2

Estou estudando PHP e me deparei com uma questão de variaveis por referencia e não entendi muito bem como ela se comporta.

function foo(&$var) {
   $var++;  
}
$a=5;
foo($a);
echo $a; // Retorna 6

Quando vi esta função eu pensei: "Ué, mas se eu fizer uma chamada normal com return $var++ também vai funcionar...

function bar($var) {
   return $var++;
}
$b=5;
bar($b);
echo $b; // Retorna 5

Não consegui entender muito bem o comportamento e o porque da primeira função realizar o incremento e da segunda função não.

6

Simplificando

Neste primeiro caso, acontece o seguinte:

function bar($var) {
   $var++;
   return $var;
}
$b = 5;
echo bar( $b ); // Mostra 6 - valor do return
echo $b;        // Mostra 5 - valor do $b
  • é atríbuido 5 a $b.
  • você chama a função bar, passando o valor 5 a ela.
  • o valor 5 é guardado em $var, que é incrementada.
  • você dá echo em $b, que nunca deixou de ser 5.

Veja a diferença. Usei as mesmas variáveis que o caso anterior para simplificar:

function bar( &$var ) {
   $var++;
   return $var;
}
$b = 5;
echo bar( $b ); // Mostra 6 - valor do return
echo $b;        // Mostra 6 - valor do $b
  • é atríbuido 5 a $b.
  • você chama a função bar, passando a variável $b para ela.
    (isto acontece graças ao &, que pegou a referência e não o valor).
  • $b é a mesma coisa que $var, e incrementado.
  • você dá echo em $b, que foi incrementado dentro de bar
    (através do seu "nome alternativo" $var, que passou a ser o nome de $bna função).

Em resumo, no primeiro caso, $var é criado dentro da função com valor 5. No segundo caso, $var é $b com um nome novo.


Complicando

Eu mudei os exemplos acima para usar as mesmas variáveis, e pus o incremento numa linha separada, para não cair nessa confusão:

function bar( &$var ) {
   return $var++;
}

$b = 5;
echo bar( $b ); // Mostra 5 - valor do return
echo $b;        // Mostra 6 - valor do $b

Notou algo estranho? É isso mesmo, veja no IDEONE.

O resultado estranho no primeiro echo não tem nada a ver com ser por referência ou não, e sim com o fato de estarmos incrementando $var DEPOIS do return. Se fosse ++$var, as duas linhas mostrariam 6.

Apesar de não ser parte da pergunta, achei melhor comentar pois se a função da pergunta fosse testada com echo no retorno, poderia atrapalhar o entendimento.

Em resumo: neste caso, passamos $b para a função. Na função retornamos $var, que é o $b fora da função, ou seja, 5. Depois do return é aplicado o ++, que incrementou $b (chamado de $var dentro da função).

3

Funções onde os parâmetros tem um & significa que você deve passar uma variável com um valor simples não funciona. Passagem por referência significa que a variável passada terá seu valor alterado pela função, se ela for destruida dentro da função e você fizer algumação ação nela após a execução, um erro será gerado.

function foo(&$var) {
   $var++;  
}
foo(5);//erro.

Passagem de argumento por valor significa que variável ou valor passado será copiada para função e seu 'original' continuará sem modificações.

Exemplo 1

function porReferencia(&$arg){
    $arg = 'modificado por referência';
}

$argOriginal = 'original';
referencia($argOriginal);
echo $argOriginal; //modificado por referência

Exemplo 2

function porValor($arg){
    $arg = 'modificado por valor';
    return $arg;
}

$arg = 'original';
porValor($arg);
echo $arg; //original

Com algumas exceções, uma função deve apenas modificar os valores passados como argumento(cópia) e suas variáveis internas e não variáveis fora de seu escopo(globais), as alterações devem ser retornadas, dessa forma não se perde o conteúdo original caso seja necessario usa-lo ou compara-lo como no exemplo 2

Em outras linguagens é possível montar um exemplo interessante onde você passar uma variável ou objeto para um função/método e dentro dela destroi o a referência, depois da chamada tenta acessar essa variável e um erro geral dizendo que o identificar nunca existiu.

  • mas e se eu colocar uma variável antes da função e mudar o valor dela depois da função, qual o valor sera considerado para mudança? – RFL 14/01/16 às 12:36
  • @RafaelAcioly, a edição responde o seu comentário? – rray 14/01/16 às 12:51
3

A passagem por referencia creio ser uma das coisas mais legais que se tem na programação.
Creio que uma das perguntas que se deve fazer quando se estuda isso seja :

  • Referencia para que?

Memoria

Imagine que quando você esta programando e faz uma atribuição a variavel : $var = 5;, você não esta simplesmente atribuindo 5 a uma variavel $var, você esta reservando um local na memoria de seu computador que tera como alias o nome $var e ele local vai possuir o valor 5.

