5

Em orientação a objetos, geralmente se cria a classe primeiro e depois se instancia a mesma.

Exemplo PHP:

class Test{
    public function __construct()
    {
        // inicia as parada aqui
    }
}

$test = new Test;

Porém no Lua parece me sempre que uma table é atribuída a variável através do {} e, em seguida, são criados métodos e propriedades.

  • Existe construtor e instância em relação às table de Lua?

  • Como se dá uma declaração de um método (ou função, não sei como a linguagem chama) de uma table?

5

Não tem o construtor formalmente. É possível criar uma função que seja um construtor para aquele objeto. É algo bem manual. Os métodos são criados como funções com "sobrenome". Um exemplo:

local MyClass = {}
MyClass.__index = MyClass    
function MyClass.new(init)
    local self = setmetatable({}, MyClass)
    self.value = init
    return self
end

function MyClass.set_value(self, newval)
  self.value = newval
end

function MyClass.get_value(self)
  return self.value
end

local i = MyClass.new(5)
print(i:get_value())
i:set_value(6)
print(i:get_value())

Fonte.

Note que os nomes dos métodos são convenções apenas.

Informação complementar.

  • Então foi daí que eu vi o tal do método :new – Wallace Maxters 11/12/15 às 15:35
3

Uma coisa importante a se lembrar é que Lua não é orientada a objetos. Não existem classes propriamente ditas.

Lua funciona mais como a "orientação a objetos" do JavaScript (versões mais antigas dele, pelo menos), onde você mexia no ".prototype" do objeto.

Mas Lua é flexível ao ponto de poder "simular" orientação a objetos com algumas de suas construções.

Você pode começar definindo a sua "classe" (que, lembre-se, é um objeto mesmo. Não existem classes).

local Quadrado = {}
Quadrado.__index = Quadrado

A primeira linha simplesmente cria uma tabela vazia. Depois vamos colocar uns atributos e métodos nela. O importante aqui é a segunda linha. O __index passa todas as indexações (Classe[x], Classe.x) para a própria tabela. Isso vai fazer sentido no próximo bloco de código.

Agora, vamos definir um construtor:

function Quadrado:novoQuadrado(tamanhoLado)
    return setmetatable({lado = tamanhoLado}, Quadrado)
end

A mágica é feita no setmetatable. Observe que estou retornando uma nova tabela, com um atributo lado ({lado = tamanhoLado}, e passando minha definição de Quadrado como a metatable dele.

Uma metatable é uma forma de alterar o comportamento de uma tabela. Um bom exemplo disso, é definir duas tabelas, a e b, e tentar somá-las a + b. Lua não sabe fazer isso, mas ela vai olhar nessas metatables das tabelas. Se alguma delas tiver um método no índice __add, Lua vai usar esse método para fazer a soma (algo como a:__add(b)).

Lembra do __index que mudamos lá em cima? É o mesmo esquema. Estamos mandando nosso Quadrado ir procurar indexações no próprio Quadrado. Quando se usarmos um Quadrado.area, que definiremos daqui a pouco, Lua vai procurar esse índice (ou atributo, ou campo) na tabela Quadrado, e encontrar Quadrado.area. Isso não faz sentido? Mas lembra que passamos o Quadrado como metatable? Então todos os objetos que criarmos usarão Quadrado como metatable, e vão procurar suas indexações da mesma forma (Quadrado.area). Não sei se deu pra entender o que quero dizer :(

Para definir um método, podemos usar a seguinte sintaxe:

function Quadrado:area()
  return self.lado * self.lado
end

Essa sintaxe Quadrado:area é só syntatic sugar para

function Quadrado.area(self)

Agora é só usar a nossa "classe":

local q = Quadrado:novoQuadrado(10)
print(q:area()) -- 100

O q:area é syntatic sugar para q.area(q) (lembra que alteramos a metatable? Isso está usando o area do Quadrado). Ainda não sei se deu pra entender, mas é isso.

Então, respondendo suas perguntas:

  • Não, não existe um construtor, porque não existe uma classe. O que existe é a função que nós convencionamos como construtor (Quadrado:novoQuadrado).
  • O método é declarado com a alteração na metatable.
  • É importante notar que estamos usando dois "objetos" (duas tabelas, Quadrado e q), e não uma classe e um objeto.

Claro, faz tempo que não estudo Lua, e não sei se tem evoluções nesse esquema. Mas na minha época era assim.

Sua resposta

By clicking “Publique sua resposta”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Esta não é a resposta que você está procurando? Pesquise outras perguntas com a tag ou faça sua própria pergunta.