7

Alguém teria um exemplo simples de uma Procedure PLSQL (ou local da documentação) para gerar um arquivo XML com base em um Schema (xsd) , os dados seriam gerados a partir de uma consulta SQL. Na realidade arquivos do RPS da ANS (Agência Nacional de Saúde BR).

  • 1
    Veja se ajuda você esta resposta. – gato 3/02/16 às 20:39
1

Existem algumas formas de gerar um XML no PL-SQL. Porém no caso do XSD, imagino que você deverá fazer uma validação de Schema. Então vou dividir a resposta em duas partes, primeiro em exemplos de geração de XML e por fim a validação do Schema.

Opções para gerar o XML:

1. DBMS_XSLPROCESSOR

Este exemplo utiliza CLOB para armazenar o stream que será o arquivo XML e depois o mesmo é criado e salvo na pasta indicada utilizando o pacote DBMS_XSLPROCESSOR.

DECLARE
 varClob     CLOB;
 varString   VARCHAR2(4000);

BEGIN
 -- Abre a instancia do CLOB e o coloca em modo de escrita
 dbms_lob.createtemporary(varClob, TRUE);
 dbms_lob.open(varClob, dbms_lob.lob_readwrite);

 -- Variável string para armazenar parte do XML
 varString := '<?xml version="1.0" encoding="utf-8"?>' ||
              '<root>' ||
              '<teste>Este é um teste</teste>' ||
              '</root>';

 -- Cria um XML simples de testes, pode ser dado quantos APPEND quiser e
 -- ir montando o XML durante sua rotina PL/SQL
 dbms_lob.writeappend(varClob, LENGTH(varString), varString);

 -- Aqui irá de fato gerar o arquivo físico do XML
 DBMS_XSLPROCESSOR.CLOB2FILE(varClob, '/minha/pasta/', 'teste.xml', NLS_CHARSET_ID('UTF8'));

 -- Liberar dados do CLOB da memória
 dbms_lob.close(varClob);
 dbms_lob.freetemporary(varClob);
END;

Note que neste exemplo não existe nenhum parse, ou seja, o XML é gerado de forma bruta e qualquer anormalidade não será validada e consequentemente um XML inválido, uma solução mais refinada seria efetuar o parse do CLOB para evitar que alguma falha no XML comprometesse um processo posterior. Será visto no item 4.

2. Pacote XMLGEN

Outra forma muito simples para gerar um documento XML é o uso do pacote XMLGEN. A função getXml() pega os parâmetros para a consulta SQL e o tipo de metadados (como DTD) e retorna um CLOB contendo o documento XML.

SELECT xmlgen.getXml(
  'SELECT empno "EMP_NO"
        , ename "NAME"
        , deptno "DEPT_NO"
     FROM emp
    WHERE deptno = 10'
  , 0
  ) FROM dual;

Resultado:

<?xml version = '1.0'?>
<ROWSET>
   <ROW num="1">
      <EMP_NO>7782</EMP_NO>
      <NAME>CLARK</NAME>
      <DEPT_NO>10</DEPT_NO>
   </ROW>
   <ROW num="2">
      <EMP_NO>7839</EMP_NO>
      <NAME>KING</NAME>
      <DEPT_NO>10</DEPT_NO>
   </ROW>
   <ROW num="3">
      <EMP_NO>7934</EMP_NO>
      <NAME>MILLER</NAME>
      <DEPT_NO>10</DEPT_NO>
   </ROW>
</ROWSET>

O resultado é um elemento raiz chamado ROWSET, que contém uma lista de elementos ROW. Cada elemento ROW tem o número da linha como atributo e cada elemento ROW contém os elementos EMP_NO, NAME e DEPT_NO.

3. Usando o XML-SQL Utility (XSU)

XML-SQL Utility (XSU) proporciona uma maneira simples de conseguir a transformação dos dados por meio do mapeamento de qualquer query para o XML e vice-versa. O XSU fornece a funcionalidade básica para obter e colocar dados de e para um banco de dados.