 0050 | 0051 | 0052 | 0053 | 0054 | 0055 | 0056     <-- possição da memoria
      |      | $var |      |      |      |          <-- alias
      |      |   5  |      |      |      |          <-- valor/referencia

O alias na verdade é apenas um acesso para o conteudo da possição 0052 da memoria.

Quando você gera um passagem por referencia você esta dissendo que o conteudo daquela possição de memoria não é um valor, mas uma referencia para um local que tem o valor. É meio complicado mas seria basicamente assim :

$b = &$var;

 0050 | 0051 | 0052 | 0053 | 0054 | 0055 | 0056     <-- possição da memoria
      |      | $var |      |  $b  |      |          <-- alias
      |      |   5  |      | 0052 |      |          <-- valor/referencia

Agora quando você acessar $b eĺe não vai exibir 0052, pois ele é um referencia, ele vai ate a referencia e pegar seu valor no caso 5.

Dessa forma se o conteudo da possição 0052 for alterado tanto $var como $b serão alterados. Lembrando que você pode alteralo tanto por $var como por $b.

$var = 7;

 0050 | 0051 | 0052 | 0053 | 0054 | 0055 | 0056     <-- possição da memoria
      |      | $var |      |  $b  |      |          <-- alias
      |      |   7  |      | 0052 |      |          <-- valor/referencia

$b = 10;

 0050 | 0051 | 0052 | 0053 | 0054 | 0055 | 0056     <-- possição da memoria
      |      | $var |      |  $b  |      |          <-- alias
      |      |  10  |      | 0052 |      |          <-- valor/referencia

Função

Quando você gera um função, as variaveis que você cria como parametro geram uma possição na memoria, se eles não forem do tipo referencia, ela aguardam para recebem um valor, se forem do tipo referencia pegar a referencia da variavel passada.

function teste($a){

}

 0080 | 0081 | 0082 | 0083 | 0084 | 0085 | 0086     <-- possição da memoria
      |      | $a   |      |      |      |          <-- alias
      |      |      |      |      |      |          <-- valor/referencia

teste($var);

 0080 | 0081 | 0082 | 0083 | 0084 | 0085 | 0086     <-- possição da memoria
      |      |  $a  |      |      |      |          <-- alias
      |      |   5  |      |      |      |          <-- valor/referencia


function teste(&$a){

}

 0080 | 0081 | 0082 | 0083 | 0084 | 0085 | 0086     <-- possição da memoria
      |      | $a   |      |      |      |          <-- alias
      |      |      |      |      |      |          <-- valor/referencia

teste($var);

 0080 | 0081 | 0082 | 0083 | 0084 | 0085 | 0086     <-- possição da memoria
      |      |  $a  |      |      |      |          <-- alias
      |      | 0052 |      |      |      |          <-- valor/referencia

Assim $a dentro da função altera o local da memoria 0052, alterando o conteudo definitivamente.

  • Explicação melhor seria impossível, obrigado. – RFL 14/01/16 às 16:06
  • @RafaelAcioly Obrigado :D – Guilherme Lautert 14/01/16 às 16:08
  • 1
    O último exemplo não seria teste(&$var);? Lembrando que o PHP proibiu passagem por referência no momento da chamada, do lado de quem chama. – bfavaretto 14/01/16 às 17:01
  • @GuilhermeLautert Eu tinha entendido mal seu exemplo, agora entendi direito e vou excluir os comentários aqui. Esse erro que você viu foi exatamente o que eu disse que o PHP proibiu. – bfavaretto 14/01/16 às 19:55
1

Levei anos para entender porque sempre evitei usar e também por não entender o uso prático em situações reais. E também por não ter tido interesse.

Eu sempre via exemplos com parâmetros em funções function foo(&$var) { mas eu não compreendia o motivo de usar isso pois posso fazer usando global ou propriedade estática de uma classe.

Há alguns anos atrás vi um exemplo de uso muito diferente e simples, usando array. Aquilo me despertou interesse em entender o uso desse recurso de parâmetros por referência.

O exemplo com array que vi foi algo como isso:

    $arr = array(0 => 'a', 1 => 'b', 2 => 'c');

    print_r($arr);

    /*
Array
(
    [0] => a
    [1] => b
    [2] => c
)

    */

    $foo = &$arr[0];
    $foo = 'a modified';

    print_r($arr);

    /*
Array
(
    [0] => a modified
    [1] => b
    [2] => c
)

    */

Veja como o $foo passa a agir como uma referência ou seja, como um atalho (alias) do array que recebeu na sua declaração.

Qualquer coisa que $foo receber, será "espelhado" diretamente em $arr[0].

Isso facilita muito na manipulação de arrays multidimensionais.

Há outros usos diversos, conforme citado nas outras respostas.

Quando pensar em atribuições por referência, sempre imagine uma variável "fake" onde o valor é meramente um link no endereço de memória, ou seja, um alias (atalho).

Sua resposta

By clicking “Publique sua resposta”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Esta não é a resposta que você está procurando? Pesquise outras perguntas com a tag ou faça sua própria pergunta.