (columnIndex) {
            case COLUNA_NOME:
                return funcionario.getNome();
            case COLUNA_IDADE:
                return funcionario.getIdade();
            case COLUNA_MATRICULA:
                return funcionario.getMatricula();
            case COLUNA_ADMITIDO:
                return funcionario.isAdmitido();
        }
        return null;
    }
    //altera o valor do objeto de acordo com a célula editada
    //e notifica a alteração da tabela, para que ela seja atualizada na tela
    @Override
    public void setValueAt(Object aValue, int rowIndex, int columnIndex) {
        //o argumento recebido pelo método é do tipo Object
        //mas como nossa tabela é de funcionários, é seguro(e até recomendável) fazer o cast de suas propriedades
        Funcionario funcionario = this.funcionarios.get(rowIndex);
        //de acordo com a coluna, ele preenche a célula com o valor
        //respectivo do objeto de mesmo indice na lista
        switch (columnIndex) {
            case COLUNA_NOME:
                funcionario.setNome(String.valueOf(aValue));
                break;
            case COLUNA_IDADE:
                funcionario.setIdade((int) aValue);
                break;
            case COLUNA_MATRICULA:
                funcionario.setMatricula((int) aValue);
                break;
            case COLUNA_ADMITIDO:
                funcionario.setAdmitido((boolean) aValue);
        }
        //este método é que notifica a tabela que houve alteração de dados
        fireTableDataChanged();
    }
}

O código está comentado sobre o que cada método está fazendo. Defini constantes como índice das colunas para o código ficar mais fácil de ser entendido, e as colunas já estão definidas em uma lista de String, mas pode-se adaptar como quiser, seja passando uma lista de colunas, como ocorre com o DefaultTableModel, ou definir diretamente no método getColumnName, mas acredito que isso seja complexidade desnecessária para este exemplo.


Preenchendo a JTable com o TableModel

Uma vez pronto, há duas formas de se passar este TableModel pra tabela: passando direto para o construtor da JTable ao instanciá-la ou passando o model via método setModel(). Obviamente que, na criação da tabela, a primeira opção é a que deve ser usada:

import java.awt.EventQueue;
import java.util.ArrayList;
import javax.swing.JFrame;
import javax.swing.JScrollPane;
import javax.swing.JTable;

public class JTableExample extends JFrame {

    private JTable tabela;
    private JScrollPane scrollPainel;

    public JTableExample() {
        renderizarTela();
    }

    private void renderizarTela() {

        //4 ojetos criados para popular a tabela
        Funcionario f1 = new Funcionario("Roberto", 33, 1220);
        Funcionario f2 = new Funcionario("Diego", 25, 1615);
        Funcionario f3 = new Funcionario("Afonso", 25, 1458);
        Funcionario f4 = new Funcionario("Sergio", 42, 1165);

        ArrayList<Funcionario> funcionarios = new ArrayList<>();
        funcionarios.add(f1);
        funcionarios.add(f2);
        funcionarios.add(f3);
        funcionarios.add(f4);

        //cria um objeto do nosso model
        FuncionarioTableModel model = new FuncionarioTableModel(funcionarios);

        //instancia a tabela já com o model como argumento
        this.tabela = new JTable(model);
        this.scrollPainel = new JScrollPane(tabela);

        this.add(scrollPainel);
        this.pack();
        this.setDefaultCloseOperation(JFrame.EXIT_ON_CLOSE);
    }

    public static void main(String[] args) {
        EventQueue.invokeLater(new Runnable() {
            @Override
            public void run() {
                JTableExample tb = new JTableExample();
                tb.setLocationRelativeTo(null);
                tb.setVisible(true);
            }
        });
    }
}

E o resultado:

print da tabela em execução

O mais interessante é que, por termos definido o tipo em cada coluna, não é necessário se preocupar com problemas de cast numéricos. Por exemplo, passar letras como idade ou matricula, a tabela já se restringe quanto a isso e não aceita um dado que não seja daquele tipo. É claro que se passar um número como nome, não vai ser impedido já que o mesmo será entendido como String.


Conclusão

A classe AbstractTableModel possui outros métodos para deixar a tabela bem mais poderosa, e ainda pode-se adicionar outras funcionalidades como exclusão e adição de linhas, fazer operações com banco de dados, mas não será aprofundado por questões didáticas.

A partir do exposto, pode-se perceber que não é tão complicado implementar um TableModel, sem contar que ele facilita a manutenibilidade do código e torna nossa tabela bem mais flexível do que usando DefaultTableModel.

Claro que isto é aplicável a casos com menos complexidade, ou para fins acadêmicos, haja visto que existem componentes que facilitam e até automatizam esta criação(como os exemplos citados pelo Anthony Accioly), mas é importante entender seu funcionamento para saber manusear este componente.

  • 2
    Apenas para fins educativos, enquanto implementar um TableModel na unha é certamente um exercício interessante, na prática em 99% dos casos são atendidos por Frameworks genéricos como JGoodies Binding, Beans Binding e Glazed Lists com seus próprios modelos. No mundo JavaFX TableView, TableColumn e ObservableList também substituiram a arquitetura baseada em modelos. Na prática é raro precisar implementar um TableModel. – Anthony Accioly 4/04/16 às 16:25
  • Muito bom... Otimo código e explicações. Utilizei no Netbeans..Bingo...Perfeito Fiz varios BEANS e DAOS.. Tranquilo.. Sucesso..... Luciano Deluqui – user74298 24/04/17 às 14:49

Sua resposta

By clicking “Publique sua resposta”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy