4

Estou testando a criação de Hash usando essa classe, e vi em vários sites, inclusive no SOEn, o uso de trechos semelhante ao seguinte para criar hashs usando md5, porém sem muita explicação do funcionamento(em português, pelo menos):

    String s = "teste1234";
    MessageDigest m = MessageDigest.getInstance("MD5");
    m.update(s.getBytes("UTF-8"), 0, s.length());
    System.out.println("MD5: " + new BigInteger(1, m.digest()).toString(16));

Minha dúvida é, o que está acontecendo neste código até a criação do hash?

5

A classe MessageDigest provê funcionalidades de hashing.

O termo digest se refere a um tipo de "resumo" dos dados, ou seja, nada mais do que um hash faz, gerando uma sequência de bytes relativamente pequena independente do tamanho original dos dados.

A linha:

MessageDigest m = MessageDigest.getInstance("MD5");

Recupera uma instância que usará o algoritmo MD5 através do método factory getInstance. É análogo ao uso de outras APIs como Calendar.getInstance(), por exemplo, onde diferentes tipos de calendários podem ser retornados.

Os algoritmos que são suportados pelo Java em todas as plataformas são:

  • MD5
  • SHA-1
  • SHA-256

Agora que temos o algoritmo definido, vamos à próxima linha:

m.update(s.getBytes("UTF-8"), 0, s.length());

Na verdade isso é o mesmo que:

m.update(s.getBytes("UTF-8"));

Aqui, o método update define a mensagem que será resumida, ou seja, o conteúdo onde o hash será aplicado.

Você pode chamar este método várias vezes para compor uma mensagem mais longa, de forma é possível processar conteúdos maiores que a memória disponível.

Agora que temos o algoritmo e o conteúdo a ser processado, vamos a um trecho da última linha:

m.digest()

O método digest finaliza o processamento e retorna, neste caso, o hash MD5 da mensagem, retornando então ao estado inicial, pronto para receber um novo conteúdo e gerar um novo hash.

O retorno de digest é uma sequência de bytes representando um grande número. Então, a implementação acima usa um construtor de BigInteger para converter os bytes num número. Esse construtor recebe dois parâmetros:

  1. signum: o sinal do número, isto é, se ele é positivo ou negativo. O valor 1 trata o número como positivo.
  2. magnitude: o número em si. Quando falamos de bytes, é fácil esquecer que tudo em computação é representado numericamente em binário. O que essa rotina faz é extrair exatamente o valor representado pela sequência de bytes, ignorando qualquer formato de representação numérica, por isso é que o sinal tem que ser passado em outro parâmetro.

Logo na sequência, o método toString(radix) é chamado com o valor 16 e converte o número para um texto em formato hexadecimal (base 16).

Isso poderia ser reescrito de uma forma que, na minha opinião, fica mais evidente:

String message = "teste1234";
byte[] hash = MessageDigest.getInstance("MD5").digest(message.getBytes("UTF-8"));
System.out.println("MD5: " + new BigInteger(1, hash).toString(16));

Código funcional no IdeOne

  • Só uma dúvida, no construtor do BigInteger, você está passando 2 argumentos, fui ver na documentação e fala que o primeiro é um signum. Não entendi muito bem pela documentação, pra que serve esse parametro? – user28595 4/03/16 às 11:53
  • Testei aqui, deu erro no vetor bytes[], tipo não conhecido e não tem sugestão de import. O método digest não aceita String como parametro também. – user28595 4/03/16 às 21:41
  • @DiegoF Acabei deixando alguns erros de digitação porque estava sem um ambiente para testar, mas agora está corrigido. – utluiz 6/03/16 às 23:33
  • Também adicionei mais explicação sobre o argumento do construtor de BigInteger. – utluiz 6/03/16 às 23:37
  • Interessante esse parâmetro do toString(), testei com outras bases e ele retorna valores bem diferentes de acordo com a base. – user28595 7/03/16 às 0:27

Sua resposta

Ao clicar em “Publique sua resposta”, você concorda com os termos de serviço, política de privacidade e política de Cookies