O DBMS_XMLQUERY e o DBMS_XMLSAVE são dois pacotes que oferecem suporte à geração e armazenamento de XML por meio de XML. Aqui vamos nos concentrar na geração de XML.

A geração de XML chamando a função getXML() resulta em um CLOB que contém o documento XML. Um identificador de contexto necessário na maioria das chamadas subseqüentes é criado na primeira etapa.

DECLARE
  queryCtx dbms_xmlquery.ctxType;
  result CLOB;
BEGIN
  -- set up the query context
  queryCtx := dbms_xmlquery.newContext(
    'SELECT empno "EMP_NO"
          , ename "NAME"
          , deptno "DEPT_NO"
       FROM emp
      WHERE deptno = 5'
  );

Se a definição de esquema DTD ou XML definiu explicitamente nomes de tags diferentes dos nomes das colunas, você pode alterar os nomes de tags ROW e ROWSET facilmente:

dbms_xmlquery.setRowTag(
      queryCtx
    , 'EMP'
  );
dbms_xmlquery.setRowSetTag(
      queryCtx
    , 'EMPSET'
  );

Ok, agora você está pronto para executar a consulta e gerar o resultado XML como CLOB. Um procedimento simples printClobOut() suporta a impressão de um CLOB na tela. Finalmente, o identificador de consulta deve ser fechado para liberar os recursos.

result := dbms_xmlquery.getXml(queryCtx);
printClobOut(result);
dbms_xmlquery.closeContext(queryCtx);

O resultado é algo como:

<?xml version = '1.0'?>
<EMPSET>
   <EMP num="1">
      <EMP_NO>7782</EMP_NO>
      <NAME>CLARK</NAME>
      <DEPT_NO>10</DEPT_NO>
   </EMP>
   <EMP num="2">
      <EMP_NO>7839</EMP_NO>
      <NAME>KING</NAME>
      <DEPT_NO>10</DEPT_NO>
   </EMP>
   <EMP num="3">
      <EMP_NO>7934</EMP_NO>
      <NAME>MILLER</NAME>
      <DEPT_NO>10</DEPT_NO>
   </EMP>
</EMPSET>

4. Pacote XMLDOM

O pacote XMLDOM implementa a interface DOM (Document Object Model Interface), conforme definido pelas recomendações XML do W3C. Vamos seguir um exemplo simples para discutir o uso do pacote XMLDOM.

Na seção de declaração, você precisa de um conjunto de referências DOM. O identificador DOMDocument é o mais importante. Ele será usado na maioria das chamadas subseqüentes. Além disso, você precisa de diferentes identificadores de nó DOM para referenciar o nó principal, o nó raiz, o nó do usuário e o nó do item para cada elemento. O cursor seleciona os dados que serão expostos.

DECLARE
  doc xmldom.DOMDocument;
  main_node xmldom.DOMNode;
  root_node xmldom.DOMNode;
  user_node xmldom.DOMNode;
  item_node xmldom.DOMNode;
  root_elmt xmldom.DOMElement;
  item_elmt xmldom.DOMElement;
  item_text xmldom.DOMText;
  CURSOR get_users(p_deptno NUMBER) IS
    SELECT empno
         , ename
         , deptno
         , rownum
      FROM emp
     WHERE deptno = p_deptno;

Primeiro, você cria um novo identificador de documento. Em seguida, você cria o nó principal para este documento. O elemento raiz é chamado EMPSET e anexado como nó filho ao nó principal. O identificador retornado é usado como nó raiz para chamadas subseqüentes.

BEGIN
  doc := xmldom.newDOMDocument;
  main_node := xmldom.makeNode(doc);
  root_elmt := xmldom.createElement(
      doc
    , 'EMPSET'
  );
  root_node := xmldom.appendChild(
      main_node
    , xmldom.makeNode(root_elmt)
  );

Para cada registro encontrado na consulta, um novo elemento chamado EMP é criado. O número da linha é adicionado como atributo ao elemento. Este elemento é anexado como nó filho ao nó raiz. O identificador retornado é usado como nó do usuário para chamadas subseqüentes.

