3

Recebi a tarefa de tornar esta função recursiva, mas não faço a mínima ideia de como fazer isso.

int existe (int x){
    FILE *arq;
    int y;
    char buf[MAX];
    arq = fopen ("cliente.txt","r"); 
    fgets (buf,MAX,arq);
    while (!feof(arq)){
          y = atoi(strtok(buf,";"));
          if (x==y){
            fclose (arq);
            return 1;      
          }

        fgets (buf,MAX,arq);
    }
    fclose (arq);
    return 0;
  • 2
    Ela não pode ser recursiva, é possível usar recursão em parte dela. Mas aí entra a questão, pra que? Vai ganhar alguma coisa com isto? Fazer recursão por fazer não é um bom motivo. O principal motivo para fazer isto é quando é intuito fazer recurso. Se está com dificuldade para fazê-lo, então é porque não precisa. Sinceramente, neste caso eu nem perderia tempo em tentar fazer. É melhor fazer sem ser recursivo mesmo. O algoritmo parece sequência e não recursivo. Qualquer tentativa fará o algoritmo ficar pior. – Maniero 29/11/15 às 20:17
  • 7
    @bigown: Não precisa ficar perguntando a utilidade... essa tarefa é claramente um exercício. – hugomg 29/11/15 às 21:26
  • 2
    Isso é algum exercício? Quais os requisitos? Em outras palavras, que tarefa exatamente precisa ser recursiva? (a leitura e tratamento de um único token?) – mgibsonbr 29/11/15 às 21:27
  • 2
    @hugomg mesmo que seja, é mau formulado. A minha resposta seria "é melhor deixar assim do que aprender fazer coisa errada". – Maniero 29/11/15 às 21:35
  • 5
    A pergunta do OP está faltando detalhes mas discordo que esteja mal formulada. Quem passou a tarefa simplesmente quer ver se o OP sabe como substituir loops por recursão (isso é algo útil de saber, mesmo que o mais comum seja fazer essa conversão na direção oposta). – hugomg 29/11/15 às 21:40
4

O que se repete na função é o ciclo while

    while(!feof(arq)) {
        y = atoi(strtok(buf, ";"));
        if (x == y) {
            fclose(arq);
            return 1;
        }
        fgets(buf, MAX, arq);
    }

Portanto é isto, com ligeiras alterações, que é preciso substituir

int existe(int x) {
    FILE *arq;
    arq = fopen("cliente.txt", "r");

    int value = existe_rec(x, arq);

    fclose(arq);
    return value;
}

int existe_rec(int x, FILE *arq) {
    char buf[MAX];
    if (!fgets(buf, sizeof buf, arq)) return 0;
    if (atoi(buf) == x) return 1; // strtok nao é necessário
    return existe_rec(x, arq);
}

NB: falta validação de erros (que também não estava presente na versão original)!

4

Ao invés de oferecer o código-fonte pronto, que não ajuda em nada se você precisar escrever novas funções recursivas no futuro, vou dar dicas sobre como implementar uma função recursiva.

Qualquer função recursiva possui as 4 partes abaixo, implementadas nesta ordem:

  1. Uma decisão para continuar ou parar a execução baseada em um dado de controle, avaliado através de uma expressão condicional. O dado de controle é normalmente passado para a função como parâmetro;
  2. Um corpo, onde o trabalho é feito.
  3. Uma forma de alterar o(s) dado(s) de controle: as vezes alterando um contador, ou mais frequentemente alterando qual da estrutura é o atual;
  4. Uma forma de fazer um retrocesso no fluxo de execução para voltar ao início: alcançado ao invocar a própria função novamente.

Por exemplo, a função a seguir imprime na tela (de forma recursiva) valores de N até 1:

void countdown(int N)
{
    // 1 - Decisão para parar/continuar
    if (N < 1)
        return;

    // 2 - Corpo
    printf(“%d\n”, N);

    // 3 - Alterar o dado de controle
    N--;

    // 4 - Retrocesso no fluxo de execução
    countdown(N);    
}
  • 1
    Siga essas 4 regras sempre que precisar implementar qualquer função recursiva. – karlphillip 2/12/15 às 23:21
  • 1
    +1 quebrar o problema em partes e seguir este fluxo é sucesso! – Gabriel Rodrigues 3/12/15 às 0:08

Sua resposta

By clicking “Publique sua resposta”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Esta não é a resposta que você está procurando? Pesquise outras perguntas com a tag ou faça sua própria pergunta.