FOR get_users_rec IN get_users(10) LOOP
  item_elmt := xmldom.createElement(
      doc
    , 'EMP'
  );
  xmldom.setAttribute(
      item_elmt
    , 'num'
    , get_users_rec.rownum
  );
  user_node := xmldom.appendChild(
      root_node
    , xmldom.makeNode(item_elmt)
  );

Agora os elementos de texto podem ser adicionados ao documento DOM. Na primeira etapa, um novo elemento chamado EMP_NO é criado. Este elemento é anexado como nó filho ao nó do usuário. Na segunda etapa, é criado um nó de texto que contém os dados do registro, neste caso o número do empregado. Este nó de texto é anexado como nó filho ao nó do item.

item_elmt := xmldom.createElement(
    doc
  , 'EMP_NO'
);
item_node := xmldom.appendChild(
    user_node
  , xmldom.makeNode(item_elmt)
);
item_text := xmldom.createTextNode(
    doc
  , get_users_rec.empno
);
item_node := xmldom.appendChild(
    item_node
  , xmldom.makeNode(item_text)
);

O mesmo pode ser feito com os elementos de texto NAME e DEPT_NO.

Após todos os registros terem sido processados ​​e todos os dados terem sido carregados no documento DOM, eles podem ser, por exemplo, arquivados e seus recursos liberados:

  END LOOP;
  xmldom.writeToFile(
      doc
    , '/tmp/xml/docSample.xml'
  );
  xmldom.freeDocument(doc);
END;

Observe que o pacote XMLDOM pode gravar o arquivo XML em todos os locais acessíveis pelo usuário oracle do SO, independentemente do parâmetro de inicialização atual UTL_FILE_DIR. O arquivo resultante contém as seguintes linhas:

<?xml version = '1.0' encoding = 'UTF-8'?>
<EMPSET>
   <EMP num="1">
      <EMP_NO>7782</EMP_NO>
      <NAME>CLARK</NAME>
      <DEPT_NO>10</DEPT_NO>
   </EMP>
   <EMP num="2">
      <EMP_NO>7839</EMP_NO>
      <NAME>KING</NAME>
      <DEPT_NO>10</DEPT_NO>
   </EMP>
   <EMP num="3">
      <EMP_NO>7934</EMP_NO>
      <NAME>MILLER</NAME>
      <DEPT_NO>10</DEPT_NO>
   </EMP>
</EMPSET>

Validação XSD

Para validar XML contra um XSD, primeiro você precisa registrar o XSD.

Neste exemplo, vamos usar o seguinte XML:

<order>
  <orderId> 1 </orderId>
  <customerId> 123 </customerId>
</order>

E a verificação está em conformidade com o seguinte XSD:

<xs:schema attributeFormDefault="unqualified" elementFormDefault="qualified" xmlns:xs="http://www.w3.org/2001/XMLSchema">
  <xs:element name="order">
    <xs:complexType>
      <xs:sequence>
        <xs:element type="xs:byte" name="orderId"/>
        <xs:element type="xs:byte" name="customerId"/>
      </xs:sequence>
    </xs:complexType>
  </xs:element>
</xs:schema>

(gerado usando http://www.freeformatter.com/xsd-generator.html#ad-output )

Você o registra chamando DBMS_XMLschema.registerSchema:

begin
  dbms_xmlschema.registerSchema('order.xsd',
'<xs:schema attributeFormDefault="unqualified" elementFormDefault="qualified" xmlns:xs="http://www.w3.org/2001/XMLSchema">
  <xs:element name="order">
    <xs:complexType>
      <xs:sequence>
        <xs:element type="xs:byte" name="orderId"/>
        <xs:element type="xs:byte" name="customerId"/>
      </xs:sequence>
    </xs:complexType>
  </xs:element>
</xs:schema>');
end;
/

Você pode então verificar se as instâncias XMLType estão em conformidade usando isSchemaValid. Se ele está em conformidade, então retorna 1, caso contrário retorna 0:

declare
  xml xmltype;
begin
  xml := xmltype('<order>
  <orderId>1</orderId>
  <customerId>123</customerId>
</order>');

  dbms_output.put_line(xml.isSchemaValid('order.xsd'));
end;
/

Mas isso não dá muita informação! Você pode obter mais detalhes sobre por que um documento não está em conformidade chamando XMLType.schemaValidate. Para usar isso, seu XML deve ter as informações corretas do espaço para nome.

Para fazer isso, adicione:

xmlns:xsi="http://www.w3.org/2001/XMLSchema-instance" xsi:noNamespaceSchemaLocation="order.xsd"

Faça isso e agora você receberá uma exceção se o XML não estiver em conformidade:

declare
  xml xmltype;
begin
  xml := xmltype('<order xmlns:xsi="http://www.w3.org/2001/XMLSchema-instance" xsi:noNamespaceSchemaLocation="order.xsd">
  <orderId>1</orderId>
</order>');

  xmltype.schemaValidate(xml);
end;
/

ORA-31154: invalid XML document
ORA-19202: Error occurred in XML processing
LSX-00213: only 0 occurrences of particle "customerId", minimum is 1
ORA-06512: at "SYS.XMLTYPE", line 354
ORA-06512: at line 8
31154. 00000 -  "invalid XML document" 
*Cause:    The XML document is invalid with respect to its XML Schema.
*Action:   Fix the errors identified and try again.

Com isso podemos criar uma procedure para validar o Schema XSD do XML:

CREATE OR REPLACE PROCEDURE VALIDADOR_XML(pr_xml IN xmltype) IS
/*
 * Procedure valida o xml de acordo com um schema xsd predefinido
**/
BEGIN
  dbms_xmlschema.registerSchema('order.xsd',
        '<xs:schema attributeFormDefault="unqualified" elementFormDefault="qualified" xmlns:xs="http://www.w3.org/2001/XMLSchema">
          <xs:element name="order">
            <xs:complexType>
              <xs:sequence>
                <xs:element type="xs:byte" name="orderId"/>
                <xs:element type="xs:byte" name="customerId"/>
              </xs:sequence>
            </xs:complexType>
          </xs:element>
        </xs:schema>');

  IF pr_xml.isSchemaValid('order.xsd') THEN
    dbms_output.put_line ('XML VALIDO');
  ELSE
    dbms_output.put_line ('XML INVALIDO');
    /*xmltype.schemaValidate(pr_xml);*/
  END IF;
END;

Referências

Creating XML Documents with PL/SQL

Criando um arquivo XML com Oracle PL/SQL

Oracle® XML DB Developer's Guide

Validar documentos XML com o esquema XML no Oracle PL / SQL?

Transformando e validando dados XMLType

Ask TOM - Como usar isSchemaValid() no oracle 11gr2 para validar XML contra o esquema XSD?

Valide XML no ORACLE contra um XSD usando DBMS_XMLSCHEMA e XMLTYPE.SCHEMAVALIDATE

0

Acabei de sair de um projeto que gerava um xml com base em um base no Oracle. Para isso utilizei SQLX --> https://oracle-base.com/articles/misc/sqlxml-sqlx-generating-xml-content-using-sql. As regras do xsd que tive que respetiar, fiz tudo na mão.

  • Amigo ,se eu tivesse o código não teria tópico , pedi um exemplo ou a documentação. – Motta 3/02/16 às 22:43
  • @Edvaldo Costa , grato , mas como fez para aplicar o xml ao schema ? – Motta 3/02/16 às 22:45

Sua resposta

Ao clicar em “Publique sua resposta”, você concorda com os termos de serviço, política de privacidade e política de Cookies

Esta não é a resposta que você está procurando? Pesquise outras perguntas com a tag ou faça sua própria pergunta.